Contributions of cognitive sciences and affectivity in interaction with autistic children: pedagogical considerations

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29457

Keywords:

Cognitive Sciences; Autism; Affectivity; Teaching; Learning.

Abstract

In this work, we will discuss how the care of the autistic subject happens and if it takes into account the functioning of the cognition of knowledge of this individual since the way the brain works implies its intellectual development, thus, we will reflect on the potential contribution of the neurosciences for educational practices aimed at children with Autism Spectrum Disorder (ASD), as supported by cognitive sciences, professionals who work with the child (teachers, therapists, others), as well as the family themselves, will be able to better understand the process of her learning. For that, we are theoretically based on authors such as Cosenza, Silva, Fonseca, Wallon, Piaget, Souza who explain about the cognitive sciences, neuroplasticity, neuropsychology, learning and affectivity. In the methodology, a qualitative approach was used, of a bibliographic nature of the field research type, having as an instrument of data collection online questionnaires with closed and open questions. From the data analysis, it was concluded that knowledge in the area of cognitive sciences can be used as a favorable resource for the intellectual and social development of the child with ASD, as well as affectivity, since affection is able to promote balance between cognitive structures and may even promote the development of new structures to solve some difficulties presented by children and promote learning.

References

André, M. (2013). O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA. Educação e Contemporaneidade.

Caldeira, D. G. A. (2018). Desenvolvimento cognitivo e afetivo da criança autista: um estudo psicogenético. 136 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis.

Carvalho, R. E. (2006). Educação inclusiva: com os pingos nos "is". (4a ed.), Ed. Meditação.

Cortelazzo, I. B. de C. (2000). Ensinar e Aprender: as duas faces da educação. In: Colaboração, Trabalho em Equipe e as Tecnologias de Comunicação: Relações de proximidade em cursos de pós-graduação. Tese de Doutorado – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Cosenza, R. M., & Leonor, B. G. (2011). Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Artmed.

Czermainski, F.R. (2012). Avaliação neuropsicológica das funções executivas no transtorno do espectro do autismo. Dissertação de mestrado. Porto Alegre.

Demo, P. (2000). Metodologia do conhecimento científico. Atlas.

Fonseca, V. da. (2011). Cognição, neuropsicologia e aprendizagem: abordagem neuropsicológica e psicopedagógica. (5a ed.), Vozes.

Lacerda, C. C. (2009). Problemas de aprendizagem no contexto escolar: dúvidas ou desafios? http://www.psicopedagogia.com.br/index.php/941-problemas-deaprendizagem-no-contexto-escolar-duvidas-ou-desafios. Santiago – RS.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. de A. (2001). Metodologia do trabalho científico. (6a ed.), Atlas.

Machado, M. G., Oliveira, H. A., Cipolitti, R., Augusta, C., Moreno, G., & Oliveira, E. F. (2003). Alterações anátomo-funcionais do sistema nervoso central no transtorno autístico. Um estudo com RNM e SPECT.

May, T. (2004). Pesquisa social: questões, métodos e processos. Artmed.

Nylan, J. J. A. O. L., Silva, F. J. A da., Sila, R. S., Santos, S. B dos., Queiroz, V. M de., Souza, L. M. V., Viveiros, V. V., Passos, A. L de. O., Neto, A de. O. S., Santos, D. T dos., & Schütz, J. A. (2022). O uso de tecnologia no desenvolvimento de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Research, Society and Development, 11(3), e44911326629- e44911326629. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26629

Piaget, J. (2014). Relações entre a afetividade e a inteligência no desenvolvimento mental da criança. Tradução e organização: Cláudio J. P. Saltini e Doralice B. Cavenaghi. Rio de Janeiro: Wak.

Silva, A. B. B., Gaiato, M. B., & Rveles, L. T. (2012). Mundo singular: entenda o autismo. Objetiva.

Souza, N. M. R de., Mescouto, S. do R., Oliveira, F. P de., Braun, H. S. F., & Cruz, N. S. (2022). O Transtorno do Espectro Autista e a Educação Infantil: o que dizem as dissertações dos Programas de Pós-Graduação em Educação. Research, Society and Development, 11(5), e54511528560- e54511528560. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i5.28560

Souza, M. do R. (2003). A questão afetiva se bem entendida ajudará seu filho para que tenha êxito na escola. http://www.epub.org.br/svol/artigo53.htm

Tassoni, E. C. M. (2000). Afetividade e aprendizagem: a relação professor-aluno. IN: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23, 2000, Caxambu-MG. Anais da Reunião Anual da ANPED. Caxambu: ANPED. http://23reuniao.anped.org.br/textos/2019t.pdf

Travi, M. G. G., Lisiane, M. de O. M., & Geraldine, A. dos S. (2009). A escola contemporânea diante do fracasso escolar. Revista Psicopedagogia; 26(81): 425-34. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862009000300010

Valente, J. A.; & Almeida, M. E. B. (2014). Narrativas digitais e o estudo de contextos de aprendizagem. Revista Em Rede. https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/10

Vygotsky, L. S. (1991). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. (4a ed.), Martins Fontes.

Wallon, H. (1968). “A evolução psicológica da criança”. Martins Fontes. https://drive.google.com/file/d/0B3GQrRvm4KXOSmUwZ18wRUs3YWc/view?resourcekey=0-feV5rBGLqoc9Eb3lvha8PA

Published

07/05/2022

How to Cite

SANTOS, Q. C. dos; ALVES, V. A.; MARTINS, V. L. . Contributions of cognitive sciences and affectivity in interaction with autistic children: pedagogical considerations. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e51211629457, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29457. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29457. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Education Sciences