Assessment of mobility and the impact of displacement of Civil Engineering students at UniCerrado

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29838

Keywords:

Social movements; Mobilidade urbana; Antagonism; Educational pole.

Abstract

Goiatuba is a Brazilian municipality, located in the state of Goiás, in the central and western part of the country. The Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) estimates that the region belongs to the Meia Ponte micro-region, with a population of 34,307 inhabitants in 2021. Goiatuba a city becomes a hub of a micro-region, with this it begins to attract people from cities and regions neighbors in search of the opportunity to become professional, because the municipality has a teaching unit UNICERRADO at the university center of Goiatuba. The research will address student movements at a regional and local level, analyzing the paths in which they are submitted. Urban mobility refers to the conditions of vehicular displacement and people in the territory in search of goods and services that generate opportunities, qualifications and work. The study aims to show the importance of the quality of urban mobility at the local and regional level, in order to minimize impacts arising from the traffic flow of UNICERRADO students. As can be seen, urban traffic does not cover only at the local city level, but at the regional level, including urban agglomerations and micro-regions. We have seen that student migrations and commuting are far beyond the act of coming and going of students, they are movements that allow different people an aspect of better quality of life, through study.

Author Biographies

Everton Snayder Nunes Barros, Centro Universitário de Goiatuba

Resultados de tradução    

Noam Alves Martins Marson, Centro Universitário de Goiatuba

civil engineering program

References

Araraquara. Secretaria de desenvolvimento urbano. (2005). Revisão da Lei complementar 350/2005. Mobilidade urbana regional. COMPUA.

Brasil. DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. (2018) ICM 2018. Disponível em:< https://www.gov.br/dnit/pt-br>

Carlos, A. F. A. (2018). A condição espacial. Contexto.

Cava, F. (2018). O que é a Avaliação Funcional dos Pavimentos. <https://alemdainercia.com/2018/07/11/o-que-e-a-avaliacao-funcional-dospavimentos/>

Chieregatti, C. M. (2016). A Mobilidade Urbana de Brasília: Um Estudo Descritivo em Comparação com as Propostas de uma Cidade Inteligente. Trabalho de Conclusão de Curso em Administração, Universidade de Brasília, Brasília.

Comune de Torino. (2020). Città di Torino. Trasporti e viabilità. http://www.comune.torino.it/trasporti/mobilita-intelligentesostenibile/index.shtml.

Cruz, W. (2014). A pirâmide inversa do tráfego. Vadebike. https://vadebike.org/2012/01/a-piramide-inversa-do-trafego/>

Feitosa, Z.O. (2017). Modelo das motivações conscientes e não conscientes do uso do automóvel com base na teoria do comportamento planejado. 2017. Tese (Doutorado em Transportes), Universidade de Brasília, Brasília.

Ferreira, S. (2013). Na lente da história. Manhuaçu. < http://nalentedahistoria.blogspot.com/>.

Genari, D., Costa, L. F., Savarls, T. P., & Macke, J. (2018). Smart Cities e o Desenvolvimento sustentável: Revisão da literatura e perspectivas de pesquisas futuras. Revista de Ciências da Administração, 20(51), 69-85. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2018v20n51p69.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Honorato, A.E.O., Silva, L.F., Nascimento, A.M.A., & Florêncio, R.C. (2015). A percepção dos usuários de transporte público coletivo sobre a qualidade do serviço na cidade de Mossoró-RN. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção,XXXV, Fortaleza-CE. http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STO_207_232_26576.pdf. Acesso em: 10 de dez. 2021.

IBGE, 2015. https://m.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/03/1607734-mais-de-metade-dos-brasileiros-vive-em-nucleos-de-cidades-relacionadas.shtml

Mann, E. & Abraham, C. (2012). Identifying beliefs and cognitions underpinning commuters1 travel mode choices. Journal of Applied Social Psychology, v. 43, n.11, p. 2730-2757.

Meotti, A. F., & Silva, A. de S. Formas criativas de mobilidade urbana. (2016). Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades. (2016). 04(26), 136 - 146.

Ministério das cidades. (2015). PlanMob. Caderno de referência para elaboração de plano de mobilidade urbana. http://www.cidades.gov.br/images/stories/ArquivosSE/planmob.pdf>.

Moura, R., Branco, M. L. C., & Firkowski, O. L. C. de F. (2005). Movimento pendular e perspectivas de pesquisas em aglomerados urbanos. São Paulo: Revista São Paulo em Perspectivas, 19(4), 121-133.

Oliveira, S. B. (2020). A condição socioespacial da classe trabalhadora: Transporte e cotidiano da mobilidade perversa na metrópole de São Paulo. (Tese de Doutorado). IFCH UNICAMP.

Paraná. Ministério Público do Estado do Paraná. (2017). Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Habitação e Urbanismo do Estado do Paraná. Transporte e Mobilidade Urbana. http://www.urbanismo.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=4>.

Pena, R. F. A. (2016). "Mobilidade urbana no Brasil". Brasil Escola. https://brasilescola.uol.com.br/geografia/mobilidade-urbana-no-brasil.htm

Ribeiro, M.G., & Rodrigues, L.C.Q. (2013). Capítulo1: Procedimentos Metodológicos do Índice de Bem Estar Urbano. In Luiz César de Queiroz Ribeiro; Marcelos Gomes Ribeiro. (Org.). IBEU – Índice de Bem-Estar Urbano. 1ed. Rio de Janeiro: Letra Capital, 1, 14-30. http://ibeu.observatoriodasmetropoles.net/sobre.

Rubim, B. & Leitão, S. (2013). O Plano de Mobilidade Urbana e o Futuro das Cidades. Folha de São Paulo, São Paulo.

Santini, D. (2019). Passe Livre: As possibilidades da tarifa zero contra a distopia da Uberização. Autonomia Literária/Fundação Rosa Luxemburgo.

Sbctrans. (2012). Afinal, o que é mobilidade urbana? https://mobilidadehumana.wordpress.com/2012/10/24/afinal-o-que-e-mobilidade-urbana/

Stamm, C., & Staduto, J. A. R. (2008). Movimentos pendulares das cidades interioranas de porte médio de Cascavel e Toledo, no Paraná. Revista Brasileira De Estudos De População, 25(1), 131–149. https://www.rebep.org.br/revista/article/view/178, 2008.

Tavares, J. M. da S. (2016). Movimentos pendulares de estudantes na região norte fluminense. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional, Campos dos Goytacazes.

Published

29/05/2022

How to Cite

BARROS, E. S. N. .; MARSON, N. A. M. . Assessment of mobility and the impact of displacement of Civil Engineering students at UniCerrado. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e39311729838, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29838. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29838. Acesso em: 6 jul. 2022.

Issue

Section

Engineerings