Peircean semiotics: Building possible paths for understanding the appropariation and resignification of national symbols

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29938

Keywords:

Semiotics; National symbols; Resignification.

Abstract

This theoretical essay aims to reflect on the appropriation and resignification of national symbols in the light of Peircean semiotics. For this, we seek to elucidate about the theoretical field of Peirce's American semiotics and the resignification of national symbols with regard to the History of the Present Time and the political conjuncture of Brazil, having as a cut the civil/military coup of 1964, the redemocratization process, the impeachment of Fernando Collor de Mello, the 2013 protests and the current political period. It is observed that, throughout history, although several movements have used national symbols, currently, this appropriation is restricted to the extreme right, in such a way that its use is directly associated with this aspect. It is understood that national symbols relate to the feeling of belonging, the idea of national unity and political pluralism. Thus, it is argued that the appropriation of the country's national symbols belongs to all Brazilians, without distinction of political-party or ideological affiliation.

Author Biography

Auxilia Ghisolfi Freitas, Pesquisadora

Professora Mestre em História Social das Relações Políticas e licenciada em História pela Universidade Federal do Espírito Santo. Graduada em Relações Internacionais pela Universidade Vila Velha.

References

Almeida, A. S. (2020). A Copa de 1970 nos folhetos de cordel: poesia, futebol e política em tempos de ditadura. Revista Tempo e Argumento, [S. l.], 12 (30), 1-34. https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180312302020e0208

Alves, L. M. (2016). O signo: elementos semióticos de Peirce. Ensaios e Notas. https://wp.me/pHDzN-38G

Alves, F. A. & Boni, P. C. (2011). Os “caras-pintadas”: o fotojornalismo como elemento construtor da memória. Conexão – Comunicação e Cultura UCS, 10 (9), 161-178. http://www.ucs.com.br/etc/revistas/index.php/conexao/article/download/657/859

Arenado, Y.; Cavalheiro, S.; Oliveira, E. & Rubio, T. (2016). Movimentos sociais: “caras pintadas” e “vem pra rua”. In 14º Evento Científico Cultural Interinstitucional: o empoderamento do indivíduo, Anais… Faculdade Assis, Gurgacz, Toledo, Paraná. https://www.fag.edu.br/upload/ecci/anais/5b91289bb099b.pdf

Bédarida, F. (2006). Tempo Presente e Presença na história. In M. M Ferreira & J. Amado (Orgs.), Usos e Abusos da História Oral (219-230). Editora da FGV.

Bloch, M. L. B. (2001). Apologia da História ou, o ofício do historiador. Zahar.

Chauí, M. & Nogueira, M. A. (2007). O pensamento político e a redemocratização do Brasil. Lua Nova, 71, 173-228. https://www.scielo.br/pdf/ln/n71/05.pdf

Calulinho (canal do Youtube). (2009). Fafá de Belém canta “Menestrel das Alagoas” – Diretas-Já 1984 (3,19 minutos). Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=DlIC_3X0p4k

Delacroix, C. (2018). A história do tempo presente, uma história (realmente) como as outras? Tempo e Argumento, 10 (23), 39‐79.

Delgado, L. A. N. (2007). A campanha das Diretas Já: narrativas e memórias. In Associação Nacional de História - ANPUH, XXIV Simpósio Nacional de História, Anais … Unisinos, São Leopoldo. https://anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548210564_84d38c9cfe41bf5923ff197bcd787740.pdf

Dias, R. F. (2016). Tancredo Neves e a redemocratização do Brasil. Temporalidades - Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFMG, 7 (3), 249-274. https://periodicos.ufmg.br/index.php/temporalidades/article/view/5654/3587

Fico, C. (2012). História do Tempo Presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis: o caso brasileiro. Varia História, 28 (47), 43-59. www.scielo.br/j/vh/a/P7RGYBDbYn755mZRVGq3vGx/?lang=pt&format=pdf

Fico, C. (2004). Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Revista Brasileira de História [online], 24 (47), 29-60. https://doi.org/10.1590/S0102-01882004000100003

Fontelles, M. J.; Simões, M. G.; Farias, S. H. & Fontelles, R. G. S. (2009). Metodologia da pesquisa científica: Diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Núcleo de Bioestatística Aplicado à pesquisa da Universidade da Amazônia – UNAMA. https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/150/o/Anexo_C8_NONAME.pdf

Fonseca, C. (2019). Camiseta clássica da Seleção Brasileira ganha tons políticos e divide torcedores – Presente em manifestações desde 2015, camisa amarela desperta sentimentos opostos e alheios ao futebol. GZH Porto Alegre, Canarinho no palanque. https://gauchazh.clicrbs.com.br/porto-alegre/noticia/2019/06/camiseta-classica-da-selecao-brasileira-ganha-tons-politicos-e-divide-torcedores-cjxdwc1zz01c701pkcrrsnwps.html

Freitas, A. G. (2008). Propostas de política externa do Partido dos Trabalhadores para o governo da República: da crítica anti-sistêmica ao pragmatismo (1980-2002) (Dissertação de Mestrado, Programa de pós-graduação em História Social das Relações Políticas, Universidade Federal do Espírito Santo).

Gandra, A. (2014). “Brasil, ame-o ou deixe-o”: regime divide sociedade com exílios e cassações. Agência Brasil, Política. https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2014-03/brasil-ame-o-ou-deixe-o-regime-divide-sociedade-com-exilios-e-cassacoes

Gramsci, A. (2007). Cadernos do Cárcere (v. 3). Civilização Brasileira.

Gruppi, L. (1978). O Conceito de Hegemonia em Gramsci. Graal.

Lopes, J. C. S. (2013). “Caçador de marajás” e os “Caras Pintadas”: A participação do movimento estudantil no impeachment de Fernando Collor de Mello através do jornal Folha de São Paulo. In XXVII Simpósio Nacional de História: conhecimento histórico e diálogo social, Anais… Natal/RN. http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364740744_ARQUIVO_TextoJoyceCristineSilvaLopes.pdf

Magalhães, A. (s/d). Votação da emenda Dante de Oliveira mobilizou todo o país. Rádio da Câmara, Reportagem Especial. ttps://www.camara.leg.br/radio/programas/316130-votacao-da-emenda-dante-de-oliveira-mobilizou-todo-o-pais-0812/

Martins, L. (2010). Estado Novo. FGV CPDOC. http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/estado-novo

Melo, D. P. & Melo, V. P. (s/d). Uma introdução à semiótica peirceana. Universidade Estadual do Centro-Oeste. http://repositorio.unicentro.br:8080/jspui/bitstream/123456789/953/5/Uma%20introdu%C3%A7%C3%A3o%20%C3%A0%20semi%C3%B3tica%20peirceana.pdf

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio-teórico? RAC – Revista de Administração Contemporânea, 15 (2), 320-332. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000200010

Moreira, M. E. L. (1992). Caras pintadas. FGV CPDOC. http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/caras-pintadas

Moura, M. (2020). Símbolos nacionais representam a identidade de uma nação, diz consultor. Senado Notícias. https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/09/17/simbolos-nacionais-representam-a-identidade-de-uma-nacao-diz-consultor

Mudrovcic, M. I. (2007). El debate en torno a la representación de acontecimientos límite del pasado: alcance del testimonio como fuente. Diánoia, LII (59), 127-150. http://dianoia.filosoficas.unam.mx/index.php/dianoia/article/view/307/307 .

Noth, W. (2005). Panorama da semiótica: de Platão a Peirce. Annablume https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5126571/mod_resource/content/1/panorama%20da%20semiotica-%20platao%20a%20peirce.pdf

Noth, W & Santaella, L. (2017). A semiótica e os signos: uma primeira orientação. In Introdução à semiótica: passo a passo para compreender os signos e a significação. (7-34). Paulus. https://www.paulus.com.br/loja/appendix/4573.pdf

Organização Pan Americana de Saúde (OPAS). (2020). OMS afirma que COVID-19 é agora caracterizada como pandemia. https://www.paho.org/pt/news/11-3-2020-who-characterizes-covid-19-pandemic

Pátria. (2022). In Dicio, Dicionário Online de Português. 7Graus. https://www.dicio.com.br/patria/

Peirce, C. S. (1986). Writings of Charles S. Peirce: a chronological edition (vol. 3). Indiana University Press. https://cdchester.co.uk/wp-content/uploads/2018/05/Writings-of-Charles-S.-Peirce-A-Chronological-Edition-Vol.-3-1872%E2%80%931878-Charles-S.-Peirce.pdf

Pires, B. (2018). Camisa da seleção, o símbolo contaminado por rixas ideológicas e as negociatas dos cartolas – Visto como instrumento político em manifestações, uniforme amarelo enfrenta rejeição após escândalos de corrupção que abateram o país e a CBF. EL PAÍS, Esportes. https://brasil.elpais.com/brasil/2018/06/16/deportes/1529108134_704637.html?rel=mas

Quintão, T. T. (2010). Os medias e a construção dos caras-pintadas. Revista Todavia, 1 (1), 103-117. https://www.ufrgs.br/revistatodavia/Artigo6%20-%20Revista%20Todavia.pdf

Reis, J. R. F. (2010). O coração do Brasil bate nas ruas: a luta pela redemocratização do país. In C. F. Ponte & I. Falleiros (Orgs.), Na corda bamba de sombrinha: a saúde no fio da história. (219-236). FIOCRUZ/COC; FIOCRUZ/EPSJV. http://observatoriohistoria.coc.fiocruz.br/local/File/na-corda-bamba-cap_7.pdf

Ressignificar. (2022). In Dicio, Dicionário Online de Português. 7Graus. https://www.dicio.com.br/ressignificar/

Sallum Junior, B. & Casarões, G S P. (2011). O impeachment do presidente Collor: a literatura e o processo. Lua Nova, 82, 163-200. https://www.scielo.br/pdf/ln/n82/a08n82.pdf

Santaella, L. (2016). Mente e/ou consciência em C. S. Peirce. Cognitio, 17 (1), 119-130. https://revistas.pucsp.br/index.php/cognitiofilosofia/article/view/30223/21695

Santaella, L. (1990). O que é Semiótica. Brasiliense.

Souza Junior, V. G. A. (2017). “Redemocratização” do Brasil: Convergências entre o projeto político da Folha de S. Paulo e de Golbery de Couto e Silva (1974-1981). In XXIX Simpósio Nacional de História - Contra os preconceitos: história e democracia, Anais… Universidade de Brasília. https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502753453_ARQUIVO_ANPUH2017-2.pdf

Stuenkel, O. (2019). É preciso resgatar da extrema direita os símbolos nacionais – Em várias democracias ao redor do mundo radicais têm se apropriado de bandeiras nacionais para poder chamar vozes discordantes de inimigos da pátria. EL PAÍS, Opinião. https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/12/opinion/1560348817_282472.html

Universidade de São Paulo (USP). (s/d). Ensaio acadêmico: Orientações para a realização da atividade. In Introdução ao Ensino de Biologia. E-Disciplinas USP. https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2265968/mod_resource/content/1/Orienta%C3%A7%C3%B5es%20para%20o%20Ensaio%20Acad%C3%AAmico%20IEB.pdf

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). (2009). Dicas sobre como escrever um ensaio. Repositório UFSC. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/116800/DICAS_SOBRE_COMO_ESCREVER_UM_ENSAIO.pdf

Vieira, E. A. (2015). O movimento das Diretas Já e a cobertura fotográfica da revista Veja. (Monografia de Graduação em História, Departamento de História, Universidade Federal de Campina Grande). http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/bitstream/riufcg/8735/3/EVANDY%20ALVES%20VIEIRA.%20TCC.%20LICENCIATURA%20PLENA%20EM%20HIST%C3%93RIA.2015.pdf

Zuliani, M. C. (2011). O Conceito da Consciência Social na Tese de Sinequismo de Charles S. Peirce (Mestrado em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Sapientia PUC SP. https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/11592/1/Maria%20Conceicao%20Zuliani.pdf

Published

28/05/2022

How to Cite

FREITAS, A. G. .; MIRANDA, G. U. . Peircean semiotics: Building possible paths for understanding the appropariation and resignification of national symbols . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e36911729938, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29938. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29938. Acesso em: 5 oct. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences