Smart cities: global overview of disaster resilience

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30327

Keywords:

Smart Cities; Sustainable Development; Risk and disaster reduction.

Abstract

According to the United Nations Organization (UNO), there have been 7,348 disasters worldwide in the last two decades, with 1.23 million people killed, approximately 60,000 people annually. More than 4 billion people have been affected by disasters. Disasters are severe natural phenomena, strongly influenced by regional characteristics, such as rock, soil, topography, vegetation, and also weather conditions. The present paper aims to portray the panorama of disaster resilience worldwide and the importance of cities becoming smart for disaster mitigation and sustainable development. The research will be of exploratory and qualitative nature and used as methodology the review of national and international literature, scientific articles, national and international agencies, dissertations theses for a comprehensive study of the subject. The occurrence of these phenomena in places of human habitation results in several material and human damages, in addition to enormous socio-economic losses, and its correct management for their mitigation is essential. With this, it is necessary the importance in the preparation of nations, better adherence to solve these global problems, urgent actions for the management of risk factors in order to preserve life and the environment for future generations.

Author Biographies

Rosana Campos dos Santos, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ambiente Construído - UFJF

Mariana de Athayde Salomão, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ambiente Construído - UFJF

Amanda Rodrigues da Silva Oliveira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ambiente Construído - UFJF

José Alberto Barroso Castañon, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor Dr. Sc. Departamento de Transportes, UFJF, Brasil

References

Agenda 2030. ODS 11. (2021). Dados e estatísticas. 2021. https://www.agenda2030.org.br/ods/11/

BECK, U. (2011). Sociedade de Risco: Rumo a uma outra modernidade. trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: Editora, 34.

Bento, S. C., de Melo Conti, D., Baptista, R. M., & Ghobril, C. N. (2018). As novas diretrizes e a importância do planejamento urbano para o desenvolvimento de cidades sustentáveis. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade: GeAS, 7(3), 469-488.

Civil, C., Temer, M., Cardozo, J. E., Elias, L. A. R., Teixeira, I. M. V., Garcia, A. N., & Garcia, A. C. (2012). Lei nº 12.608, de 10 de abril de 2012.

Camacho-Vallejo, J. F., González-Rodríguez, E., Almaguer, F. J., & González-Ramírez, R. G. (2015). A bi-level optimization model for aid distribution after the occurrence of a disaster. Journal of Cleaner Production, 105, 134-145.

Coutinho, M. P., Londe, L. D. R., Santos, L. B. L., & Leal, P. J. V. (2015). Instrumentos de planejamento e preparo dos municípios brasileiros à Política de Proteção e Defesa Civil. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 7, 383-396.

______. Decreto n. 7.257, de 4 de agosto de 2010. (2010). Regulamenta a Medida Provisória n. 494, de 2 de julho de 2010, para dispor sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil (SINDEC), sobre o reconhecimento de situação de emergência e estado de calamidade pública, sobre as transferências de recursos para ações de socorro, assistência às vítimas, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução nas áreas atingidas por desastre, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2010.

Escritório das Nações Unidas para Redução de Riscos de Catástrofes - UNDRR. (2017). Ferramenta de Auto Avaliação da Resiliência Face à Catástrofe a Nível Local. Nível Preliminar de Avaliação. 2017. https://www.unisdr.org/campaign/resilientcities/assets/toolkit/Scorecard/UNDRR _Disaster%20resilience%20scorecard %20for%20cities_Preliminary_Portuguese%20Version_Apr2019%20(1).pdf

Ferreira, D., Albino, L., & Freitas, M. J. C. C. (2011). Participação popular na prevenção e enfrentamento de desastres ambientais: resultado de um estudo piloto em Santa Catarina, Brasil. Revista Geográfica de América Central, 2, 1-17.

Gonçalves, Luiz Cláudio et al. (2016). Uma Análise do Processo de Logística Humanitária Utilizado pela Cruz Vermelha nos Desastres Ambientais Ocorridos na Cidade de São Paulo. REPAE - Revista de Ensino e Pesquisa em Administração e Engenharia, v. 2, n. 2, p. 167-186, 2016.

Kobiyama, M., Mendonça, M., Moreno, D. A., Marcelino, I. P. V. O., Marcelino, E. V., Gonçalves, E. F., ... & Rudorff, F. D. M. (2006). Prevenção de desastres naturais: conceitos básicos (p. 109). Curitiba: Organic Trading.

Mattos, P. D. C. (2015). Tipos de revisão de literatura. UNESP. São Paulo, 2.

Organização das Nações Unidas - ONU. (2021). Emergências climáticas em 20 anos. Relatórios.2021. https://news.un.org/pt/story/2020/10/1729332

Organização das Nações Unidas - ONU. (2012). Como Construir Cidades Mais Resilientes: Um Guia para Gestores Públicos Locais. Nações Unidas: Genebra, 2012. 102 p.

Oficina de Naciones Unidas para La Reducción del Riesgo de Desastres - UNDRR. (2021). Desarrollando Ciudades Resilientes:Mi ciudad se está preparando. Campana Mundial Desarrollando Ciudades Resilientes.2021. https://www.eird.org/camp-10-15/

Samed, M. M. A., & Gonçalves, M. B. (2017). Introdução à Logística Humanitária. Logística Humanitária, 27-37

Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil - SEDEC. (2017). Módulo de formação: resposta: gestão de desastres, decretação e reconhecimento federal e gestão de recursos federais em proteção em defesa civil para resposta :apostila do instrutor / Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, Departamento de Minimização de Desastres. - Brasília: Ministério da Integração Nacional, 2017.

Severino, A. J. (2017). Metodologia do trabalho científico. Cortez editora.

Silva, P. P., & Araújo, P. S. R. de. (2020). Sustainable urban actions in Salvador City, Bahia State, Brazil (2013-2016). Research, Society and Development, 9(8), e319984976. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.4976

United Nations Office for Disaster Risk Reduction - UNDRR. (2021). Participating Local Government. 2021. https://www.unisdr.org/campaign/resilientcities/cities

Un Habitat. (2020). Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) e Colab. Consulta Cidades Sustentáveis. Relatórios. UN Habitat. 2020. https://unhabitat.org/sites/default/files/2020/11/livro_2o_edicao_da_consulta_cidades_sustentaveis_1.pdf

UNISDR e CEPED PR, 2010. (2010). Parcerias para a construção de cidades resilientes a desastres no estado do Paraná integrando setor público, academia e UNISDR, p. 1-388–416.

Valencio, N. (2010). Desastres, ordem social e planejamento em defesa civil: o contexto brasileiro. Saúde e Sociedade, 19, 748-762.

Published

31/05/2022

How to Cite

SANTOS, R. C. dos .; SALOMÃO, M. de A. .; OLIVEIRA, A. R. da S.; CASTAÑON, J. A. B. Smart cities: global overview of disaster resilience. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e46411730327, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30327. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30327. Acesso em: 5 jul. 2022.

Issue

Section

Engineerings