Consumer perception of supermarkets about the importance of bee pollination in food production

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.31826

Keywords:

Environmental Education; Fack of food; Insect pollinators.

Abstract

Bees represent the most important group of insects responsible for pollination. In recent years, the decline of these agents has been drawing attention, since bees are indispensable in the formation of many foods. In this context, the present study is the result of a quantitative and qualitative research, carried out in some supermarkets in the municipality of Serra/ES, aiming to verify the level of knowledge that consumers of these establishments have about the importance of bees, as well as the perception of the same about the importance of the action of these insects for the ecosystems. It is also sought to expose consumers to the vast amount of products present in their daily lives that often need directly from the work that is performed by bees. Thus, it was found that most people believe that bees develop important activities, however, respondents showed no interest in these insects. It was visible the lack of information on the subject and how much environmental education is necessary for the process of awareness / awareness of the community present in non-formal teaching spaces and in guaranteeing the preservation of these agents.

References

Agarez, F. V. (1994) Botânica: angiospermae: taxonomia, morfologia, reprodução: chave para determinação das famílias. 2. Ed. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural. 243 p.Vol. Único.

Barbosa, A. de L. Pereira, F. de M. Vieira Neto, J. M. Rego, J. G. de S. Lopes, M. T. do R & Camargo, R. C. R. (2007) Criação de abelhas (apicultura). Área de Informação da Sede-Col Criar Plantar. ABC 500P/500R Saber (INFOTECA-E).

Bezerra, T. M. O & Gonçalves, A. P. C. (2007) Concepções de meio ambiente e educação ambiental por professores da Escola Agrotécnica Federal de Vitória de Santo Antão-PE. Biotemas. Jaboatão do Guararapes, v.20, n.1, p. 115-125, setembro.

Brusca, R. C. & Brusca G. J. (2007) Invertebrados. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 615 p.

Carvalho, I. C. M. (2001) Qual a educação ambiental? Elementos para um debate sobre educação ambiental e extensão rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre, v.2, n.2, p. 43-51 abr./jun.

Costa-Maia, F. M. Lourenço, D. A. L. & Toledo, V. A. A. (2010). Aspectos econômicos e sustentáveis da polinização por abelhas. Sistemas de Produção Agropecuária (Ciências Agrárias, Animais e Florestais). Dois Vizinhos (PR): UTFPR, p. 45-67.

Ferreira, B. (2015) Manual de boas práticas agrícolas. funbio Rio de Janeiro.

Freitas, D. G. F. Khan, A.S. & Silva, L. M. R. (2004). Nível tecnológico e rentabilidade de produção de mel de abelha (Apis mellifera) no Ceará. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 42, n. 1, p. 171-188,

Gomes, D. V. (2012). Educação para o consumo ético e sustentável. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 16.

Guimarães, M. (2007). Educação ambiental: participação para além dos muros da escola. Conceitos e práticas em educação ambiental na escola, p. 85.

Guimarães, M. (2010). A Dimensão ambiental na educação. 10ª edição, Campinas: Papirus, 96p.

Imperatriz-Fonseca, V. L. Saraiva, A. M. & Gonçalves, L. S. (2007). A iniciativa brasileira de polinizadores e os avanços atuais para a compreensão do papel dos polinizadores como produtores de serviços ambientais. Bioscience Journal, v. 23.

Jacobi, P. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Caderno de pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205.

Kondrat, H. & MacieL, M. L. (2013). Educação ambiental para a escola básica: contribuições para o desenvolvimento da cidadania e da sustentabilidade. Revista Brasileira de Educação v. 18 n. 55 out.-dez.

Layrargues, P. P. (2006). Muito além da natureza: educação ambiental e reprodução social. Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, p. 72-103.

Leite, R. V.V. Vicente, J. P.C. Oliveira, T. F. F. N. & Barros, P. K. S. (2016). O despertar para as abelhas: Educação Ambiental e contexto escolar. III CONEDU, disponível em: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/ acessado em: 10102017

Lewinsohn, T. M. Freitas, A. V. L. & Prado, P. I. (2005). Conservação de invertebrados terrestres e seus habitats no brasil. Megadiversidade, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 67.

Lopes, M. Ferreira, J. B. Santos, G. (2005). Abelhas sem-ferrão: a biodiversidade invisível. Agriculturas. v. 2, n. 4, Dez..

Machado, I. C. (2014). Biologia da polinização. 1 ed. Rio de janeiro: Projeto cultural, 215-233 p.

Marczwski, M. (2006). Avaliação da percepção ambiental em uma população de estudantes do ensino Fundamental de uma escola municipal rural: um estudo de caso. 2006. 188 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Melazo, G. C. (2005). Percepção ambiental e educação ambiental: uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Olhares & Trilhas.

Nascimento, W. M. Gomes, E. M. L. Batista, E. A. & Freitas, R. A. (2012). Utilização de agentes polinizadores na produção de sementes de cenoura e pimenta doce em cultivo protegido. Hortic. bras., v. 30, n. 3, p. 449-498.

Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião (NEPSO). (2013). A importância de se chamar abelha. Disponível em: <http://www.nepso.net/>. Acesso em: 04 ago. 2019.

Pacífico-da-Silva, I. Melo, M. M & Blanco, B. S. (2016). Efeitos tóxicos dos praguicidas para abelhas. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, v. 10, n. 1, p. 142-157.

Palma, I. R. (2005). Análise da percepção ambiental como instrumento ao planejamento da educação ambiental. 2005. 83 f. Dissertação (mestrado em engenharia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Palumbo, H. N. (2015). Nossas brasileirinhas: as abelhas nativas. Programa cultivando água boa. Curitiba. http://www.cpra.pr.gov.br/arquivos/File/cartilhameliponideos.pdf.

Raven, P. H. (2007). Biologia Vegetal. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan, 479-480 p.

S.O.S Abelhas Sem Ferrão. (2017). Educação ambiental. http://sosabelhassemferrao.com.br/site/

Sem Abelha Sem Alimento. (2017). Desaparecimento das abelhas. http://www.semabelhasemalimento.com.br/

Silva, W. P & Paz, J. R.L. (2012). Abelhas sem ferrão: muito mais do que uma importância econômica. Natureza online, v. 10, p. 146-152.

Sousa, R. G, Oliveira, G. G. Toschi, M. S. & Cunha, H. F. (2013). Meio ambiente e insetos na visão de educandos de 6º e 8º ano de escolas públicas em Anápolis-GO. AMBIENTE & EDUCAÇÃO-Revista de Educação Ambiental, v. 18, n. 2, p. 59-82.

Souza, D. L. Evangelista-Rodrigues, A. & Caldas Pinto, M. S. (2007). As abelhas como agentes polinizadores. REDVET. Revista electrónica de Veterinária, v. 8, n. 3.

Stranz, A. (2002). Projeto Universidade Solidária - Transmitindo Experiências em Educação Ambiental. In: ZAKRZEVSKI, Sônia B.B., VALDUGA, Alice T., DEVILLA, Ivano A. (orgs). Anais do I Simpósio Sul Brasileiro de Educação Ambiental, II Simpósio Gaúcho de Educação Ambiental, XVI Semana Alto Uruguai do Meio Ambiente. Ed. EdiFAPES. Erechim – RS. p. 222.

Trindade, O. S. N. (2012). Um estudo das representações sociais de estudantes do ensino médio sobre os insetos. Revista ensaio, Belo horizonte, v. 14, n. 3, p. 37-50, set./dez.

Vieira, P. F. S. P. Cruz, D. O. Gomes, M. F. M. Campos, L. A. O. & Lima, J. E. (2010). Valor econômico da polinização por abelhas mamangavas no cultivo do maracujá-amarelo. Revibec: revista iberoamericana de economía ecológica, v. 15, p. 43-53.

Villas-Bôas, J. (2012). Manual tecnológico mel de abelhas sem ferrão. Instituto sociedade, população e natureza (ISPN). Brasília – DF. BRASIL.

Yamamoto, M. Barbosa, A. A. A. & Oliveira, P. E. A. M. (2009). A polinização em cultivos agrícolas e a conservação das áreas naturais: O CASO DO MARACUJÁ-AMARELO (Passiflora edulis F. flavicarpa Deneger). Oecologia Australis, v. 14, n. 1, p. 174.

Published

10/07/2022

How to Cite

ROMEIRO, S. S.; SILVA, V. P. Consumer perception of supermarkets about the importance of bee pollination in food production. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e28911931826, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.31826. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/31826. Acesso em: 19 aug. 2022.

Issue

Section

Education Sciences