Practices of indigenous women through their gestational, prenatal, childbirth and postpartum process

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32200

Keywords:

Indigenous culture; Prenatal; Childbirth.

Abstract

Brazil is a country full of diversity and home to different indigenous tribes with cultural and ethnic traditions distinct from the rest of society, for the indigenous woman, pregnancy is seen as a dream, which transcends the supernatural world. In this context, the present work aims to describe the practices and culture of indigenous women through their gestational, prenatal, childbirth and puerperium processes. This is a quanti-qualitative narrative literature review study, which used data available in the Live Births Information System - SINASC and articles published in Google Scholar and SciELO databases. It is observed that the indigenous population is in vulnerability, where it has a high fertility rate and maternal mortality ratio, in relation to prenatal care most indigenous women had 7 more consultations, it is important to note that in the country, health conditions and cultural and socioeconomic influences influence the choice of type of delivery, and among indigenous women in the period from 2018 to 2020, vaginal delivery was the most recurrent, and most deliveries took place. in a hospital environment. Thus, it is necessary to have a different view of health professionals in relation to indigenous women, so that their ethnic and cultural aspects are respected even in the hospital environment.

Author Biographies

Leydyane Silva Kaminski, Faculdade Guaraí

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG.

Jéssyca Pereira Silva, Faculdade Guaraí

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG.

Adriana Keila Dias Dias, Faculdade Guaraí

Enfermeira. Mestra em Ciências Ambientais. Doutoranda em Engenharia Biomédica.

Glaucya Wanderley Santos Markus, Faculdade Guaraí

Enfermeira. Mestra em Bioengenharia com Ênfase em Saúde.

Reobbe Aguiar Pereira, Universidade Brasil

Bacharel em Enfermagem. Mestre em Ciências Ambientais.

References

Brasil. (2006). Ministério da Educação. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006. p. 27.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n° 1.459, de 24 de junho de 2011, institui no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. Diário Oficial da União. 27 jun. 2011; Seção 1:109 - 11.

Brasil. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília.

Carvalho, J. T. S. (2018). Assistência à saúde de mulheres indígenas no Brasil: uma revisão integrativa da literatura. Monografia (Graduação em Fisioterapia) - Universidade Federal de Sergipe, Lagarto. <https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/8900/2/J%C3%89SSICA_TAMIRES_SANTOS_CARVALHO.pdf>

Coimbra Júnior, C. E. A., & Garnelo, L. (2004). Questões de Saúde Reprodutiva da Mulher Indígena no Brasil. In:Monteiro S, Sansone L. organizadores. Etnicidade na América Latina: um debate sobre raça, saúde e direitos reprodutivos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Garnelo, L., et al. (2019). Avaliação da atenção pré-natal ofertada às mulheres indígenas no Brasil: achados do Primeiro Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, p. e00181318. <https://doi.org/10.1590/0102-311X00181318>

Honaiser, et al. (2010). Ações de saúde da mulher em comunidades indígenas kaingáng: vivências e expectativas. Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. Vol. 3, n 1. <https://revistas.unicentro.br/index.php/publicAcao/article/view/1870/1622 >

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE.

Igansi, M. L., & Zatti, C. A. (2018). Gestação: Conhecendo a realidade das aldeias indígenas no Brasil. 23(1), 48-52. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR, 2018. <https://www.mastereditora.com.br/periodico/20180606_085304.pdf>

Justo, C. B. N. (2018). Pato Indígena: Uma análise de discursos. Trabalho de Conclusão de curso- Graduação em psicologia- Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Volta Redonda. <https://app.uff.br/riuff/bitstream/handle/1/7370/Carla%20Boa%20Nova%20JUsto%20-TCC.pdf?sequence=2&isAllowed=y>

Lima, S. J. S., Santana, I. T. S., & Ferreira, E. S. A. (2020). Parto Indígena nas microrregiões do Amazonas: Uma abordagem em Série Histórica. Braz. Ap. Sci. Rev, Curitiba, 4(5), 2749-2762. < https://brazilianjournals.com/index.php/BASR/article/view/16062/13152>

Mussi, R. F. de F., et al. (2019). Pesquisa Quantitativa e/ou Qualitativa: distanciamentos, aproximações e possibilidades. Revista Sustinere, 7(2), 414-430. <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/sustinere/article/view/41193/32038>

Neto, R. O. N., & Silva, G. M. (2014). Saúde e Qualidade de Vida da Mulher Indígena: Descrição de trabalhos realizados entre 2009 e 2013. <https://portal.unisepe.com.br/unifia/wpcontent/uploads/sites/10001/2018/06/6saude_indigena.pdf>

Pinheiro, P. O., et al. (2019). Protagonismo da mulher indígena e cuidados no momento do parto: revisão integrativa. CIAIQ2019, v. 2, p. 1731-1736. <https://proceedings.ciaiq.org/index.php/CIAIQ2019/article/view/2427/2330>

Ponte, V. da S. (2021). Saúde, doença e predação na cosmopolítica da gestação, do parto e do pós-parto entre as mulheres Tenetehar-Tembé da Terra Indígena do Alto Rio Guamá-Pará, Brasil. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, 15(3), 17-47. <http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/5712>

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem [online]. 20(2). <https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001>.

Silva, L. D. (2019). Saberes e práticas tradicionais da mulher indígena da etnia Macuxi sobre gestação: um relato de experiência. <https://bdm.unb.br/handle/10483/24788 >

Silva, L. S., & Nascimento, E. R. (2019). Resguardo de mulheres da etnia Kambiwá: cuidados culturais. Cadernos De Gênero E Diversidade, 5(4), 24–41. <https://doi.org/10.9771/cgd.v5i4.28418>

Tassinari, A. (2021). A “mãe do corpo”: conhecimentos das mulheres Karipuna e Galibi-Marworno sobre gestação, parto e puerpério. Horizontes Antropológicos [online]. v. 27, n. 60 [Acessado 12 Maio 2022] , pp. 95-126. <https://doi.org/10.1590/S0104-71832021000200004>.

Veloso, B. (2021). Conhecimentos tradicionais do cuidado na gestação e no parto das mulheres Kaingangs na terra indígena de Nonoai-RS. Monografia- Universidade Federal da Fronteira Sul.<https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/4056 >

Published

10/08/2022

How to Cite

KAMINSKI, L. S. .; SILVA, J. P. .; DIAS, A. K. D.; MARKUS, G. W. S. .; PEREIRA, R. A. Practices of indigenous women through their gestational, prenatal, childbirth and postpartum process . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e541111032200, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32200. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32200. Acesso em: 4 oct. 2022.

Issue

Section

Review Article