Low-cost programming and robotics tools for quality improvement in primary and secondary education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32574

Keywords:

Programming; Robotics; Teaching; Quality; Systematic review.

Abstract

The present study aimed to demonstrate low-cost alternatives for the teaching of Programming and Robotics in Elementary and High School institutions in order to seek alternatives to budget difficulties that public or private schools may have. It also sought to show possibilities to improve the quality of teaching through Programming and Robotics, as well as the impacts they may have when conducted in an interdisciplinary way with other disciplines, which can help mediate for a meaningful learning and for the construction process. of knowledge. For this, it carried out a literature review aiming to theoretically support the work, in addition to demonstrating concepts related to the presented theme. The conclusions obtained in the work can serve as a stimulus for the implementation of the teaching of Programming and Robotics in many schools, since there are cases in the literature of schools that, even with budgetary restrictions, were able to establish the theme in the school environment.

References

Almeida, M. E. (2000). Proinfo: informática e formação de professores. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1968). Educational psychology: A cognitive view (Vol. 6). Holt, Rinehart and Winston.

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1976). Psicología educativa: un punto de vista cognoscitivo (Vol. 3). México: Trillas.

Avila, C., Bordini, A., Marques, M., Cavalheiro, S., & Foss, L. (2016, November). Desdobramentos do pensamento computacional no Brasil. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE) (Vol. 27, No. 1, p. 200).

Azevedo, S., Aglaé, A., Pitta, R. (2010). Minicurso: Introdução a Robótica Educacional. 62° Reunião Anual da SBPC - 25 a 30 de julho de 2010. Anais. Natal-RN: SBPC. http://www.sbpcnet.org.br/livro/62ra/minicursos/MC Samuel Azevedo.pdf.

Barroso, J. J., & Viseu, S. (2006). A regulação das políticas públicas de educação: espaços, dinâmicas e actores. Educa/Unidade de I&D de Ciências da Educação.

Brasil. Lei n. 11.114, de 16 de maio de 2005. Altera os arts. 6o, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 maio 2005. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11114.htm>.

Brasil. Lei n. 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 fev. 2006. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm>.

Cabral, C. P. (2011). Robótica Educacional e Resolução de Problemas: uma abordagem microgenética da construção do conhecimento.

Camargo, R. B. D., Oliveira, J. F. D., Cruz, R. E. D., & Gouveia, A. B. (2006). Problematização da qualidade em pesquisa de custo-aluno-ano em escolas de educação básica: relatório de pesquisa.

Camillo, C. M. (2021). Neurociência e a aprendizagem no ensino Ciências. Research, Society and Development, 10(6), e20510615721-e20510615721.

César, D. R. (2013). Robótica pedagógica livre: uma alternativa metodológica para a emancipação sociodigital e a democratização do conhecimento.

d’Abreu, J. V. V., & Chella, M. (1999). Desenvolvimento de ambientes de aprendizagem baseados no uso de dispositivos robóticos. Anais do X Simpósio Brasileiro de Informática na Educação–SBIE99.

d’abreu, J. V. V., Ramos, J. J., Mirisola, L. G., & Bernardi, N. (2012). Robótica educativa/pedagógica na era digital. In II Congresso Internacional TIC e Educação (pp. 2449-2465).

Dasgupta, S., Clements, S. M., Idlbi, A. Y., Willis-Ford, C., & Resnick, M. (2015, October). Extending Scratch: New pathways into programming. In 2015 IEEE Symposium on Visual Languages and Human-Centric Computing (VL/HCC) (pp. 165-169). IEEE.

Davis, C. L. F., Tartuce, G. L. B. P., Nunes, M. M. R., Almeida, P. D., Silva, A. D., Costa, B. D. O., & Souza, J. D. (2012, July). Anos finais do ensino fundamental: Aproximando-se da configuração atual. In Congresso de Educação Básica da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. http://www. pmf. sc. gov. br/arquivos/arquivos/pdf/14_02_2013_16 (Vol. 35).

Dourado, L. F., Oliveira, J. F. (2009). Cad. Cedes, 29(78), 201-215.

Estrela, C. (2018). Metodologia científica: ciência, ensino, pesquisa. Artes Médicas.

Farias, C. M., Azevedo, F. P., & de Jesus Dias, J. E. (2018, July). Uma abordagem gamificada para o ensino de lógica de programaçao: relato de experiência. In Anais do XXVI Workshop sobre Educação em Computação. SBC.

Fernández, A., & Ginoris, O. (1998). Didáctica y optimización del proceso de enseñanza-aprendizaje. La Habana: Instituto Pedagógico Latinoamericano y Caribeño.

Francisco Júnior, N. M., Vasques, C. K., & Francisco, T. H. A. (2010). Robótica educacional ea produção científica na base de dados da capes. Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), (4), 35-53.

Freire, P. (1996). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra.

Garofalo, D. D. D. (2019). Robótica com sucata: Uma educação criativa para todos. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 15(34), 1-21.

Góis, A. R., da Silva Góis, C. G., & Barbosa, P. F. C. (2021). Mapa conceitual no ensino presencial ao remoto durante a pandemia do coronavírus: relato de experiência. Research, Society and Development, 10(3), e59210313795-e59210313795.

Gomes, P. J. (2004). A evolução do conceito de qualidade: dos bens manufacturados aos serviços de informação. Cadernos Bad, 2004(2), 6-18.

Gomes, C. G., Silva, F. O., Botelho, J. D. C., & Souza, A. R. (2010). A Robótica como facilitadora do Processo Ensino-aprendizagem de Matemática no ensino Fundamental. Ensino de Ciências e Matemática IV-Temas e Investigações. São Paulo: Editora UNESP Cultura Acadêmica. Disponível em http://books. scielo. org/id/bpkng/pdf/pirola-9788579830815-11. pdf [GS Search].

Gonçalves, R. M. (2020). O uso das novas tecnologias de comunicação favorecendo a aprendizagem do ensino de ciências no ensino fundamental anos iniciais. Research, Society and Development, 9(2), e104922065-e104922065.

Kenski, V. M. (2003). Aprendizagem mediada pela tecnologia. Revista diálogo educacional, 4(10), 1-10.

Kenski, V. M. (2007). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 141 p.

Köche, J. C. (2016). Fundamentos de metodologia científica. Editora Vozes.

Lemos, E. (2006). A aprendizagem significativa: estratégias facilitadoras e avaliação. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB.

Lévy, P. (1998). A inteligência coletiva. Loyola, 22.

Libâneo, J. C. Os métodos de ensino. Cortez, 1994.

Libâneo, J. C. (1994). Didática. Cortez.

Lima, V. M. M. (2007). Formação do professor polivalente e saberes docentes: um estudo a partir de escolas públicas (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Lopes, R. C. S. A relação professor aluno e o processo ensino aprendizagem. 2009. < http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1534-8.pdf>.

Ludke, M., & Andre, M. E. D. A. (2013). Pesquisas em educação: uma abordagem qualitativa. E.P.U.

Lusch, R. F., & Nambisan, S. (2015). Service innovation. MIS quarterly, 39(1), 155-176.

Machado, N. J. (2007). Qualidade da educação: cinco lembretes e uma lembrança. Estudos Avançados, 21, 277-294.

Maltempi, M. V. (2008). Educação matemática e tecnologias digitais: reflexões sobre prática e formação docente/Mathematics education and digital technologies: Reflexions about the practice in teacher education. Acta Scientiae, 10(1), 59-67.

Mansutti, M. A., Zelmanovits, M. C., de Carvalho, M. D. C. B., & Guridi, V. (2007). Especial: estudo CENPEC Educação na segunda etapa do ensino fundamental. Cadernos Cenpec| Nova série, 2(4).

Manzano, J. A. N., & de Oliveira, J. F. (2000). Algoritmos lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Saraiva Educação SA.

Mapeli, G. Z., da Silva, J. C., & Paranhos, R. M. (2021). Favorecimento de um trabalho interdisciplinar mediante elaboração de mapa conceitual e projeto elétrico residencial. Research, Society and Development, 10(3), e15310313296-e15310313296.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. D. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto-enfermagem, 17, 758-764.

Menezes, E. T., Santos, T. H. (2015). Verbete robótica educacional. Dicionário Interativo da Educação Brasileira - Educabrasil. São Paulo: Midiamix. <http://www.educabrasil.com.br/roboticaeducacional/>.

Moreira, M. A. A Teoria de Ausubel. In: Correia, P. (1999). Aprendizagem significativa.

Moreira, M. A. (2006). Mapas conceituais e diagramas V. Porto Alegre: Ed. do Autor, 103.

Moreira, M. A. (2011). Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. Editora livraria da física.

Moreira, M. A., Sahelices, M. C. C., & Palmero, M. L. R. (2004). Aprendizaje significativo: interacción personal, progresidad y lenguaje. Universidad de Burgos.

Nascimento, M. C., Fonseca, C. A., & Gonçalves, L. M. (2014). Experiência de robótica com materiais alternativos na escola estadual Professor Luís Soares. In V Workshop de Robótica Educacional (p. 23).

Novak, J. D. (1977). Uma Teoria de Educação (trad.). São Paulo, Livraria Pioneira Editora.

Novak, J. D. (2003). The promise of new ideas and new technology for improving teaching and learning. Cell biology education, 2(2), 122-132.

Novak, J. D., & Musonda, D. (1991). A twelve-year longitudinal study of science concept learning. American educational research journal, 28(1), 117-153.

Novak, J. D., & Gowin, D. B. (1999). Mapas conceptuais para a aprendizagem significativa. Aprender a Aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, pág, 30.

Papert, S., & das Crianças, A. M. (2008). repensando a escola na era da informática. Artmed, 216.

Pasini, C. G. D., Carvalho, E., Almeida, L. H. C. (2020). A educação híbrida em tempos de pandemia: algumas considerações, Observatório Socioeconômico da COVID-19. <https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/820/2020/06/Textos-para-Discussao-09-Educacao-Hibrida-em-Tempos-de-Pandemia.pdf>.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM. 119p.

Pereira, N. R., dos Santos Medeiros, S. L., & Nascimento, J. A. (2021). Mapas conceituais como estratégias no ensino remoto e os desafios dos estudantes nesta modalidade no Curso Técnico em Agropecuária integrado do IFMG-Campus Bambuí. Research, Society and Development, 10(9), e34610917284-e34610917284.

Neto, J. A. D. S. P. (2013). Teoria da aprendizagem significativa de David Ausubel: perguntas e respostas. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB.

Ramos, B. A., & Moraes, E. C. (2020). Robótica Educacional como metodologia motivadora no ensino de lógica de programação na Educação Profissional e Tecnológica. Research, Society and Development, 9(12), e18591210938-e18591210938.

Rego, T. C. (2013). Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Editora Vozes Limitada.

Reeves, C. A., & Bednar, D. A. (1994). Defining quality: alternatives and implications. Academy of management Review, 19(3), 419-445.

Resnick, M. (2014, August). Give P’sa chance: Projects, peers, passion, play. In Constructionism and creativity: Proceedings of the third international constructionism conference. Austrian computer society, Vienna (pp. 13-20).

Rodrigues, Â. C. (2007). Impactos socioambientais dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos: estudo da cadeia pós-consumo no Brasil (Doctoral dissertation, Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Metodista de Piracicaba. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.).

Silva, A. M., Nez, E., Silva, E. M. (2010). Robótica Educacional: Aplicação Transdisciplinar na Escola Pública Nilo Póvoas em Cuiabá/MT. In: Terceiro Seminário Educação em Rede: Aprendizagens em processos virtuais e presenciais, 2010, Goiânia.Seminário em Rede. PUC Goiás.

Silveira, R. J. T. (1995). O professor e a transformação da realidade. Nuances: estudos sobre Educação, 1(1).

Silveira, S. A. D. (2003). Exclusão digital: a miséria na era da informação. Ed. Fundação Perseu Abramo.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2009). Administração da produção (Vol. 2). Atlas.

UNESCO. (2021). Monitoramento dos objetivos de educação para todos no Brasil – Representação da UNESCO no Brasil. São Paulo: Moderna, 2010b <http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001899/189923por.pdf>.

UNESCO. (2020). A Comissão Futuros da Educação da Unesco apela ao planejamento antecipado contra o aumento das desigualdades após a COVID-19. Paris: Unesco, 16 abr. 2020. https://pt.unesco.org/news/comissao–futuros–da–educacao–da–unesco–apela–ao–planejamento–antecipado–o–aumento–das.

Tartuce, G. L. B., Moriconi, G. M., Davis, C. L., & Nunes, M. M. (2018). Desafios do ensino médio no Brasil: iniciativas das secretarias de educação. Cadernos de Pesquisa, 48, 478-504.

Vasconcelos, M. L. M. C., & Brito, R. H. P. D. (2014). Conceitos de educação em Paulo Freire. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes: São Paulo, SP: Mack Pesquisa-Fundo Mackenzie de Pesquisa, 196.

Published

24/07/2022

How to Cite

LAMAS, R. .; SEABRA, J. . Low-cost programming and robotics tools for quality improvement in primary and secondary education. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e85111032574, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32574. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32574. Acesso em: 6 dec. 2022.

Issue

Section

Teaching and Education Sciences