Relationship of nutritional status and level of physical activity among institutionalized and non-institutionalized elderly

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32605

Keywords:

Elderly; Nutritional status; Physical activity long-term care institution for the elderly.

Abstract

Objective: To evaluate the relationship of nutritional status with the level of physical activity of institutionalized and non-institutionalized elderly. Method: This is a cross-sectional study. The sample size is 245 institutionalized and 105 socially active elderlies, non- institutionalized, assisted in a Family Healt Strategy, from Rio Grande do Sul. The International Physical Activity Questionnaire, short version, and a structured questionnaire with variables about name, age, gender, current weight, and height was used. Nutritional status was classified according to the Pan American Health Organization (2002). Epi Info 7.2 software was used to analyze the results that were considered significant at a maximum significance level of 5%. Results: The obesity the level of active physical activity, very active and the age group from 60 to 69 years old have become significantly for the non-instituonalizes elderly and for underweight sedentary physical activity level and age of 80 years  and over to institutionalized elderly (p≤0.01). Low weight was significantly associated with the elderlies with sedentary level of physical activity and obesity at the active and very active level (p≤0.01) Conclusion: The most non-institutionalized elderly were obese, active physical activity level or very active and were 60 to 69 years old, while institutionalized elderly were underweight or eutrophy or overweight, sedentary and aged 80 or over. Obese elderly people practiced more physical activity compared to those classified as underweight.

Author Biography

Letícia Meires Quinot, Universidade do Vale do Taquari

Universidade do Vale do Taquari – Univates, Brasil.

References

Alexandrino, E.G., Marçal, D.F.S., Antunes, M.D., Oliveira, D.V., Bertolini, S.M.M.G. & Bennemann, R. (2020). Mari Perfil alimentar e estado nutricional de idosos em instituições de longa permanência no Brasil. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, 8(3), 464-472. https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/3274

Alves, R.A., Lombardi Jr., I. & Agner, V.F.C. (2018). Nível de atividade física e risco de quedas em idosos institucionalizados. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 8(4), 518–527. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v8i4.2168.

Assumpção, D., Borim, F.S.A., Francisco, P.M.S.B., Neri, A.L., (2018). Fatores associados ao baixo peso em idosos comunitários de sete cidades brasileiras: Estudo FIBRA. Ciência & Saúde Coletiva [online]. v. 23, n. 4. https://doi.org/10.1590/1413-81232018234.17422016.

Bald, E.F. & Adami, F.S. (2019). Avaliação nutricional e perfil sócio demográfico de idosos institucionalizados. Revista Destaques Acadêmicos, 11(3), 191-201. http://www.meep.univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/2293/1555.

Barbosa, L.B.G. (2017). Constipação intestinal, diagnóstico e causa multifatorial em idosos de instituição de longa permanência. Rev. Cient. Sena Aires, 6(2), 95-102.

Costa, J. L. D., Dias, C. P. & Tiggemann, C. L. (2018). Qualidade de vida, nível de atividade física e mobilidade funcional entre idosos institucionalizados e domiciliados. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 22(1), 73-78.

Costa, T.B. & Neri, A.L. (2019). Fatores associados às atividades física e social em amostra de idosos brasileiros: dados do Estudo FIBRA. Revista Brasileira de Epidemiologia, 22, e190022. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720190022.

Damo, C. C., Doring, M., Alves, A. L. S. & Portella, M. R. (2018). Risco de desnutrição e os fatores associados em idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 21(6), 711-717.

Didoné, L., Jesus, I.M., Santos-Orlandi, A.A., Pavarini, S.C.I., Orlandi, F.S., Costa-Guarisco, L.P., Gratão, A.C.M., Gramany-Say, K., Cominetti, M.R., Gomes, G.A.O. & Zazzetta, M.S. (2020). Fatores associados a sintomas depressivos em idosos inseridos em contexto de vulnerabilidade social. Revista Brasileira de Enfermagem, 73 (Suppl. 1), e20190107.

Domingos, A. maria O., vanderley, A. santos, Silva, E. C. M., Silva, V. M. G. de L., Calheiro, M. S. C., & de Melo, G. B. (2021). O sedentarismo no idosos e suas consequencias na qualidade de vida. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 7(1), 13. https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/7492

Dutra, N.S. & Rodrigues, A.G. (2021). Levantamento dos principais motivos para a institucionalização de idosos. BIUS -Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia, 28(22), 1-17. https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/BIUS/article/view/9925.

Faustino, A.M. & Neves R. (2020). Benefícios da prática de atividade física em pessoas idosas: revisão de literatura. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 12(5), e3012.https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/3012#:~:text=Resultados%3A%20Os%20principais%20benef%C3%ADcios%20referenciados,de%20atividade%20e%20independ%C3%AAncia%20entre.

Ferreira, L. C., Meireles, J. F. F. & Ferreira, M. E. C. (2018) Avaliação do estilo e qualidade de vida em idosos: uma revisão de literatura. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 21(5), 639-651. https://www.scielo.br/j/rbgg/a/Zmscq4PbSMfwNPHmyLmQhqk/?format=pdf&lang=pt.

Fortes, R.C. & Hack, A. (2021). Abordagem multidisciplinar do idoso - aspectos clínicos, fisiológicos, farmacológicos e nutricionais. Portal De Livros Abertos Da Editora JRG, 5(5), 01–134.

Guimarães, L., Brito, T.A., Pithon, K.R., Jesus, C.S., Souto, C.S., Souza, S.J.N. & Santos, T.S. (2019). Sintomas depressivos e fatores associados em idosos residentes em instituição de longa permanência. Ciência & Saúde Coletiva, 24(9), 3275-3282.

Guts, J.F.S., Jacob, M.H.V., Santos, A.M.P., Arossi, G.A. & Beria, J.U. (2017). Perfil sociodemográfico, aspectos familiares, percepção de saúde, capacidade funcional e depressão em idosos institucionalizados no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 20(2): 175-185.

Hua, F.Y., Santos-Galduroz, R.F., Aman, F.C.S., Bagesteiro, L.B. & Safons, M.P. (2018). Influências da atividade física na cognição e na depressão durante o envelhecimento. Arquivos Brasileiros de Educação Física, 1(1), 157-166. https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/abeducacaofisica/article/view/6179/14492.

Lopes, E.D.C. (2020). Relação da atividade física e função cognitiva em idosos. [Trabalho de Conclusão]. Brasília: Universidade de Brasília. https://bdm.unb.br/handle/10483/29445

Manso, M.E.G., Silva, D.L.G., D’Oliveira, R.R., Kim, B.M.J., Santos, A.F.L. & Silva Jr., E.A.B. (2019). Impacto do exercício físico no baixo peso corporal em idosos: uma abordagem focada na sarcopenia. PAJAR - Pan American Journal of Aging Research, 7 (2), e33308. https://doi.org/10.15448/2357-9641.2019.2.33308.

Martinez, B.B. (2018). Qualidade de vida, estado nutricional e risco de complicações metabólicas associadas à obesidade, em adultos e idosos. [trabalho de conclusão]. Lajeado: Universidade do Vale do Taquari. https://m.univates.br/bdu/handle/10737/2278

Miranda, R.N.A. & Paiva, M.B. (2019). Antropometria e consumo alimentar: identificador do estado nutricional de idosos. Nutrição Brasil, 18(3), 141-150. https://doi.org/10.33233/nb.v18i3.2839.

Nascimento, L.S.M. (2021). Avaliação nutricional de idosos residentes em instituição de longa permanência de Alexandria / RN. [Trabalho de Conclusão]. Cuité: Universidade Federal de Campina Grande.

Oliveira, M.R., Konzen, V.M., Fleig, T.C.M. & Signori, L.U. (2019). Impacto sobre a capacidade funcional e cognitiva em idosos após um ano de institucionalização. Fisioter Bras, 20(2):139-146. https://doi.org/10.33233/fb.v20i2.2792.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2002). Encuesta Multicentrica salud beinestar y envejecimiento (SABE) em América Latina el Caribe: Informe Preliminar. In: Reunión del Comité Asesor de Investigaciones em Salud, 36. Anais [...]. Kingston, Jamaica: OPAS. www.opas.org/program/sabe.htm.

Peiter, J.M., Adami, F.S., Gerevini, A.M., Delazzeri, F.L., Fuhr, J.C., Trindade, N.S., Bertani, J.P.B., Conde, S.R. & Fassina, P. (2020). Consumo alimentar e estado nutricional de idosos institucionalizados. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 9(12), e41491211419. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11419.

Poltronieri, BC, Souza, ERR, Peixoto, A. (2019). Análise do tema violência nas políticas de cuidado de longa duração ao idoso. Ciência & Saúde Coletiva [online]. https://doi.org/10.1590/1413-81232018248.25192017.

Queiroz, M.G., Aquino, M.L.A., Brito, A.D.L., Medeiros, C.C.M., Simões, M.O.S. & Teixeira, A. et al. (2020). Envelhecimento saudável prejudicado pela obesidade: uma revisão integrativa. Braz. J. Health Rev., 3(2), 2309-2316. https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/8059.

Ramos, L.L. Augusto, A.M.C., (2017). Idosos não institucionalizados: uma escolha?. uBibliorum, FCSH - DS | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento. http://hdl.handle.net/10400.6/7875.

Rosa, A. C. S., Roque, J. R., & Gonçalves, D. R. (2020). Estado nutricional de idosos residentes em instituições geriátrica e a relação com o consumo alimentar. Revista Contexto & Saúde, 20(41), 25–35. https://doi.org/10.21527/2176-7114.2020.41.25-35

Rocha, M.S., Santos, G.M., Silva, B.B.M., Silva, B.L.S., Nascimento, L.M., Nunes, I.F.O.C. & Carvalho, C.M.R.G. (2020). Síndrome metabólica e estado nutricional de idosos residentes em capital do nordeste brasileiro. Research, Society and Development, 9(10), e8029109161.

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). (2011). Orientações básicas para a coleta, e análises de dados antropométricos em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Silva, I.S, (2019). Estado nutricional e dados antropométricos de idosos ativos. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/26393.

Sousa, N.F.S., Lima, M.G., Cesar, C.L.G. & Barros, M.B.A. (2018). Envelhecimento ativo: prevalência e diferenças de gênero e idade em estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública, 34(11), e00173317. https://www.scielo.br/j/csp/a/CgHpmyrd4pDy3yq5dMLmLbs/?format=pdf&lang=pt.

Teixeira, A., Verginio, J. B., Daltoé, L., Souza, M.C.G. & Moro, N. (2020). Associação da composição corporal e qualidade de vida de idosos praticantes e não praticantes de atividade física. Perspectiva: Ciência e Saúde, 5(1), 34-47

Torquato, E., Gerage, A., Meurer, S., Borges, R., Silva, M. & Benedetti, T. (2016). Comparação do nível de atividade física medido por acelerômetro e questionário IPAQ em idosos. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde, 21(2), 144-53. https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/6438.

World Health Organization (WHO) (2019). Global Strategy on Diet, Physical Activity and Health. Genebra: WHO. https://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_olderadults/en/.

Published

30/07/2022

How to Cite

QUINOT, L. M.; SPEZIA, A. P. .; GEREVINI, A. M. .; FÜHR, J. C. .; LAVALL, J. M. .; TRINDADE, N. dos S. .; ADAMI, F. S. Relationship of nutritional status and level of physical activity among institutionalized and non-institutionalized elderly. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e264111032605, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32605. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32605. Acesso em: 2 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences