The evolution of health education in Brazil and the reference unit in rehabilitation as a scenario of academic practice in occupational therapy: a narrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32677

Keywords:

Health education; Teaching and care; Occupational therapy.

Abstract

Teaching and assistance are elements of undergraduate courses in the health area. The challenge is how they can be articulated to contribute to the process of training the student as a future professional, who is committed to developing quality work, with resolution and humanization, especially in services linked to the Unified Health System (SUS) . The study presents aspects about the evolution of health education in Brazil, and more specifically, Occupational Therapy, and its relationship with a rehabilitation unit linked to the University of the State of Pará (UEPA), called Unit of Rehabilitation in Physiotherapy and Occupational Therapy (UEAFTO). For this, a narrative review was carried out, from February to May 2022, in the Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), Virtual Health Library (BVS), Scientific Electronic Library Online (SCIELO) and Google databases. Academic, as well as reading and analysis of bibliographic references of the discipline “The SUS as a School” (curricular component of the Postgraduate Program in Health Education in the Amazon - Professional Master's Degree, from UEPA). UEAFTO has faced challenges in its daily operation regarding the feasibility of articulating teaching and assistance, in accordance with the premises of the SUS and the profile necessary for the future professional of this system. The Unit is a space for the production of knowledge and health care, in a dynamic process of evolution, with the potential to contribute even more to the training of qualified professionals to work in the SUS.

References

Aarons, G. A. (2005). Mental health provider attitudes toward adoption of evidence-based practice: the evidence-based practice attitude scale (EBPAS): Mental Health Services Research, 6 (2), 61–74.

Andriolo, R. B. & Silva, B. N. G. (2012). Modelo de laboratório de medicina baseada em evidências: experiência na Universidade do Estado do Pará. Diagnóstico e Tratamento, 17 (2), 75-81.

Antunes, J. M., Daher, D. V. & Ferrari, M. F. M. (2017). Preceptoria como lócus de aprendizagem e de coprodução de conhecimento. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 11 (10), 3741-3748. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/22612/24273.

Brasil (2019). Portaria nº 2.979, de 12 de novembro de 2019. Programa Previne Brasil. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.979-de-12-de-novembro--de-2019-227652180.

Brasil (2010). Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_pessoa_com_deficiencia.pdf.

Campos, G. W. S. (2006). Políticas de formação de pessoal para o SUS: reflexões fragmentadas. Cadernos RH Saúde, 3 (1), 52-56.

Ceccim, R. B. & Feuerwerker, L. C. M. (2004). Mudanças na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cadernos de Saúde Pública, 20 (5), 1400-1410.

Conselho Nacional de Saúde - CNS (2020). Resolução n° 650, de 04 de dezembro de 2020. Dispõe sobre as recomendações do Conselho Nacional de Saúde à proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação bacharelado em Terapia Ocupacional. http://conselho.saude.gov.br/images/Resolucoes/2020/Reso650.pdf.

Conselho Nacional de Educação - CNE (2002). Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 6, de 19 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Terapia Ocupacional.

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES062002.pdf.

Correa, R. O. (2016). Percepções dos discentes de Terapia Ocupacional sobre experiência de integração ensino-serviço-comunidade (Dissertação de Mestrado). Universidade do Estado do Pará, Belém, Brasil.

Costa, D. A. S., Silva, R. S., Lima, V. V. & Ribeiro, E. C. O. (2018). Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 22 (67), 1183-1195. https://www.scielo.br/j/icse/a/GZsw79s7SZGBXZ3QNBhNppn/?format=pdf&lang=pt

Dias, G. L., Camponogara, S., Costa, V. Z., & Cunha, Q. B. (2017). A relação saúde e meio ambiente na atenção primária e na estratégia saúde da família: uma revisão narrativa. Revista de APS, 20 (4), 636-644.

Ellery, A. E. L., Bosi, M. L. M., & Loiola, F. A. (2013). Integração ensino, pesquisa e serviços em saúde: antecedentes, estratégias e iniciativas. Saúde e Sociedade, 22 (1), 187-198.

Fernandes, J. D., Xavier, I. A., Ceribelli, M. I. P. F., Bianco, M. H. C., Maeda, D., & Rodrigues, M. V. C. (2005). Diretrizes curriculares e estratégias para implantação de uma nova proposta pedagógica. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 39 (4), 443-449. https://www.scielo.br/j/reeusp/a/jBbL3R3kbc6h6DjcyMdNqGg/?format=pdf&lang=pt

Feuerwerker, L. C. M. (2002). Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. Hucitec.

Leung, E. Y. L., MALICK, S. M., & Khan, K. S. (2013). On-the-job evidence-based medicine training for clinician-scientists of the next generation. The Clinical Biochemist Reviews, 34 (2), 93-103. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24151345.

Lopes, P. E. S., Carvalho, E. J. A., Souza, F. B., Jamelli, S. R., & Melo, M. M. D. C. (2019). Opinião de cirurgiões dentistas sobre atividades de preceptoria na formação de estudantes de Odontologia de uma universidade brasileira. Revista Abeno, 19 (2), 156-166. https://revabeno.emnuvens.com.br/revabeno/article/view/578.

Martins, G. M., Caregnato, R. C. A., Barroso, V. L. M., & Ribas, D. C. P. (2016). Implementação de residência multiprofissional em saúde de uma universidade federal: trajetória histórica. Rev. Gaúcha Enferm., 37 (3), 1-8. https://www.scielo.br/j/rgenf/a/GzpBnqgKDzNyKxSGVnnQ8bv/?format=pdf&lang=pt.

Nalom, D. M. F., Ghezzi, J. F. S. A., Higa, E. F. R., Peres, C. R. F. B., & Marin, M. J. S. (2019). Ensino em saúde: aprendizagem a partir da prática profissional. Ciência & Saúde Coletiva, 24 (5), p. 1699-1708. https://www.scielo.br/j/csc/a/5srtMLMGXYVz5Qs4bBCCJHJ/?format=pdf&lang=pt.

Pará (1997). Manual de normas e rotinas da Unidade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Mimeografado.

Pagliosa, F. L., & Da Ros, A. (2008). O relatório Flexner: para o bem e para o mal. Revista Brasileira de Educação Médica, 32 (4), p. 492-499.

Pereira, J. G., & Fracolli, L. A. (2011). Articulação ensino–serviço e vigilância da saúde: a percepção de trabalhadores de saúde de um distrito escola. Trabalho Educação em Saúde, 9 (1), 63-75.

Pereira, R. P. G., Cardoso, M. J. S. P. O., & Martins, M. C. S. C. (2012). Atitudes e barreiras à prática de Enfermagem baseada na evidência em contexto comunitário. Revista de Enfermagem Referência, 3 (7), 55-62.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paul Enferm, 20 (1), 5-7.

Ruas, T. C. B., Leite, F. C. , Akerman, M., & Gagliardo, H. R. (2015). A formação acadêmica em terapia ocupacional e as concepções sobre o processo saúde-doença. ABCS Health Sciences, 40 (3), 1-6.

Santos, F. L. L. S. M., Oliveira, F. K. F., & Dias, J. J. (2021). Preceptoria com discentes de enfermagem na estratégia saúde da família. Revista Baiana de Saúde Pública, 43 (4), 146-152. https://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2590/2870.

Smeke, E. L. M., & Oliveira, N. L. S. (2009). Avaliação participante de práticas educativas em serviços de saúde. Cadernos CEDES, 29 (79), 347-360.

Stroschein, K. A., & Zocche, D. A. A. (2011/2012). Educação permanente nos serviços de saúde: um estudo sobre as experiências realizadas no Brasil. Trabalho, Educação e Saúde, 9 (3), 505-519.

Silva, L. B. (2018). Residência multiprofissional em saúde no Brasil: alguns aspectos da trajetória histórica. Rev. Katálysis, 21 (1), 200-209. https://www.scielo.br/j/rk/a/BpFH8tww34qhgm9LSW6n84d/abstract/?lang=pt.

Teixeira, R. C., Corrêa, R. O., & SILVA, E. M. (2018). Percepções de discentes de Terapia Ocupacional sobre a experiência de integração ensino-serviço-comunidade. Cad. Bras. Ter. Ocup., 26 (3), 617-625.

Tempsk, P., & Borba, M. (2009). O SUS como escola. Revista Brasileira de Educação médica, 33 (3), 319-320.

Vendruscolo, C., Araújo, J. A. D., Adamy, E. K., Forte, E. C. N., Souza, J. B., Geremia, D. S., Mendonça, A. V. M., & Sousa, M. F. (2021). Preceptoria como potencializadora da integração ensino-serviço na formação em Enfermagem. Enferm Foco, 12 (7), 8-14. http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/5201/1152.

Viegas, S. M. F., & Penna, C. M. M. (2013). A construção da integralidade no trabalho cotidiano da equipe saúde da família. Escola Anna Nery, 17 (11), 133-141. https://www.scielo.br/j/ean/a/Mvw7qhGmg83v7x4bCFxhcsz/abstract/?lang=pt.

Weng, Y. H., Kuo, K. N., Yang, C. Y., Lo, H. L., Chen, C., & Chiu, Y. W. (2013). Implementation of evidence-based practice across medical, nursing, pharmacological and allied healthcare professionals: a questionnaire survey in nationwide hospital settings. Implementation Science, 8 (112), 1-10. http://www.implementationscience.com/content/8/1/112.

Published

30/07/2022

How to Cite

SOUZA, D. F. de .; SÁ, A. M. M. .; PEIXOTO, I. V. P. .; PEREIRA, E. M. da S. .; SÁ, P. de .; CORRÊA, R. de O. .; RODRIGUES, R. M. .; FREITAS, J. J. da S. .; BRITO, C. V. B. . The evolution of health education in Brazil and the reference unit in rehabilitation as a scenario of academic practice in occupational therapy: a narrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e271111032677, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32677. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32677. Acesso em: 30 nov. 2022.

Issue

Section

Health Sciences