Prevention and adolescent mental health: risk factors facing the difficulties experienced in Pandemic da COVID-19

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32857

Keywords:

Adolescent; Depression; Suicide; Prevention.

Abstract

Adolescence is an evolutionary stage full of physical, biological and psychological transformations. These changes can have significant impacts on the mental health of the young person, and, in certain situations, lead to suicide attempts or practices as a way of resolving difficulties and/or conflicts. This phenomenon is complex, has several causes and associated factors, and has been growing in recent years, especially in view of the COVID-19 pandemic. Thus, the present study aimed to carry out a theoretical study on strategies for preventing suicide in adolescence in face of the difficulties experienced in the current context. We also researched the factors that lead to depression, ideation, attempts, and suicide in adolescence, as well as possible prevention strategies. The method used was a narrative literature review. It was identified that the family group has the potential to generate positive and adequate relationships when it presents support and attachment among its members. Moreover, suicide prevention interventions that address issues related to mental health, as well as the importance and role of family relationships, training of professionals in the school context, multidisciplinary monitoring, recognition of signs of suicidal behavior, and referral to health professionals are essential. Moreover, early detection of these cases becomes essential to preserve the lives of adolescents. Another important factor to be highlighted is the cyberbullying that affects the daily lives of adolescents. We conclude that providing an opportunity for them to be listened to and monitored seems to be an effective strategy for preventing and coping with suicide.

References

Abreu, K. P. de.., Lima, M. A. D. da. S., Kohlrausch, E. & Soares, J. F. (2010). Comportamento suicida: fatores de risco e intervenções preventivas. Revista eletrônica de enfermagem,12(1), 195-200.

American psychiatric association (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre, PA. Artmed.

Barbosa, F. de. O., Macedo, P. M., & Silveira, R. M. C. da. (2011). Depressão e o suícido. Revista da SBPH, 14(1), 233-243.

Bertolote, J. M. (2012). O Suicídio e Sua Prevenção. São Paulo, SP: .Unesp.

Biazus, C., & Ramires, V. R. R. (2012). Depressão na adolescência: uma problemática dos vínculos. Psicologia em Estudo. 17(1), 83-91.

Braga, L. L. & Dell’Aglio, D. D. (2013). Suicídio na Adolescência: Fatores de risco, depressão e gênero. Contextos Clínicos, 6,(1)214.

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Proteger e cuidar da Saúde de Adolescentes na Atenção Básica. Recuperado de: https://bvsms.saude.gov.br.

Cassorla, R. M. S. (2004). Suicídio e autodestruição humana. In N. Bottega & B. S. G.Werlang (Orgs). Comportamento Suicida (pp. 21-23) Porto Alegre, PA: Artmed.

Cassorla, R. M. S. (2017). Suicídio, fatores inconscientes e aspectos socioculturais: uma introdução. São Paulo, SP: Editora Edgard Blucher

Costa, L. C. R., Gonçalves, M., Sabino, F. H. O., Oliveira,W. A., & Carlos, D. M. (2021). Adolescer em meio à pandemia da Covid-19: um olhar da teoria do amadurecimento de Winnicott. Interface, comunicação, saúde, educação: Botucatu, SP. Recuperado de: https://www.interface.org.br

Malloy-Diniz, L. F., Costa, D. de S., Loureiro , F., Moreira, L., Silveira, B. K. S., Sadi, H. de M., Apolinário-Souza, T., Alvim-Soares, A., Nicolato, R., Paula , J. J. de, Miranda, D., Pinheiro, M. I. C., Cruz, R. M., & Silva, A. G. (2020). Saúde mental na pandemia de Covid-19: considerações práticas multidisciplinares sobre cognição, emoção e comportamento. Debates Em Psiquiatria, 10(2), 46–68.

Costa, F. C., Junior, E. G. J., & Fajardo, R. S. (2014). Depressão e suicídio na adolescência; representações sociais e indicadores de risco. Visão Universitária,1(1), 919.

Coutinho, A. H. S. de. A. (2010). Suicídio e laço social. Reverso, 32(59), 61-69

Centro Estadual de Vigilância em Saúde. (2016). Suicídio. Recuperado de: https://www.cevs.rs.gov.br/suicidio

Danzmann, P. S., Silva, A. C., & Guazina, F. M. N. (2020). Atuação do psicólogo na saúde mental da população diante da pandemia, J. nurs.health, 10,e 20104015.

Dell’Aglio, D. D., & Hutz, C. S. (2004). Depressão e Desempenho Escolar em Crianças e Adolescentes institucionalizados. Patologia: Reflexão e crítica, 17(3), 341-350.

Escobar, A de. M. P. R. Arruda, M. de. F. A., & Sobrinho, J. E. de. L. (2022). Estratégias de prevenção do suicídio e da autolesão voltadas para adolescentes em ambientes escolares: uma revisão integrativa de literatura. Research, Society and Development, 11(3), 1-10.

Fundação Oswaldo Cruz. (2020). Covid e saúde da criança. Recuperado de: FF/Fiocruzhtpps://portal.fiocruz>documento>covid-19-e-saude-da-criança-e-do-adolescente

Jatobá, I. D. V. & Bastos, O. (2007). Depressão e ansiedade em adolescentes em escolas públicas e privadas. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 5(3), 171-179.

Marcelli, D., & Braconnier, A. (2007). Adolescência e psicopatologia: As tentativas de Suicídio. Porto Alegre, PA: Artmed.

Marquetti, F. (2018). Suicídio.Escutas do Silêncio. De quem é a vida afinal?: A Bioética na Prevenção do Suicídio e na Posvenção. São Paulo, SP: Unifesp:

Mendes, A. K de. A. (2021). Covid-19 e o uso abusivo da internet: O Cyberbullying é um fator de risco para o suicídio no Brasil? Research, Society and Development,10(7), 1-9.

Miliauskas, C. R., & Faus, D. P. (2020). Saúde mental de adolescentes em tempos de Covid-19: desafios e possibilidades de enfrentamento. PHYSIS- Revista de Saúde Coletiva,30(4), 1-8.

Moreira, F. J. F., Sampaio, J. V. B., Abreu, I. D. P., & Santos, M. I. (2018). Caminho trilhado na construção do plano estadual de educação permanente: Percursos e discursos. Escola de Saúde Pública do Ceará, CE: Governo do Estado do Ceára; Recuperado de: https://observatorio.esp.ce.gov.br/project/caminho-trilhado-na-construcao-do-plano-estadual-de-educacao-permanente/

Moreira, F. J. F. (2021).”Nada é fácil de entender”: reflexões acerca do ato suicida na adolescência. Research,Society Developmentt, 10(9) 1-10.

Minayo, M. C. S. (2020). Análise qualitativa; teoria, passos e fidedignidade. Ciência e Saúde Coletiva.,1, 621-626.

Ministério da Saúde. (2021). Secretaria de Vigilância em Saúde:Boletim Epidemiológico. Recuperado de: www.saude.gov.br?svs.

Organização Pan-Americana da Saúde. (2016). Saúde Mental dos Adolescentes. Recuperado de:https://www.paho.org/pt/topicos/saude-mental-dos-adolescentes

Oliveira, H., & Morbini F. (2021) O Cyberbullying e a Instigação ao Suicídio em Jovens e Adolescentes. Formas de combate através da Aplicação Penal Brasileira, 7(2)-104-117.

Organização Mundial da Saúde. (2018) Folha informativa, Depressão. Recuperado de: https://paho.org/bra/index.php? option-com_content&view-article&id=5635:folha informativa depressão &itemid=1095> acesso em: 16 nov.21

Peres, A. L. (2018). Morte silenciada: O Suicídio e a Representação Social. Revista Ambiente, 2(1), 109-124.

Penso, M. A. et al. (2012). Jovens pedem socorro: adolescente que praticou ato infracional e o adolescente que cometeu ofensa sexual. Brasília: BR: Liber.

Penso, M. A. & Sena, D. P. A. (2020). A desesperança do jovem e o suicídio como solução. Revista Sociedade e Estado,35(1), 61-81.

Krüger, L. L., & Werlang, B. S. G. (2010). A dinâmica familiar no contexto da crise suicida. Psico-USF, 15(1),59-70.

Santos, L. V. et al. (2021). Prevenção e fatores relacionados à ideação suicida em adolescentes nas entrelinhas de uma revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 13(9), e8112.

Selosse, J. (1997). Adolescence,violences et déviances. Paris:Matrice

Seródio, L.A., & Prado, G. D. V. T. (2017). Escrita-evento na radicalidade da pesquisa narrativa. Educação em Revista, 33, 1-18.

Sganzerla, G. C. (2021). Risco de Suicídio em Adolescentes; Estratégias de Prevenção Primária no Contexto Escolar, Psicologia escolar e educacional, 25, 1-8.

Simas, V. F., Prado, G. D. V. T., & Domingo, J. (2018). Dimensões de consciência possíveis na pesquisa e na escrita narrativa sobre si-uma perspectiva bakhtiniana. Bakhtiniana: Revista de e Estudo do discurso, 13(1), 113-131.

Silva, F. M., da. & Cunha, A. A. D. da. (2022) Fatores de Risco, Tentativas de suicídio em crianças e Adolescentes. Epotoya E-Books,1(3), 138-144.

Silva, D. A da. & Marcolan, J. F. (2021). O impacto das relações familiares no comportamento suicida.(2021). Research, Society and Development, 10(2),, e17310212349.

Silva, M. M. (2021). A contribuição da escola para a promoção da saúde mental de adolescentes no combate a depressão e ao suicídio. Brazilian Journal of Development, 7(3), 1-18.

Tavares,V. (2022). Fiocruz, saúde mental: especialistas falam sobre os desafios no cuidado de jovens e adolescentes. Retirado de: https:/portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br>

Volkmer, et al. (2019). Guia Intersetorial de Prevenção do Comportamento Suicida em crianças e adolescentes. Comitê Estadual de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio do Estado do Rio Grande do Sul / Comissão da Criança e do/a Adolescente. Retirado de: <https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/carga20190837/26173730-guia-intersetorial-de-prevencao-do-comportamento-suicida-em-criancas-e-adolescentes-2019.pdf>

Published

05/08/2022

How to Cite

URRUTH, G. de S. .; JAEGER, F. P. . Prevention and adolescent mental health: risk factors facing the difficulties experienced in Pandemic da COVID-19 . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e385111032857, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32857. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32857. Acesso em: 5 dec. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences