Prevalence of possible inappropriate eating attitudes in health professors: an analysis at a private university in Fortaleza

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33713

Keywords:

Eating disorders; University Professors; Eating habits.

Abstract

The present study aims to analyze the eating attitudes of university professors in the health area. A cross-sectional quantitative study was carried out in a private higher education institution in the city of Fortaleza-CE from September to December 2018. The sample consisted of 226 university professors from courses in the health area. A self-administered questionnaire was applied to obtain socioeconomic data, such as gender, age, course, marital status, weekly workload, place and time of meal, as well as the Eating Attitudes Test (EAT-26) in its version validated in Brazil. According to the results, 143 (63.2%) teachers from the total sample were available to answer the questionnaires, of which 96 were female (67.1%) and 47 were male (32.9%). With regard to the test of eating attitudes performed, it was found that 104 teachers (73%) are not at risk of developing a possible ED, unlike the other 39 (27%). It is concluded that through the results obtained, the absence of risk for the development of eating disorders was observed in most of the interviewees. In this context, the results may contribute to future studies in relation to teachers' eating habits and their possible influence among students.

References

Almeida, P. E. M, et al. (2014). Comportamento alimentar e transtorno alimentar: uma discussão de variáveis determinantes da anorexia e da bulimia. Revista Brasileira de terapia comportamental e cognitiva; 16 (1): 21-29.

Alvarenga, M., et al. (2019). Nutrição Comportamental. (2ª. ed.): Manole, p. 387-399.

Amaro J. M. R. S., & Dumith S. C. (2018). Sonolência diurna excessiva e qualidade de vida relacionada à saúde dos professores universitários. Jornal Brasileiro de Psiquiatria.; 67 (2): 94-100.

American Psychiatric Association (APA). (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM- 5. (5a. ed.): Artmed.

Bechara A. P. V., & Kohatsu L. N.(2014). Tratamento nutricional da anorexia e da bulimia nervosas: aspectos psicológicos dos pacientes, de suas famílias e das nutricionistas. Revista Vínculo; 11 (2): 07-18.

Bigheti, F. (2003). Tradução e Validação do Eating Attitudes Test (EAT-26) em adolescentes do sexo feminino na cidade de Ribeirão Preto- SP. São Paulo: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Borsoi, I. C. F. (2012). Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de Ensino Superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.15 (1): 81-100.

Bosi, M. L. M., et al. (2014). Comportamento alimentar e imagem corporal entre estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica. 38 (2): 243-252.

Braga, M. M., Paternez, A. C. A. C. (2017). Avaliação do consumo alimentar de professores de uma universidade particular da cidade de São Paulo. Revista Simbiologias; 4 (6): 07-18.

Cacciari, M. B., et al (2017). Percepções de professores universitários brasileiros sobre as virtudes mais valorizadas no exercício da docência. Revista Psicologia Escolar e Educacional. 21(2): 313-322.

Estrela, C. (2018). Metodologia Científica: Ciência, Ensino, Pesquisa. Editora Artes Médicas.

Fortes, L. S, Amaral, A. C. S, Almeida, S. S., & Ferreira, M. E. C. (2016). Efeitos de diversos fatores sobre o comportamento alimentar de adolescentes. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 18 (11): 3301-3310.

Freitas, S., Gorenstein, C., & Appolinario, J. C. (2018). Instrumentos para a avaliação dos transtornos alimentares. Revista Brasileira de Psiquiatria.; 34 (8).

João, M. R. S. A., & Samuel C. D. (2018). Sonolência diurna excessiva e qualidade de vida relacionada à saúde dos professores universitários. J Bras Psiquiatria. 67(2): 94-100.

Leal, G. V. S., et al. (2013). O que é comportamento de risco para transtornos alimentares em adolescentes? Jornal Brasileiro de Psiquiatria; 62 (1): 62-75.

Oliveira, L. L., & Deiro, C. P. (2013). Terapia cognitivo-comportamental para transtornos alimentares: a visão de psicoterapeutas sobre o tratamento. Revista Brasileira de terapia comportamental e cognitiva. 15 (1): 36-49.

Santana, J. O., Peixoto, S. V. (2017) Inatividade física e comportamentos adversos para a saúde entre professores universitários. Rev Bras Med Esporte. 23(2): mar/abr.

Sávio, K. E. O., et al. (2017). Sexo, renda e escolaridade associados ao nível de atividade física de trabalhadores. Rev Saúde Pública; 42(3): 457-63.

Silva, K. G., et al (2017). Relação entre a qualidade de vida e o consumo alimentar de professores de rede privada. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online; 9 (4): 962-970.

Silvério M. R., et al (2018). O ensino na área da saúde e sua repercussão na qualidade de vida docente. Rev Bras Educ Méd. 34(1): 65-73.

Sousa, A. P. L., & Pessa, R. P. (2016)Tratamento dos transtornos alimentares: fatores associados ao abandono. Jornal Brasileiro de Psiquiatria; 65 (1): 60-67.

Published

23/08/2022

How to Cite

MARTINS, X. M. X. .; ANDRADE, E. M. C. F. .; OLIVEIRA, I. S. . Prevalence of possible inappropriate eating attitudes in health professors: an analysis at a private university in Fortaleza. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e284111133713, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33713. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33713. Acesso em: 3 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences