Neolanguage and “neutral language”: inclusive potentialities and/or conservative reactions

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33741

Keywords:

Sociology; Neolanguage; Neutral Language; Education; Gender ideology.

Abstract

Resuming the understanding of "Neolanguage", from the movements, actions, contributions and struggles of different activists of the non-binary cause in Brazil, this sociological study seeks to broaden the discussions about the place where the debate of the so-called "gender inclusive language" , “neutral language” or “non-binary language” is inserted in different instances of the political debate and Brazilian social context, especially when crossed by the issue of plurality in the school environment - seen as a potential space for inclusion and/or (re)production of violence against non-normative bodies –, respect for gender identification/expression, reaction and appropriation of agendas by conservative-religious movements and the construction of public policies. From the electronic documentary research that generated the mapping of 26 (twenty six) Bills, between 2020 and 2021, linked to a conservative national anti-gender agenda of “prohibition of neutral language”, parallels are drawn between such discursive constructions. and the arguments used around a supposed “Gender Ideology”. As a result, it was possible to perceive how different groups signify Neolanguage as a gender technology and political agenda, to the extent that political representatives from different legislative spaces established their actions, as bills, inserted in the reconfigurations of the discursive scenarios of international reactionary agendas, in addition to enable reflection on the reasons for assuming the school space as a target space for such agendas.

Author Biographies

Ursula Boreal Lopes Brevilheri , Universidade Estadual de Londrina

Licenciada e graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Pesquisadora da equipe do Laboratório de Estudos sobre as Religiões e Religiosidades (LERR/UEL) e do projeto de extensão Práxis Itinerante: novas perspectivas para as juventudes e populações vulneráveis. Conjuntos de Linguagem: (a/ela/a), (-/ila/a). Contato: urse.brevilheri@gmail.com

May Romeiro Sartorelli, Universidade Estadual de Londrina 

Graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

References

ANTRA – Associação Nacional de Travestis e Transexuais. (2020). Nota da ANTRA sobre cotas e reservas de vagas em universidades destinadas às pessoas trans. https://antrabrasil.org/2020/12/17/nota-antra-cotas-universidades-pessoas-trans

Bagagli, Beatriz Pagliarini. (2013). Máquinas discursivas, ciborgues e transfeminismo. Revista Gênero, 14 (1), 11-27.

Bagagli, Beatriz Pagliarini. (2021). Abordando estereótipos de gênero e cisgeneridade: entre a subversão e resistência nos discursos transfeministas e feministas radicais trans-excludentes. Leitura, 69, 55–68.

Balem, Isadora Forgiarini. (2020). Identidade de gênero não binária: da violência normativa ao direito à extimidade. Porto Alegre: Lumen Juris.

Bonassi, Brune Camillo. (2017). Cisnorma: Acordos societários sobre o sexo binário e cisgênero.

Bonassi, Brune Camillo. (2021). Multiplicidade ontológica legal: alguns entraves na garantia de direitos fundamentais para pessoas não binárias. In Morgado, Morgan (org.). A primavera não-binárie: O protagonismo trans não-binárie no fazer científico. Florianópolis: Rocha Gráfica e Editora, 61-76.

Butler, Judith. (2018). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Editora José Olympio.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean et al (orgs.). A pesquisa quantitativa. Petrópolis, 2012.

Covas, Fabíola Sucasas Negrão & Bergamini, Lucas Martins. (2021). Análise crítica da linguagem neutra como instrumento de reconhecimento de direitos das pessoas LGBTQIA+. Brazilian Journal of Development, 7 (6), 54892-54913.

De Jesus, Jaqueline Gomes. (2012). Identidade de gênero e políticas de afirmação identitária. In Anais do VI Congresso Internacional de estudos sobre a diversidade sexual e de gênero da ABEH. Brasília: ABEH. Salvador: UFBA. 1-15.

Dinis, Nilson Fernandes. (2008). Educação, relações de gênero e diversidade sexual. Educação & Sociedade, Campinas, 29, 477-492.

Dinis, Nilson Fernandes. (2011). Homofobia e Educação: Quando a omissão também é signo de violência. Educar em Revista, 39, 39-50.

Foucault, Michel. (2014). História da sexualidade 1: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, Paulo. (1992). Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, Paulo. (2002). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Haraway, Donna. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos pagu, 5, 7-41.

Hunter, James. (1991). Culture wars: the struggle to define America. Nova Iorque: Basic Books.

Ingold, Tim. (2019). “Sobre levar os outros a sério”. In: Ingold, Tim. Antropologia: para que serve? Petrópolis: Vozes.

Junqueira, Rogério Diniz. (2018). A invenção da "ideologia de gênero": a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Rev. psicol. polít., São Paulo, 18 (43), 449-502.

Lau, Héliton Diego. (2017). O uso da linguagem neutra como visibilidade e inclusão para pessoas trans não-binárias na língua portuguesa: a voz “del@s” ou “delxs”? Não! A voz “delus”! In: Simpósio Internacional em Educação Sexual, 5.

Lemos, Kaio Souza. (2020). Processos externalizadores: normas, práticas e tecnologias de gênero no universo transmasculino no Ceará. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Programa Associado de Pós-graduação em Antropologia UFC/UNILAB (PPGA), Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Lugones, María. (2008). Colonialidade e gênero. Tabula Rasa, 9, 73-102.

Maranhão Filho, E. “Du Flor” Meinberg de Albuquerque. (2014). (Re/des) conectando gênero e religião-peregrinações e conversões trans* e ex-trans* em narrativas orais e do Facebook. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

MAY, Tim. (2004). Pesquisa documental: escavações e evidências. In Pesquisa social: questões, método e processo. 3.ed. Ponto Alegre; Artmed.

Morgado, Morgan. (2021) Apresentação. In: Morgado, Morgan (org.). A primavera não-binárie: O protagonismo trans não-binárie no fazer científico. Florianópolis: Rocha Gráfica e Editora.

Preciado, B.; Marcondes Nogueira, F. F. (2018). Quem defende a criança queer?. Jangada: crítica | literatura | artes, 1, 96–99.

Vicente, Guilherme Calixto; Costa Brandi, Caru. (2021) Direitos reprodutivos e sexuais em foco: Experiências de boycetas em atendimento ginecológico. Cadernos de Gênero e Diversidade, 7 (3), 229–245.

Weber, Max. (2001). A “objetividade” do Conhecimento na Ciência Social e na Ciência Política. In Metodologia das Ciências Sociais, São Paulo: Cortez, 2001.

Published

01/09/2022

How to Cite

BREVILHERI , U. B. L.; LANZA, F.; SARTORELLI, M. R. Neolanguage and “neutral language”: inclusive potentialities and/or conservative reactions. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e523111133741, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33741. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33741. Acesso em: 3 oct. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences