Validation of the Standard Operating Procedure for the flow of care for acute Chagas disease in Pernambuco

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36145

Keywords:

Chagas Disease; Primary Health Care; Validation study.

Abstract

Objective: Validate a Standard Operating Procedure for the flow of care for acute Chagas disease in Pernambuco. Methodology: Methodological study, based on two stages proposed by Hoskins, concept analysis and content validity, with validation performed by five experts. To analyze the answers, the Percentage of Agreement between the judges was used, considering appropriate the items that obtained a percentage greater than or equal to 80%. Results: The final Percentage of Agreement among the judges in the evaluation instrument of the Standard Operating Procedure for the flow of care for acute Chagas disease in Pernambuco was 88%. Final considerations: The importance of the standard operating procedure in health care for individuals affected by acute Chagas disease was emphasized, thus enabling a safe practice, an improvement of care, and access to services, in addition to technical-scientific support for professionals in Primary Health Care.

References

Alagoas. (2020). Manual de Procedimentos Operacionais Padrão (POP) de Enfermagem para as Unidades Básicas de Saúde. Secretaria Municipal de Saúde de Maceió. Diretoria de Atenção à Saúde Coordenação Geral de Atenção Primária. Maceió. 234. https://maceio.al.gov.br/uploads/documentos/MANUAL-POP-VERSAO-FINAL.pdf

Brasil. (2021). Doença de Chagas. Boletim Epidemiológico. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/boletins-epidemiologicos/especiais/2021/boletim_especial_chagas_14abr21_b.pdf

Brasil. (2018). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas de Doença de Chagas. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. http://conitec.gov.br/images/Protocolos/Relatorio_PCDT_Doenca_de_Chagas.pdf

Brasil. (2009). Vigilância em saúde: zoonoses. 224 p.:il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos de Atenção Básica; n. 22). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_saude_zoonoses_p1.pdf

Brasil. (2010). Formulário terapêutico nacional 2010: Rename 2010. 2º. Edição. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/formulario_terapeutico_nacional_2010.pdf

Brasil. (2021). Guia de vigilância em saúde 5º Edição. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Articulação Estratégica de Vigilância em Saúde. Brasília. 771-802. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_5ed.pdf

Bringel, K. K. M. C., Pasklan, A. N. P., Bringel Filho, J. A. M., Freitas, A. L., Mendes, L. S. & Muniz, A. S. (2022). Construção e validação de um guia da rede SUS em um município da Baixada Maranhense. Research, Society and Development, 11(1), e43311125192. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i1.25192

Carvalho, N. B., Atala, M. M., Leite, R. M., Yasuda, M. A. S. (2018). Manual de Atendimento a Pacientes com Doença de Chagas: Atenção Básica 2014/2015. São Paulo: Faculdade de Medicina USP.https://www.dive.sc.gov.br/phocadownload/doencas-agravos/Doen%C3%A7a%20da%20chagas/Publica%C3%A7%C3%B5es/1%20-%20Manual%20de%20Atendimento%20a%20Pacientes%20com%20Doen%C3%A7a%20de%20Chagas.pdf

Dias, J. C. P., Gontijo, E. D., Luquetti, A., Yasuda, M. A. S., Coura, J. R., Torres, J. R., et al. (2016). II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Brasília, 25(esp), 7-86. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742016000500002

Ferreira, A. M., Damasceno, R. F., Monteiro-Junior, R. S, Oliveira, I. A. C, Prates, T. E. C., Nunes, M. C. P, et al. (2019). Reações adversas ao benzonidazol no tratamento da Doença de Chagas: revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados e controlados. Cadernos Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 27 (3): 354-62. https://doi.org/10.1590/1414-462X201900030456

Honório, R. P. P., Caetano, J. A. & Almeida, P. A. (2011). Validação de procedimentos operacionais padrão de Enfermagem de pacientes com cateter totalmente implantado. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, 64(5), 882-9. https://www.scielo.br/j/reben/a/RrGdRLhQBqKZPVYLVxwYG8C/?format=pdf&lang=pt

Jansen, A. M., Xavier, S. C. C. & Roque, A. L. R. (2020). Landmarks of the knowledge and Trypanosoma cruzi biology in the wild environment. Frontiers in Cellular and Infection Microbiology. https://doi.org/10.3389/fcimb.2020.00010

Lima, A. C. M. A. C. C., Bezerra, K. C., Sousa, D. M. N., Rocha, J. F. & Oriá, M. O. B. (2017). Construção e Validação de cartilha para prevenção da transmissão vertical do HIV. Acta Paulista de Enfermagem, 30 (2). https://doi.org/10.1590/1982-0194201700028

Medeiros, R. K. S., Júnior, M. A. F., Pinto, D. P. S. R., Vitor, A. F., Santos, V. E. P. & Barichello, E. (2015). Modelo de validação de conteúdo de Pasquali nas pesquisas em Enfermagem. Revista de Enfermagem Referência. Série IV (4). http://dx.doi.org/10.12707/RIV14009

Nobile, G. G., Barrera, S. D. & Rebustini, F. (2021). Avaliação da alfabetização: elaboração e validação de conteúdo do IBALEC. Revista Psicopedagogia, 38 (117). http://dx.doi.org/10.51207/2179-4057.20210028

Pereiro, A. C., Lenardón, M., Zeballos, A., Chopita, M., Abril, M. & Gold, S. (2018). Reporting of adverse reactions to benznidazole: does medical expertise matter? Pan American Journal of Public Health. 42(e69). https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.69

Pernambuco. (2019). Secretaria Estadual de Saúde. Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde. Plano de Ações para o Enfrentamento às Doenças Negligenciadas Programa SANAR– Pernambuco 2019 – 2022 / Secretaria Estadual de Saúde. 46p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). http://portal.saude.pe.gov.br/sites/portal.saude.pe.gov.br/files/plano_sanar_2-19-2022.pdf

Pernambuco. (2013). Secretária Estadual de Saúde. Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde. Guia para Gestão da Vigilância em Saúde: Procedimentos Operacionais Padronizados. Procedimento Operacional Padrão: Vigilância Epidemiológica da Doença de Chagas. 68-70. http://portal.saude.pe.gov.br/sites/portal.saude.pe.gov.br/files/uploads/2013/08/Guia-Operacional-para-Gest%C3%A3o-da-VS.pdf

Pernambuco. (2017). Secretaria de Saúde. Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco/ LACEN-PE Dr. Milton Bezerra Sobral. Manual de Orientações de Coleta, Acondicionamento e Transporte de Amostras. 50-53. https://www.cievspe.com/_files/ugd/3293a8_393cd8fdeb1d4bf3995beeabff7c2ead.pdf

Pernambuco. (2018). LAFEPE Benznidazol: comprimidos. Responsável técnico Leduar Guedes de Lima. Recife: Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco S/A – LAFEPE, bula de medicamento. https://www.lafepe.pe.gov.br/bulas

Pernambuco. (2017). Portaria SES nº.234 de 21 de junho de 2017. Estabelece a rede de referência para assistência à saúde de pacientes com doença de Chagas no âmbito do estado de Pernambuco. Diário Oficial do Estado de Pernambuco, Recife, 12-13. https://www.mppe.mp.br/mppe/cidadao/diario-oficial-link-cidadao/category/474-diario-oficial-2017

Silva, M. B. A., Rocha, D. S. & Farias, M. (2018). Biogeografia, Epidemiologia e Fontes Alimentares das Espécies de Triatomíneos Conhecidas em Pernambuco. Triatomíneos Sinantrópicos de Pernambuco (Biogeografia, Técnicas Laboratoriais e Controle da Qualidade). Recife: Edupe, 30-48.

World Health Organization. (2015). Chagas disease (American trypanosomiasis). Genebra: World Health Organization. https://www.who.int/health-topics/chagas-disease#tab=tab_1

Published

20/10/2022

How to Cite

SILVA, Ítala P. M. da .; GOMES, J. M. F. .; SILVA, T. F. L. da .; MEDEIROS , C. de A. .; OLIVEIRA, G. M. de A. .; LOPES, K. A. de M. .; SILVA, M. B. A. . Validation of the Standard Operating Procedure for the flow of care for acute Chagas disease in Pernambuco . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e104111436145, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36145. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36145. Acesso em: 8 dec. 2022.

Issue

Section

Health Sciences