Hand hygienization and its relevance for the prevention of health care infections: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37103

Keywords:

Health personnel; Hand disinfection; Infection control.

Abstract

Introduction: Health care-related infections (HAIs) are characterized as infections that arise after the patient's admission to the health unit. In combating IRAS, a simple and low-cost hospital procedure stands out: hand hygiene. Methodology: This is an integrative review bibliographic research, using the following descriptors: Health Personnel, Hand Disinfection, Infection Control, Infection Control, Hand Disinfection, Health Personnel, Universal Access to Health Services, Meio Ambiente y Salud Pública e Higiene de las Manos, obtained from the Medical Subject Headings (MESH) and Health Sciences Descriptors (DeCS) for consultation in the PubMed databases of the National Library of Medicine and the Virtual Health Library ( VHL). Results and Discussion: The selected articles were mostly characterized as qualitative studies (80%), with a focus on treatment / intervention (90%), the country with the greatest origin of the studies was Brazil (50%), and the area knowledge was concentrated in the interdisciplinary field (70%). It was found that hand hygiene is a highly important factor in the prevention of HAIs, however it was not performed properly, requiring training and awareness of the importance of this procedure to health professionals. Conclusion: Hand hygiene consists of a cost-effective technique, and is a major contributor to the prevention of healthcare-related infections, and should be performed by the entire healthcare team, before and after any procedure or contact with the patient.

References

Bentlin, M. R. Rugolo L. M, & Ferrari L. S. (2015). Práticas relacionadas à sepse tardia em prematuros de muito baixo peso. Jornal de Pediatria. 91(2):168-174.

Borges, T. S, & Alencar, G. (2014). Metodologias Ativas na Promoção da Formação Crítica do Estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do Ensino Superior. Cairu em Revista: Sociedade, Educação, Gestão e Sustentabilidade. 3(4):119-143.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2007). Higienização das Mãos em Serviços de Saúde. Ministério da Saúde.

Brasil. (2005). Norma Regulamentadora 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Portaria GM n.º 485, de 11 de novembro de 2005. Diário Oficial da União.

Buxton, H., Flynn E., Oluyinka, O., Cumming, O., Esteves Mills, J, & Dreibelbis R. (2019). Hygiene during childbirth: an observational study to understand infection risk in healthcare facilities in Kogi and Ebonyi states, Nigeria. International journal of environmental research and public health. 16(7):1301.

Cunningham, D., Brilli R. J., McClead, R. E., & Davis, J. T. (2018). O stand-down de segurança: uma técnica para melhorar e manter a conformidade com a higiene das mãos entre os profissionais de saúde. Jornal de segurança do paciente. 14 (2):107-111.

Da Silva Oliveira, F. B. et al. (2019). A importância da lavagem das mãos como atenuante microbiológico aos riscos de contágio da H1N1. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde.

Derhun, F. M., de Souza V. S., Costa M. A. R., Inoue K. C., & Matsuda L. M. (2016). Conhecimento de profissionais de enfermagem sobre higienização das mãos. Cogitare Enfermagem. 21(3).

Dos Santos, A. A. M. (2002). Higienização das mãos no controle das infecções em serviços de saúde. RAS, 4(15), 10-14.

Escalante, M. M. B. (2015). Scussiato LA. Higienização das mãos. Anais do EVINCI-UniBrasil. 1(3),196-196.

Evangelista, I. A. S.; & Marinho, M. V. S (2018). ação educativa: a importância da lavagem das mãos em uma umei no interior da Amazônia-Brasil. In: 13º Congresso Internacional Rede Unida.

Freitas, L. M. N. D., Nascimento, B. B. D., Nunes, E. M., Oliveira, L. F. M., Davim, R. M. B., & Alves, É. S. R. C. (2017). Adesão à higienização das mãos por profissionais da saúde em uma unidade de terapia intensiva. Rev. enferm. UFPE. 3764-3770.

Freitas, M. M. C., et al. Tecnologia de educação em saúde-uma experiencia com a música lavagem das mãos no Serviço de Saúde.

Isoldi, D. M. R., et al. A importância da lavagem das mãos no combate à infecção hospitalar. anais da jornada de enfermagem, p. 9.

Lapa-Rodríguez, E. O., Oliveira, J. K. A. D., Menezes, M. O., Silva, L. D. S. L., Almeida, D. M. D., Neto, D. (2018). Aderência de profissionais de saúde à higienização das mãos. Revista de Enfermagem UFPE. 12(6), 1578-85.

Melo, A. M., Almeida D. P., Fernandes E. G. V., & Leal G. S. (2019). Educação em saúde: conhecimento de profissionais de saúde sobre IRAS e higienização das mãos. Revista EDaPECI. 19(3), 73-84.

Melo, M. H. C., & Moura A. C. A. (2015). Controle das infecções na assistência à saúde relacionada à higienização das mãos. Revista Interdisciplinar.; 8(1), 91-97.

Merino-Plaza, M. J., Rodrigo-Bartual, V., Boza-Cervilla, M., García-Llopis, A., Gomez-Pajares, F., Carrera-Hueso, F. J. (2018). ¿Cómo incrementar la adhesión del personal sanitario al protocolo de higiene de manos? Revista Española de Salud Pública. 92.

Monteiro, J. S. (2015). Lavagem das mãos: atuação do enfermeiro no controle e prevenção de infecções na unidade de terapia intensiva neonatal. Biológicas & Saúde, 5(18).

Nobile, M., Conti C., Bastianelli A., Piscitelli A., Calori G. M., & Navone P. (2018). Promotion of hand hygiene: the experience of the ortho-paedic hospital Gaetano Pini-CTO, Milan, Italy. Annali di igiene: medicina preventiva e di comunita. 30(3), 229-236.

Oliveira, A. P., & Oliveira A. C. (2017). A percepção dos profissionais de saúde em relação à higienização das mãos. Revista de Pesquisa: Cuidado é fundamental online. 9(2), 321-326.

Paiva, M. R. F., Parente, J. R. F., Brandão I. R., & Queiroz A. H. B. (2016). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE-Revista de Políticas Públicas. 15(2).

Trannin, K. P. P., Campanharo, C. R. V., Lopes, M. C. B. T., Okuno, M. F. P., & Batista, R. E. A. (2016). Adesão à higiene das mãos: intervenção e avaliação. Cogitare Enfermagem. 21(2).

Wałaszek, M. Z., Kołpa, M., Różańska, A., Jagiencarz-Starzec, B., Wolak, Z., & Wójkowska-Mach, J. (2018). Nail microbial colonization following hand disinfection: a qualitative pilot study. Journal of Hospital Infection. 100(2), 207-210.

WHO. World Health Organization. (2005). The WHO Guidelines on Hand Hygiene in Health Care. (Advanced Draft): a summary. Clean hands are safer hands. Geneva: WHO Press, 1(14), 33.

Zehuri, M. M. O. N., & Slob E. M. G. B. (2018). Auditoria em saúde: controle das IRAS, economia, higienização das mãos e antimicrobianos. Revista Saúde e Desenvolvimento. 12(10), 298-316.

Zottele, C., Magnago, T. S. B. D. S., Dullius, A. I. D. S., Kolankiewicz, A. C. B., & Ongaro, J. D. (2017). Hand hygiene compliance of healthcare professionals in an emergency department. Revista da Escola de Enfermagem da USP.

Published

18/11/2022

How to Cite

GURGEL , M. C. .; LUZ , S. M. G. da .; LIMA, A. P. P. D. .; VERAS, L. M. C. . Hand hygienization and its relevance for the prevention of health care infections: an integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e303111537103, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37103. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37103. Acesso em: 31 jan. 2023.

Issue

Section

Health Sciences