Some didactic potentialities that emerge through reading the construction of the nautical astrolabe at the interface between History and Mathematics Teaching

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37217

Keywords:

Art of Navigating; Nautical astrolabe; Didactic potential; Interface between history and mathematics teaching.

Abstract

This article presents the preliminary results of a study based on the reading of the construction process of the nautical astrolabe instrument described by Simão d'Oliveira in his treatise entitled Arte de Navegar, published in 1606, with a view to contemplating some didactic potentialities for the teaching geometry. The hypothesis is raised that, through the reading of the manufacturing process of the nautical astrolabe associated with a teaching organization - based on the articulation between the context of the mathematical concepts that emerge from the original historical document and the movement of thought, linked to the formation of these conceptions - can lead the student in the classroom in a fruitful way to the development of the process of analysis and synthesis, of paramount importance to the conceptual formation. In this way, we verified that through the description of the nautical instrument construction process, it was possible to explore some geometric knowledge arising from some actions of the instrument's manufacturing description, such as the concepts of circumference; diameter, bisector, angles, quadrant, perpendicularity, degrees, among others.

References

Albuquerque, L. D. (1970). Duas Obras Inéditas do Padre Francisco da Costa. (Códice NVT/7 do National Maritime Museum). Revista de Ciencias do Homem da Universidade de Lourengo Marques, Lourengo Marques, 1, 169-402.

Albuquerque, S. M. (2019). Um estudo sobre a articulação entre a multiplicação contida no Traité de Gerbert (1843) e o ensino na formação de professores de matemática. Dissertação de Mestrado, Instituto Federação de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, Ceará.

Alves, V. B. (2019). Um estudo sobre os conhecimentos matemáticos mobilizados no manuseio do instrumento círculos de proporção de William Oughtred. Dissertação de Mestrado, Instituto Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará.

Alves, V. B., de Albuquerque, S. M., Oliveira, F. W. S., Feitosa, R. A., & Pereira, A. C. C. (2021). Propostas metodológicas para desenvolvimento de práticas envolvendo a interface entre história e o ensino de matemática. Research, Society and Development, 10(1), e21910111650-e21910111650.

Amarante, R. O., & Pereira, A. C. C. (2021). Aspectos Históricos e contextuais do tratado Arte de Navegar (1606) do português Simão D'Oliveira. Revista de Produção Discente em Educação Matemática, 10(1/2), 136-152.

Batista, A. N. de S. (2018). Um estudo sobre os conhecimentos matemáticos incorporados e mobilizados na construção e no uso da balhestilha, inserida no documento Chronographia, Reportorio dos Tempos..., aplicado na formação de professores. Dissertação de Mestrado, Instituto Federação de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, Ceará.

Batista, A. N. de S., & Pereira, A. C. C. (2021). A balhestilha (1603) como um instrumento matemático para o estudo de medidas na formação de professores de matemática. Acta Scientiarum. Education, 43(1), 4.

Bennett, J. A. (1991). The challenge of practical mathematics. Science, culture and popular belief in Renaissance Europe, 176-90.

Bennett, J. A. (1998). Practical Geometry and Operative Knowledge. Configurations, 6(2), 195-222.

Bennett, J. (2003). Knowing and doing in the sixteenth century: what were instruments for? The British Journal for the History of Science, 36(2), 129-150.

Correia, C. A. C. (2010). A arte de navegar de Manoel Pimentel: as edições de 1699 e 1712. Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, Lisboa, Portugal.

Gesteira, H. M. (2014) O astrolábio, o mar e o Império. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 21, 1011-1027.

Leitão, H. (2007). A ciência na" Aula da Esfera" no Colégio de Santo Antão: 1590* 1759. Comissariado Geral das Comemorações do V Centenário do Nascimento de São Francisco Xavier.

Oliveira, S. (1606). Arte de Navegar. Lisboa: Oficina de Pedro Crasbeeck.

Oliveira, D. A. U. (2017). As Grandes Navegações: aspectos matemáticos de alguns instrumentos náuticos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Oliveira, F. W. S. (2019). Sobre os conhecimentos geométricos incorporados na construção e no uso do instrumento jacente no plano de Pedro Nunes (1502-1578) na formação do professor de matemática. Dissertação de Mestrado, Instituto Federação de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, Ceará.

Pimentel, M. (1681). Arte prática de navegar e regimento de pilotos repartido em duas partes a primeira propositiva em que se propõem alguns princípios para melhor inteligência das regras de navegação: a segunda operativa em que se ensinam as mesmas regras para a prática: juntamente os roteiros das navegações das conquistas de Portugal, e Castela. Lisboa: Antonio Craesbeeck de Melo.

Pereira, J. M. M. (2000). Experiências com Instrumentos e Métodos Antigos de Navegação. Academia de Marinha.

Pereira, A. C. C., & Saito, F. (2018). Os instrumentos matemáticos na interface entre história e ensino de matemática: compreendendo o cenário nacional nos últimos 10 anos. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, 5(14), 109-122.

Pereira, A. C. C., Alves, V. B., Batista, A. N. de S., & Oliveira, F. W. S. (2020). Saberes docentes em estudos acadêmicos relacionados à história da matemática nos últimos cinco anos. Research, Society and Development, 9(3), e104932429-e104932429.

Saito, F., & Dias, M. da S. (2011). Articulação de entes matemáticos na construção e utilização de instrumento de medida do século XVI. Sociedade Brasileira de História da Matemática, 45-58.

Saito, F. (2012). Possíveis fontes para a História da Matemática: Explorando os tratados que versam sobre construção e uso de instrumentos “matemáticos” do século XVI. Anais do, 13, 1099-1110.

Saito, F., & Dias, M. S. (2013). Interface entre História da Matemática e Ensino: uma atividade desenvolvida com base num documento do século XVI. Ciência & Educação, 19(1), 89-111.

Saito, F. (2014). Instrumentos matemáticos dos séculos XVI e XVII na articulação entre história, ensino e aprendizagem de matemática. Rematec, 9(16), 25-47.

Santos, A. G., Freire, D. F., & Pereira, A. C. C. (2021). Explorando as operações aritméticas no antigo Egito por meio da história da Matemática. Research, Society and Development, 10(3), e4310312944-e4310312944.

Seed, P. (1999). Cerimônias de posse na conquista da europeia do Novo Mundo (1492-1640). UNESP.

Silva, M., & Saito, F. (2014). Algumas potencialidades didáticas do “setor trigonal” na interface entre história e ensino de matemática. Educação Matemática Pesquisa, 16(4), 1227-1253.

Silva, I. C. (2018). Um estudo da incorporação de textos originais para a educação matemática: buscando critérios na articulação entre história e ensino. Dissertação de Mestrado, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, Ceará.

Silva, I. C., & Pereira, A. C. C. (2021). Definições e Critérios para o Uso de Textos Originais na Articulação entre História e Ensino de Matemática. Boletim de Educação Matemática, 35, 223-241.

Willmoth, F. (2009). ‘Reconstruction’and interpreting written instructions: what making a seventeenth-century plane table revealed about the independence of readers. Studies in History and Philosophy of Science Part A, 40(4), 352-359.

Published

20/11/2022

How to Cite

AMARANTE, R. O. .; PEREIRA, A. C. C. . Some didactic potentialities that emerge through reading the construction of the nautical astrolabe at the interface between History and Mathematics Teaching . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e362111537217, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37217. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37217. Acesso em: 31 jan. 2023.

Issue

Section

Teaching and Education Sciences