Strategic people management: study of well-being at work in a furniture and electronics retail company

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i2.39895

Keywords:

Well-being; Work; Human Resource Management; Organizational psychology.

Abstract

In contemporary times, “well-being at work” has been one of the most recurrent concerns of organizational psychology and people management professionals. The present work aims to analyze the level of “well-being at work” of the employees of a retailer of furniture and electronics, in a complementary way, aiming to develop proposals for intervention and improvement for the investigated company. For this purpose, we applied the Well-Being at Work Inventory (WBWI-13) to 11 employees of the company investigated. Using multilevel research and comprising the application of questionnaires and systematic observations, results show an average degree of well-being at work. In addition, we found that there is low identification of employees with the nature of work. Also, it lacks investment by the company to achieve the objectives of improving “well-being” in the work environment. Thus, we suggest (1) an investigation into the relationship between the nature of work and the vocation of employees; and (2) the creation of programs that emphasize the improvement of the quality of life.

Author Biographies

Ana Paula Gonçalves da Silva, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Student of the Entrepreneurial Management Course at the Federal Institute of Northern Minas Gerais (IFNMG) - Campus Teófilo Otoni.

Gustavo Henrique Silva de Souza, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Professor e Pesquisador do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG (Campus Teófilo Otoni). Atualmente, Diretor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação na Reitoria do IFNMG. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), com ênfase na Psicologia Organizacional e do Trabalho. Especialização em Docência na Educação Profissional e Tecnológica pelo Centro de Referência em Formação e Educação à Distância (CEAD) do IFNMG. Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Avaliador institucional do INEP/MEC. Foi Presidente do Conselho Fiscal da Fundação de Apoio e Desenvolvimento do Ensino Tecnológico (FADETEC) por 2 mandatos, de 2018 a 2022, sendo atualmente membro do Conselho Curador desta Fundação. Membro do Laboratório de Avaliação e Medida Cognitiva e Emocional (LAMCE/CNPq - 483445/2011-8). Lidera o grupo de pesquisa Práticas da Administração Eupsíquica, Bases do Comportamento Organizacional e Medidas Psicométricas (PAEBCOMP/IFNMG) (https://paebcomp.ifnmg.edu.br/). Editor Gerente da Revista Multifaces. Editor Acadêmico do Journal of Education, Society and Behavioural Science. Revisor de diversos periódicos nacionais e internacionais. Tem experiência em pesquisa nas áreas de Gestão Estratégica de Pessoas, Psicologia Organizacional e do Trabalho, Empreendedorismo, Comportamento Empreendedor, Psicometria e Construção de Medidas Psicológicas. (Texto informado pelo autor)

References

Chiavenato, I. (2008). Recursos humanos: o capital humano das organizações (8a. ed.). São Paulo: Atlas.

Dessen, M. C., & Paz, M. das G. T. da. (2010). Bem-Estar Pessoal nas organizações: o impacto de configurações de poder e características de personalidade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 549-556. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000300018

Freitas, S. B., Paiva, L. E. B., Lima, T. C. B. de, & Pinto, F. W. S. V. (2019). Qualidade de vida e bem-estar no trabalho: o olhar dos funcionários de uma secretaria sobre as condições de trabalho. Pensamento & Realidade, 34(2), 92-118. https://doi.org/10.23925/2237-4418.2019v34i2p92-118

Godoi, R. M. A., Herênio, A. C. B., & Carvalho, A. L. A. (2022). Riscos psicossociais no ambiente organizacional em meio a pandemia. Psicologias em Movimento, 2(1), 49-65.

Hair, J. F., Jr. et al. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hirschle, A. L. T., & Gondim, S. M. G. (2020). Estresse e bem-estar no trabalho: uma revisão de literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 25(7), 2721-2736. https://doi.org/10.1590/1413-81232020257.27902017

Howell, K. H. et al. (2016). Seven reasons to invest in well-being. Psychology of Violence, 6(1), p. 8-14. https://psycnet.apa.org/doi/10.1037/vio0000019

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2021). Panorama – Poté/MG. IBGE: Brasília. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/pote/panorama>. Acesso em 12 Jan. 2023.

Kluthcovsky, A. C. G. C., & Takayanagui, A. M. M. (2007). Qualidade de vida-aspectos conceituais. Revista Salus, 1(1), 13-15.

Lipp, M. E. N., & Lipp, L. M. N. (2020). Stress e transtornos mentais durante a pandemia da COVID-19 no Brasil. Boletim-Academia Paulista de Psicologia, 40(99), 180-191.

Lodahl, T. M., & Kejner, M. (1965). The definition and measurement of job involvement. Journal of Applied Psychology, 49, 23-33. https://doi.org/10.1037/h0021692

Martins, M. do C. F. (2008). Clima organizacional. In Siqueira, M. M. M. (Orgs.), Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e gestão (pp. 29-40). Porto Alegre: Artmed.

Maslow, A. H. (2001). Maslow no gerenciamento. Rio de Janeiro: Qualitymark. (Originalmente publicado em 1965).

Ministério da Educação (MEC). Conselho Nacional de Saúde (CNS). (2022). Resolução MEC/CNS nº 674 de 6 de maio de 2022. Dispõe sobre a tipificação da pesquisa e a tramitação dos protocolos de pesquisa no Sistema CEP/Conep. Brasília: Governo Federal.

Moretti, S., & Treichel, A. (2003). Qualidade de vida no trabalho x autorealização humana. Revista Leonardo pós-Órgão de Divulgação Científica e Cultural do ICPG, 1(3), 73-80.

Nogueira, A. P. S., & Oliveira, Á. D. F. (2022). Impacto da Percepção de Suporte Organizacional e Capital Psicológico no Bem-Estar no Trabalho. Psicologia: Ciência e Profissão, 42, e238418, 1-16. https://doi.org/10.1590/1982-3703003238418

Oliveira, G. S. de, & Sousa, H. de M. (2018). Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam a produtividade nas organizações. Revista Campo do Saber, 4(2), 32-41.

Oliveira, S. A. de, & Maciel, C. de O. (2010). Contribuições da pesquisa multinível para a análise das práticas organizacionais. Revista Brasileira de Estratégia, 3(2), 123-132. http://dx.doi.org/10.7213/rebrae.v3i2.13553

Paschoal, T., & Tamayo, A. (2008). Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação Psicológica, 7(1), 11-22.

Ribeiro, L. D. A. M., & Veiga, H. M. da S. (2022). Bem-estar no trabalho: influência do clima organizacional entre trabalhadores hospitalares. Revista Psicologia e Saúde, 14(1), 63-76. https://doi.org/10.20435/pssa.v14i1.1681

Seligman, M. E. P.; Csikszentmihalyi, M. (2000). Positive psychology: an introduction. American Psychologist, 55(1), 5-14. https://psycnet.apa.org/doi/10.1037/0003-066X.55.1.5

Silva, A. R. da, Silva, S. L. S., Reis, W. A. S. dos, Silva, V. G. M., & Gomes, M. V. (2020). Organizational climate: a study in a small porte foundation in Claudio. Research, Society and Development, 9(2), e184922102. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2102

Siqueira, M. M. M., & Orengo, V.; Peiró, J. M. (2014). Bem-estar no trabalho. In Siqueira, M. M. M. (Org.), Novas medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão (pp. 39-51). Porto Alegre: Artmed.

Siqueira, M. M. M., & Padovam, V. A. R. (2008). Bases Teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24(2), 201-209. https://doi.org/10.1590/S0102-37722008000200010

Published

14/01/2023

How to Cite

SILVA, A. P. G. da .; SOUZA, G. H. S. de. Strategic people management: study of well-being at work in a furniture and electronics retail company. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 2, p. e3712239895, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i2.39895. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/39895. Acesso em: 7 jun. 2023.

Issue

Section

Human and Social Sciences