Skateboarding in High School Physical Education Classes

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i4.41216

Keywords:

Physical education; High school; Skateboard.

Abstract

This research is based on the importance of teaching skateboarding in Physical Education classes in high school, and many teachers find it difficult to teach and plan adventure body practices classes. The objective of this article is to present the elaboration and evaluation of the application of a pedagogical proposal for teaching skateboarding in Physical Education classes in high school. The methodology is characterized as qualitative, being guided by the ethnographic framework of everyday school practice. The research had two stages: 1) Elaborate a pedagogical sequence for teaching skateboarding in Physical Education classes in high school; 2) Evaluate the application of the pedagogical sequence through analysis of a focus group. As a data collection instrument, the focus group was used, applied to the students participating in the research after the pedagogical intervention of the elaborated proposal. The results indicated that thematic skateboarding in high school Physical Education classes can contribute with a set of knowledge that goes beyond concepts and practices, reflecting on attitudes that collaborate in the lives of students in society. Therefore, it is essential that school Physical Education classes go beyond models restricted to traditional sports, in which only modalities with balls and practices that students are exhausted from practicing throughout basic education are offered.

References

André, M. E. D. A. (2012) Etnografia da prática escolar. Papirus.

Backes, D. S et al. (2011). Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O Mundo da Sáude, 35(4): 438-442.

Brandão, L. (2014). Para além do esporte: uma história do skate no Brasil. Edifurb.

Brasil (2018). Ministério da educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília.

Brasil (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: educação física. MEC/SEF.

Bungestab, G. C. et al. (2017). Educação Física no ensino médio: possibilidades das práticas corporais (de aventura). Corpoconsciência, 21(3): 29-40.

Chicati, K. C. (2000). Motivação nas aulas de educação física no ensino médio. Revista da Educação Física, 11(1): 97-105.

Darido, S. C. & Rangel, I. C. A. (2011). Educação física na escola: implicações para prática pedagógica. Guanabara Koogan.

Goellner, S. V. et al. (2010). Pesquisa Qualitativa na educação física brasileira: marco teórico e modos de usar. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, 21 (3): 381-410.

Inácio, H. et al. (2016). Práticas corporais de aventura na escola: possibilidades e desafios - reflexões para além da Base Comum Curricular. Motrivivência, Goiânia, 28 (48): 168- 187.

Kawashima, L. B. et al. (2021). Produção científica em educação física: estudos sobre o ensino do skate na escola. Revista Kinesis, Santa Maria, 39: 01-13.

Kawashima, L. B. (2018). Sentidos e significados da educação física para os alunos do IFMT - campus São Vicente: a pesquisa-ação como forma de construção coletiva de conhecimentos. 2018. 723 f. Tese (Doutorado) - Educação, UFMT, Cuiabá.

Lervolino, S. A. & Pelicioni, M. C. F. (2001). A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev Esc Enf USP, 35 (2): 115-21.

Libâneo, J. C. (2013). Didática. Cortez.

Monteiro, V. C. T.., & Lima, A. S. T. de (2022). As práticas corporais de aventura no contexto do ensino médio integrado em educação profissional e tecnológica. Research, Society and Development, 11(10), e134111032562. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32562.

Neira, M. G. (2006). Educação física: desenvolvendo competências. Phorte.

Souza, P. S. (2018). O skate como conteúdo de ensino na educação física escolar: uma proposta para sua sistematização no ensino fundamental. Trabalho de conclusão de curso. Instituto de educação física, Licenciatura em Educação Física, UFF, Niterói.

Souza, LM, Carvalho, YM., & Castañon, JAB. (2022). A popularidade do skate durante os Jogos Olímpicos: isso refletirá em seu uso como meio de transporte urbano no Brasil? Research, Society and Development, 11 (3), e14411326203. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26203.

Toledo, E., Velardi, M & Nista-Piccolo, V. L. (2009a). Os desafios da educação física escolar: seus conteúdos e métodos. In: Moreira, E. C. & Nista-Piccolo, V. L. (Org.). O quê e como ensinar educação física na escola. Jundiaí: Fontoura, 21-26.

Toledo, E., Velardi, M & Nista-Piccolo, V. L. (2009b). O quê ensinar nas aulas de Educação Física? In: Moreira, E. C. & Nista-Piccolo, V. L. (Orgs). O quê e como ensinar educação física na escola. Fontoura, 27-62.

Pereira, D., Armbrust, I. & Ricardo, D. (2008). Esportes radicais de aventura e ação: conceitos, classificações e características. Revista Corpoconsciência, 12 (1):.18-34.

Vago, T. M. (2009). Pensar a Educação Física na Escola: para uma formação cultural da infância e da juventude. Cadernos de Formação RBCE, 25-42.

Zabala, A. (1998). A prática educativa: como ensinar. Artmed.

Published

12/04/2023

How to Cite

SILVA, C. E. F. da .; KAWASHIMA, L. B. . Skateboarding in High School Physical Education Classes. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 4, p. e19812441216, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i4.41216. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/41216. Acesso em: 29 may. 2024.

Issue

Section

Teaching and Education Sciences