Weaving intersectoral networks in the reception of victims of violence in Primary Health Care

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i1.44825

Keywords:

Violence; Intersectorality; Family health strategy.

Abstract

By producing and reproducing conditions of socioeconomic vulnerability and gender and ethnic-racial inequalities, violence is a challenge for healthcare services, especially primary care, and for public policies. Experiences of violence impact social groups in diverse ways and have proven to be devastating, especially for socially marginalized populations. Thus, the objective of this study is to discuss the importance of acting in an intersectoral network collaboration in supporting victims of violence and the involvement of primary care professionals in prevention and care actions. Focus groups were held with health professionals, community agents, health managers and professionals representing each institution of the intersectoral network, totaling a sample of 36 participants. It is worth highlighting the multiple difficulties in institutionalizing partnerships and joint practices between institutions and agencies that are part of the network of care for people in situations of violence. It is concluded that it is important to qualify professionals who deal with cases of violence in the territory where they work, in addition to improving identification and intervention strategies.

Author Biographies

Maria da Conceição Julião Badaró, Universidade Federal do Sul da Bahia

Enfermeira. Especialista em Gestão do Trabalho e Educação na Saúde, em Gestão da Atenção Básica e em Preceptoria no SUS. Mestra em Saúde da Família e Coordenadora do Núcleo de Educação Permanente em Saúde na SMS de Porto Seguro-BA

Matheus Ribeiro dos Santos, Universidade Federal do Sul da Bahia

Cirurgião-dentista (UFS), Especialização em Saúde Coletiva (UFBA), Mestre em Saúde da Família (PROFSAÚDE/UFSB) e Cirurgião-dentista da Saúde Indígena no Distrito Sanitário Especial Indígena da Bahia (DSEI-BA).

Lina Faria, Universidade Federal do Sul da Bahia

Historiadora. Fisioterapeuta. Mestre e Doutora em Saúde Coletiva pelo IMS/UERJ. Pós-doutorado em Política Científica e Tecnológica pela UNICAMP. Professora da UFSB e Coordenadora Institucional do PROFSAÚDE/MPSF/UFSB

References

Amaral, L. B. de M., Vasconcelos, T. B. de., Sá, F. E. de., Silva, A. S. R. da., & Macena, R. H. M. (2016). Violência doméstica e a Lei Maria da Penha: perfil das agressões sofridas por mulheres abrigadas em unidade social de proteção. Revista Estudos Feministas, 24(2), 521–540. https://doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n2p521

Ayres, J. R. de C. M. (2005). Cuidados e reconstrução das práticas em saúde. In M. C. de S. Minayo & C. E. A. Coimbra Junior (Eds.), Críticas e atuantes: ciências sociais e humanas em saúde na América Latina (pp. 91-108). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Baraldi, D. C., & Souto, B. G. A. (2011). A demanda do acolhimento em uma unidade de saúde da família em São Carlos, São Paulo. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, 36(1), 10-17. https://doi.org/10.7322/abcs.v36i1.69

Batista, M. K. B., Quirino, T. R. L., & Silva, M. V. da. (2020). Violência contra crianças na atenção primária à saúde: uma proposta de matriciamento. Mudanças, 28(2), 35-42. https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v28n2p35-42

Berger, S. M. D. (2011). Violência entre parceiros íntimos: desafios no ensino e atenção em saúde. Revista Brasileira De Educação Médica, 35(4), 526–534. https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000400012

Bosi, M. L. (2012). Pesquisa qualitativa em saúde coletiva: panorama e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 17(3), 575-586. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300002

Brasil. Ministério da Saúde. (2001). Portaria MS/GM no 737, de 16 de maio de 2001. Diário Oficial da União, n. 96, seção 1. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2011). Instrutivo para preenchimento de Notificação/Investigação Individual de Violência Doméstica, Sexual e/ou outras violências no Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN NET. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. (2009). Por uma Cultura da Paz, Promoção da Saúde e a Prevenção da Violência. Brasília: Ministério da Saúde.

Carneiro, J. B., Gomes, N. P., de Almeida, L. C. G., Romano, C. M. C., Silva, A. F., Webler, N., & Mauricio, M. D. A. L. L. D. (2021). Condições que interferem no cuidado às mulheres em situação de violência conjugal. Escola Anna Nery, 25(5), e20210020. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2021-0020

Carvalho, A. C. R. (2009). Maus-tratos contra crianças e adolescentes: como pensam e agem os profissionais de saúde? (Dissertação de mestrado). Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Casola, F., Angeli, G., Cavaler, C. M., & Moliner, J. (2021). Proteção ou (re) violência? A operação da violência contra a mulher no sistema de justiça criminal. Iniciação Científica Cesumar, 23(1). https://doi.org/10.17765/2176-9192.2021v23n1e9868

Castro, B. D. V., & Silva, A. S. (2017). Atuação da autoridade policial e do Poder Judiciário no combate à violência doméstica contra a mulher na cidade de São Luís/MA. Opinião Jurídica, 15(20), 59-83. https://doi.org/10.12662/2447-6641oj.v15i20.p59-83.2017

Ceccim, R. B., & Feuerwerker, L. C. M. (2004). O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis: Revista De Saúde Coletiva, 14(1), 41–65. https://doi.org/10.1590/S0103-73312004000100004

Coelho, E. B. S., Silva, A. C. L. G., & Lindner, S. R. (Orgs.). (2014). Violência: definições e tipologias. UFSC. https://violenciaesaude.paginas.ufsc.br/files/2015/12/Definicoes_Tipologias.pdf

Costa, A. L. R. C. (2005). As múltiplas formas de violência no trabalho de enfermagem: o cotidiano de trabalho no setor de emergência e urgência clínica de um hospital público (Tese de doutorado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

Crochík, J. L. (2008). T.W. Adorno e a psicologia social. Psicologia & Sociedade, 20(2), 297–305. https://doi.org/10.1590/S0102-71822008000200017

d’Oliveira, A. F. P. L., Pereira, S., Schraiber, L. B., Graglia, C. G. V., Aguiar, J. M. de., Sousa, P. C. de., & Bonin, R. G. (2020). Obstáculos e facilitadores para o cuidado de mulheres em situação de violência doméstica na atenção primária em saúde: uma revisão sistemática. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 24, e190164. https://doi.org/10.1590/Interface.190164

Dahlberg, L. L., & Krug, E. G. (2006). Violência: um problema global de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, 11, 1163–1178. https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000500007

Debert, G. G. (2006). Conflitos éticos nas delegacias de defesa da mulher. In G. Debert & M. F. Gregori (Orgs.), Gênero e distribuição da justiça: as delegacias de defesa da mulher e a construção das diferenças (pp. 13-56). Campinas: Pagu, Núcleo de Estudos de Gênero. (Coleção Encontros).

Esperandio, E. G., Moura, A. T. M. S. de., & Favoreto, C. A. O. (2020). Violência íntima: experiências de mulheres na Atenção Primária à Saúde no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 24, e190707. https://doi.org/10.1590/Interface.190707

Faraj, S. P., Siqueira, A. C., & Arpini, D. M. (2016). Rede de proteção: o olhar de profissionais do sistema de garantia de direitos. Temas em Psicologia, 24(2), 727-741. 10.9788/TP2016.2-18

Faria, L. (2020). Violências e suas configurações: Vulnerabilidades, Injustiças e Desigualdades Sociais. Editora Hucitec.

Faria, L., & Patiño, R. A. (2020). Violências, injustiças e sofrimento humano: o impacto das desigualdades sociais nas percepções de Martín-Baró, Ricoeur e Nietzsche. Cadernos IHU Ideias, 18(308), 1-33. https://www.ihu.unisinos.br/images/stories/cadernos/ideias/308cadernosihuideias.pdf

Faria, L., Castro Santos, L. A., & Alvarez, R. C. (2022). As sociedades em risco e os múltiplos fatores que fragilizam as relações sociais em tempos de pandemia. Revista del CESLA, (29), 11-28. https://doi.org/10.36551/2081-1160.2022.29.11-28

Ferreira, C. M., Da Silva, M. R. F., Pessoa, V. M., & Nuto, S. A. S. (2021). Estratégias de sobrevivência à violência utilizadas pelos agentes comunitários de saúde. Revista Brasileira de Promoção da Saúde, 34. https://doi.org/10.5020/18061230.2021.11152

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2023). 17º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2023/07/anuario-2023.pdf

Habigzang, L. (2018). Manual de capacitação profissional para atendimentos em situações de violência [recurso eletrônico]. Disponível em: https://www.cevs.rs.gov.br/upload/arquivos/201910/15154038-manual-de-capacitacao-profissional-para-atendimento-em-situacoes-de-violencia-pucrs.pdf

Junqueira, L. A. P. (2004). A gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Saúde E Sociedade, 13(1), 25–36. https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000100004

Kiss, L. B., Schraiber, L. B., & d’Oliveira, A. F. P. L. (2007). Possibilidades de uma rede intersetorial de atendimento a mulheres em situação de violência. Interface (Botucatu), 11(23), 485-501. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832007000300007

Krug, E. G., et al. (Eds.). (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Geneva: OMS. Recuperado de https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2019/04/14142032-relatorio-mundial-sobre-violencia-e-saude.pdf

Leite, J. C. de S., Rodrigues de Oliveira, V., Socorro Vieira Lopes, M. do, & Albuquerque., G. A. (2021). Cartilha educativa: enfrentamento a violência contra crianças e adolescentes. Revista Recien - Revista Científica De Enfermagem, 11(35), 530–539. https://doi.org/10.24276/rrecien2021.11.35.530-539

Lima, L. A., Oliveira, J. C., Cavalcante, F. A., Santos, W. S. V., Silva Júnior, F. J. G., & Monteiro, C. F. S. (2017). Assistência de enfermagem às mulheres vítimas de violência doméstica. Revista de Enfermagem da UFPI, 6(2), 65-68. https://doi.org/10.26694/reufpi.v6i2.5783

Manzini, E. J. (2004). Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In Seminário Internacional sobre Pesquisa e Estudos Qualitativos (Vol. 2, p. 10). Bauru. https://www.marilia.unesp.br/Home/Instituicao/Docentes/EduardoManzini/Manzini_2004_entrevista_semi-estruturada.pdf

Martins, L. de C. A., Silva, E. B. da, Costa, M. C. da, & Colomé, I. C. S. (2016). Violência contra mulher: acolhimento na estratégia saúde da família. Ciência, Cuidado e Saúde, 15(3), 507-514. https://doi.org/10.4025/ciencuidsaude.v15i3.31422

Merhy, E. E. (2002). Saúde: a cartografia do trabalho vivo. Hucitec.

Minayo, M. C. S. (2004). A difícil e lenta entrada da violência na agenda do setor saúde. Cadernos de Saúde Pública, 20(3), 646-647. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300001

Minayo, M. C. S. (2005) Violência: um problema para a saúde dos brasileiros. In Brasil, Ministério da Saúde, Impacto da violência na saúde dos brasileiros. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/impacto_violencia.pdf

Moreira, T. das N. F., Martins, C. L., Feuerwerker, L. C. M., & Schraiber, L. B. (2014). A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de Saúde da Família. Saúde e Sociedade, 23(3), 814–827. https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000300007

Moreira, G. A. R., Vieira, L. J. E. de S., Cavalcanti, L. F., Silva, R. M., & Feitoza, A. R. (2020). Manifestações de violência institucional no contexto da atenção em saúde às mulheres em situação de violência sexual. Saúde e Sociedade, 29(1), e180895. https://doi.org/10.1590/S0104-12902020180895

Nascimento, S. do. (2010). Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas públicas. Serviço Social & Sociedade, (101), 95–120. https://doi.org/10.1590/S0101-66282010000100006

Nun, J. (2001). Marginalidad e exclusión social. Fondo de Cultura Econômica.

Oliveira, A. M. N. de, Marques, L. A., Silva, P. A. da, Prestes, R. C., Biondi, H. S., & Silva, B. T. da. (2015). Percepção dos profissionais de saúde frente às intervenções primárias: prevenindo a violência intrafamiliar. Texto & Contexto-Enfermagem, 24, 424-431. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015000092014

Oliveira, B. C., et al. (2021). A escuta especializada e o espaço educacional: relações dialógicas sobre a violência. Anais do EVINCI-UniBrasil, 7(1), 488-488.

Oliveira, M. T., Ferigato, S. H. (2019). A atenção às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar: a construção de tecnologias de cuidado da terapia ocupacional na atenção básica em saúde. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 27(3), 508-521. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO1729

Oliveira, R. N. G. de, & Fonseca, R. M. G. S. da. (2014). A violência como objeto de pesquisa e intervenção no campo da saúde: uma análise a partir da produção do Grupo de Pesquisa Gênero, Saúde e Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48, 31-38. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000800006

Patiño, R. A., & Faria, L. (2019). Práticas de exclusão social: reflexões teórico-epistemológicas em torno de um campo de estudos. Revista Colombiana de Ciencias Sociales, 10(2), 426-444. https://doi.org/10.21501/22161201.2892

Pires, R. R. (2019). Implementando desigualdades: reprodução de desigualdades na implementação de políticas públicas. Ipea. https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/9323/1/Implementando%20desigualdades_reprodu%C3%A7%C3%A3o%20de%20desigualdades%20na% 20implementa% C3%A7%C3%A3o%20de%20pol% C3%ADticas% 20p%C3%BAblicas.pdf.

Porto, R. T. S., Bispo Júnior, J. P., & Lima, E. C. de. (2014). Violência doméstica e sexual no âmbito da Estratégia de Saúde da Família: atuação profissional e barreiras para o enfrentamento. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(3), 787-807. https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000300007

Rodrigues, E. A. S., Tavares, R., Melo, V. H., Silva, J. M. da., & Melo, E. M. de. (2018). Violência e Atenção Primária à Saúde: percepções e vivências de profissionais e usuários. Saúde Em Debate, 42(spe4), 55–66. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S404

Sani, A., & Morais, C. (2015). A polícia no apoio às vítimas de violência doméstica: estudo exploratório com polícias e vítimas. Direito e Democracia, 16(1), 5-18. Recuperado de http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/direito/article/view/2282/2081

Santos, A. M. R. dos., Soares, J. de C. N., Nogueira, L. F., Araújo, N. A., Mesquita, G. V., & Leal, C. F. dos S. (2011). Violência institucional: vivências no cotidiano da equipe de enfermagem. Revista Brasileira De Enfermagem, 64(1), 84–90. https://doi.org/10.1590/S0034-71672011000100013

Schraiber, L., d'Oliveira, A. F., Hanada, H., Figueiredo, W., Couto, M., Kiss, L., Durand, J., & Pinho, A. (2003). Violência vivida: a dor que não tem nome. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 7(12), 41–54. https://doi.org/10.1590/S1414-32832003000100004

Silva, I. V., Aquino, E. M. L., & Pinto, I. C. de M. (2014). Violência no trabalho em saúde: a experiência de servidores estaduais da saúde no Estado da Bahia, Brasil. Cadernos De Saúde Pública, 30(10), 2112–2122. https://doi.org/10.1590/0102-311X00146713

Silva, L. A., Casotti, C. A., & Chaves, S. C. L. (2013). A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Ciência & Saúde Coletiva, 18(1), 221–232. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000100023

Silva, L. O. A., & Madrid, F. M. L. (2021). O combate à violência institucional contra as mulheres e a desqualificação da palavra da vítima. Toledo, 17(17). Disponível em: http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/ETIC/article/view/9143/67650866#

Sousa, M. C. de., Esperidião, M. A., & Medina, M. G. (2017). A intersetorialidade no Programa Saúde na Escola: avaliação do processo político-gerencial e das práticas de trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 22(6), 1781–1790. https://doi.org/10.1590/1413-81232017226.24262016

Trad, L. A. B. (2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis: Revista De Saúde Coletiva, 19(3), 777–796. https://doi.org/10.1590/S0103-73312009000300013

Published

22/01/2024

How to Cite

BADARÓ, M. da C. J. .; SANTOS, M. R. dos .; FARIA, L. Weaving intersectoral networks in the reception of victims of violence in Primary Health Care. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 1, p. e10513144825, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i1.44825. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44825. Acesso em: 27 may. 2024.

Issue

Section

Health Sciences