Rural settlements in Brazil: Agrarian policies and their implications

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i3.45339

Keywords:

Environment; Land reform; Property; Social relationships.

Abstract

This article focuses on rural settlements in Brazil. It aims to analyze the models of rural settlements, according to data from the National Institute for Colonization and Agrarian Reform. It questions the implications of the country's agrarian policies for the settlers. Its hypothesis is that the organization of settlements should be based on the implementation of collective practices that promote the union, strengthening and social development of the group. The methodology used in this study was qualitative, reflective with a theoretical-social and exploratory focus, focusing on regional development, public policies and work. It relied on secondary sources. In order to systematize the data, the research was divided into three stages: pre-analysis of the data; study of the material; subsequent treatment of the results, inference and interpretation. It uses the science of history as a method for grasping facts in their entirety, based on the contradiction between productive forces and relations of production. The results show that in the collective organization model, once settled, the families fight and work together to achieve diversified food production, restore the balance of the environment, as well as the restitution and protection of the social and economic rights of all rural workers. He concludes that this collective organization, while enabling the resolution of internal problems, builds effective responses to external challenges.

References

Abramo, H. W. (1997). Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação, (5), 25-36.

Andrade, E. S., Dresch, L. O., Tredezini, C. A. O., Bitencourt, M. B., & Pereira, R. C. (2010). A crise do sistema sócio proprietário de produção nas unidades I e II do Assentamento Itamarati em Ponta Porã/ MS. In: 45° Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural-SOBER, Campo Grande. Anais, Campo Grande.

Baquero, R. V. A. (2006). Empoderamento: questões conceituais e metodológicas. Revista do Desenvolvimento Regional. 11(2), 77-93.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Edições 70, LDA.

Biscola, I. S., Mallmann, V., Aragão, L. W. R., Fernandes, S. S. L. & Fernandes, T. C. L. (2018). Relatos da Situação Econômica e Ambiental dos Agricultores do Assentamento Caracol, Município de Bela Vista, MS após 20 Anos de sua Criação. Cadernos de Agroecologia, 13(2), 1-7.

Bittencourt, A. G. (2021). Principais fatores que afetam o desenvolvimento dos assentamentos de reforma agrária no Brasil. In: Guanziroli, C. (coord.). Projeto de Cooperação Técnica INCRA/FAO. Brasília, 2008. http://www.deser.org.br/pub_read.asp?id=67.

Brunetto, I. S. (1997). Planejamento Conservacionista no Assentamento Tracutinga (Dionísio Cerqueira-SC). 200 fl. Dissertação (Mestrado em Geografia). i. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Campos, A. C. V. (2014). Empoderamento e qualidade de vida de adolescentes trabalhadores assistidos por uma entidade filantrópica de apoio ao adolescente. Saúde e sociedade, 23(1).

Cooperunião. (2016). Regimento Interno da Cooperativa de Produção Agropecuária União do Oeste. Dionísio Cerqueira: Assentamento Conquista na Fronteira.

Daniel, O. (2008). Avaliação do uso da terra por meio de imagens Ikonos: o caso do Assentamento Fazenda Nova da Lagoa Grande, MS. Revista Brasileira de Agroecologia, (3), 1-5.

Delgado, G. C. (2005). A questão agrária no Brasil, 1950-2003. Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília: IPEA. http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/Cap_2-10.pdf.

Incra. (2018). Informações gerais sobre os assentamentos da Reforma Agrária. http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.

Mari, C. L., Tavares, P. D. V. B. & Fonseca, V. M. (2017). Alimentos, saberes e educação para o “bem viver”: os camponeses um passo adiante. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 34(3), 37-54.

Barbosa, V. X. (2023). A luta pela reforma agrária no Brasil: uma análise do papel do movimento dos trabalhadores rurais sem-terra (MST). https://repositorio.pucgoias.edu.br/jspui/handle/123456789/7101

Marx, K. (2013). O Capital - Livro I – crítica da economia política: O processo de produção do capital. Boitempo, 894p.

Marx, K. & Engels, F. (2008). Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Expressão Popular, 66p.

Menegat, A. S. (2009). No coração do Pantanal: assentados na lama e na areia. As contradições entre os projetos do estado e dos assentados no assentamento Taquaral, MS. UEMS, 196 p.

Novaes, R. (2012). As Juventudes e a luta por direitos. Le Monde Diplomatique, Brasil. https://diplomatique.org.br/as-juventudes-e-a-luta-por-direitos/.

Pascoal, M., Honorato, E. C. & Albuquerque, F. A. (2008). O orientador educacional no Brasil. Educação em Revista, (47), 101-120.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. (2a ed.). Editora Feevale.

Terra, A. (2009). Reforma agrária por conveniência e/ou por pressão? Assentamento Itamarati em Ponta Porã–MS: o pivô da questão. Universidade Estadual Paulista. http://repositorio.unesp.br/handle/11449/105023.

Urchei, M. A., Rodrigues, J. D. & Stone, L. F. (2000). Análise de crescimento de duas cultivares de feijoeiro sob irrigação, em plantio direto e preparo convencional. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 35(3), 497-506.

Published

26/03/2024

How to Cite

COSTA, O. C. da . Rural settlements in Brazil: Agrarian policies and their implications. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 3, p. e10413345339, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i3.45339. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/45339. Acesso em: 13 jun. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences