Influence of biopsychosocial factors on development of premature and full-term babies

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i3.45370

Keywords:

Nursing care; Child development; Risk factors; Infant, newborn.

Abstract

The complete gestation period can vary between 37 and 42 weeks. A baby is considered extremely premature when born at less than 28 weeks of gestation, very premature between 28 and 32 weeks, and moderately to late premature when born between 32 and 36 weeks. The objective of this study was to understand the relationship between the neuropsychomotor development of preterm and full-term babies and biopsychosocial aspects. The method is an integrative literature review. With the results of the first table, it is possible to observe that 9 articles were detailed, covering three categories of analysis: social factors, psychological factors, and biological factors, which can interfere with the development of preterm and full-term newborns. With the results of the second table, 8 articles were analyzed, identifying three categories of analysis: care for the puerperal woman, care for the preterm newborn in a hospital environment, and care for the full-term newborn. These categories can influence the elaboration of the nursing care process for both preterm and full-term babies and mothers. Therefore, the importance of future research is highlighted, which can demonstrate the results obtained, through interviews with nurses, physicians and other health professionals who provide care to premature and full-term babies.

References

Anjos, N. A. C. J. (2020) A salvaguarda do sono do recém-nascido pré-termo na unidade de cuidados intensivos neonatais: intervenção de enfermagem promotora do desenvolvimento. [dissertação de mestrado]. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa.

Alvejonas, D. R. et al (2018). Atenção básica como ordenadora do cuidado ao bebê de risco para alterações do neurodesenvolvimento. Communication Disorders, Audiology and Swallowing, 30(3), e20170064.

Bonfim, M. S. et al (2016). Desenvolvimento neuropsicomotor de crianças nascidas pré-termo, segundo teste de Denver II. Fisioterapia Brasil, 17(4), 348-355.

Briscoe, J. et al (2001). Everyday memory and cognitive ability in children born very prematurely. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 42(6), 54-749.

Chermont, A. G. et al (2005). Avaliação do desenvolvimento pela escala de Denver II, de recém-nascidos prematuros de baixo peso. Revista paraense de Medicina, 19(2), 59-66.

Fattore, I. M., Uhde, R. M., Oliveira, L. D., Roth, A. M., & Souza, A. P. R. (2017). Análise comparativa das vocalizações iniciais de bebês prematuros e a termo, com ou sem risco ao desenvolvimento. Communication Disorders, Audiology and Swallowing, 29(4), e20’160075.

Felice, T. M. N., Santos, J. F. L., & Pfeifer, L. I (2019). Estudo retrospectivo de fatores de risco materno, pré e perinatal para paralisia cerebral na rede pública de saúde. Portal de Revista da USP. 52(3), 179-91.

Figueiredo, A. R. E (2020). Cuidados não traumáticos em contexto pediátrico: a intervenção de enfermagem na gestão dos medos associados aos procedimentos dolorosos. [dissertação de mestrado]. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa.

Fonseca, L. M. M., & Seoch, C. G. S (2009). Livro Cuidados bebê prematuro: orientações para a família. (3a ed.). Ribeirão Preto: FIERP. p.64.

Giachetta, L. Nicolau, C. M., Costa, A. P., & Zuanna, A. D (2010). Influência do tempo de hospitalização sobre o desenvolvimento neuromotor de recém-nascidos pré-termo. Fisioterapia e Pesquisa, 17(1), 9-24.

Gilbertoni, D. et al (2015). Positive effect of human milk feeding during NICU hospitalization on 24-month neurodevelopment of very low birth weight infants: an Italian cohort study. PLoS One, 10(1), e0116552.

Guedes, T. N. S (2020). Competências do recém-nascido na primeira hora de vida e a sua relação com a amamentação. [dissertação de mestrado]. Escola Superior de Enfermagem do Porto.

Isotami, S. M. et al (2009). Linguagem expressiva de crianças nascidas pré-termo e a termo aos dois anos de idade. Pró-fono Revista de Atualização Científica, 21(2), 155-60.

Lawson, K. R., & Ruff, H. A (2004). Early Focused Attention Predicts Outcome for Children Born Prematurely. Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics, 25(6), 399-406.

Linhares, M. B, Bordin, M. B. M, & Carvalho, A. E. V (2004). Aspectos do Desenvolvimento Psicológico da Criança Ex-prematura na Fase Escolar. Vulnerabilidade e Proteção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Loto, C. R., & Linhares, M. B (2018). Contato “pele a pele” na prevenção de dor em bebês prematuros: revisão sistemática de literatura. Trends in Psychology, 26(4), 1699-1713.

Magalhães, L. C. et al (2003). Estudo comparativo sobre o desempenho perceptual e motor na idade escolar em crianças nascidas pré-termo e a termo. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 61 (2), 250-255.

Martins, K. P. et al (2021). Cuidado e desenvolvimento do recém-nascido prematuro em unidade de terapia intensiva neonatal: revisão de escopo. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, 25, e1414.

Martins, S. M. C (2020). Atividades ligadas à promoção do crescimento e desenvolvimento das crianças realizadas pelos enfermeiros na consulta de saúde infantil. [Dissertação de mestrado], Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.

Munhoz, T. N. et al (2022). Fatores associados ao desenvolvimento infantil em crianças brasileiras: linha de base da avaliação do impacto do Programa Criança Feliz. Caderno de Saúde Pública, 38(2), e00316920.

Nascimento, G. B., Kessler, T. M., Souza, A. P. R. de, Costa, I., & Moraes, A. B (2020). Indicadores de risco para a deficiência auditiva e aquisição da linguagem e sua relação com variáveis socioeconômicas, demográficas e obstétricas em bebês pré-termo e a termo. Communication Disorders, Audiology and Swallowing, 32 (1), e20180278.

Oliveira, D. C (2008). Análise de conteúdo temático-categorial: uma proposta de sistematização. Revista Enfermagem UERJ, 16(4), 569-576.

Oliveira, L. N., Lima, M. C. M. P., & Gonçalves, V. M. G (2003). Acompanhamento de lactentes com baixo peso ao nascimento: aquisição da linguagem. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 61, (3-B).

Palmer, P.G., Dubowitz L.M., Verghote M., Dubowitz V. et al. (1982). Neurological and Neurobehavioural Differences Between Preterm Infants at Term and Full-Term Newborn Infants. Neuropediatrics, 13(4), 183-189.

Pilz, E. M, & Schermann, L. B (2007). Determinantes biológicos e ambientais no desenvolvimento neuropsicomotor em uma amostra de crianças de Canoas/RS. Ciência & saúde coletiva, 12(1).

Restiffe, A. P (2007). O desenvolvimento motor do recém-nascido pré-termo e a termo até a aquisição da marcha segunda Alberta Infant Motor Scale: um estudo de coorte. [tese de doutoramento]. Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo.

Ribeiro, D., Perosa, G., & Padovani, F (2014). Fatores de risco para o desenvolvimento de crianças atendidas em Unidades de Saúde da Família, ao final do primeiro ano de vida: aspectos sociodemográficos e de saúde mental materna. Ciência & Saúde Coletiva, 19(1), 215-226.

Santos, D. C. C. et al (2004). Influência do baixo peso ao nascer sobre o desempenho motor de lactentes a termo no primeiro semestre de vida. Brazilian Journal of Physical Therapy, 8 (3), 261-266.

Santos, J. S. et al (2021). Habilidade motora grossa em lactantes prematuros segundo a Alberta Infant Motor Scale. Fisioterapia Brasil, 22(1),10-24.

Silva, T. A., & Leite, M. F (2020). Vínculo afetivo materno: processo fundamental para o desenvolvimento infantil uma revisão de literatura. Revista Salusvita, 39(1), 277-295.

Silveira Filho, C. C. Z., Silveira, M. D. A., & Silva, J. C (2019). Estratégias do enfermeiro intensivista neonatal frente à humanização do cuidado. Revista Cuidarte, 13(2), 180-185.

Silveira, R. C, & Procianoy, R. S (2019). Preterm newborn’s postnatal growth patterns: how to evaluate them. Jornal de Pediatria, 95(1), S42-S8.

Soares, C. B. et al (2014). Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(2), 335-345.

Souza, E., & Magalhães, L. de C (2012). Desenvolvimento motor e funcional em crianças nascidas pré-termo e a termo: influência de fatores de risco biológico e ambiental. Revista Paulista de Pediatria, 30(4), 462-71.

Souza, M. A. F., Damasceno, S. S. Cruz, R. S. B. L. C., Viana, M. C. A., Siebra, A. V., & Oliveira, D. R (2018). Construção e validação de tecnologia comportamental para acompanhamento dos marcos do desenvolvimento infantil. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 19, e33808.

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, 8(1), 102-106.

Tavares, M. A. F (2020). Gestão e Organização de Cuidados aos Recém-nascidos Pré-termo. [Dissertação de mestrado]. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.

Published

28/03/2024

How to Cite

TONELI, L. S. .; SILVA, M. B. da; PINTO, A. A. M. .; QUEIROZ, F. C. .; QUEIROZ, L. M. P. de . Influence of biopsychosocial factors on development of premature and full-term babies. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 3, p. e11113345370, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i3.45370. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/45370. Acesso em: 25 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences