Schooling and food: an analysis of pregnant teenagers from the Municipality of Cuité-PB

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6633

Keywords:

Gestation; Food consumption; Nutritional deficiencies.

Abstract

The level of education can influence eating habits and consequently impact on nutrient intake, thus considering the damage that such deficiencies can cause to the fetus and mother, the study aimed to evaluate the dietary intake of vitamin A and iron and its association with the schooling of pregnant adolescents in the municipality of Cuité-PB. This was a descriptive, cross-sectional research and quantitative methodological approach. The study included 15 pregnant adolescents attended at the prenatal service in Cuité-PB. The study showed a high prevalence of pregnant women diagnosed with overweight and level of education until incomplete high school. Regarding the consumption of vitamin A food sources, a reduced consumption of animal and plant foods was observed. Regarding iron consumption, there was low weekly liver intake and high daily consumption of beans, in addition to high weekly consumption of red meat. The results of the R24 applied indicate a predominance of inadequate vitamin A and dietary iron in the diet of frequent pregnant women, despite revealing consumption of some sources of these foods. Moreover, the study did not show a clear association with the occurrence of micronutrient inadequacies in food and education level, although the literature indicates a relationship between the level of education of pregnant women and their influence on self-care with health in general.

References

Absoud, M., Cummins, C., Lim, M. J., Wassmer, E., & Shaw, N. (2011). Prevalence and predictors of vitamin D insufficiency in children: a Great Britain population based study. PloS one, 6(7).

Barchinski, M. C. (2012). Avaliação do consumo alimentar de gestantes adolescentes de um serviço de saúde do município de Criciúma, SC.

Belarmino, G. O., Moura, E. R. F., Oliveira, N. C. D., & Freitas, G. L. D. (2009). Risco nutricional entre gestantes adolescentes. Acta Paulista de Enfermagem, 22(2), 169-175.

Bertin, R. L., Parisenti, J., Di Pietro, P. F., & Vasconcelos, F. D. A. G. D. (2006). Métodos de avaliação do consumo alimentar de gestantes: uma revisão. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 6(4), 383-390.

Brandão, A. H. F., Cabral, M. A., & Cabral, A. C. V. (2011). A suplementação de ferro na gravidez: orientações atuais. Femina, 39(5).

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde (2013). Portal da Saúde.

Brasil. (2011). Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional-SISVAN.

Cribb, V. L., Northstone, K., Hopkins, D., & Emmett, P. M. (2013). Sources of vitamin A in the diets of pre-school children in the Avon Longitudinal Study of Parents and Children (ALSPAC). Nutrients, 5(5), 1609-1621.

Fisberg, R. M., Martini, L. A., & Slater Villar, B. (2005). Métodos de inquéritos alimentares. Inquéritos alimentares: métodos e bases científicos.

Gill, M., Feliciano, D., Macdiarmid, J., & Smith, P. (2015). O impacto ambiental da transição nutricional em três países de estudo de caso. Segurança Alimentar, 7 (3), 493-504.

Heilborn, ML, & Cabral, CS (2011). Um novo olhar sobre a gravidez na adolescência no Brasil. Obstetrícia e ginecologia do ISRN , 2011 .

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA-IBGE. Panorama do Censo Demográfico, 2017. Disponivel em:http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 08 de jun de 2018.

Pregnancy, W. G. D. (2009). Reexamining the guidelines. Washington DC: National Academy of Sciences.

Junior, C. A. M., Malaguti, C., Moreira, L. D. P. D., Faria, N. C., Rezende, W., Rondelli, R. R., ... & de Cordoba Lanza, F. (2016). Perfil alimentar e sócio-demográfico de gestantes adolescentes da cidade de São Paulo. Revista Extendere, 4(1).

Mahan, L. K., Escott-Stump, S., & Raymond, J. L. (2010). Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. 13ª edição. Saunders-Elsevier. Rio de Janeiro.

Milman, N., Paszkowski, T., Cetin, I. & Castelo-Branco, C. (2016). Suplementação durante a gravidez: crenças e ciência. Gynecological Endocrinology , 32 (7), 509-516.

Mendes, B. C., & Moura, P. C. (2018). Avaliação do estado nutricional e do consumo alimentar de gestantes adolescentes de um hospital em Curvelo-MG. Revista Brasileira de Ciências da Vida, 6(3).

Monteiro, C. A., Mondini, L., & Costa, R. B. (2000). Mudanças na composição e adequação nutricional da dieta familiar nas áreas metropolitanas do Brasil (1988-1996). Revista de Saúde Pública, 34(3), 251-258.

Organização Mundial da Saúde. (2013). Diretriz: suplementação diária de ferro e ácido fólico em gestantes.

de Obesidade, D. B. (2016). Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica.(2016).

de Oliveira, J. V. R., & Cravo, E. O. (2012). Perfil epidemiológico dos nascidos vivos no município de Aracaju-Sergipe, Brasil. Ideias e Inovação-Lato Sensu, 1(1), 09-17.

de Oliveira Antunes, L., dos Santos Tenório, M. C., Tavares, M. C. M., Bezerra, A. R., & de Oliveira, A. C. M. (2018). Caracterização clínica e nutricional de gestantes de alto risco assistidas no hospital universitário de Maceió-Alagoas. Gep News, 1(1), 14-19.

Oliveira, S. C. D., Lopes, M. V. D. O., & Fernandes, A. F. C. (2014). Construção e validação de cartilha educativa para alimentação saudável durante a gravidez. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 22(4), 611-620.

Oyamada, L. H., Mafra, P. C., Meireles, R. D. A., Guerreio, T. M. G., Caires, M. O., & Silva, F. D. (2014). Gravidez na adolescência e o risco para a gestante. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, 6(2), 38-45.

Ramos, H. DC, & Cuman, RKN (2009). Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Escola Anna Nery , 13 (2), 297-304.

Ramalho, R. A., Flores, H., Accioly, E., & Saunders, C. (2006). Associação entre deficiência de vitamina A e situação sociodemográfica de mães e recém-nascidos. Revista da Associação Médica Brasileira, 52(3), 170-175.

RIBEIRO, N. C. L. (2013). Gravidez na adolescência e obesidade: uma revisão bibliográfica acerca de duas questões complexas para a saúde da mulher.

Ribeiro, J. F., Passos, A. C., Lira, J. A. C., Silva, C. C., Santos, P. O., & Fontinele, A. V. C. (2017). Complicações obstétricas em adolescentes atendidas em uma maternidade pública de referência. Rev. enferm. UFPE on line, 2728-2735.

Rocha, V. D. S. (2009). Avaliação bioquímica e do consumo alimentar de magnésio em mulheres saudáveis no terceiro trimestre gestacional (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Rosa, C. Q. D., Silveira, D. S. D., & Costa, J. S. D. D. (2014). Fatores associados à não realização de pré-natal em município de grande porte. Revista de Saúde Pública, 48, 977-984.

Santos, N. L. D. A. C., Costa, M. C. O., Amaral, M. T. R., Vieira, G. O., Bacelar, E. B., & Almeida, A. H. D. V. D. (2014). Gravidez na adolescência: análise de fatores de risco para baixo peso, prematuridade e cesariana. Ciência & Saúde Coletiva, 19, 719-726.

Santos, E. N. D., Velarde, L. G. C., & Ferreira, V. A. (2010). Associação entre deficiência de vitamina A e variáveis socioeconômicas, nutricionais e obstétricas de gestantes. Ciência & Saúde Coletiva, 15, 1021-1030.

da Rosa, R. L., Molz, P., & Pereira, C. S. (2014). Perfil nutricional de gestantes atendidas em uma unidade básica de saúde. Cinergis, 15(2).

de Sousa Santos, D. K., Borges, N. R., Labre, M. R., Castro, J. G. D., & Pereira, R. J. (2017). ESTADO NUTRICIONAL PRÉ-GRAVÍDICO E GESTACIONAL. DESAFIOS-Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 4(3), 83-90.

Teixeira, L. A., Vasconcelos, L. D., & Ribeiro, R. A. F. (2015). Prevalência de Patologias e Relação com a Prematuridade em Gestação de Alto Risco/Prevalence of Disease and Relationship to Preterm Birth in High-Risk Pregnancy. Revista Ciências em Saúde, 5(4), 35-42.

Valduga, L. (2010). Avaliação do estado nutricional, hábitos e utilização de sulfato ferroso e ácido fólico por uma amostra de gestantes de Guarapuava – PR. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Nutrição). Guarapuava, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).

Vitolo, M. R., Boscaini, C., & Bortolini, G. A. (2006). Baixa escolaridade como fator limitante para o combate à anemia entre gestantes. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 28(6), 331-339.

Vitorino, A. E. J., & Alves, M. D. A. L. (2019). Avaliação da ingestão de micronutrientes em um grupo de gestantes atendidas em uma Unidade Básica de Saúde. Nutrição Brasil, 17(3), 154-161.

Published

09/08/2020

How to Cite

Campos, R. da S., Queiroz, M. P., Santos, A. B. M. V. dos, Silva, N. da R., Pereira, M. T. L., & Pinto, M. L. M. (2020). Schooling and food: an analysis of pregnant teenagers from the Municipality of Cuité-PB. Research, Society and Development, 9(9), e05996633. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6633

Issue

Section

Health Sciences