Assessment of management effects in state public schools located in Fortaleza / CE: a picture of planning, organization, direction and control factors in the Professional Education modality

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7100

Keywords:

Evaluation; Management; PDCA.

Abstract

It is known that assessment and management are present in school dynamics. Thus, this research aims to assess in the teachers' conception the effects managed by the management of public schools in the state public network of Ceará, in the professional modality, located in the city of Fortaleza regarding the factors of planning, organization, direction and control. For this analysis, we considered the managerial nucleus and the teaching and administrative bodies (n = 31) in an attempt to understand the factors associated with the performance of students in the schools surveyed based on the planning, organization, direction and control cycle initially proposed by Deming (1986) and woven by Shewar (1920) and refined in contemporary times by Chiavenato (2014). The research methodology adopted was centered on Bruyne, Herman and Schoutheete's (1977) quadripolar methodological strategy. The study is inserted in a qualitative approach, of a descriptive level and with basic purpose. It was concluded that it is a challenge to effectively experience the variation of the PDCA cycle in professional schools, given that it intends to change the conception of the school's role, seeking a more democratic and participatory model.

Author Biographies

Marcos Antonio Martins Lima, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira

Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria

Denize de Melo Silva, Federal University of Ceará, Brazil

Federal University of Ceará, Brazil

Maria Lucijane Gomes de Oliveira, Federal University of Ceará, Brazil

Federal University of Ceará, Brazil

Jáderson Cavalcante da Silva, Federal University of Ceará, Brazil

Federal University of Ceará, Brazil

References

Bardin, L. (2016). A análise de conteúdo. 1ed. São Paulo: Edições 70.

Bonamino, A. C., & Franco, C. (1999). Avaliação e Política Educacional: o processo de institucionalização do SAEB. Cadernos de Pesquisa, (108), 101-132.

Brasil. (1988). Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 out.

Brasil. (1996). Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez.

Brasil. (1999). Parecer n. 16, de 5 de outubro de 1999. Trata das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 6 out.

Brasil. (2005). Ministério da Educação. Portaria n. 931, de 21 de março de 2005. Institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB, que será composto por dois processos de avaliação: a Avaliação Nacional da Educação Básica – ANEB, e a Avaliação Nacional do Rendimento Escolar – Anresc. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 mar.

Brasil. (2007). Decreto n. 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União Federal, em regime de colaboração com Municípios, o Distrito Federal e os Estados. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 abr.

Brasil. (2012). Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 6, de 20 de setembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 set.

Brasil. (2018a). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Diretoria de Avaliação da Educação Básica. Sistema de Avaliação da Educação Básica: documento de referência. Brasília, DF: MEC.

Brasil. (2018b). Decreto n. 9.432, de 29 de junho de 2018. Regulamenta a Política Nacional de Avaliação e Exames da Educação Básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 jun.

Brasil. (2018c). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sistema de Avaliação da Educação Básica: aprimoramentos para 2019. Brasília, DF: Inep.

Brasil. (2018d). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica. Brasília, DF: Inep.

Brooke, N., & Soares, J. F. (2008). Pesquisa em eficácia escolar: origens e trajetórias. Belo Horizonte: UFMG.

Bruyne, P., Herman, J., & Schoutheete, M. (1977). Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. (R. Joffily, Trad.). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Carvalho, C. P., Oliveira, A. C. P., & Lima, M. F. M. (2014). Avaliações externas: tensões e desafios para a gestão escolar. Estudos em Avaliação Educacional, 25(59), 50-76.

Chiavenato, I. (2010). Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações (3a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Chiavenato, I. (2012). Administração geral e pública (3a ed.). Barueri: Manole.

Chirinéa, A. M., & Brandão, C. F. (2014). O IDEB como política de regulação do Estado e legitimação da qualidade: em busca de significados. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 23(87), 461-484.

Cruz, J. M. O. (2004). A internet no Ensino Superior: um estudo exploratório com alunos e professores da graduação. Anais do Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de São Cristóvão, São Cristóvão, SE, Brasil, 5.

Deming, W. E. (1986). Outof the crisis. Cambrige: MIT Center Ofadvanced Engineering Study.

Dourado, L. F. (2007). Políticas e gestão da Educação Básica no Brasil: limites e perspectivas. Educação & Sociedade, 28(100), 921-946.

Ferreti, C. J., & Silva, M. R. (2017). Reforma do Ensino Médio no contexto da Medida Provisória n. 746/2016: Estado, currículo e disputas por hegemonia. Educação & Sociedade, 38(139), 385-404.

Fiorentini, D., & Lorenzato, Sergio. (2012). Formação de professores: Investigação em educação matemática percursos teóricos e metodológicos. São Paulo: Autores Associados.

Franco, A. M. P. (2009). Os determinantes da qualidade da educação no Brasil (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Freitas, L. C. (2009). A luta por uma pedagogia do meio: revisando o conceito. In M. M. Pistrak. (Org.). A escola-comuna (pp. 9-101). São Paulo: Expressão Popular.

Frigotto, G. (2002). Trabalho, conhecimento, consciência e a educação do trabalhador: impasses teóricos e práticos. In C. M. Gomes, G. Frigotto, M. Arruda, M. Arroyo, & P. Nosella (Org.). Trabalho e conhecimento: dilemas na educação do trabalhador (4a ed., pp. 132-148). São Paulo: Cortez.

Gadotti, M. (2009). Educação integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Paulo Freire.

Gil, A. C. (2016). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas S.A.

Hengemuhle, A. (2011). Gestão de ensino e práticas pedagógicas (7a ed.). Petrópolis: Vozes.

Instituto de Corresponsabilidade pela Educação. (2010). Manual operacional: Modelo de Gestão: Tecnologia Empresarial Socioeducacional (TESE): Uma nova escola para a juventude brasileira. Recuperado de https://educacaoprofissional.seduc.ce.gov.br/images/tese/manual_modelo_gestao.pdf

Libâneo, J. C. (2001). Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa.

Lima, M. A. M. (2005). Avaliação de programas educacionais em organizações: contrato de avaliação e indicadores de aproveitamento. Fortaleza: UFC.

Linhares, N. P. R. (2015). Escolas Estaduais de Educação Profissional do Ceará: uma reflexão sobre o modelo de gestão de Tecnologia Empresarial Socioeducacional (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.

Lück, H. (2000). Perspectivas da gestão escolar e implicações quanto à formação de seus gestores. Em Aberto: Gestão Escolar e Formação de Gestores, 17(72), 11-33.

Lück, H. (2011). Gestão educacional: uma questão paradigmática (8a ed.). Petrópolis: Vozes.

Lück, H. (2012). Concepções e processos democráticos de gestão educacional (8a ed.). Petrópolis: Vozes.

Machado, C. (2017). Possíveis contribuições da avaliação externa para a gestão educacional. Revista on line de Política e Gestão Educacional, 1(12).

Magalhães, M. (2008). A juventude brasileira ganha uma nova escola de Ensino Médio: Pernambuco cria, experimenta e aprova. São Paulo: Albatroz: Loqui.

Melo, D. V. (2014). Qualidade da educação e o IDEB: o olhar da equipe gestora no município de Olinda. Anais do Encontro de Pesquisa Educacional em Pernambuco, Garanhuns, PE, Brasil, 5.

Mesquita, S. (2012). O resultado do IDEB no cotidiano escolar. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 20(76), 587-606.

Nascimento e Silva, D. (2011). Compreendendo o processo gerencial. Manaus: IFAM.

Ramos, M. N. (2002). A Educação Profissional pela pedagogia das competências: para além da superfície dos documentos oficiais. Educação & Sociedade, 23(80), 405-427.

Published

27/08/2020

How to Cite

Lima, M. A. M., Silva, D. de M., Oliveira, M. L. G. de ., & Silva, J. C. da. (2020). Assessment of management effects in state public schools located in Fortaleza / CE: a picture of planning, organization, direction and control factors in the Professional Education modality. Research, Society and Development, 9(9), e485997100. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7100

Issue

Section

Education Sciences