Osteomuscular symptoms related to work: implications for nursing

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7237

Keywords:

Nursing; Musculoskeletal Symptoms; Worker health.

Abstract

Objectives: to verify the prevalence of body regions most affected by the symptoms of musculoskeletal disorders in nursing professionals working in medical clinic services and to discuss the occurrence of symptoms of musculoskeletal disorders self-reported by these professionals, from the perspective of workers' health. Method: This is a descriptive cross-sectional study that sought to analyze the symptoms of musculoskeletal disorders in 81 nursing professionals who work at a University Hospital in the city of Rio de Janeiro. The sociodemographic labor questionnaire and the Nordic Musculoskeletal Questionnaire were used. Results: it showed in the age group that 38.2 are over 41 years old, 81.5% are female, with a predominance of 77.8% of nursing technicians and assistants. In the Nordic Musculoskeletal Questionnaire, the presence of musculoskeletal symptoms with a predominance in the neck region was verified 39.5%, followed by the lower back, ankles and or feet with 38.3% in the last 12 months, 22.2% of the interviewees were prevented from carrying out their activities and 33.3% had consultations due to musculoskeletal symptoms. It was observed that 19.8% of the interviewees reported musculoskeletal symptoms in the lower back and 18.5% in the ankles / feet in the last seven days. Conclusion: At the end of the study, it can be seen that nursing workers indicated a prevalence of pain, tingling and or numbness in the regions of the neck, lower back, ankles / feet in a period of 12 months and in the last seven days in the lower part of the back and ankles / feet, in view of the results, it is necessary to take preventive and promotional measures that guarantee better working conditions for the nursing team, in order to reduce the risks for the development of musculoskeletal symptoms arising from their work environment.

Author Biographies

Juliane Ferreira da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Faculdade CNEC

Doutoranda pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Biociência da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Coordenadora da Graduação em Enfermagem da Faculdade CNEC/Rio das Ostras.

Hilmara Ferreira da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Biociências pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Daniel da Silva Granadeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Centro Universitário Augusto Motta; Centro Universitário São José

Doutorando pelo Programa de Pós Graduação em  Enfermagem e Biociências da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Bolsista DS/CAPES;

Mestre em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 

Professor no Centro Universitário Augusto Motta e no Centro Universitário São José.

Durval Diniz Raimundo, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Biociências da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Giovana Cópio Vieira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Biociências da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Raquel Magalhães de Azeredo Granadeiro, Centro Universitário Augusto Motta

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense;

Professora do Centro Universitário Augusto Motta.

Renata da Silva Hanzelmann, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Centro Universitário São José

Pós Doutoranda pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Biociências da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Vice-Líder do Laboratório de Pesquisa: Enfermagem, Tecnologias, Saúde e Trabalho (PENSAT/UNIRIO);

Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário São José.

Joanir Pereira Passos, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora Titular da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;

Líder do Laboratório de Pesquisa: Enfermagem, Tecnologias, Saúde e Trabalho (PENSAT/UNIRIO);

References

Alexandre, N. M. C. (1993). Contribuição ao estudo das cervicodorsolombalgias em profissionais de enfermagem. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo.

Anunciação, C. G. M., Sales, L. A., Andrade, M. C., Silveira, C.A., & Paiva, S. M. A. (2016). Sinais e sintomas osteomusculares relacionada ao trabalho em profissionais de enfermagem. Revista Saúde, 42(2), 31-40.

Campos, M. L. P., & Martino, M. M. F. (2004). Chronobiologyc Aspects of Sleep-Wake Cycle and Anxiety Levels of Nurses Working on Different Shifts. Rev Esc Enferm USP, 38(4), 415-421. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0080-62342004000400007

Coelho, E. A. C. (2005). Gender, Health and Nursing. Rev bras enferm, 58(3), 345-348. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-71672005000300018

Conselho Federal de Enfermagem (2017). Resolução n° 543, de 18 de abril de 2017. Atualiza e estabelece parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas atividades de enfermagem. Brasília.

Conselho Federal de Enfermagem (2020). Quantitativo profissional de enfermagem por regional. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/enfermagem-em-numeros

Couto, H. A. (2010). Novas perspectivas na abordagem preventiva das LER/DORT - Fenômeno LER/DORT no Brasil. Belo Horizonte: UFMG/FACE.

Egri, D. (2000). Lesões por Esforço Repetitivo (distúrbios osteomusculares relacionado ao trabalho). In: Yoshinari NH, Bonfá ESDO. Reumatologia para o clínico. São Paulo: Roca.

Elias, M. A., & Navarro, V. L. (2006). The relation between work, health and living conditions: negativity and positivity in nursing work at a teaching hospital. Rev Latino-Am Enferm, 14(4), 517-525. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000400008

Fernandes, J. C., Portela, L. F., Rotenberg, L., & Griep, R. H. (2013). Jornada de Trabalho e Comportamentos de Saúde entre Enfermeiros de Hospitais Públicos. Rev Latino-Am enferm, 21(5). Recuperado em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n5/pt_0104-1169-rlae-21-05-1104.pdf

Ferreira, L. L. (1988). Aplicações da cronobiologia na organização do trabalho humano. In: Cipolla Neto J, Marques N, Menna Barreto L. Introdução ao estudo da cronobiologia. São Paulo: USP.

Fonseca, R., & Serranheria, F. (2006). Sintomatologia musculoesquelética auto-referida por enfermeiros em meio hospitalar. Rev Port Saúde Pública, 6, 37-44.

Freitas, J. R. S., Filho, W. D., Lunardi, V. L., & Freitas, K. S. S. (2009). Work-related musculoskeletal disorders in professionals of nursing in an academical hospital. Rev eletrônica enferm, 11(4), 904-911.

GÓES, E. P. (2014). Avaliação da prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de enfermagem de um hospital público do Oeste do Paraná. Revista Faz Ciência, 16(24), 129-148.

Gravina, M. E. R., & Rocha, L. E. (2006). Repetitive Strain Injuries among bank workers: reflections about the return to work. Cad Psicol Soc Trab, 9(2), 41-45.

Hennington, É. (2011). Entre o criativo e o precário: reflexões sobre constrangimentos e possibilidades do trabalhador da saúde em tempos líquidos. In C. G. Minayo, J. M. H. Machado & P. G. L. Pena (Eds.), Saúde do trabalhador na sociedade brasileira contemporânea (PP. 433-452). Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

Leite, P. C., Silva, A., & Merighi, M. A. B. (2007). Female nurses and the osteomuscular disturbances related to their work. Rev esc enferm USP, 41(2), 287-291. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0080-62342007000200016

Lelis, C. M., Battaus, M. R. B., Freitas, F. C. T., Rocha, F. L. R., Marziale, M. H. P., & Robazzi, M. L. C. C. (2012). Work-related musculoskeletal disorders in nursing professionals: an integrative literature review. Acta Paul Enferm, 25(3), 477-482.

Leolatto, C. L., Brehmer, L. C. F., & Miranda, F. A. C. (2013). Some faces of the cumulative trauma disorders related to the work. Rev APS, 16(1), 66-74.

Lida, I., & Buarque, L. (2016). Ergonomia: projeto e produção. 3. ed. São Paulo: Edgard Blucher.

Magnago, T. S. B. S., Lisboa, M. T. L., Souza, I. E. O., & Moreira, M.C. (2007). Musculoskeletal disorders in nursing workers: evidences associated to work conditions. Rev Bras Enferm, 60(6), 701-705. Disponível em: https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000600015

Ministério da Saúde. (2000). Saber LER para prevenir DORT. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2012). Dor relacionada ao trabalho: lesões por esforços repetitivos (LER): distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2012a). Resolução Nº 466. Conselho Nacional de Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Monteiro, C. R., & Faro, A. C. M. (2015). Sintomas osteomusculares em trabalhadores de enfermagem de uma Unidade neonatal, UTI neonatal e banco de leite humano. Rev Bras Med Trab 13(2), 83-90.

Moreira, A. M. R., & Mendes, R. (2005). Risk factors for cumulative trauma disorders related to the nursing work. Rev enferm UERJ, 13(1), 19-26.

Nascimento, R. F. M. F., Cahet, A. Q. V., Silva, E. S., & Barbosa, M. A. S. (2014). Relação do processo de trabalho com a ocorrência de LER/DORT nos profissionais de enfermagem. Revista Eletrônica Estácio Saúde, 3(2), 61-67.

Oguisso, I., & Schimidt, M. I. (1984). A enfermagem e a insalubridade. Rev Paul Enf., 4(2), 43-48.

Oliveira, J. N., & Mendes, A. M. (2014). Sofrimento psíquico e estratégias defensivas utilizadas por desempregados: contribuições da psicodinâmica do trabalho. Temas em Psicologia, 22(2), 389-399. Disponível em: https://dx.doi.org/10.9788/TP2014.2-10.

Pessoa, J. C. S., Cardia, M. C. G., & Santos, M. L. C. (2010). Analysis of the Limitations, Strategies and Perspectives of the Workers With RSI/WRMD, participants of the PROFIT-LER Group: a case study. Ciência Saúde Colet, 15(3), 821-830. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000300025.

Pinheiro, F.A., Tróccoli, B. T., & Carvalho, C. V. (2002). Validity of the Nordic Musculoskeletal Questionnaire as morbidity measurement tool. Rev saúde pública, 3(36), 307-312. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000300008

Portela, L. F., Rotenberg. L., & Waissmann, W. (2005). Health, sleep and lack of time: relations to domestic and paid work in nurses. Rev Saúde Pública, 39(5), 802-808. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000500016.

Rotenberg, L., Portela, L. F., Banks, B., Griep, R. H., Fischer, F.M., & Landsbergis, P. (2008). A gender approach to work ability and its relationship to professional and domestic work hours among nursing personnel. Appl. Ergon, 39(5), 646-652. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.apergo.2008.02.013

Schmidt, D. R. C., & Dantas, R. A. S. (2012). Quality of Work Life and Work-Related Musculoskeletal Disorders among Nursing Professional. Acta Paul. Enferm, 25(5), 701-707. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000500009

Serranheira, F., Sousa-Uva, M., & Sousa-Uva, A (2012). Occupational low-back pain in hospital nurses. Rev Bras Med Trab, 10(2), 80-87.

Silva, A.A., Rotenberg, L., Fischer, F. M. (2011). Jornadas de trabalho na enfermagem: entre necessidades individuais e condições de trabalho. Rev saúde pública, 45(6), 1117-1126. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102011000600014

Sousa, F. C. A., Tinoco, K. F., Siqueira, H. D. S., Oliveira, E. H., Silva, W. C., & Rodrigues, L. A. S. (2019). Lesões músculo esqueléticas relacionadas ao trabalho da enfermagem. Research, Society and Development, 09, 1-18. Disponível em: https://dx.doi.org/9.78911656. 10.33448/rsd-v9i1.1656.

Sousa, M. N. A., Silva, G. M., Costa, T. S., Nunes, R. M. V., & Medeiros, H. R. L. (2015). Prevalência de distúrbios osteomusculares em enfermeiros. Fiep Bulletin, 85, 1-6.

Souza, F. A., & Paiano, M. (2011). Challenges and DifficultieS Faced by Nurses at The Beginning of Their Career. Rev min enferm, 15(2), 267-273.

Souza, F. S., Menezes, H. F., Oliveira, M. L. R., Paula, V. G. (2011). O trabalhador de enfermagem e os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (dort) – dialogando sobre a precarização do trabalhador da saúde. R. pesq.: cuid. fundam. online 2011, 3(4), 2440-2452. Disponível em https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=5057/505750890025

Vanwonterghema, K, Yoopat, P., & Maes, C. (2012). Musculoskeletal disorders: a new Journal Work, 41 (1), 2293-2298. Disponível em: https://dx.doi.org/10.3233/WOR-2012-0454-2293.

Vidor, C. R, Mahmud, M. A. I., Farias, L. F,, Silva, C. A., Ferrari, J.N., Comel, J.C., & et al. (2014). Prevalence of musculoskeletal pain among nursing surgery teams. Acta fisiátrica, 21(1), 6-10. Disponível em: http://dx.doi.org/DOI: 10.5935/0104-7795.20140002

Published

21/08/2020

How to Cite

Silva, J. F. da, Silva, H. F. da, Granadeiro, D. da S., Raimundo, D. D., Vieira, G. C., Granadeiro, R. M. de A., Hanzelmann, R. da S., & Passos, J. P. (2020). Osteomuscular symptoms related to work: implications for nursing. Research, Society and Development, 9(9), e356997237. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7237

Issue

Section

Health Sciences