The teaching of Sciences and the Youth and Adults Education: a report about pedagogical practice of a teacher

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7271

Keywords:

Natural sciences; Basic education; Teacher training.

Abstract

Youth and Adult Education (EJA) is a basic education modality indicated to individuals who for some reason had your right denied to access formal education. Among the main demands of EJA, several studies highlight the proper training of teachers. To broaden the discussions about teacher training on Natural Sciences field, this work aimed to analyze the pedagogical practice of a science teacher of the youth and adults education modality from a state public school, also seeking to identify her conception of EJA, as well as their methodological references. Aiming to broaden the discussions about the training of teachers in Natural Science field, this experience report the observation and analyze the pedagogical practice of a Natural Science teacher, as well theirs conception of EJA and theirs methodological references used in his classes. Data collection was carried out using notes book during class observation, an interview with teacher and analysis of his teaching plan. In the document analysis was verified the need to establish a more detailed profile of the Natural Science teacher that act in EJA to drive pedagogical strategies that should from the reality where students are inserted. Furthermore, the experience reported proposes to the EJA teacher to use methodologies and didactic materials adapted properly to the reality of students, understanding them as subjects with previous knowledge non-formalized.

Author Biographies

David Pereira Faraum Junior, Universidade Estadual de Londrina

Graduado em Química Licenciatura (2010), mestre em Química (2017) e doutorando em Ensino de Ciências pela Universidade Estadual de Londrina.

Leonel Vinícius Constantino, Universidade Estadual de Londrina

Bacharel e Licenciado em Química (2010), Engenheiro agrônomo (2017), Especialista em estatística com ênfase em pesquisa quantitativa (2016), Especialista em Educação de Jovens e Adultos (2018), Mestre em Química (2013), Doutor em Química (2017) e Doutor em Agronomia (2020), todas as formações pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). 

Zuleika Aparecida Claro Piassa, Universidade Estadual de Londrina

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Londrina, mestra em educação pela mesma universidade e doutora em Fislosofia da Educação pela UNESP- Campus de Marília.

References

Aikenhead, G. (2005). Educación Ciência-Tecnología-Sociedad (CTS): una buena idea como quiera que se le llame. Educación química, 2(16), 114–124.

Amparo, M. A. M. (2012). A infantilização do ensino na educação de jovens e adultos: Uma análise no município de Presidente Prudente. Boletim GEPEP, 1(1), 49–62.

Araújo, S. P., & Carneiro, M. H. S. (2014). Educação de Jovens e Adultos no ensino médio, uma revisão bibliográfica sobre o ensino de ciências. Ciência & Cognição, 19, 96–104.

Brasil. (2001). Ministério da Educação. Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos, 1° segmento – Ensino Fundamental, Brasília, DF, Brasil.

Brasil. (1996). Lei de diretrizes e bases da educação nacional N. 9394. Diário oficial da união.Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas. Recuperado de https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf.

Cachapuz, A., Gil-Perez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, P., & Vilches, A. (2005). A necessária renovação do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez.

Cassab, M. (2016). Educação de Jovens e Adultos, educação em ciências e currículo: diálogos potentes. Educação em foco, 21(1), 13–38.

Cavalcanti, A. R. S. (2019). A infantilização das práticas pedagógicas na educação de jovens e adultos. (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil.

Chassot, A. (2007). Educação consciência. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Chassot, A. (2011). Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: UNIJUÍ.

Cury, C. R. J. (2002). A educação básica no Brasil. Educação & Sociedade, 23(80), 168–200.

Di Pierro, M. C. (2005). Notas Sobre a Redefinição da Identidade e das Políticas Públicas de Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Educação & Sociedade, 26(92), 1115–1139.

Di Pierro, M. C. (2008). Educação de Jovens e Adultos na América Latina e Caribe: trajetória recente. Cadernos de Pesquisa, 38(134), 367–391.

Durães, S. J. A. (2011). Aprendendo a ser professor(a) no século XIX: algumas influências de Pestalozzi, Froebel e Herbart. Educação e Pesquisa, 37(3), 465–480.

Faraum Junior, D. P., & Constantino, L. V. (2016). Licenciatura em Química e a Educação de Jovens e Adultos: Um olhar para a realidade da Universidade Estadual de Londrina. Anais da Semana da Química da Universidade Estadual de Londrina. Londrina, PR, Brasil, 32. Recuperado de http://docs.wixstatic.com/ugd/b9c954_eb86f957cf4a4820b59574a85ffebc31.pdf.

Freire, P. (2005). A importância do ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez.

Freire, P. (2016). Pedagogia do oprimido (60o ed). Rio de Janeiro: Paz & Terra.

Hofstein, A., Aikenhead, G., & Riquarts, K. (1988). Discussions over STS at the fourth IOSTE symposium. International Journal of Science Education, 10(4), 357–366.

Koch, L. L. (2014). Formação docente para a educação de jovens e adultos. In: M. H. L. F. Laffin (Org.), Educação de Jovens, adultos e idosos na diversidade: processos de intervenção na realidade escolar e social. Florianópolis: Apoio.

Lopes, M. R. O., & Ferreira, T. L. (2015). A Educação de Jovens e Adultos e o Ensino de Ciências: Uma revisão da literatura. Revista Científica Interdisciplinar, 2(7), 67-78.

Luckesi, C. C. (2011). Tendências pedagógicas na prática escolar. In C. C. Luckesi (Org.), Filosofia da educação (3o ed, pp. 71-96). São Paulo: Cortez.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Machado, M. M. (2000). A prática e a formação de professores na EJA: Uma análise de dissertações e teses produzidas no período de 1986 a 1998. Anais da Reunião Anual da Anped. Caxambu, MG, Brasil, 23. Recuperado de http://23reuniao.anped.org.br/textos/1822t.PDF.

Oliveira, M. K. (1999). Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, (12), 59–73.

Paraná. (2006). Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares para a Educação de Jovens e Adultos, Curitiba, Brasil.

Piconez, S. C. B. (2006). Educação escolar de jovens e adultos: das competências sociais dos conteúdos aos desafios da cidadania (5o ed). Campinas: Papirus.

Pinto, Á. V. (1993). Sete lições sobre a educação de adultos. São Paulo: Autores Associados.

Pompeu, S. F. C., & Zimmermann, E. (2009). Concepções sobre ciência e ensino de Ciências de alunos da EJA. Atas do Encontro Nacional de Educação em Ciências. Florianópolis, SC, 7.

Porto, M. L. O., & Teixeira, P. M. M. (2013). Uma proposta de ensino-aprendizagem de Ciências para estudantes da EJA baseada no enfoque CTS. Atas do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia, SP, Brasil, 9. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1134-1.pdf.

Réus, M. B. (2013). “Caprichem nas folhinhas”: a infantilização das práticas pedagógicas e a docência da EJA (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil.

Rezende, M. A. (2008). Os saberes dos professores da educação de jovens e adultos: o percurso de uma professora. Dourados: Editora da UFGD.

Romão, J. E. (2008). Compromissos do educador de jovens e adultos. In Educação de jovens e adultos: Teoria, Prática e Proposta (10a ed, pp. 61–78). São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire.

Santos, W.L.; Schnetzler, R. P. (2003). Educação em Química: compromisso com a cidadania. Ijuí: UNIJUÍ.

Santos, A. R. D. J. (2009). O currículo e o contexto educacional: origens e tendências. In A. Dulcina (Org.), Currículo e formação humana: princípios, saberes e gestão (pp. 115–140). Curitiba: CRV.

Santos, W. L. P. dos, & mortimer, E. F. (2002). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 110-132.

Santos, J. O. S., Barreto, A. C. F., & Oliveira, G. B. (2015). A formação docente para a Educação de Jovens e Adultos. Anais do Congresso Nacional de Educação. Curitiba, PR, Brasil, 12. Recuperado de https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/19266_10582.pdf.

Saviani, D. (2008). Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações (10ª ed). Campinas: Autores Associados.

Tozoni-Reis, M. F. C. (2009). Metodologia da pesquisa (2ª ed). Curitiba: IESDE Brasil.

Zanatta, B. A. (2012). O legado de Pestalozzi, Herbart e Dewey para as práticas pedagógicas escolares. Teoria e Prática da Educação, 15(1), 105-112.

Published

27/08/2020

How to Cite

Faraum Junior, D. P., Constantino, L. V. ., & Piassa, Z. A. C. . (2020). The teaching of Sciences and the Youth and Adults Education: a report about pedagogical practice of a teacher . Research, Society and Development, 9(9), e495997271. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7271

Issue

Section

Education Sciences