Clinical - epidemiological profile of people with bipolar disorder in psychiatric hospitalization

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7282

Keywords:

Bipolar disorder; Psychiatric nursing; Hospitals; Psychiatric hospitalization.

Abstract

Introduction: Bipolar disorder is a change in mood that varies from a state of major depression to extreme euphoria (hypomania and mania), separated by periods of stability. However, there are cases where psychiatric hospitalization is necessary, after all extra-hospital resources are exhausted. Objective: To identify the clinical-epidemiological profile of people with bipolar disorder in psychiatric hospitalization. Methodology: Documentary, retrospective, quantitative analysis, developed in a Mental Health hospital in Fortaleza-Ceará, between March and July 2017. Data were collected from the medical records of patients hospitalized between January and August 2016 diagnosed with bipolar disorder by a previously elaborated instrument, analyzed using simple descriptive statistics and discussed based on the relevant literature. Results and Discussions: 100 records were analyzed, observing the majority profile of women (70%), single (61%), aged between 26 and 35 years (28%) and with elementary education (43%); 86% of admissions were involuntary, motivated by own life attempt (37%) and the nursing consultation identified insomnia, disorientation and auditory hallucination as the main alterations. Hospitalizations had an average duration of 16 to 30 days and the most used drugs in this period were haloperidol, combined with promethazine, and lithium. After discharge, 95% of patients were referred to Psychosocial Care Centers. Conclusion: Bipolar disorder is a chronic disease that requires individualized care to preventing new hospitalizations and promoting mental health in its continuum.

Author Biographies

Gabriela Amaral de Moura Petkevicius, Centro Universitário Estácio do Ceará

Enfermeira graduada pelo Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza, CE, Brasil.

Kariane Gomes Cezário Roscoche, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira especialista em Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Professora Adjunta da Universidade Federal do Paraná, PR, Brasil.

Aline Beatriz Sotero Soares, Centro Universitário Estácio do Ceará

Enfermeira graduada pelo Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza, CE, Brasil.

Albertina Antonielly Sydney de Sousa, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Enfermeira do Trabalho. Doutora em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará. Professora Visitante do curso de Graduação em Enfermagem da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). Redenção, CE, Brasil.

Adriana Sousa Carvalho de Aguiar, Centro Universitário da Grande Fortaleza

Enfermeira. Doutoranda em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará. Professora do curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário da Grande Fortaleza. Fortaleza, CE, Brasil.

Janiel Ferreira Felício, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Acadêmico do curso de Graduação em Enfermagem da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). Redenção, CE, Brasil.

References

Brasil. Ministério da Saúde. (2011). Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, (247).

Kapczinski, F., Quevedo, J., Schmitt, R., & Chachamovich, E. (2014). Emergências psiquiátricas. In Emergências psiquiátricas.

Press, W. H. O., & Geneva, S. (2008). The global burden of disease: 2004 update. World Health Organization.

Merikangas, K. R., Jin, R., He, J. P., Kessler, R. C., Lee, S., Sampson, N. A., ... & Ladea, M. (2011). Prevalence and correlates of bipolar spectrum disorder in the world mental health survey initiative. Archives of general psychiatry, 68(3), 241-251.

Scussel, F., Salvador, L. C., Brandão, L. S., & Feier, G. (2016). Perfil clínico dos pacientes com transtorno bipolar atendidos em um ambulatório especializado na região sul catarinense. Arquivos Catarinenses de Medicina, 45(4), 3-10.

Yatham, L. N., Kennedy, S. H., Parikh, S. V., Schaffer, A., Beaulieu, S., Alda, M., ... & Ravindran, A. (2013). Canadian Network for Mood and Anxiety Treatments (CANMAT) and International Society for Bipolar Disorders (ISBD) collaborative update of CANMAT guidelines for the management of patients with bipolar disorder: update 2013. Bipolar disorders, 15(1), 1-44.

Devulapalli, K. K., Ignacio, R. V., Weiden, P., Cassidy, K. A., Williams, T. D., Safavi, R., ... & Sajatovic, M. (2010). Why do persons with bipolar disorder stop their medication?. Psychopharmacology bulletin, 43(3), 5.

Ceará. Hospital de Saúde Mental de Messejana. (2020). Retrieved from: http://www.hsmm.ce.gov.br/#recadastramento

Machado, R. M., Quadros, J. D. S., Severino, L. D. S., Santos, R. N., & Azevedo, S. H. (2010). Transtorno afetivo bipolar-um estudo sobre a relevância na região centro-oeste de Minas Gerais. Revista Mineira de Enfermagem, 14(4), 554-558.

Dias, R. D. S., Kerr-Corrêa, F., Torresan, R. C., & Santos, C. H. R. D. (2006). Transtorno bipolar do humor e gênero. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 33(2), 80-91.

Tucci, A. M., Kerr-Corrêa, F., & Dalben, I. (2001). Ajuste social em pacientes com transtorno afetivo bipolar, unipolar, distimia e depressão dupla. Brazilian Journal of Psychiatry, 23(2), 79-87.

CORDIOLI, A. V. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. American Psychiatric Association, 5.

Barros, D. M., & de Padua Serafim, A. (2009). Parâmetros legais para a internação involuntária no Brasil. Archives of Clinical Psychiatry, 36(4), 175-177.

Bosaipo, N. B., Borges, V. F., & Juruena, M. F. (2017). Transtorno bipolar: uma revisão dos aspectos conceituais e clínicos. Revista FMRP-USP, 72-84.

Kondo, É. H., Vilella, J. C., de Oliveira Borba, L., Paes, M. R., & Maftum, M. A. (2011). Abordagem da equipe de enfermagem ao usuário na emergência em saúde mental em um pronto atendimento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(2), 501-507.

Bertolote, J. M., Mello-Santos, C. D., & Botega, N. J. (2010). Detecção do risco de suicídio nos serviços de emergência psiquiátrica. Brazilian Journal of Psychiatry, 32, S87-S95.

Ministério da Saúde. (1990). Orientação para Funcionamento e Supervisão dos Serviços de Saúde Mental.

Lima, M. A. Internação involuntária em Psiquiatria: legislação e legitimidade, contexto e ação. ÉTICA, 115.

Lima, M. S. D., Tassi, J., Novo, I. P., & Mari, J. D. J. (2005). Epidemiologia do transtorno bipolar. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 32, 15-20.

Lopes, F. L. Transtorno bipolar do humor na atualidade: resultados preliminares de um centro especializado em transtornos afetivos.

Miasso, A. I., Carmo, B. P. D., & Tirapelli, C. R. (2012). Bipolar affective disorder: pharmacotherapeutic profile and adherence to medication. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(3), 689-695.

Townsend, M. C. (2014). Enfermagem psiquiátrica: conceitos de cuidados na prática baseada em evidências. In Enfermagem psiquiátrica: conceitos de cuidados na prática baseada em evidências (pp. 956-956).

Valente, G. S. C., & Santos, F. S. (2014). A complexidade do trabalho de enfermagem no hospital de custódia e tratamento psiquiátrico. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 6(1), 109-117.

Published

22/08/2020

How to Cite

Petkevicius, G. A. de M. ., Roscoche, K. G. C. ., Soares, A. B. S. ., Sousa, A. A. S. de ., Aguiar, A. S. C. de ., & Felício, J. F. . (2020). Clinical - epidemiological profile of people with bipolar disorder in psychiatric hospitalization. Research, Society and Development, 9(9), e394997282. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7282

Issue

Section

Health Sciences