Suicide of the elderly: the fragilized tie with the desire of being alive

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7336

Keywords:

Aging; Death; Psychology.

Abstract

This study brings considerations about the suicide of the elderly, seeking to inform aspects related to aging, as well as what is suicide and the possible reasons why the number of elderly people who commit this act is increasing considerably. In this way, we seek to sensitize society - whose knowledge about this theme is little or nonexistent - about the need to demystify the theme and have a more sensitive and welcoming look, carrying out effective and preventive actions with regard to suicide. Through the literature review in the academic Google, Pepsic and Scielo databases, it is possible to understand its multifactorial aspects, as well as to identify the intervention and prevention strategies that psychology uses in order to contribute to the management of suicide cases, attempts and ideations. Various studies support this theme by offering discussions about old age, suicide and the role of psychology in the therapeutic context. Intervention and prevention strategies should be promoted through access to health, therapeutic monitoring and social actions that assist in the insertion of the elderly in the community, in addition to rescuing bonds and family support. Depression and other diseases, addictions, retirement, neglect, are some of the factors identified as causes of suicide among the elderly population. The elderly need healthy bonds, care strategies, access to health and the maintenance of their rights for a dignified quality of life in this stage of life.

References

Angerami-Camon, V. A. (1999). Solidão: a ausência do outro. 3. ed. São Paulo, SP: Pioneira, 118 p.

Almeida, A. K. & Maia, E. M. C. (2010). Amizade, idoso e qualidade de vida: revisão bibliográfica. Psicologia em Estudo, 15 (4), 743-750. https://doi.org/10.1590/S1413-73722010000400010.

Barbosa, F. O., Macedo, P. C. M. & Silveira, R. M. C. (2011). Depressão e o suicídio. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, 14(1), 233-243. Recuperado em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582011000100013&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 30 jun. 2019.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70.

Bastos, R. L. (2009). Suicídios, Psicologia e vínculos: uma leitura psicossocial. Psicologia USP, 20(1), 67-92. https://doi.org/10.1590/S0103-65642009000100005.

Brasil. (2011). Instituto brasileiro de geografia e estatística (IBGE). Tendências demográficas mostradas pela PNAD 2011. Rio de Janeiro.

Caetano, C. A. P. (2017). Suicídio na velhice – como prevenir e reduzir a sua incidência. 2017. 39f. Dissertação (Mestrado em Medicina) – Universidade da Beira Interior, Ciências da Saúde, Covilhã.

Cassorla, R. M. S. (1985). O que é suicídio. São Paulo, SP: Abril Cultural.

Cavalcante, A. C. S., Sérvio, S. M. T., Franco, F. R. A., Cunha, V. P., Cavalcante, F. V., & Nascimento, C. E. M. (2015). A clínica do idoso em situação de vulnerabilidade e risco de suicídio. Trivium - Estudos Interdisciplinares, 7(1), 74-87. Recuperado em: https://dx.doi.org/10.18370/2176-4891.2015v1p74. Acesso em: 06 de Maio de 2020.

Cerqueira, Y. & Lima, P. Suicídio: a prática do psicólogo e os principais fatores de risco e de proteção. Revista IGT na Rede, v. 12, n. 23, p. 444-458, 2015. Disponível em: http://www.igt.psc.br/ojs. Acesso em: 03 abr. 2020.

Conwell, Y. & Thompson, C. (2008). Suicidal Behavior in Elders. Psychiatric Clinics of North America, 31 (2), 333-356. https://doi.org/10.1016/j.psc.2008.01.004.

Conselho Federal de Psicologia (CFP) (2013). Suicídio e os Desafios para a Psicologia. Brasília: CFP.

Corso, M. (2018). Precisamos falar sobre suicídio. Gaúcha ZH, Porto Alegre, 26 maio 2018. Caderno do comportamento. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/colunistas/mario-corso/noticia/2018/05/precisamos-falar-sobre-suicidio-cjhme96q6088p01pa1oph5rs7.html. Acesso em: 26 maio 2020.

Costa, E. C. (2006). Animais de estimação: uma abordagem psicosociológica da concepção dos idosos. 195p. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Saúde Pública) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza. Recuperado em: http://uece.br/cmasp/dmdocuments/edmarachaves_2006.pdf. Acesso em: 3 out. 2019.

Durkheim, E. (2000). O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Figueiredo, A. E. B., Silva, R. M. da, Vieira, L., Souza, Mangas, R. M. do N., Sousa, G. S. de, F., Jarlideire S., Conte, M., & Sougey, E. B. (2015). É possível superar ideações e tentativas de suicídio? Um estudo sobre idosos. Ciência & Saúde Coletiva, 20(6), 1711-1719. https://doi.org/10.1590/1413-81232015206.02102015.

Freitas, M. C., Souza, J. A. V. & Queiroz, T. A. (2010). O significado da velhice e da experiência de envelhecer para os idosos. Revista da Escola de Enfermagem, USP, v. 44, n. 2, p. 407-412. https://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000200024.

Garcia, A.& Leonel, S. B. (2007) Relacionamento interpessoal e terceira idade: a mudança percebida nos relacionamentos com a participação em programas sociais para a terceira idade. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2(1), 130-139. Recuperado em: https://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/revistalapip/14artigo.pdf. Acesso em: 04 out. 2019.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018) Número de idosos no Brasil. Recuperado em: https://noticias.r7.com/brasil/numero-de-idosos-no-brasil-deve-dobrar-ate-2042-diz-ibge-25072018. Acesso em: 12 out. 2018.

Kovács, M. J. (1992) Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Maciel, V. (2017). Taxa de suicídio é maior em idosos com mais de 70 anos. Dados da OMS - Organização Mundial da Saúde. Recuperado em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/29691-taxa-de-suicidio-e-maior-em-idosos-com-mais-de-70-anos. Acesso em: 21 set. 2018.

Manooni, M.(1995). O Nomeável e o Inominável: a última palavra da vida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Minayo, M. C. de S., Cavalcante, F. G., Mangas, R. M. & Souza, J. R. A. de. (2011). Motivos associados ao suicídio de pessoas idosas em autópsias psicológicas. Trivium - Estudos Interdisciplinares, 3(1), 109-117. Recuperado em 04 de agosto de 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-48912011000100011&lng=pt&tlng=pt.

Minayo, M. C. S., Teixeira, S. M. O., Martins, J. C. O. (2016). Tédio enquanto circunstância potencializadora de tentativas de suicídio na velhice. Estudos de Psicologia, Natal, 21(1), 36-45. https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160005.

Neri, A. L. (2004). O que a psicologia tem a oferecer ao estudo e à intervenção no campo do envelhecimento no Brasil, hoje. In: NERI, A. L.; YASSUDA, M. S. (Org.); CACHIONI, M. (Col.). Velhice bem-sucedida: aspectos afetivos e cognitivos. Campinas, SP: Papirus, 13-27.

Nock, M. K, B., Guilherme, B., Evelyn J., C, Christine B., Kessler, R. C. & Lee, S. (2008). Suicide and Suicidal Behavior. Epidemiologic Reviews, 30, 133-154. https://doi.org/10.1093/epirev/mxn002.

Oliveira, S. R. de. (2012). O suicídio e os apelos da alma: reflexões sobre o suicídio na clínica junguiana com pacientes adolescentes. O Mundo da Saúde, 36(1) 104-112. Recuperado em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/mundo_saude/suicidio_apelos_alma_reflexoes_adolescentes.pdf. Acesso em: 20 set. 2019.

Pinto, L. W. & Assis, S. G. de. (2015). Estudo descritivo das tentativas de suicídio na população idosa brasileira, 2000-2014. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, 20(6), 1681-1692. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.03532015.

Prodanov, C. C., Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale.

Rivera, T. (2012) Luto e melancolia, de Freud, Sigmund. Novos estudos. CEBRAP, São Paulo, 94, 231-237. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002012000300016.

Schneider, R. H. & Irigaray, T. Q. (2008). O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, Campinas, 25(4), 585-593. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2008000400013.

Servio, S. M. T.& Cavalcante, A. C. S. (2013). Retratos de autópsias Psicossociais sobre suicídio de idosos em Teresina. Psicologiaciência e profissão (online), 33, 164-175. Recuperado em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932013000500016&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 17 set. 2019.

Silva, J. D. A., Comin, F. S. & Santos, M. A. dos. (2013). Idosos em instituições de longa permanência: desenvolvimento, condições de vida e saúde. Psicologia Reflexão e Crítica, Porto Alegre, 26(4), 820-830. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000400023.

Souza G. S. de, Silva, R. M. da, Figueiredo A. E. B., Minayo M. C. de S. & Vieira L. J. E.de S. (2014) Circunstâncias que envolvem o suicídio de pessoas idosas. Interface (Botucatu), 18(49): 389-402. https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0241.

Strauss, A. & Corbin, J. (2008) Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

Toro, G. V. R. N., Nely A. G., Toledo, T. B. de, Oliveira, A. E. G. de, & Prebianchi, H. B. (2013). O desejo de partir: um estudo a respeito da tentativa de suicídio. Psicologia em Revista, 19(3), 407-421. https://dx.doi.org/DOI-10.5752/P.1678-9563.2013v19n3p407.

Published

23/08/2020

How to Cite

Oliveira , R. L. de ., & Rodrigues, R. F. de L. . (2020). Suicide of the elderly: the fragilized tie with the desire of being alive. Research, Society and Development, 9(9), e406997336. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7336

Issue

Section

Health Sciences