Building knowledge on hand asepsis and its implications for health education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7345

Keywords:

Scientific fact; Ludwik Fleck; Thought categories; Hand disinfection.

Abstract

The objective of this article is analyse, inspired on the work of Ludwik Fleck, the construction of knowledge on hand asepsis and its implications for health education. It’s based on a bibliographical review of works published in books, electronic articles, scientific journals, theses, dissertations and manuals that address knowledge related to hand asepsis and Fleck's thinking. This author’s epistemological approach has importance in the History of Science and in the construction of knowledge based on medicine, since he defends the necessity of the historical-philosophical view of science in the development of a scientific fact. By his contributions, Fleck can be considered a thinker ahead of his time and a forerunner of the historical, cultural and social approach in the construction of science. The gradual acceptance of hand asepsis as a preventive measure against contamination by diseases exemplifies the collective process of building scientific knowledge and reinforces the model proposed by Fleck, since it describes a situation that confirms his conceptions about the stages of production of scientific knowledge.

References

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (2009). Segurança do Paciente em Serviços de Saúde: Higienização das Mãos [online]. Recuperado de: https://bvsms.saude. gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_servicos_saude_higienizacao_maos.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (2017). Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Prática [online]. Recuperado de: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/caderno-1-assistencia-segura-uma-reflexao-teorica-aplicada-a-pratica.

Agência Nacional de Vigilância Sanitárias - ANVISA. (2018). Nota técnica GVIMS/GGTES/ANVISA n. 01/2018. Orientações gerais para higiene das mãos em serviços de saúde [online]. Recuperado de: https://www20.anvisa.gov.br/ segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/nota-tecnica-n-01-2018-gvims-ggtes-anvisa-orientacoes-gerais-para-higiene-das-maos-em-servicos-de-saude-2.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (2020). Nota técnica GVIMS/GGTES/ANVISA n. 04/2020. Orientações para serviços de saúde: medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência aos casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2). (atualizada em 08/05/2020) [online]. Recuperado de: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente /index.php/alertas/item/nota-tecnica.

Belela-Anacleto, A. S. C., Sousa, B. E. C, Yoshikawa, J. M., Avelar, A. F. M., & Pedreira, M. da L. G. (2013). Higienização das mãos e a segurança do paciente: perspectiva de docentes e universitários. Texto & Contexto – Enfermagem, 22(4), 901-908. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/tce/v22n4/05.pdf. doi: 10.1590/S0104-07072013000400005.

Coelho, M. S., Arruda, C.S., & Simões, S. F. M. (2011). Higienização das mãos como estratégia fundamental no controle de infecção hospitalar: um estudo quantitativo. Enfermería Global, (21), 1-12. Recuperado de: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v10n21/pt_clinica2.pdf.

Cutolo, L. R. A. (2001). Estilo de pensamento em educação médica: um estudo do currículo do curso de graduação em Medicina da UFSC. [tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repertório do campus da UFSC. Recuperado de: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/79439.

Da Ros, M. A. (2000). Estilos de pensamento em saúde pública: um estudo da produção FSP-USP e ENSP-FIOCRUZ, entre 1948 e 1994, a partir da epistemologia de Ludwik Fleck. [tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repertório do campus da UFSC. Recuperado de: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/78913.

Fleck, L. (2010). Gênese e desenvolvimento de um fato científico (Georg Otte & Mariana Camilo de Oliveira, Trad.). Belo Horizonte: Fabrefactum.

Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gomes, V. L. de O., Backes, V. M. S., Padilha, M. I. C. de. S., & Vaz, M. R. de C. (2007). Evolução do conhecimento científico na enfermagem: do cuidado popular à construção de teorias. Investigación y Educación em Enfermería, 25(2), 108-115. Recuperado de: http://www.scielo.org.co/pdf/iee/v25n2/v25n2a10.pdf.

Heidrich, D. N., & Delizoicov, D. (2009). Fleck e a construção do conhecimento sobre diabetes mellitus e insulina: contribuições para o ensino. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 9(2). Recuperado de: https://periodicos. ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4001/2565.

Hempel, C. G. (1981). Investigação científica: invenção e verificação. In: Hempel, C. G. (1981), Filosofia da ciência natural (Cap. 2, 13-31). Rio de Janeiro: Zahar. Recuperado de: https://docs.ufpr.br/~borges/publicacoes/notaveis/Hempel.pdf.

Lobo, M. L. (2000). Florence Nightingale. In: George, J. B. (colaboradores), Teorias de enfermagem: os fundamentos para a prática profissional (Cap. 3, 33-44). Porto Alegre: Artmed.

Matos, E., Gonçalves, J. R., & Ramos, F. R. S. (2005). A epistemologia de Ludwick Fleck: subsídios para a prática interdisciplinar em saúde. Texto & Contexto – Enfermagem, 14(3), 383-390. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/tce/v14n3/v14n3a09.pdf. doi: 10.1590/S0104-07072005000300009.

Ministério da Saúde – MS. (2013). Anexo 01: protocolo para a prática de higiene das mãos em serviços de saúde [online]. Recuperado de: https://www20.anvisa.go v.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/higiene-das-maos.

Ilha, G. C., & Adaime, M. B. (2020). História e filosofia da ciência no ensino de química: o que está em circulação? Research, Society and Development, 9(1), e26911568. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1568.

Nunes, V. M. de A., de Araújo, I. D. T., Nobre, T. T. X., Alcântara, M. S., Leite, A. de C. C. da S., Maciel, F. C. S., Sodré, L. L., & Araújo, T. da S. (2019). Estratégia multimodal para adesão dos profissionais às boas práticas de higienização de mãos. Research, Society and Development, 8(3), e1183774. https://doi.org/10.33448/rsd-v8i3.774.

De Oliveira, M. B., & Fernandez, B. P. M. (2007). Hempel, Semmelweis e a verdadeira tragédia da febre puerperal. Scientle studia, 5(1), 49-79. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/ss/v5n1/a03v5n1.pdf.

Organização Mundial de Saúde – OMS. (2005). Diretrizes da OMS sobre higiene das mãos na assistência à saúde (versão preliminar avançada): resumo [online]. Recuperado de: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=454-diretrizes-as-oms-sobre-higienizacao-das-maos-na-assistencia-a-saude-4&category_ slug=seguranca-do-paciente-970&Itemid=965.

Organização Mundial de Saúde – OMS. (2014). Salve Vidas: Higienize suas Mãos / Organização Mundial da Saúde. Higiene das Mãos na Assistência à Saúde Extra- hospitalar e Domiciliar e nas Instituições de Longa Permanência - Um Guia para a Implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos e da Abordagem “Meus 5 Momentos para a Higiene das Mãos” [online]. Recuperado de: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/assistencia-a-saude-extra-hospitalar-e-domiciliar-e-nas-instituicoes-de-longa-permanencia.

Pfeutzenreiter, M. R. (2003). O ensino da medicina veterinária preventiva e saúde pública nos cursos de Medicina Veterinária. [tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repertório do campus da UFSC. Recuperado de: https://repositorio .ufsc.br/handle/123456789/85822.

Dos Santos, A. A. M. (2002). Higienização das mãos no controle das infecções em serviços de saúde. RAS, 4(15), 10-14. Recuperado de: http://www.cqh.org.br/portal /pag/anexos/baixar.php?p_nanexo=%2036.

Scheid, N. M. J. (2006). A contribuição da história da Biologia na formação inicial de professores de Ciências Biológicas. [tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repertório do campus da UFSC. Recuperado de: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/89104.

Scheid, N. M. J., Ferrari, N., & Delizoicov, D. (2005). A construção coletiva do conhecimento científico sobre a estrutura do DNA. Ciência & Educação, 11(2), 223-233. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132005000200006&lng=pt&tlng=pt. doi: 10.1590/S1516-73132005000200006.

Scheid, N. M. J., & Meurer, C. F. (2011). Coletivo de professores pesquisadores: notas sobre uma experiência de formação continuada com uso de ambiente virtual. Educação, 36(2), 251-264. Recuperado de: https://periodicos.ufsm.br/index.php/reveducacao/article/view/2723. doi: 10.5902/198464442723.

Da Silva, M. R., & Mattos, A. de M. (2015). Ignaz Semmelweis e a febre puerperal: algumas razões para a não aceitação de sua hipótese. Filosofia e História da Biologia, 10(1), 85-98. Recuperado de: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-10-1/FHB-10-1-06-Marcos-R-Silva_Aline-M-Mattos.pdf.

Da Silva, M. R., Mattos, A. de M., & Minikoski, D. (2020). A febre puerperal: a desconsideração da hipótese de Ignáz Semmelweis em um abordagem sócio-construtivista. Problemata: International Journal of Philosophy, 11(1), 22-35. Recuperado de: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/problemata/article/view/49330. doi: http://dx.doi.org/10.7443/problemata.v11i1.49330.

Published

17/08/2020

How to Cite

Ferreira, F. C. F. ., Boer, N., Scheid, N. M. J., & Fontana, R. T. (2020). Building knowledge on hand asepsis and its implications for health education. Research, Society and Development, 9(9), e255997345. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7345

Issue

Section

Health Sciences