Multiprofessional team and integrative and complementary practices in occupational health service

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7461

Keywords:

Complementary therapies; Occupational health; Patient care team; Health promotion; Nursing.

Abstract

This study aimed to describe about the application of Integrative and Complementary Practices by the multidisciplinary team in the SAST of a municipality located in the west of Santa Catarina . This is a qualitative research that used the semi-structured  interview with ten professionals of the service as a collection method. The data were analyzed using Minayo's operative proposal. Three thematic categories emerged from the analysis process : 1. The team's commitment is our differential; 2. The management of Integrative and Complementary Practices (PICs): investing in health promotion; and 3. (Re) knowledge of PICs: the importance of National Policy of Integrative and Complementary Practices. It is considered that the objectives were achieved, as the development of the work of the multidisciplinary team was evidenced, in which it stands out as a strength and as a differential. Qualified assistance is sought, in teaching and in the search for knowledge, in attention to the managerial issues and instituted norms and in the realization of education and health promotion.

Author Biographies

Adriana Remião Luzardo, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Enfermagem PEN/UFSC. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS, Campus Chapecó/SC. adriana.luzardo@uffs.edu.br

Leila Schmatz, Universidade Federal da Fronteira Sul

Acadêmica do Curso de Enfermagem da Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS, Campus Chapecó/SC

Paulo Roberto Barbato, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutor em Saúde Coletiva (UFSC). Professor do curso de medicina. Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Chapecó.

Julyane Felipette Lima, Universidade Federal da Fronteira Sul

Enfermeira, doutora em enfermagem pela UFPEL.

Maria Eneida de Almeida, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Saúde Coletiva (IMS-UERJ). Professora do curso de medicina. Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Chapecó.

References

Aguiar, J., Kanan, L. A., & Masiero, A. V. (2019). Práticas Integrativas e Complementares na atenção básica em saúde: um estudo bibliométrico da produção brasileira. Saúde debate, 43(123): 1205-1218. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid =S01031042019000401205&lng=en. doi.org/10.1590/0103-1104201912318.

Barbosa, F. E. S., Guimarães, M. B., Santos, C. R., Bezerra, A. F. B., Tesser, C. D., & Sousa, I. M. C. (2020). Oferta de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde na Estratégia Saúde da Família no Brasil. Cad. Saúde Pública, 36(1):e00208818. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2020000105006 &lng=en. doi.org/10.1590/0102-311x00208818.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde [Internet]. Brasília:MS; Histórico; [aprox. 8 páginas]. Recuperado de https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/praticas-integrativas-e-complementares.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde, Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde[Internet]. Práticas Integrativas e Complementares crescem na rede SUS de todo o Brasil. Brasília: MS. Boletim DAB Comunica. Recuperado de: http://dab.saude.gov.br/portaldab/noticias.php?conteudo=_&cod=2205.

Brasil. (2015). Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC-SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília(DF):Ministério da Saúde.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde [Internet]. Resolução nº 466, de 12 de Dezembro de 2012. Recuperado de: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria n. 971, de 03 de maio de 2006: aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. Brasília. Seção 1,20-5.

Contatore, O. A., Barros, N. F., Durval, M. R., Barrio, P. C. C. C., Coutinho, B. D., Santos, J. A. (2015). Uso, cuidado e política das práticas integrativas e complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciênc. saúde coletiva, 20(10): 3263-3273. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015001003263& lng=en. doi.org/10.1590/1413-812320152010.00312015.

Ferraz, I. S., Climaco, L. C. C., Almeida, J. S., Aragão, S. A., Reis, L. A., & Filho, I. E. M. (2020). Expansão das práticas integrativas e complementares no brasil e o processo de implantação no sistema único de saúde. Enfermería Actual de Costa Rica , 1( 38 ): 196-208. Recuperado de: http://www.scielo.sa.cr/scielo.php?script=sciarttext &pid=S140945682020000100196&lng=en

Gomes, G. S., & Souza, I. M. S. (2018). Avaliação da concepção dos estudantes de medicina sobre as práticas médicas integrativas e complementares na Atenção Básica. Para Res. Med. J. 02(1-4),ed1.

Habimorad, P. H. L., Catarucci, F. M., Bruno, V. H. T., Silva, I. B., Fernandes, V. C., Demarzo, M. M. P. (2020). Potencialidades e fragilidades de implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Ciênc. saúde coletiva. 25( 2 ), 395-405. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S141381232 020000200395&lng=pt. doi.org/10.1590/1413-81232020252.11332018.

Lima, J. F., Ceolin, S., Pinto, B. K., Zilmmer, J. G. V., Muniz, R. M., & Schwartz, E. (2015). Uso de terapias integrativas e complementares por pacientes em quimioterapia. Av Enferm., 33(3), 372-380.

Martins, I. L., & Camarotto, F. S. (2019) Cultura organizacional: um estudo de caso na Secretaria Municipal de Saúde de Anápolis. Rev Ac Adm, Anápolis, 01(01),31-46.

Minayo, M. C. S. (2014). O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (14a ed.) São Paulo: Hucitec.

Oms. (2002). Organización Mundial De La Salud (2002). Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2002-2005. Genebra: OMS.

Peduzzi, M., Agreli, H. L. F., Silva, J. A. M., & Souza, H. S. (2020) Trabalho em equipe: uma revisita ao conceito e a seus desdobramentos no trabalho interprofissional. Trab. Educ. Saúde, 18(s1):e0024678.

Silveira, R. P., & Rocha, C. M. F.(2020). Verdades em (des)construção: uma análise sobre as práticas integrativas e complementares em saúde. Saude soc, 29(1), e180906. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-1290202000010030 3&lng=en. https://doi.org/10.1590/s0104-12902020180906.

Tesser, C. D., Souza, I. M. C., & Nascimento, M. C. (2018) Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde brasileira. Divulg. saúde debate, 42(número especial 1),174-188.

Published

23/08/2020

How to Cite

Rossetto, M., Luzardo, A. R., Schmatz, L. ., Barbato, P. R. ., Lima, J. F. ., & Almeida, M. E. de . (2020). Multiprofessional team and integrative and complementary practices in occupational health service. Research, Society and Development, 9(9), e418997461. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7461

Issue

Section

Health Sciences