Socioeconomic profile of agroextractivists in associativism, Marajó archipelago, Pará, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7988

Keywords:

Amazon; Activity; Settlement; Schooling; Income.

Abstract

The aim of the present study was to evaluate the socioeconomic profile of agroextractivists who practice associations in the archipelago of Marajó, state of Pará, Brazil. The study was carried out in the municipality of Breves, at the Ilha Pracaxi Settlement Residents Association (AMIP), with seven producers, in June 2019. Quanti-qualitative research was used, through the application of forms, with open and closed questions. Statistical analyzes were performed using the SPSS for Windows program, version 11.5. It was observed that there is a predominance of females in the total of associates. This population has an age range between 31 to 40 years, where 71.43% have some type of marital bond. Most (57.14%) have incomplete primary education. It was detected that 85.71% have housing with wooden structure. We emphasize that the main source of income comes from family farming. In addition to agricultural practice, respondents develop fishing and extractivism in the forest (57.14%). It is also worth mentioning that a part of the producers is granted social benefits, reaching an income of up to 2 minimum wages (42.86%). Due to the scarcity of data in the literature, this study carried out a cross-sectional analysis regarding the reality of associations in the Marajó archipelago. Thus, the provision of these data can assist in directing public policies that favor sustainable development in the region.

References

Alves, R. J. M., Rocha, L. C. F., Pontes, A. N., Costa, M. S. S., & Campos, P. S. S. (2015). Estudo socioeconômico de comunidades da área do polo industrial de Barcarena, Pará, Brasil. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, 11(21), 3125.

Alves, V. O., Vieira, N. S., Silva, T. C., & Ferreira, P. R. (2011). O Associativismo na agricultura familiar dos estados da Bahia e Minas Gerais: potencialidades e desafios frente ao programa de aquisição de alimentos (PAA). Administração Pública e Gestão Social, 3(1), 66-88.

Amaral, D. D., Mantelli, L. R., & Rossetti, D. F. (2012). Palaeoenvironmental control on modern forest composition of southwestern Marajo Island, Eastern Amazonia. Water and Environment Journal, 26, 70-84.

Bailey, K. D. (1982). Methods of Social Research. (4a ed.), The Free Press, New York, NY, USA. 439p.

Baldin, N., & Munhoz, E. M. B. (2011). Educação ambiental comunitária: uma experiência com a técnica de pesquisa snowball (bola de neve). REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 27.

Barbosa, T. D. C. S., De Freitas, W.N., Dias, I. M., De Lima Brito, J. A., Da Costa, N. M. G. B., De Sousa, M. F., & Arrais, M. M. (2020). Perfil socioeconômico e ambiental de agricultores familiares em um assentamento rural no estado do Piauí. Brazilian Journal of Development, 6(6), 41856-41865.

Bitencourt, R. O. M., & Dalto, F. A. S. (2017). A internalização da Previdência Social Rural na autonomia e no consumo dos idosos: um estudo de caso. Revista de Estudos Sociais, 18(37), 42-57.

Brasil (2006). Lei no 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional de Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil (2018). Governo do Brasil. Agricultura familiar do Brasil é 8ª maior produtora de alimentos do mundo. Brasília: Portal do Governo.

Brasil (2003). Portaria INCRA nº 981, de 2 de outubro de 2003 - Altera a Norma de Execução Nº 29, de 11 de setembro de 2002. Efetiva o Direito de acesso à terra para as trabalhadoras rurais na reforma agrária.

Brasil (2008). Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento. Cartilha do Associativismo. (2a ed.), Brasília: MAPA/SDC/DENACOOP.

Brito, C. S., Silva, M. R. R., & Júnior, N. F. C. (2016). Indicadores Socioeconômicos da Gestão Pública: Quão Relevantes Vocês São?. Id On Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 10(30), 144-167.

Caetano, V. N. S., & Silva, A. L. (2016). Desenvolvimento e educação no Marajó: estudo de caso no município de Breves (Marajó/Pará/Brasil). Revista GeoAmazônia, 4(7), 120-137.

Carvalho, J. P. L., Cruz, B. E. V. D., & Calvi, M. F. (2019). Política agrária e o ordenamento territorial no Marajó, Pará. Mercator, 18.

Caumo, A. J., Montagnhani, B. A., Tramontin, J., & Shikida, P. F. A. (2012). Corte manual da cana-de-açúcar sob uma perspectiva de gênero: um estudo de caso no município de Mirandópolis –SP. REDES, 17(1), 182 -202.

Clemente, E. C., Oliveira, I. L., & Sturza, J. A. I. (2020). O associativismo como promotor do desenvolvimento rural e (re) organização espacial em assentamentos rurais. Brazilian Journal of Development, 6(7), 44852-44864.

Costa, C. V., Santos, J. S. C., Silva, B. B. C., Pádua Júnior, C. R., & Ribeiro, M. A. (2020). Perfil socioeconômico dos trabalhadores rurais do setor sucroalcooleiro do município de Nova Olímpia–MT: impactos da colheita mecanizada. South American Development Society Journal, 5(15), 257.

Delgado, G. C., & Bergamasco, S. M. P. P. (2017). Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 470.

Deponti, C. M., Kist, R. B. B., Arend, S. C., & De Oliveira, V. G. (2020). O perfil, o uso e a apropriação de TIC pela agricultura familiar do Vale do Caí-RS, Brasil. Revista Eletrônica Competências Digitais para Agricultura Familiar, 6(1), 42-77.

Elias, L. D. P., Belik, W., Cunha, M. P. D., & Guilhoto, J. J. M. (2019). Impactos socioeconômicos do Programa Nacional de Alimentação Escolar na agricultura familiar de Santa Catarina. Revista de Economia e Sociologia Rural, 57(2), 215-233.

Fagotti, L. N. (2017). Associativismo e agricultura familiar: reflexões sobre uma associação de produtores rurais no interior paulista. REDD–Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, 9(1).

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Ufrgs. 120p.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5a ed.), São Paulo: Atlas.

Godoy, C. M. T., Pérez, F. I. C., Wizniewsky, J. G., Guedes, A. C., & Moraes, C. S. (2010). Juventude rural, envelhecimento e o papel da aposentadoria no meio rural: A realidade do município de Santa Rosa/RS. In: Congresso Sober: Sociedade Brasileira De Economia, Administração e Sociologia Rural, 48. Anais. Campo Grande.

Heberlê, A. L. O., Sicoli, A. H., Silva, J. S., Borba, M. F. S., & Balsadi, O. V. (2017). Agricultura familiar e pesquisa agropecuária: contribuições para uma agenda de futuro. In: Delgado, G.C. & Bergamasco, S.M.P.P. (Org). Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 470 p.

IBGE (2011). Instituto brasileiro de geografia e estatística. Censo Demográfico 2010: Características da população e dos domicílios. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE (2019b). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama Cidade Breves/Pará. População, Território e ambiente.

IBGE (2019a). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017: resultados definitivos. Rio de Janeiro: IBGE.

IPEA. Instituto De Pesquisa Econômica Aplicada. Observatório da Função Socioambiental do Patrimônio da União na Amazônia: Relatório Territorial do Marajó. Rio de Janeiro, 2015.

Kripka, R., Scheller, M., & Bonotto, D. L. (2015). Pesquisa documental: considerações sobre conceitos e características na pesquisa qualitativa. CIAIQ, 2.

Lima, A. F., Assis Silva, E. G., & Freitas Iwata, B. (2019). Agriculturas e agricultura familiar no Brasil: uma revisão de literatura. Retratos de Assentamentos, 22(1), 50-68.

Lisboa, A. S., & Alcantara, F. V. (2019). O associativismo rural como estratégia de desenvolvimento para a agricultura familiar. Para Onde!?, 11(1), 17-28.

Lovatel, M., Simonetti, A. L., & Gazolla, M. (2019). Vulnerabilidades socioeconômicas e produtivas dos agricultores familiares pobres de Santa Catarina. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional, 6(3), 147-174.

Marconi, M., & Lakatos, E. M. (2010). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnica de pesquisa, elaboração, analise e interpretação de dados. (7a ed.) 3. reimpr. São Paulo: Atlas.

Martins Filho, J. B., Meneses, K. C., Coutinho, R. S., Reinaldo, L. F., Pires, I. C. G., & Ferrão, G. E. (2019). Perfil socioeconômico e práticas agrícolas de agricultores familiares no município de Chapadinha (MA). Natural Resources, 9(1), 1-10.

Melo Júnior, L. C. M., Sayago, D. A. V., & Tourinho, M. M. (2017). Sistemas sociais comunitários ribeirinhos na Amazônia. Sustentabilidade em Debate, 8(3), 138-151.

Melo, S. A. B. X., Silva, F. S., & Melo, A. X. (2017). Aspectos socioeconômico dos agricultores familiares extrativistas do cumbaru no município de Poconé-Pantanal Mato-Grossense. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 8(1), 62-73.

Mendonça, K. F. C., Ribeiro, Á. E. M., & Galizoni, F. M. (2019). Sucessão na agricultura familiar: estudo de caso sobre o destino dos jovens do alto Jequitinhonha, MG. Anais..., 1-20.

Mengel, A. A., Aquino, S. L., Deponti, C. M., & Arend, S. C. (2020). Agricultura Familiar e Soluções Tecnológicas–agentes locais como protagonistas na geração de conhecimento. Redes, 25(1), 84-103.

Mesquita, L. A. P., & Mendes, E. P. P. (2012). Agricultura familiar, trabalho e estratégias: a participação feminina na reprodução socioeconômica e cultural. Espaço em revista, 14(1), 14-23.

Minayo, M. C. S. (2004). O Desafio do Conhecimento. São Paulo: Hucitec.

Moreno, M. H. B., Schlindwein, M. M., & Camargo, G. M. D. (2019). Análise socioeconômica na agricultura familiar: uma avaliação da aplicação do PRONAF. Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional.

Mumic, B., Aguiar, K. A. P., Livramento, D. E. do (2015). A importância do associativismo na organização de produtores rurais. Revista de Iniciação Científica da Libertas, 5(1).

Nascimento, D., Oliveira, E., Benini, E. G., Mello, G. S., Neto, L. F., & Teixeira, W. (2019). A dimensão política da economia solidária no ambiente rural: uma análise comparativa das categorias sociais de agricultores familiares e assentados da reforma agrária. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional, 6(2), 77-102.

Neu, V., Santos, M. A. S., & Meyer, L. F. F. (2016). Banheiro ecológico ribeirinho: saneamento descentralizado para comunidades de várzea na Amazônia. Em Extensão, 15(1), 28-44.

Nobrega, M. J. L., Costa, C. C., Barbosa, J. W. S., Reis, C. Q., & Silva, M. P. N. (2014). Perfil socioeconômico e ações dos agricultores familiares da comunidade rural de flores em Pombal, PB. INTESA, 8(1), 44-56.

Oladejo, A. J. (2010). Economic analysis of small-scale catfish farming in Ido Local Government Area of Oyo State, Nigeria. Agricultural Journal, 5(6), 318-321.

Oliveira, F. M. S., & Pessoa, A. S. G. (2018). A educação do caboclo-ribeirinho: problematizações acerca do currículo escolar e seus desdobramentos nas escolas ribeirinhas. Colloquium Humanarum. 15(4), 72-82.

Pinto Filho, J. L. O., Gonçalves, G. L., & Silva Lunes, A. R. (2019). Caracterização socioeconômica e ambiental da população das comunidades rurais da chapada do Apodi/RN. Geosul, 34(71), 697-712.

Rodrigues, P. L., Guimarães, J. B., Martins, C. M., Santos, M. A. S., & Rebello, F. K. (2017). Dinâmica socioeconômica e organizacional em comunidade remanescente do quilombo Rio Gurupá, Marajó, Pará. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 12(1), 105-116.

Sangalli, A. R., Silva, H. C. H., Silva, I. F., & Schlindwein, M. M. (2015). Associativismo na agricultura familiar: contribuições para o estudo do desenvolvimento no assentamento rural Lagoa Grande, em Dourados (MS), Brasil. Organizações Rurais & Agroindustriais, 17(2), 225-238.

Santos, A. R., Felizardo, A. O., Nascimento, W. L. N., & Reis, A. A. (2015). Pluriatividade como estratégia de renda: o caso de um agricultor familiar na comunidade ribeirinha São João Batista, Pará. Revista Tecnologia e Sociedade, 11(23), 89-105.

Santos, F. R., & Neto, L. B. (2017). Movimentos sociais e políticas públicas de educação para as populações que habitam no meio rural. Impulso, 27(70), 17-32.

Santos, J. B., Bohn, L., & Almeida, H. J. F. (2020). O papel da mulher na agricultura familiar de Concórdia (SC): o tempo de trabalho entre atividades produtivas e reprodutivas. Textos de Economia, 23(1), 1-27.

Sauer, I. L., Rosa, L. P., Araujo, R. P., Carvalho, J. F., Terry, L. A., & Prado, L. T. S. “A Reconstrução do Setor Elétrico Brasileiro”. São Paulo. Ed. Paz e Terra, ed. UFMS. 2003, 39.

Silva, E. J. (2012). Jovens Agricultores: Entre a reprodução e a ressignificação da vida no campo. V Simpósio sobre Juventude Brasileira, 1, Recife/PE.

Silva, I. R. (2017). Modo de Vida Ribeirinho: construção da identidade amazônica. In: VIII Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2017, São Luiz. Anais... São Luiz: Universidade Federal do Maranhão – UFMA. 22 a 25 de Agosto de 2017.

Silva, J. P. P., Silva Júnior, F. L. C., Ferreira, B. J. S., Oliveira, L. C., de; Oliveira, L. A. A., Silva, F. N. L. da. (2019). Associativismo em comunidade ribeirinha no arquipélago do Marajó, Pará, Brasil. Revista Agraria Academica. 2. 27-38.

Silva, R. P., Castro, N. R., & Pereira, F. O. (2019). Geração de valor econômico na agricultura familiar: diferentes retratos do produtor rural brasileiro. Revista de Economia e Agronegócio, 17(1), 56-80.

Simonian, L. T. L. (2010). Palafitas, estivas e sua imagética na contemporaneidade urbano rural a Pan-Amazônia. Belém: UFPA.

Soares, A. C. (2019). G20: Oportunidades para agricultura familiar e segurança alimentar. Pontes, 1, 6-7.

Sousa, E., Silva, R. A. D., Morais, F. C., Lima, E. R., & Lichston, J. E. (2019). Perfil dos agricultores de uma cooperativa de Apodi/RN, receptividade ao cultivo de cártamo e percepção sobre agrotóxicos e alternativas. Nature and Conservation, 12(3), 25-36.

Souza, C. F., Souza, J. M., & Veras, M. F. P. (2019). A vida ribeirinha amazônica: Alteridade, Territorialidade e Invisibilidade. Anais dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu UniEvangélica, 3(1), 36-53.

Souza, F. M. (2012). Caracterização socioeconômica e ambiental de produtos florestais não madeireiros de famílias agroextrativistas em Quatro Municípios de Goiás. Dissertação (Mestado em Ciências Florestais) – Universidade de Brasília.

Teo, C. R. P. A., Mossmann, M. P., Taglietti, R. L., & Triches, R. M. (2020). Agricultura familiar, alimentação escolar e a geração de oportunidades sociais para o desenvolvimento: experiências catarinenses. Revista Grifos, 29(49), 67-88.

Trindade Júnior, S. C. (2002). Imagens e representações da cidade ribeirinha na Amazônia: uma leitura a partir de suas orlas fluviais. Revista Humanitas, 18(2), 135-148.

Wurz, D. A., Dubiela, R. C., & Nunes, H. F. (2019). Perfil socioeconômico de produtores de morango no município de Canoinhas–Santa Catarina. Revista Científica Rural, 21(3), 13-27.

Zar, J. H. (1999). Biobstatistical Analysis. (4th ed.), Prentice Hall, Upper Saddle River.

Published

08/09/2020

How to Cite

Silva, J. P. P. da, Silva Júnior, F. L. C. da, Ferreira, B. J. dos S., Oliveira, L. C. de, Oliveira, L. A. de A., & Silva, F. N. L. da. (2020). Socioeconomic profile of agroextractivists in associativism, Marajó archipelago, Pará, Brazil. Research, Society and Development, 9(9), e835997988. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7988

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences