Evaluation of quality control of fruits and vegetables commercialized at the free fair in Valença/RJ

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9346

Keywords:

Good Habits; Waste; Marketers; Fruit; Vegetables.

Abstract

Open markets stand out for selling fresh products of animal and vegetable origin, most of the time free of pesticides. However, the failure to apply the good practices provided for by legislation that guarantee the quality and safety of food, can interfere with the sensory characteristics of the product offered, and linked to these factors, open markets can offer food with reduced quality, resulting in waste, monetary losses and deposits of these residues in the environment. This article aims to assess quality control in the trade of fruits and vegetables sold at Feira Livre in Valença / RJ. This was a descriptive observational study, based on Resolutions RDC n°. 216/2004, RDC n°. 275/2002, Ordinance MS n°. 326/1997, and Ordinance MS n°. 1428/1993. It was possible to observe, that the marketers had the minimum knowledge about the good practices, hygiene and conservation of the vegetables that they offered for sale, as well as how to properly dispose of the commercialized fruits and vegetables. It was verified that part of the garbage produced at the fair, corresponded to food not sold on the spot. Therefore, knowledge about the points mentioned above results in the offer of quality food for sale, generating a reduction in food waste and financial losses to marketers. Faced with this issue at the end of the work, a booklet was developed with all this information that was distributed, as a way of raising awareness and offering knowledge to marketers.

References

Agência de Informação Embrapa. Segurança de alimentos. Recuperado de https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia22/AG01/arvore/AG01_179_24112005115229.html.

Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Hortaliças. Recuperado de http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/tecnologia_de_alimentos/arvore/CONT000fid5gmye02wyiv80z4s473ccvyhou.html.

Almeida, R. B., Diniz, W. J. S., Silva, P. T. V., Andrade, L. P., Diniz, W. P. S., Leal, J. B. G. & Brandespim, D. F. (2011). Condições higiênico-sanitárias da comercialização de carnes em feiras livres de Paranatama, PE. Revista Alimentos e Nutrição, 22(4), 585-592.

Alvarenga, A. L. B., Sarantópoulos, C. I. G. L., Toledo, J. C. O., Oliveira, L. M., & Cenci, S. (2011). Processamento mínimo de frutas e hortaliças: tecnologia, qualidade e sistemas de embalagem. (1ªedição). Rio de Janeiro: Mafali. (Trabalho original publicado em 2011).

Assessoria de imprensa da Anvisa. Anvisa alerta para perigo de contaminação cruzada em alimentos. Recuperado de http://portal.anvisa.gov.br/notlerta-para-perigo-de-contaminacao-cruzada-emalimentos/219201/popicias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/anvisa-a_up?inheritRedirect=false.

Beiró, C. F. F. & Silva, M. C. (2009). Análise das condições de higiene na comercialização de alimentos em uma feira livre do Distrito Federal. Revista Universitas Ciências da Saúde, 7(1), 13-28.

Brasil. (2002). RDC Anvisa nº 275, de 21 de outubro de 2002. Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 de outubro de 2002.

Brasil. (2004). RDC Anvisa n° 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe Sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Poder Executivo, de 16 de setembro de 2004.

Cavalli, S. B. & Salay, E. (2007). Gestão de pessoas em unidades produtoras de refeições comerciais e segurança alimentar. Revista de Nutrição, 20(6), 657-667.

Conceição, M. S. & Nascimento, K. O. (2014). Prevenção da transmissão de patógenos por manipuladores de alimentos. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 9(5), 91-97.

Cruz, M. A. Doces, bonitas, saborosas e inseguras frutas e hortaliças, 2004. Recuperado de http://www.unicamp.br/unicamp/es/divulgacao/2004/07/01/doces-bonitas-saborosas-e-inseguras-frutas-e-hortalicas.

Devides, G. G. G.; Maffei, D. F. & Catazoni, M. P. L. (2014). Perfil socioeconômico e profissional de manipuladores de alimentos e o impacto positivo de um curso de capacitação em Boas Práticas de Fabricação. Brazilian Journal of Food Technology, 17(2), 166-176.

FAO Brasil. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. FAO: 30% de toda a comida produzida no mundo vai parar no lixo. 2017. Recuperado de https://nacoesunidas.org/fao-30-de-toda-a-comida-produzida-no-mundo-vai-parar-no-lixo/.

FAO Notícias. Perdas e desperdícios de alimentos na América Latina e no Caribe. Recuperado de http://www.fao.org/americas/noticias/ver/pt/c/239394/.

Ferreira, A. B.; Alvarenga, S. H. F. & São José, J. F. B. (2015). Qualidade de frutas e hortaliças orgânicas comercializadas em feiras livres. Revista Instituto Adolfo Lutz, 74(4), 410-419.

Garcia, M. V. & Centenaro, G. S. (2016) Capacitação de manipuladores de alimentos e avaliação das condições higiênicas em serviço de alimentação. Brazilian Journal of Food Research, 7(2), 96-111.

Guimarães, I. R. B. & Gomes, R.S.L.C.S. (2018). A prática de manipulação de alimentos em duas feiras livres de Belém, PA. Revista Higiene Alimentar, 32(276/277), 48-52.

Martins, A. G., & Ferreira, A. C. S. (2018). Caracterização das condições higiênico-sanitária das feiras livres da cidade de Macapá e Santana-AP. Revista Arquivos Científicos (IMMES), 1(1), 28-35.

Mattos, L. M., Moretti, C. L., Moura, M. A., Maldonade, I. R., Silva, E. Y. Y. (2009). Produção segura e rastreabilidade de hortaliças. Horticultura Brasileira, 27(4), 408-413.

Medeiros, M. G. G. A., Carvalho, L. R. C., & Franco, R. (2017). Percepção sobre a higiene dos manipuladores de alimentos e perfil microbiológico em restaurante universitário. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 22(2), 383-392.

Ministério da Saúde. (1997). Portaria Nº 326 de 30 de julho de 1997. Regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e boas práticas de fabricação para os estabelecimentos produtores/ industrializadores de alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 01 ago. 1997.

Ministério da Saúde. (1993). Portaria Nº 1428 de 26 de novembro de 1993. "Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos" - COD-100 a 001.0001, as "Diretrizes para o Estabelecimento de Boas Práticas de Produção e de Prestação de Serviços na Área de Alimentos" - COD- 100 a 002.0001, e o "Regulamento Técnico para o Estabelecimento de Padrão de Identidade e Qualidade (PIQ's) para Serviços e Produtos na Área de Alimentos"- COD- 100 a 003.0001 e COD- 100 a 004.0001. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 02 dez. 1993.

Ministério da Saúde. (2014). Guia alimentar para a população brasileira (2ªed). Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério Desenvolvimento Social. (2015). Mapeamento de Segurança Alimentar e Nutricional nos Estados e Municípios (MapaSAN) - Resultados Preliminares, 2015. Recuperado de https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/ferramentas/docs/MapaSAN_final.pdf.

Ministério do Desenvolvimento Social. (2018) Estratégia Intersetorial para Redução de Perdas e Desperdício de Alimentos no Brasil, 2018. Recuperado de http://mds.gov.br/caisan-mds/publicacoes.

Oliveira, E. G., Oliveira, A. G. & Albuquerque, M. V. C. (2015). Avaliação da Gestão dos Resíduos Sólidos gerados em uma feira livre na Cidade de Campina Grande-PB. Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, Volume 3: Congestas, 381-391.

Pereira, A. S., et al. (2018). Metodologia da pesquisa cientifica. [e-book]. Santa Maria: UAB/NTE/UFSM. Recuperado de https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/358 /2019/02/Metodologia-da-Pesquisa-Cientifica_final.pdf.

Projeto Qualidade dos produtos agropecuários. (2017). Revista Agrícola. 06 dezembro de 2017. Recuperado de http://www.ragricola.com.br/destaque/projeto-qualidade-dos-produtos-agropecuarios/.

Ribeiro, D. F., & Rodrigues, R.S. (2017). Avaliação das condições higiênico-sanitárias na comercialização de frutas e hortaliças no município de Manhuaçu, Minas Gerais Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. 12 (1), 85-89.

Silva Júnior, A. C. S., Ferreira, L. R. & Frazão, A. S. (2017). Avaliação da condição higiênico-sanitária na comercialização de pescado da feira do produtor rural do Butirizal, Macapá-AM. Life Style Journal, 4(1), 71-81.

Silva Junior, E. A. (2007). Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. São Paulo: Varela.

Silva, L. C. G. (2015). Avaliação Higiênico-sanitária e microbiológica (Lactua sativa) comercializada em feira livre de Francisco Beltrão-PR. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 52 p. Francisco Beltrão.

Silva, R. A. R. da, Sobrinho, R. D. da Silva; Santos, R. J. C. dos; Silva, S. D. da; Cipriano, R. J. Sanitização em Feiras Livres, Anais UFPB, 2010. Recuperado de http://www.prac.ufpb.br/anais/IXEnex/extensao/documentos/anais/8.TRABALHO/8CCADCFSPEX01.pdf

Soares, A. G., Fonseca, M. J. O., & Barboza, H. T. G. (2017). Comunicado Técnico 227. Produção Agrícola Orgânica: Recomendações Pós-Colheita para Agricultores e Comerciantes. Embrapa, Rio de Janeiro.

Souza, R. A. M. (2006). Nível de exigência do consumidor faz mudar a forma de distribuição de frutas e hortaliças. Batata Show, São Paulo [online], 6(15). Recuperado de http://www.abbabatatabrasileira.com.br/revista15_019.htm.

Published

06/11/2020

How to Cite

Silva, M. A. da, Vargas, P. H. B., Martins, A. L. da S., & Nascimento, K. de O. do. (2020). Evaluation of quality control of fruits and vegetables commercialized at the free fair in Valença/RJ. Research, Society and Development, 9(11), e1109119346. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9346

Issue

Section

Health Sciences