Enteroparasitoses in schools of the municipal public network

Authors

  • Amanda Suellenn da Silva Santos Oliveira Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- UNIFACEMA
  • Bruno Eduardo Santos da Silva Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- UNIFACEMA
  • Eliene Alves Cunha Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- UNIFACEMA
  • Joyce Lopes Macedo Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- UNIFACEMA
  • Augusto César Evelin Rodrigues Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- UNIFACEMA
  • Magnólia de Jesus Sousa Magalhães Assunção Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- UNIFACEMA
  • Carlos Augusto Silva de Azevêdo Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão- UNIFACEMA

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v8i4.955

Keywords:

Parasitology; Intestinal Diseases Parasitic; Public Health.

Abstract

Parasitism refers to an association between the parasite and the host with a loss in the association. The objective of the present study was to evaluate the presence of enteroparasitoses in students of the municipal public network. The study was carried out in municipal schools in urban and peri-urban areas. Analyzes of the presence of enteroparasitoses in the feces of the students were performed by the method of Hoffman Pons & Janer. By means of the analyzes it was observed that 55% of the children investigated had at least one parasite in the organism, in which the main species found was Ascaris lumbricoides. Regarding the location of the school, students from peri-urban schools had a higher percentage of parasitism than those from schools located in urban areas. Evaluating the epidemiological aspects for the presence of intestinal parasites, it was verified that the students have the habit of consuming raw foods and walking barefoot. It is concluded that the majority of the students evaluated in the study were parasitized, this fact can be directly related to the hygienic habits of the students.

References

Alves, F. V. et al. (2014). Aspectos epidemiológicos das enteroparasitoses em crianças domiciliadas em um assentamento rural no nordeste brasileiro. REAS, 6(3):666-76. Disponível em: tps://www.acervosaude.com.br/doc/artigo_053.pdf.

Barreto, J. G. (2006). Detecção da incidência de enteroparasitos nas crianças carentes da cidade de Guaçuí – ES. RBAC, 38(4):221-3. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/237361989_Deteccao_da_incidencia_de_enteroparasitos_nas_criancas_carentes_da_cidade_de_Guacui__ES_Detention_of_the_incidence_of_enteroparasites_in_the_devoid_children_of_the_city_of_Guacui_-_ES.

Belloto, M. V. T. et al. (2011). Enteroparasitoses numa população de escolares da rede pública de ensino do município de Mirassol, São Paulo, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude, 2(1):37-44. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-62232011000100004.

Buschini, M. L. T. et al. (2007). Spacial distribution of enteroparasites among school children from Guarapuava, State of Paraná, Brazil. Rev Bras Epidemiol, 10(4):568-78. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v10n4/14.pdf.

Castro, A. Z. et al. (2004). Levantamento das Parasitoses Intestinais em Escolares da Rede Pública na Cidade de Cachoeiro de Itapemirim – ES. NewsLab, 63(1):102-5. Disponível em: http://files.msjoseoliveira.webnode.com.br/2000002553bc863cc1f/Artigo9%20Levantamento%20das%20Parasitoses%20Intestinais%20em%20-%2061.pdf.

Campos, M. R. et al. (2002). Distribuição espacial da infecção por Ascaris lumbricoides. Rev Saúde Pública, 36(1):69-74. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003489102002000100011&script=sci_abstract&tlng=pt.

Carvalho, N.E. D. S. & Gomes, N. P. (2013). Prevalência de enteroparasitoses em crianças na faixa etária de 6 a 12 anos na escola pública Melvin Jones em Teresina-PI. Rev Interdisciplinar, 6(4):95-101. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/viewFile/172/pdf_72.

Evangelista, J. (1992). Alimentos, um estudo abrangente. Rio de Janeiro. Ed. Atheneu.

Fornari Neto, E. (2001). Dicionário prático de Ecologia. São Paulo: Aquariana.

Hoffman, W. A., Pons, J. A. & Janer, J. L. (1934). The sedimentation concentration method in Schistosomiasis mansoni. PR. J Public Health Trop Med, 9(1):283-9. Disponível em: http://libraria.rcm.upr.edu:8080/jspui/bitstream/20.500.11931/809/1/The%20Sedimentation%20Concentration.pdf.

Macedo, H. S. (2005). Prevalência de Parasitos e comensais intestinais em crianças de escolas da rede pública municipal de Paracatu (MG). RBAC, 37(4):209-13. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=477031&indexSearch=ID.

OMS. (2006). Division of Control of Tropical Diseases. Intestinal Parasites Control: geographical distribution 2006. Organização Mundial de Saúde (OMS). Disponível em: http://www.who.int/ctd/html/intestburtre.html.

Pereira-Cardoso, F. D. et al. (2010). Prevalência de enteroparasitoses em escolares de 06 a 14 anos no município de Araguaína – Tocantins. Rev Eletr Farm, 7(1):54-64, 2010. Disponível em:https://www.researchgate.net/publication/271147880_PREVALENCIA_DE_ENTEROPARASITOSES_EM_ESCOLARES_DE_06_A_14_ANOS_NO_MUNICIPIO_DE_ARAGUAINA_-_TOCANTINS.

Pinheiro, R. O. et al. (2007). Ocorrência de parasitas entre crianças do pré-escolar de duas escolas em Vassouras, RJ. Rev. Bras. Farm, 88(2):98-9. Disponível em: http://www.rbfarma.org.br/files/PAG98a99_OCORRENCIA.pdf.

Rocha, A.; Mendes, R. A. & Barbosa, C.S. (2008). Strongyloides spp e outros parasitos encontrados em alfaces (Lactuca sativa). Rev Patol Trop, 37(2):151-60. Disponível em: https://revistas.ufg.br/maintenance.html.

Silva-Neto, L. M. et al. (2010). Ocorrência de Blastocystis hominis e outros parasitos intestinais em uma comunidade de Paracambi-RJ no período de abril a julho de 2005. Rev Patol Trop, 39(2):105-13. Disponível em: https://revistas.ufg.br/maintenance.html.

Morris, S. A. (1997). desigualdade e a saúde pública. Rev Saúde Pública, 31(6):543-4. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rsp/1997.v31n6/543-544/.

Prado, M. S. et al. (2011). Prevalência e intensidade da infecção por parasitas intestinais em crianças na idade escolar na cidade de Salvador (Bahia, Brasil). Rev Soc Bras Med Trop, 34(1):99-101. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0037-86822001000100016&script=sci_abstract&tlng=pt.

Reis, L. G. (2008). Produção de monografia: da teoria à prática. 2ª ed. Brasília: Senac – DF.

Sadoyama, S. P. A. (2013). Processos de compreensão leitora de alunos do 4º ano de uma escola municipal de Catalão-Goiás. Anais do SILEL, 3(1). Disponível em: http://www.ileel.ufu.br/anaisdosilel/wp-content/uploads/2014/04/silel2013_1910.pdf

WHO. (1981). Intestinal protozoa and helminthic infections. Geneva. World Health Organization (WHO).

Published

06/02/2019

How to Cite

OLIVEIRA, A. S. da S. S.; SILVA, B. E. S. da; CUNHA, E. A.; MACEDO, J. L.; RODRIGUES, A. C. E.; ASSUNÇÃO, M. de J. S. M.; AZEVÊDO, C. A. S. de. Enteroparasitoses in schools of the municipal public network. Research, Society and Development, [S. l.], v. 8, n. 4, p. e384955, 2019. DOI: 10.33448/rsd-v8i4.955. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/955. Acesso em: 26 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences