Nurse's performance in the prevention and identification of sepsis signs and symptoms in intensive therapy: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9599

Keywords:

Nurse's role; Disease prevention; Signs and symptoms; Sepsis; Intensive care units.

Abstract

Sepsis is a systemic inflammatory response caused by an infection, which can progress to severe sepsis, septic shock and death. The objective was to identify the scientific evidence regarding the role of nurses in the prevention and identification of signs and symptoms of sepsis in intensive care. This is an integrative review of a qualitative approach carried out in September, in the MEDLINE, BDENF, LILACS and IBECS databases, through the Virtual Health Library (VHL), articles in English, Spanish and Portuguese were included in the period from 2010 to 2020, selecting 10 articles through exploratory and critical reading of the titles, abstracts and results achieved in the studies. Of the selected articles, 70% (N = 7) were found on MEDLINE, 10% (N = 1) on LILACS, 20% (N = 2) BDENF / LILACS. It was observed that the number of published works was greater in the years 2010, 2011, 2017 and 2019 with two articles in the respective years, followed by the years 2015 and 2020, with one study each year. Among the articles, 90% (N = 9) were published in English and 10% (N = 1) in Portuguese. According to the syntheses of the studies analyzed, it is observed that the participation of nursing starts at the moment of awareness with health teams, in the creation of methods to identify sepsis, in addition to the identification of the importance of the screening packages and tools conducted nursing. In addition, it is necessary that nurses seek to have basic notions of systemic changes caused by sepsis, whether they are related to hemodynamic, neurological, respiratory, renal and nutritional changes.

Author Biographies

Lianna Emanuelli Carvalho Silva, Centro Universitário Santo Agostinho

A sepse é uma resposta inflamatória sistêmica provocada por uma infecção, podendo evoluir para sepse grave, choque séptico e morte. Objetivou-se identificar as evidências científicas quanto à atuação do enfermeiro na prevenção e identificação de sinais e sintomas de sepse em terapia intensiva. Trata-se de uma revisão integrativa de abordagem qualitativa realizada no mês de setembro, nas bases de dados MEDLINE, BDENF, LILACS e IBECS, através da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), foram incluídos artigos nos idiomas inglês, espanhol e português, no período de 2010 a 2020, selecionando-se 10 artigos por meio de leitura exploratória e crítica dos títulos, resumos e resultados alcançados nos estudos. Dos artigos selecionados, 70% (N=7) foram encontrados na MEDLINE, 10% (N=1) no LILACS, 20% (N=2) BDENF/LILACS. Observou-se que a quantidade de trabalhos publicados foi maior nos anos de 2010, 2011, 2017 e 2019 com dois artigos nos respectivos anos, seguidos dos anos de 2015 e 2020, com um estudo cada ano. Dentre os artigos, 90% (N=9) foram publicados na língua inglesa e 10% (N=1) na língua portuguesa. De acordo com as sínteses dos estudos analisados, observa-se que a participação da enfermagem se inicia no momento de sensibilização junto às equipes de saúde, na criação de métodos para identificar a sepse, além da identificação da importância dos pacotes e ferramentas de triagem conduzida pela enfermagem. Além disso, faz-se necessário que os enfermeiros busquem ter noções básicas das alterações sistêmicas causadas pela sepse, sejam elas relacionada às alterações hemodinâmicas, neurológicas, respiratórias, renais e nutricionais.

Maria Bianca e Silva Lima, unifsa

A sepse é uma resposta inflamatória sistêmica provocada por uma infecção, podendo evoluir para sepse grave, choque séptico e morte. Objetivou-se identificar as evidências científicas quanto à atuação do enfermeiro na prevenção e identificação de sinais e sintomas de sepse em terapia intensiva. Trata-se de uma revisão integrativa de abordagem qualitativa realizada no mês de setembro, nas bases de dados MEDLINE, BDENF, LILACS e IBECS, através da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), foram incluídos artigos nos idiomas inglês, espanhol e português, no período de 2010 a 2020, selecionando-se 10 artigos por meio de leitura exploratória e crítica dos títulos, resumos e resultados alcançados nos estudos. Dos artigos selecionados, 70% (N=7) foram encontrados na MEDLINE, 10% (N=1) no LILACS, 20% (N=2) BDENF/LILACS. Observou-se que a quantidade de trabalhos publicados foi maior nos anos de 2010, 2011, 2017 e 2019 com dois artigos nos respectivos anos, seguidos dos anos de 2015 e 2020, com um estudo cada ano. Dentre os artigos, 90% (N=9) foram publicados na língua inglesa e 10% (N=1) na língua portuguesa. De acordo com as sínteses dos estudos analisados, observa-se que a participação da enfermagem se inicia no momento de sensibilização junto às equipes de saúde, na criação de métodos para identificar a sepse, além da identificação da importância dos pacotes e ferramentas de triagem conduzida pela enfermagem. Além disso, faz-se necessário que os enfermeiros busquem ter noções básicas das alterações sistêmicas causadas pela sepse, sejam elas relacionada às alterações hemodinâmicas, neurológicas, respiratórias, renais e nutricionais.

Államy Danilo Moura e Silva, Centro Universitário Santo Agostinho

A sepse é uma resposta inflamatória sistêmica provocada por uma infecção, podendo evoluir para sepse grave, choque séptico e morte. Objetivou-se identificar as evidências científicas quanto à atuação do enfermeiro na prevenção e identificação de sinais e sintomas de sepse em terapia intensiva. Trata-se de uma revisão integrativa de abordagem qualitativa realizada no mês de setembro, nas bases de dados MEDLINE, BDENF, LILACS e IBECS, através da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), foram incluídos artigos nos idiomas inglês, espanhol e português, no período de 2010 a 2020, selecionando-se 10 artigos por meio de leitura exploratória e crítica dos títulos, resumos e resultados alcançados nos estudos. Dos artigos selecionados, 70% (N=7) foram encontrados na MEDLINE, 10% (N=1) no LILACS, 20% (N=2) BDENF/LILACS. Observou-se que a quantidade de trabalhos publicados foi maior nos anos de 2010, 2011, 2017 e 2019 com dois artigos nos respectivos anos, seguidos dos anos de 2015 e 2020, com um estudo cada ano. Dentre os artigos, 90% (N=9) foram publicados na língua inglesa e 10% (N=1) na língua portuguesa. De acordo com as sínteses dos estudos analisados, observa-se que a participação da enfermagem se inicia no momento de sensibilização junto às equipes de saúde, na criação de métodos para identificar a sepse, além da identificação da importância dos pacotes e ferramentas de triagem conduzida pela enfermagem. Além disso, faz-se necessário que os enfermeiros busquem ter noções básicas das alterações sistêmicas causadas pela sepse, sejam elas relacionada às alterações hemodinâmicas, neurológicas, respiratórias, renais e nutricionais.

References

Aguilar, R. B., Keister, K. J., & Russell, A. C. (2010). Prevention of sepsis after splenectomy. Dimensions of Critical Care Nursing, 29 (2), 65-68. https://journals.lww.com/dccnjournal/Abstract/2010/03000/Prevention_of_Sepsis_After_Splenectomy.4.aspx.

Amante, L. N., Rossetto, A. P., & Schneider, D. G. (2009). Sistematização da Assistência de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva sustentada pela teoria de Wanda Horta. Revista Escola de Enfermagem da USP, 43 (1). São Paulo. https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n1/07.pdf.

Boechat, A. Luiz., & Boechat, N. O. (2010). Sepse: diagnóstico e tratamento. Rev. Bras Clin Med, 8 (5), p. 420-7. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n5/010.pdf.

Boettiger, M., Tyer-viola, L., & Hagan, J. (2017). Nurses' Early Recognition of Neonatal Sepsis. Journal of Obstetric, Gynecologic & Neonatal Nursing, 46 (6), 834-845.: https://doi.org/10.1016/j.jogn.2017.08.007.

Fabiani, I. M., & Rocha, S. L. (2017). Avaliação do tratamento da sepse com glutamina via enteral em ratos. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 44 (3), 231-237.: 10.1590/0100-69912017003002.

Garrido, F., Tieppo, L., Pereira, M. D. da Silva., Freitas, R. de., Freitas, W. M. de., Filipini, R., Coelho, P. G., Fonseca, F. L. A., & Fiorano, A. M. M. (2017). Ações do enfermeiro na identificação precoce de alterações sistêmicas causadas pela sepse grave. Abcs Health Sciences, 42 : http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v42i1.944, (1).

Galvão, C. M., Mendes, K. D. S., & Silveira, R. C. C. P. (2010). Revisão integrativa: método de revisão para sintetizar as evidências disponíveis na literatura. São Paulo. 105-26.

Gonçalves, L. S., Amaro, M. L. de M., Romero, A. de Lima. M., Schamne, F. K., Fressatto, J. L., & Bezerra, C. W. (2020). Implantación de Algoritmo de Inteligencia Artificial para la detección de la sepsis. Rev. Bras. Enferm, 73 (3). http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-20180421.

Gyang, E., Shieh, L., Forsey, L., & Maggio, P. (2014). A Nurse-Driven Screening Tool for the Early Identification of Sepsis in an Intermediate Care Unit Setting. Society of Hospital Medicine, 10 (2). 10.1002 / jhm.2291.

Harley, A., Johnston, A. N. B., Denny, K. J., Keijzers, G., Crilly, J., & Massey, D. (2019). Emergency nurses' knowledge and understanding of their role in recognising and responding to patients with sepsis: A qualitative study. Int. Emerg Nurs , 43, 106-112. https://doi.org/10.1016/j.ienj.2019.01.005.

Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. (2015). Sepse: um problema de saúde pública. Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Brasília: CFM. https://ilas.org.br/assets/arquivos/upload/Livro-ILAS(Sepse-CFM-ILAS).pdf.

Jorgensen, Ann. L. (2019). Nurse Influence in Meeting Compliance With the Centers for Medicare and Medicaid Services. Dimens Crit Care Nurs. 38 (2). 10.1097/DCC.0000000000000340.

Pedrosa, K. K. A., Oliveira, S. A., & Machado, R. C. (2018). Validação de protocolo assistencial ao paciente séptico na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Bras. Enferm, 71 (3). https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0312.

Rincon, T. A., Bourke, G., & Seiver, A. (2011). Standardizing sepsis screening and management via a tele-ICU program improves patient care. Telemedicine and e-Health, 17 (7), 560-564. 10.1089/tmj.2010.0225.

Schallom, L., Thimmesch, A. R., & Pierce, J. D. (2011). Systems biology in critical-care nursing. Dimensions of Critical Care Nursing, 0, (1), 1-7. 10.1097/DCC.0b013e3181fd0169.

Tromp, M., Hulscher, M., Bleeker-Rovers, C. P., Peters, L., van den Berg, D. T. N. A., Borm, G. F., Kullberg, B. J., van Achterberg, T., & Pickkers, P. (2010). The role of nurses in the recognition and treatment of patients with sepsis in the emergency department: a prospective before-and-after intervention study. Int J Nurs Stud, 47 (12). https://doi.org/10.1016/j.ijnurstu.2010.04.007.

Viana, R. A. P. P., Flávia R. M., & Juliana L. A. de Souza. (2017). Sepse, um problema de saúde pública: a atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. https://ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/livro-sepse-um-problema-de-saude-publica-coren-ilas.pdf.

Published

06/11/2020

How to Cite

Silva, L. E. C. ., Lima, M. B. e S. ., & Silva, Államy D. M. e . (2020). Nurse’s performance in the prevention and identification of sepsis signs and symptoms in intensive therapy: an integrative review. Research, Society and Development, 9(11), e1229119599. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9599

Issue

Section

Review Article