Intersectoriality perspectives on the daily life of Primary Health Care in Brazil: a theoretical reflection

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9834

Keywords:

Unified Health System; Primary Health Care; Family Health Strategy; Intersectoral Collaboration; Health knowledge, attitudes, practice; Health management.

Abstract

Objective: to reflect on the perspectives of intersectoriality in the daily routine of Primary Health Care in Brazil. Method: it is a theoretical reflection based on a bibliographic research for theoretical foundation. The study triggered the question: What are the perspectives of intersectoral practices carried out in Primary Health Care services? Results: The reflection was organized into two sections: (1) The expanded concept of health and the promotion of care in the intersectoral dimension. Emphasizes intersectoriality as important in fostering the production of care and expanding the local reality by integrating knowledge, sectors, actors, as they go beyond the performance of the health sector. (2) Health Work Texts in Primary Care with intersectoral articulation. It points out the challenges of producing health in the daily life of services by demanding constant changes in the work process, such as the creation of collectives and partnerships of different social actors, which imposes a logic of work organization to overcome exclusion and inequities in health. Conclusion: intersectorality has been seen as favoring health policies aimed at changing care models, as it represents the overcoming of policy fragmentation, in addition to being a tool for collaborating care and / or management practices.

References

Akerman, M., Franco de Sá, R., Moyses, S., Rezende, R., & Rocha, D. (2014). Intersetorialidade? IntersetorialidadeS!. Ciência & Saúde Coletiva, 19(11), 4291-4300. https://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141911.10692014

Almeida Filho, N. (2000). Intersetorialidade, transdisciplinaridade e saúde coletiva: atualizando um debate em aberto. Revista de Administração Pública, 34(6), 11-34. Recuperado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6345/4930

Almeida Filho, N., & Rouquayrol, M. Z. (2006). Modelos de saúde e doença. In Almeida Filho, N., & Rouquayrol, M. Z. Introdução à epidemiologia (4a ed.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Almeida Filho, N. (2011). O que é saúde? Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Amarante, P. (2007). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Andrade, A. S., & Falcão, I. V. (2017). A compreensão de profissionais da atenção primária à saúde sobre as práticas da terapia ocupacional no NASF. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional/Brazilian Journal of Occupational Therapy, 25(1), 33-42. Recuperado de: https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0779

Andrade, L. O. M. (2006). A Saúde e o Dilema da Intersetorialidade. São Paulo: Hucitec.

Barata, R. B. (2009). Como e Por Que as Desigualdades Sociais Fazem Mal à Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Barreto, M. L. (2017). Desigualdades em Saúde: uma perspectiva global. Ciência & Saúde Coletiva, 22(7), 2097-2108. https://doi.org/10.1590/1413-81232017227.02742017

Brasil, Presidência da República, Casa Civil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de outubro de 1988. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_ 03/Constituicao/Constituicao.htm

Brasil, Presidência da República, Casa Civil. (1990). Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Brasil. (2008). Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil: relatório final da Comissão Nacional sobre os Determinantes Sociais da Saúde. Recuperado de: https://bvsms.saude.gov.br/bv s/publicacoes/causas_sociais_iniquidades.pdf

Brasil, M. S. (2008). Portaria GM nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Recuperado de: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saud elegis/gm/2008/prt0154_24_01_2008.html

Brasil, M. S. (2009). Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_do_nasf_nucleo.pdf

Brasil, M. S. (2010). Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html

Brasil, Presidência da República, Casa Civil. (2011). Decreto 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.go v.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm

Brasil, M. S. (2012). Política Nacional de Atenção Básica. Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Brasil, M. S. (2014). Núcleo de Apoio à Saúde da Família – Volume 1: Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publica coes/nucleo_apoio_saude_familia_cab39.pdf

Brasil, M. S. (2017). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/2017/prt2436_22_092017.html

Buss, P. M., & Pellegrini Filho, A. (2007). A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 17(1), 77-93. https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100006

Buss, P. M. (2000). Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1), 163-177. https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100014

Campos, G. W. de S. (2006). Reflexões temáticas sobre equidade e saúde: o caso do SUS. Saúde e Sociedade, 15(2), 23-33. https://doi.org/10.1590/S0104-12902006000200004

Castellanos, P. L. (1990). Sobre el concepto de salud-enfermedad. Descripción y explicación de la situación de salud. Boletín Epidemiológico Organización Panamericana de la Salud, 10(4): 1-7. Recuperado de: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/ 32628/8366.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Cecilio, L. C. de O., & Reis, A. A. C. dos. (2018). Notes on persistent challenges for basic health care in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 34(8), e00056917. https://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00056917

Cecilio, L. C. O. (2011). Apontamentos teórico-conceituais sobre processos avaliativos considerando as múltiplas dimensões da gestão do cuidado em saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 15(37), 589-599. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832011000200021

Cruz, M. M. Concepção de saúde-doença e o cuidado em saúde. (2011). In: Gondim, R., Grabois, V., Mendes Junior, W. V., organizadores. Qualificação dos Gestores do SUS (2a ed.). Rio de Janeiro: Fiocruz/ENSP/EAD.

Czeresnia, D., M., et al (2013). Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Dias, M. S. de A., et al (2014). Intersetorialidade e Estratégia Saúde da Família: tudo ou quase nada a ver?. Ciência & Saúde Coletiva, 19(11), 4371-4382. https://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141911.11442014

Fausto, M. C. R. & Matta, G. C. (2007). Atenção Primária à Saúde: histórico e perspectivas. In: Morosini, M. V. G. C. Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz.

Feurwerker, L.M. & Costa, H. (2000). Intersetorialidade na Rede Unida. Divulgação Saúde Debate, 37(22), 25-35.

Franco, T. B. & Merhy, E. E. (2013). Trabalho, Produção do Cuidado e Subjetividade em Saúde. São Paulo: Hucitec.

Garbois, J. A., Sodré, F., & Dalbello-Araujo, M. (2017). Da noção de determinação social à de determinantes sociais da saúde. Saúde em Debate, 41(112), 63-76. https://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711206

Geremia, D. S. (2020). Atenção Primária à Saúde em alerta: desafios da continuidade do modelo assistencial. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 30(1), e300100. https://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312020300100

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Inojosa, R. M. (2001). Sinergia em políticas e serviços públicos: desenvolvimento social com intersetorialidade. São Paulo: Cadernos Fundap.

Inojosa, R. M., Junqueira, L. P. (1997). Experiências Municipais: Desenvolvimento social e intersetorialidade na gestão pública municipal. Conferência Nacional de Saúde On-Line.

Lima, L. D., Machado, C. V. & Noronha, J. C. (2014). O Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e lógica organizativa; avanços, dificuldades e desafios. In: Kushinir, R. & Fausto, M. Gestão de Rede de Atenção à Saúde. Rio de Janeiro: EAD/ENSP.

Lotta, G., & Favareto, A. (2016). Desafios da integração nos novos arranjos institucionais de políticas públicas no Brasil. Revista de Sociologia e Política, 24(57), 49-65. https://dx.doi.org/10.1590/1678-987316245704

Luján, R. C., & Salazar, L. (2013). Intersectorialidad: percepciones y condiciones para su viabilidade em el município de La Cumbre. Fundesalud, Santiago de Cali.

Menezes, E. L. C. de, et al (2017). Modos de produzir cuidado e a universalidade do acesso na atenção primária à saúde. Saúde e Sociedade, 26(4), 888-903. https://doi.org/10.1590/s0104-12902017170497

Morosini, M. V. G. C., et al (2018). Política Nacional de Atenção Básica 2017: retrocessos e riscos para o Sistema Único de Saúde. Saúde em Debate, 42(116), 11-24. https://doi.org/10.1590/0103-1104201811601

Oliveira, C. M., & Casanova, Â. O. (2009). Vigilância da saúde no espaço de práticas da atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3), 929-936. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000300029

Oliveira, S. R. de A., et al (2017). Strategic factors for the sustainability of a health intervention at municipal level of Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 33(7), e00063516. https://doi.org/10.1590/0102-311x00063516

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2010). Políticas Integradas em Rede e a Construção de Espaços Saudáveis: boas práticas para a Iniciativa do Rostos, Vozes e Lugares. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2015). Intersectorialidad y equidad en salud en América Latina: una aproximación analítica. Washington, DC: Organização Pan-Americana da Saúde.

Pagliccia, N., Spiegel, J., Alegret, M., Bonet, M., Martinez, B., & Yassi, A. (2010). Network analysis as a tool to assess the intersectoral management of health determinants at the local level: a report from an exploratory study of two Cuban municipalities. Social science & medicine (1982), 71(2), 394–399. https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2010.03.041

Paim, Jairnilson Silva. (2009). O que é SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Paiva, C. H. A., & Teixeira, L. A. (2014). Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 21(1), 15-36. https://doi.org/10.1590/S0104-59702014000100002

Paula, K. A. de, Palha, P. F., & Protti, S. T. (2004). Intersetorialidade: uma vivência prática ou um desafio a ser conquistado? O Discurso do Sujeito Coletivo dos enfermeiros nos núcleos de Saúde da Família do Distrito Oeste - Ribeirão Preto. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 8(15), 331-348. https://doi.org/10.1590/S1414-32832004000200011

Pellegrini Filho, A. (2011). Public policy and the social determinants of health: the challenge of the production and use of scientific evidence. Cadernos de Saúde Pública, 27(Suppl. 2), s135-s140. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011001400002

Potvin, L. (2012). Intersectoral action for health: more research is needed!. International Journal of Public Health, 57, 5-6. https://doi.org/10.1007/s00038-011-0330-0

Prado, N. M. de B. L., & Santos, A. M. dos. (2018). Promoção da saúde na Atenção Primária à Saúde: sistematização de desafios e estratégias intersetoriais. Saúde em Debate, 42(spe1), 379-395. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s126

Rocha, D. G., Akerman, M. (2014). Determinação social da saúde e promoção da saúde: isto faz algum sentido para a Estratégia de Saúde da Família? Em que sentido podemos seguir? In: Sousa, M. F., Franco, M. S., Mendonça, A. V. M., organizadores. Saúde da Família nos municípios brasileiros: Os reflexos dos 20 anos no espelho do futuro. São Paulo: Saberes Editora.

Sabroza, P., & Kawa, H. (2014). O processo saúde-doença-cuidado. In: Kushinir, Rosana e Fausto, Márcia. Gestão de Rede de Atenção à Saúde. Rio de Janeiro: EAD/ENSP.

Santos, J. L. F., & Westphal, M. F. (1999). Práticas emergentes de um novo paradigma de saúde: o papel da universidade. Estudos Avançados, 13(35), 71-88. https://doi.org/10.1590/S0103-40141999000100007

Scliar, M. (2007). História do conceito de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 17(1), 29-41. https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100003

Silva, K. L, & Rodrigues, A. T. (2010). Ações intersetoriais para promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: experiências, desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(5), 762-769. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000500011

Silva, K. L., et al (2014). Intersetorialidade, determinantes socioambientais e promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 19(11), 4361-4370. https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.10042014

Sposati, A. (2006). Gestão pública intersetorial: sim ou não? Comentário de experiência. Serviço Social & Sociedade, 85,133-141.

Starfield, B. (2002). Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf.

Tesser, C. D. (2017). Núcleos de Apoio à Saúde da Família, seus potenciais e entraves: uma interpretação a partir da atenção primária à saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 21(62), 565-578. https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0939

Yasui, S., et al (2018). Atenção psicossocial e atenção básica: a vida como ela é no território. Revista Polis e Psique, 8(1), 173-190. https://dx.doi.org/10.22456/2238-152X.80426

Published

12/11/2020

How to Cite

Mendonça, E. M., & Lanza, F. M. (2020). Intersectoriality perspectives on the daily life of Primary Health Care in Brazil: a theoretical reflection. Research, Society and Development, 9(11), e2549119834. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9834

Issue

Section

Health Sciences