Communication of millennials and use of "type": linguistic study of the incidence of language addiction among discourses of university students

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v8i6.1044

Keywords:

Language vices; discourse markers; Y generation; Oral language.

Abstract

The Portuguese language spoken in Brazil is evolving with social influences. The purpose of this study is to verify the incidence of language addiction, specifically the use of the term "type", among young university students of a Brazilian university. An online survey was conducted to find out the most common language addictions among students and the frequency with which they occur in speech. The data showed that the term "type" is among the most spoken among informants, second only to the terms "vei" and "mano" and is associated with the idea of uncertainty, unpreparedness, vice or imitation and lack of vocabulary expansion. One can conclude that there is an urgent need to intervene in communicative and linguistic practices in schools so that there is a change in the use of language addictions, especially among the public studied.

Author Biography

Jean Claudio de Souza, Universidade Federal de Itajubá

Engenheiro. Graduado Cirurgião Dentista. Graduado em Computação. Graduado em Pedagogia. 

Pós-graduado em Tecnologias de Informação. Educação. Administração. Engenharia. Educação a Distancia. Design Instrucional. Tecnologia, formação de professores. Administração e inspeção escolar.

Mestre em Engenharia de Materiais e Metalurgia.

Doutor em Ensino de Ciências.

Atuou 2 anos como coordenador em EAD e 5 anos como tutor EAD.

References

Bagno, Marcos. (2003). Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 26ed. São Paulo: Edições Loyola.

Bakhtin, Mikhail. (2011). A estética da comunicação verbal. São Paulo. Editora Martins.

Bittencourt, Vanda de Oliveira (1999). Gramaticalização e discursivação no Português oral do Brasil: o caso “tipo (assim)”. Scripta. Belo Horizonte, 2(4): 39-53, 1⁰sem. 1999.

Brasil. Leis e Decretos. (2008). DECRETO Nº 6.583, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008. Promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990. Available from: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6583.htm>. Acess on: March, 11, 2019.

Castelano, Karine Lôbo & Ladeira, Wânia Terezinha. (2010). Funções discursivo-interacionais das expressões “assim”, “tipo” e “tipo assim” em narrativas orais. Revista de divulgação científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura, 6(12) – 1 semestre de 2010.

Castelano, Karine Lôbo & Luquetti, Eliana Crispim França L. (2014). Uma abordagem dos vocábulos “assim”, “tipo” e “tipo assim” e suas implicações para o ensino de língua portuguesa. Revista Científica Interdisciplinar LSP. ISSN: 2358-8411. 1(1). Article n. 5, Julho/Setembro 2014. D.O.I: 10.17115/2358-8411/v1n1a5. Available from: <http://revista.srvroot.com/linkscienceplace/index.php/linkscienceplace/article/viewFile/15/10 >. Acess on: March, 1st, 2019.

Charaudeau, Patrick. (2006). Discurso das mídias. Tradução Ângela S. M. Correa. São Paulo. Editora Contexto.

Charaudeau, Patrick & Maingueneau, Dominique. (2012). Dicionário de análise do discurso. São Paulo. Editora Contexto.

Favero, Leonor Lopes; Andrade, Maria Lucia C.V.O & Aquino, Zilda G. O. (2005). Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. 5ed. São Paulo. Editora Cortez.

Freitag, Raquel Meister Ko. (2007). Marcadores discursivos não são vícios de linguagem. Interdisciplinar. 4(4): 224-43, jul/dez, 2007.

Koch, Ingedore G .V. (2000). A inter-ação pela linguagem. 5ed. São Paulo. Editora Contexto, 2000.

Macedo, Alzira Tavares & Silva, Gisele Machline de Oliveira. (1996). Análise sociolinguística de alguns marcadores conversacionais in: A.T. Macedo; c. Roncarati; M.C. Mollica. (orgs.). Variação e discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p. 11-50.

Marcuschi, Luiz ª (2003). Análise da conversação. 5ed. São Paulo. Editora Ática.

Mattar, João A. (2017). Metodologia cientifica na era digital. São Paulo. Editora Saraiva.

Neves, Maria Helena de M. (2006). Imprimir marcas no enunciado. Ou: A modalização na linguagem. Texto e Gramática. São Paulo. Editora Contexto, p.151-221.

Nonato, Sandoval. (2018). Processos de legitimação da linguagem oral no ensino de língua portuguesa. Cad. Cedes, Campinas, 38(105): 222-239, maio-ago., 2018. Available from: <http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v38n105/1678-7110-ccedes-38-105-222.pdf>. Access on: March, 2nd, 2019.

Travaglia, Luiz Carlos. (1999). O relevo no Português falado: tipos e estratégias, processos e recursos. In: Maria Helena de M. Neves. (Orgs.), p.71-130.

Vicent, Diane; Votre, Sebastião & Laforest, Marty. (1993). Grammaticalisation et post-grammaticalisation. In: Langues et Linguistique, (19): 71-103.

Published

31/03/2019

How to Cite

SOUZA, J. C. de; SILVA, P. C. D.; SHITSUKA, R.; BRITO, M. L. de A.; SHITSUKA, D. M. Communication of millennials and use of "type": linguistic study of the incidence of language addiction among discourses of university students. Research, Society and Development, [S. l.], v. 8, n. 6, p. e41861044, 2019. DOI: 10.33448/rsd-v8i6.1044. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/1044. Acesso em: 24 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences