Reflections on Body, Praxis and Corporeity

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v8i8.1180

Keywords:

Body; Physical education; Capital; School; Praxis.

Abstract

This essay aims to present some considerations about the relation praxis and corporeity, starting from the study of the body conceptions that marked the educational processes from the nineteenth century and the constitution of Physical Education as a disciplinary activity. In the historical-critical analysis of these discourses, pedagogical aspects stand out that, in the school-capital-work context, point to the overcoming of the machinic vision of the body through a transforming praxis and an active corporeity of the subject. Thus, the reflection proposed here intends to contribute to corporeal studies and constitutes the contribution of an ongoing research that investigates the approach of the body in the formation of professional technical courses.

References

Betti, M. (1994). O que a semiótica inspira ao ensino da educação física. Discorpo 3(1): 25-45.

Bourdieu, P. & Passeron J. (1970). A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Ed. Francisco Alves, Rio de Janeiro - RJ.

Bracht, V. (1999). A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos CEDES, 19(48), 69-88.

Bracht, V. (2010). A educação física no ensino fundamental. I Seminário Nacional: Currículo em Movimento - Perspectivas Atuais, 2010, Belo Horizonte, MG. Anais (on-line). Belo Horizonte: UFMG, p.1-14. Disponível: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7170-3-6-educacao-fisica-ensino-fundamental-walter-bracht/file. Acesso em: 05 de mai. 2019.

Colombani, F., & Martins, R. (2017). O movimento higienista como política pública: aspectos históricos e atuais da medicalização escolar no Brasil. Revista Online de Política e Gestão Educacional, 21(1), 278-295. ISSN 1519-9029. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9788/6603. Acesso em: 06 mai. 2019.

Camargo, T. Alex (2019). A Revista de educação physica e a eugenia no Brasil (1932-1945). 2010. 151f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, Santa Cruz do Sul, RS. Disponível em: http://repositorio.unisc.br/jspui/handle/11624/566. Acesso em: 10 abr. 2019.

Bourdieu, P. & Passeron J. (1970). A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Ed. Francisco Alves, Rio de Janeiro - RJ.

Caminha, Iraquitan (2012). Corpo, motricidade e subjetividade em Merleau-Ponty. Em I. O. Caminha (Org.). Merleau-Ponty em João Pessoa (pp. 133-155). João Pessoa - UFPB.

Costa, M., & Almeida, F. (2018). A educação física e a “virada culturalista” do campo: um olhar a partir de Mauro Betti e Valter Bracht. Revista Corpoconsciência, 22(1). Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/issue/

view/409/showTo. Acesso em 15 de ago. 2018.

Diniz, F. (2014). Foucault: do poder disciplinar ao biopoder. Revista Scientia, 2 (3), 01-217. Disponível em: https://docplayer.com.br/10368974-Foucault-do-poder-disciplinar-ao-biopoder.html. Acesso em 05 de mai. 2019.

Durkheim, E. (2011). Educação e Sociologia. Vozes, Petrópolis.

Foucault, M. (2004). Vigiar e Punir: nascimento da prisão. (R. Ramalhete, Trad.). Ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Foucault, M. (2002). A Verdade e as Formas Jurídicas. (R. C. M. Machado e E. J. Morais, Trad.). Ed. Rio de Janeiro: Nau.

Freire, P. (1997). Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Gadotti, M. (2005). Pedagogia da práxis. Desvendando Princípios da Perspectiva Crítica da Educação Ambiental. Programa Nacional de Educação Ambiental - Programa de Formação de Educadoras e Educadores Ambientais. Brasília, Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/encontros.

pdf. Acesso em 15 abr.

Gonçalves, Maria Augusta Salim (2017). Sentir, Pensar, Agir – Corporeidade e Educação. (15ª. ed). Campinas SP. Papirus.

Giroux, H. (1988). A escola critica e a política cultural. (Dogmar M. L. Zibas, Trad.). São Paulo: Cortez.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6ª. ed). São Paulo: Atlas.

Gramsi, A. (1991) Concepção dialética da história. (9ª. Ed). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira;

Kunz, Elenor (2001). Organizador. Didática da educação física II. Ijuí: UNIJUI.

Lévi-Strauss, C. (1982). As estruturas elementares do parentesco. (Mariano Ferreira, Trad.). Petrópolis: Vozes.

Marx, K. (2001). Teses sobre Feuerbach. In: Marx, K. & Engels, F (Eds). A ideologia alemã: Feuerbach: a oposição entre as concepções materialista e idealista. (L. C. Castro e Costa, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Marx, K. (1989). A questão judaica. (A. Morão, Trad.). Lisboa, 1989. Disponível em http://www.lusosofia.net/textos/marx_questao_judaica.pdf Acesso em: 1 maio 2019

Merleau-Ponty, M. (2018). Fenomenologia da percepção. (5ª. ed). (C. A. Ribeiro de Moura, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Miskolci, R.(2005). Corpo, identidade e política. XII Congresso da Sociedade Brasileira de Sociologia – SBS. 1-17. Disponível em: http://www.sbsociologia.com.br/portal/index.php?

option=com_docman&task=doc_download&gid=259&Itemid=171. Acesso em: 15 abr. 2019.

Moreira, W. W. (2019). Merleau-Ponty na sala de aula e na beira do campo: contribuições para a área da educação física/esportes. In: Nóbrega, T. P. & Caminha, I. O. Organizadores. Mereleau-Ponty e a Educação Física (pp. 21-37). (1ª..ed). São Paulo: LiberArs.

Moreira, A. F. B. & Silva, T. T (2008). Currículo, Cultura e Sociedade. Baptista. São Paulo, Cortez.

Mendes, M. I. Brandão de Souza & Nóbrega, T. P.(2004). Corpo, natureza e cultura: contribuições para a educação. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, (27), 125-137. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n27/n27a08.pdf . Acesso em 07 de mai. 2019.

Nóbrega, T. P. (2005). Corporeidade e educação física do corpo-objeto ao corpo-sujeito. (2ª. ed). Natal: Edufrn.

Nunes, C. C, Lamar, A. R. & Cartier, E.., Eduardo (2012). Corporeidade, educação e autonomia. Revista Atos de Pesquisa em Educação – PPGE/ME FURB, 7 (2), 21-37. Disponível em: <http://proxy.furb.br/ojs/ index.php/atosdepesquisa/article/download/3161/

Acesso em 21 de abr. 2019.

Ortega, F. (2008). O corpo incerto: corporeidade, tecnologias médicas e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Garamond.

Soares, C. (2012). Educação física: raízes européias e Brasil. (4ª. ed). Campinas: Autores Associados.

Sevcenko, N. (2001). A Corrida para o Século XXI: no Loop da Montanha Russa. São Paulo: Companhia das Letras.

Silva, T. T. (2009) Documentos de identidade: uma introdução às teorias do curriculo. Belo Horizonte: Autêntica.

Saviani, D. (2011). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações, (11ª ed). Campinas: Autores Associados.

Sautchuck, C. E. (2019). Crise de paradigma; mudança de identidade; regulamentação: notas para o estudo da educação física brasileira atual. Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde. Campinas, SP, p. 116, set. 2008. ISSN 1983-9030. Acesso em: 23 abr. 2019. doi:https://doi.org/10.20396/conex.v0i5.8638153.

Tonet, Ivo (2005). Educação, Cidadania e emancipação humana. Ijuí: Editora Unijuí.

Vazquez, A. S. (2011). Filosofia da Práxis. (2º ed). São Paulo. Expressão Popular.

Published

30/05/2019

How to Cite

FREIRE, L. B. de O.; LIMA, P. F. R. Reflections on Body, Praxis and Corporeity. Research, Society and Development, [S. l.], v. 8, n. 8, p. e10881180, 2019. DOI: 10.33448/rsd-v8i8.1180. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/1180. Acesso em: 22 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences