Teachers women in the coordination of the Bachelor of Science and Technology: between achievements and challenges

Authors

  • Julie Idália Araujo Macêdo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Fredy Enrique González Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v8i8.1203

Keywords:

Coordination; Exact Sciences; Higher education; Women.

Abstract

The origin of the Bachelor of Science and Technology of the Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN) is closely related to the Program to Support Restructuring and Expansion Plans of Federal Universities (REUNI) that took place in Brazilian federal public universities in 2008 Throughout the history of the baccalaureate it is possible to see the expansion of the spaces of participation of the female teachers in the functions of leadership and management. So, the objective of the present study is to investigate the female presence during the 10 years of the Bachelor of Science & Technology in front of the course coordination emphasizing achievements and challenges. With regard to methodology, it can be said that this is a qualitative research of a historical character with a biographical approach, which makes use of narratives and the analytical strategy of immersion and hermeneutic contemplation. As for the methodological procedures, two sources are used for the collection of empirical material: documentary source with the analysis of the Political Project Pedagogical of the Bachelor and the Internal Regiment of the School of Sciences & Technology and; empirical source with the accomplishment of narrative interviews to know the achievements and challenges through the lines of the teachers who worked / work in the coordination of the course. Finally, the study evidenced the process of feminization of management personnel at UFRN, in particular the coordination of the Bachelor of Science and Technology, the major undergraduate course in the State of Rio Grande do Norte.

References

Almeida, J. S. (2006). Mulheres na educação: missão, vocação e destino. In: SAVIANI, Demerval et al. O legado educacional do século XX no Brasil. (p. 61-98.) 2.ed. Campinas: Autores Associados.

Barreto, A. (2014). A mulher no Ensino Superior distribuição e representatividade. Cadernos do GEA, Rio de Janeiro: Flacso/Brasil - Cadernos do GEA, n. 6, jul./dez.

BRUSCHINI, C. (1991). Mulher e Mundo do Trabalho: Ponto de Vista Sociológico. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Cabral, C. (2005). As mulheres nas escolas de engenharia brasileiras: história, educação e futuro. Cadernos de Gênero e Tecnologia, v. 1, n° 4. Disponível em https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/6139

Cabral, C. (2015). Os Estudos Feministas da Ciência e da Tecnologia no Brasil: Reflexões sobre Estilos e Coletivos de Pensamento. Revista Ártemis , v. 20, p. 76-91. Disponível em http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/view/27047

Catani, D. B. (2003). Lembrar, narrar, escrever: memória e autobiografia em história da educação e em processos de formação. In: BARBOSA, Raquel Lazzari L. Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP.

Catani, D. B. (1997). Docência, memória e gênero. São Paulo: Escrituras.

Del priore, M. (1994). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Ferrarotti, F. (1988). Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde. Depart. de Recursos Humanos da Saúde/Centro de Formação e Aperfeiçoamento Profissional.

GALVÃO, C. (2005). Narrativas em educação. Ciência & Educação, Bauru, v. 11, n. 2, p. 327-345.

GONZÁLEZ, F. E.; VILLEGAS, M. M. (2009). Fundamentos Epistemológicos en la Construcción de una Metódica de Investigación. Atos de Pesquisa em Educação –PPGE/ME FURB v. 4, nº 1, p. 89-121, jan./abr.

GUEDES, M. (2012). Gênero e ciência: um balanço dos avanços e estagnação na última década. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. Brasília, ano 2, n. 4, dez. Publicação da Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Disponível em: http://www.observatoriodegenero.gov.br/revista-observatorio2-30-11-final1.pdf

JOSSO, M. (2006). Os relatos de histórias de vida como desvelamento dos desafios existenciais da formação e do conhecimento: destinos sócio-culturais e projetos de vida programados na invenção de si. In: SOUZA, E.C., ABRAHÃO, M.H.M.B. (orgs). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre/Salvador, EDIPUCRS/EDUNEB.

LOMBARDI, M. R. (2005) Perseverança e resistência: a Engenharia como profissão feminina. 292 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas.

MAGALHAES, L. G. (Org.). (2017). Lugar de Mulher: feminismo e política no Brasil. 1ed.Rio de Janeiro: Oficina Raquel.

NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). (1988). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde. Depart. de Recursos Humanos da Saúde/Centro de Formação e Aperfeiçoamento Profissional.

PAIM, Rose Maria de Oliveira. (2007). A escolha profissional sob um olhar psicanalítico. Revista Recrearte, n. 07, secção VI, 07/2007. Disponível em: http://www.iacat.com/Revista/recrearte/Indice07.htm#seccion6

PASSEGGI, M. C.; SOUZA, E. C.; VICENTINI, P. P. (2011). Entre a vida e a formação: pesquisa (auto)biográfica, docência e profissionalização. Educ. rev. [online]. vol.27, n.1, pp. 369-386.

PASSEGGI, M.C.; SOUZA, E.C. (Orgs.) (2008). (Auto) Biografia: formação, territórios e saberes. Natal: EDUFRN.

REGO, T. C.; AQUINO, J. G.; OLIVEIRA, M. K. de. (2006). Narrativas autobiográficas e constituição de subjetividades. In SOUZA, E. C. de. (Org.). Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: Edipucrs.

SOUZA, E. C. (2006). Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. In: Educação | Santa Maria | v. 39 | n. 1 | p. 39-50 | jan./abr.2014. SOUZA, E. C. O Conhecimento de si – Estágio e narrativas de formação de professores. Salvador, BA, UNEB.

TEIXEIRA, A. B. M.; FREITAS, M. A. (2016). Mulheres cientistas no curso de física e de educacao fisica na Universidade Federal de Minas Gerais. Instrumento - Revista em estudo e pesquisa em educação, v. 18, p. 167-174.

UFRN. (2014). Projeto Pedagógico do Curso de Ciências e Tecnologia – Bacharelado. Natal/RN.

UFRN. (2015). Regimento Interno da Escola de Ciências e Tecnologia. Natal/RN.

Published

02/06/2019

How to Cite

MACÊDO, J. I. A.; GONZÁLEZ, F. E. Teachers women in the coordination of the Bachelor of Science and Technology: between achievements and challenges. Research, Society and Development, [S. l.], v. 8, n. 8, p. e22881203, 2019. DOI: 10.33448/rsd-v8i8.1203. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/1203. Acesso em: 1 jul. 2022.

Issue

Section

Education Sciences