Civil Society Organizations Networks: Proposing an analysis tool

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.12108

Keywords:

Networks; Civil society organizations; Situational matrix.

Abstract

This article aims to characterize management and performance profiles of Civil Society Organizations (CSOs) formed in networks aimed at social development. A case study analyze 20 CSOs comparatively, taking as starting point analytical dimensions related to the planning and execution of activities, direction and control, and selection of members to compose the organization. The study identifies that the performance of CSOs can be understood from two parameters: (i) strategic governance, that is, the political influence of the organization, whose focus is on raising awareness and mobilizing a target audience for a given cause; and (ii) grassroots performance, that is, the performance of organizations in the implementation of programs, projects and/or actions at street level or in loco. Based on these parameters, a theoretical-conceptual matrix that categorizes the performance of CSOs in four profiles is proposed: Regulatory Profile; Inaccurate profile; Hybrid Profile; and Frontline Profile. The matrix can serve as a tool for a more efficient distribution of resources by the State, identifying CSOs that are endowed with the characteristics that will provide better capillarity and efficiency to provide the desired service. The ability of a government to recognize the profile of CSOs operating in its territory allows it to outline arrangements that strengthen its performance. Therefore, the findings stimulate theoretical reflections and empirical investigations that expand knowledge about the phenomenon, opening up possibilities for studies on networks in different perspectives and contexts.

Author Biographies

Oswaldo Gonçalves Junior, University of Campinas

Pós-doutorado pela Columbia University (The Institute of Latin American Studies - ILAS). Professor Doutor da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-UNICAMP), no curso Bacharelado em Administração Pública. Professor Pleno no Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (ICHSA). Doutor em Administração Pública e Governo (EAESP-FGV), Mestre em Educação (FEUSP), Bacharel e Licenciado em História (FFLCH-USP). Possui experiência como docente na Educação Básica e no Ensino Superior. Atuou em diversas organizações como especialista e gestor. Como pesquisador, tem especial interesse pelos seguintes temas: Administração Pública; Burocracia; Análise e Avaliação de Políticas Públicas; Sociologia Econômica; Wicked Problems; Ambiente, Educação e Desenvolvimento.

Ana Carolina Spatti, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mestre em Ciências Humanas e Sociais (Unicamp), com vivência na Universidade de Buenos Aires (UBA), Gestora de Políticas Públicas (Unicamp) e Administradora (Unicamp), cuja formação contou com o desenvolvimento de pesquisa em avaliação de programas na University of New Mexico (UNM-USA). Possui 4 anos de experiência em avaliação de resultados e impactos de programas de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), 5 anos de experiência em gestão de políticas públicas junto ao Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP-Unicamp), 2 anos de experiência como docente estagiária (Unicamp), na área de ciências sociais e humanas, e 6 anos como professora de Gramática no Cursinho Pré-Vestibular Comunitário Colmeia. É membro dos Grupos de Pesquisa GEOPI (Laboratório de Estudos sobre Organização da Pesquisa e da Inovação), PMG-IAC (Programa de Melhoramento Genético - Instituto Agronômico de Campinas), LESP (Laboratório de Estudos do Setor Público), GEICT (Grupo de Estudos Interdisciplinares em Ciência e Tecnologia) e GAPI (Grupo de Análise de Políticas de Inovação). Suas linhas de pesquisa incluem relação universidade-empresa; Núcleos de Inovação Tecnológica, avaliação de impacto em CT&I, tecnologias sociais, bibliometria e altmetria.

Keyla Ketlyn Passos Pimenta, University of Campinas

Doutoranda em Administração pela Universidade Estadual de Campinas (FCA/Unicamp). Mestra Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (Unicamp). Advogada (OAB/SP 320.027). Graduada em Gestão de Políticas Públicas (Unicamp) e em Administração (Unicamp). Foi Visiting Doctoral Student na Ludwig-Maximilians-Universität München (LMU), junto ao Munich Center on Governance, Communication, Public Policy and Law (MCG), no âmbito de programa de doutorado sanduíche. Desenvolve atividades junto ao Laboratório de Estudos do Setor Público (LESP) e junto ao Grupo de Estudos sobre Organização da Pesquisa e da Inovação (GEOPI). Atua como orientadora de pesquisa no Pecege MBA (ESALQ/USP). É voluntária na Rede Europeia de Apoio às Vítimas Brasileiras de Violência Doméstica (REVIBRA). Sua trajetória profissional e formação acadêmica lhe permitem congregar os campos jurídico e da administração, tendo especial interesse por pesquisas de cunho interdisciplinar que envolvam esses dois campos. Interesses: Legal aspects of innovation/ Innovation in the Legal Sector/ Legal Technology/ Digitalisation / Innovation Systems.

Priscila Martins Baia, University of Campinas

Mestra em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (2020); e bacharela em Administração (2018) e Gestão de Políticas Públicas (2017), pela Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas (FCA/UNICAMP). Durante a graduação, desenvolveu dois projetos de Iniciação Científica na área de políticas públicas de saúde; realizou intercâmbio acadêmico de graduação na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC), em Portugal, onde cursou disciplinas dos cursos de Sociologia e Relações Internacionais, sendo financiada pelo Programa de Bolsas de Mobilidade Luso-Brasileiras do Santander; foi monitora do Programa de Apoio Didático (PAD) da disciplina de Governança em Políticas Públicas; e monitora do Programa de Apoio Acadêmico (PAA) dos cursos de Administração e Administração Pública. Além disso, participou, como pesquisadora, de um projeto sobre a atuação em rede de Organizações da Sociedade Civil (OSCs) com foco em Educação e que trabalham com crianças, adolescentes e jovens, desenvolvida no Laboratório de Estudos do Setor Público da UNICAMP. No mestrado, foi estagiária do Programa de Estágio Docente (PED) da disciplina de Laboratório de Políticas Públicas II (2018) e de Laboratório de Políticas Públicas I (2019). Atualmente, seus interesses de pesquisa estão direcionados aos temas das Políticas Públicas; e da Ciência, Tecnologia e Inovação, com especial interesse nas discussões de atores, de risco e das nanotecnologias, tema da dissertação de mestrado.

References

Alvear, C. A. S. (2008). A formação de redes pelas organizações sociais de base comunitária para o desenvolvimento local: um estudo de caso da Cidade de Deus: COPPE/UFRJ.

Amaral, V., Justen, L. M., & Fernandes, J. C. (2003). Princípios: Organização em rede. Apresentação na Oficina para formação de facilitadores para redes de EA REASul -Rede Sul Brasileira de Educação Ambiental e REBEA – Rede Brasileira de Educação Ambiental, out.

Amundsen, I., & Abreu, C. (2007). Sociedade Civil em Angola: Incursões, Espaco Responsabilidade. CMIReport.

Appe, S., & Barragán, D. (2017). Policy windows for CSOs in Latin America: Looking outside legal and regulatory frameworks. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 28(4), 1812-1831.

Clements, A., Darroch, P. I., & Green, J. (2017). Snowball Metrics – providing a robust methodology to inform research strategy – but do they need help? Procedia Computer Science, 106, 11-18.

Goulart, S. et al. (2010). Articulações em rede e acontecimentos no território: subsídios teóricos para a formação de políticas públicas para o desenvolvimento. Cadernos ebape. br, 8(3).

Goulart, S., Vieira, M. M. F., Costa, C. F., & Knopp, G. (2010). Articulações em rede e acontecimentos no território: subsídios teóricos para a formação de políticas públicas para o desenvolvimento. Cadernos ebape. br, 8 (3), 388-403.

Haesbaert, R. (2006). Territórios Alternativos. (2a ed.) Editora Contexto.

Angola, J. M. J. (2009). Mapeamento de Redes de Organizações da Sociedade Civil em Angola. Encomendado pelo Ministério do Planeamento de Angola - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais (PAANE).

Lopez, F. G. (Org.). (2018). Perfil das organizações da sociedade civil no Brasi: Ipea. 176 p.

Mañas, A. V. (2000). Um estudo sobre redes: O que as organizações precisam saber. Revista Administração em Diálogo-RAD, 2(1).

Martinho, C. (2003). Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. WWF.

Martinho, C. (2013). Iniciativa comum: trajetórias e aprendizados com as redes e coletivos de jovens. RedEAmerica.

Mello, J., Pereira, A. C. R., & Andrade, P. G. (2019). Afinal, o que os dados mostram sobre a atuação das ONGs? Análise de transferências federais e projetos executados pelas organizações da sociedade civil no Brasil. Texto para Discussão, IPEA.

Mendonça, P., Alves, M. A., & Nogueira, F. (2016). Civil society organisations and the fight for rights in Brazil: analysis of an evolving context and future challenges. Development in Practice, 26(5), 592-605.

Minhoto, L., & Martins, C. (2001). As redes e o desenvolvimento social. Cadernos FUNDAP, 022, p. 81.

Motta, R. G., Junqueira, L. A. P., & Turra, F. J. (2018). A eficácia das redes sociais e das ferramentas de marketing no recrutamento de integrantes para organizações sem fins lucrativos. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 12(1), 76-88.

Newman, M. E. J. (2003). Ego-centered networks and the ripple effect, Social Networks, 25 pp. 83–95.

Olivieri, L. (2003). A importância histórico-social das redes: Rede de informações para o terceiro setor. Enanpad, 31, 1-17.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Souza, Q., & Quandt, C. (2008). Metodologia de análise de redes sociais. O tempo das redes. O Tempo das Redes: Perspectiva, 31-63.

Stefani, M. T., & Junqueira, L. A. P. (2012). Redes e parcerias-uma reflexão sobre a relação entre o governo municipal e uma organização não governamental. NAU Social, 3(5), 157-174.

Stephen, J. (2011). Management of civil society organisations (CSOs): A case study of selected CSOs in Tanzania.

Vogt, W. P., & Johnson, B. R. (1999). Dictionary of Statistics and Methodology: A Nontechnical Guide for the Social Sciences: Sage. 437.

Published

31/01/2021

How to Cite

GONÇALVES JUNIOR, O.; SPATTI, A. C.; PIMENTA, K. K. P.; BAIA, P. M. . Civil Society Organizations Networks: Proposing an analysis tool. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e59010112108, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.12108. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12108. Acesso em: 26 feb. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences