They can get hurted: Struggles to combat gender prejudice in School Physical Education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.12946

Keywords:

Martial arts; Combat Sports; Fights; School Physical Education; Preconception; Genre.

Abstract

Currently, woman are still stigmatized in the sports field. Mainly, in what refers to the practice of Fighting, Martial Arts and Combat Sports (AM&EC). In the school context, scientific studies dealing with the interface between struggles and gender issues are scarce. This investigation sought to point out the meaning of student about female participation in classes of Struggles in Physical Education. The students of the 3rd year of high school answered a semi-structured questionnaire, before and after being submitted to six meetings that involved theoretical classes and subsequent practical classes, totaling 140 minutes, each meeting. The study took place at the Dom Ungarelli Educational Center, in Pinheiro-MA, in the classroom adapted with fighting mat and covered 13 modalities of Fights. The parents authorized us to participate, by signing the Free and Informed Consent Form (TCLE), excluding those who did not attend 75% of the class or did not answer the questionnaire. The results show that, preliminary, of the 150 students who participated in the study, 120 considered negative the participation of girls, because of the risk of getting hurt; only 19 judged them capable and 11 with equal rights to boys. Subsequently, all approved them in Fighting classes, 35 confirmed their capacity and 60 students began to recognize it as a practice in which girls also have right to participate; and we emphasize that 55 students acknowledge that the Struggles break the gender prejudice. Therefore, we conclude that the content Fighting/Martial Arts/Combat Sports can be an important educational tool in combating stereotypes and prejudices.

References

Alves, T. E. K. (2019). Entre espadas, floretes e sabres: uma história da civilização dos costumes na esgrima [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná].

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo (70a ed.), Almedina Brasil.

Beauvoir, S (1980). O segundo Sexo: Fatos e Mitos: Ed. Nova Fronteira.

Bourdieu, P. (1980). Le capital social: notes provisoires. Actes de la recherche en sciences sociales, 31(1), 2-3.

Brás, J. G. V. (2010). Corpo, sociedade e escola: sensibilidade educativa. Entretextos (20).

Camargo, W. X., & Kessler, C. S. (2017). Além do masculino/feminino: gênero, sexualidade, tecnologia e performance no esporte sob perspectiva crítica. Horizontes Antropológicos, 47, 191-225.

Cardoso, B. L. C., Cárdenas, C. J., & Sampaio, T. M. V. (2013). Limites e preconceitos em modalidades hegemonicamente masculinas: o caso do boxe feminino. In XVIII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte (Vol. 18). Anais do V Congresso Internacional de Ciências do Esporte.

Carvalho, R. S. (2019). Lutas, um Conteúdo para Educação Física Escolar: contribuições e perspectivas. [Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade Pitágoras de São Luís].

Casado, J. E. (1999). Aproximación histórico-conceptual a los deportes de lucha. In Introducción al judo (pp. 23-54). Editorial Hispano Europea.

COI. (2016). Comitê Olímpico Internacional. Women In The Olympic Movement. https://stillmed.olympic.org/Docu ments/Reference_documents_Factsheets/Women_in_Olympic_Movement.pdf.

Coledam, D. H. C., Ferraiol, P. F., Pires Junior, R., dos-Santos, J. W., & Oliveira, A. R. D. (2014). Prática esportiva e participação nas aulas de educação física: fatores associados em estudantes de Londrina, Paraná, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30, 533-545.

Conselho Nacional de Desportos. (1965). Deliberação nº 7-65, de 2 de agosto. Baixa instruções às entidades desportivas do país sobre a prática de desporto pelas mulheres. http://cev.org.br/biblioteca/deliberacao-n-7-2-agosto-1965/.

Costa, R. R. (2019). Pânico Moral e a Abordagem de Gênero nas Escolas. Cadernos de Gênero e Diversidade, 5(3), 53-66.

Da Silva Barros, P., & Queiroz, G. R. P. C (2020). O saber docente em tempos de ascensão do neoconservadorismo: como professores abordam gênero e sexualidade nas aulas de Ciências. Research, Society and Development, 9(8), e401985429-e401985429.

Souza, F. S. Da., & Menezes, N. M. S. (2019). “Só porque sou menina, não posso?”: o lugar do feminino nas aulas de Educação Física. Anais da Jornada de Educação Física do Estado de Goiás (ISSN 2675-2050), 1(2), 159-162.

Decreto-lei n° 89.406, de 20 de março de 1984. (1984). Conselho Nacional De Justiça baixa instruções às Entidades Desportivas do País, para a prática de desportos pelas mulheres. Legislação Sobre Esportes. Diário Oficial da União. Brasília.

Decreto-lei nº 3.199, de 14 de abril de 1941. (1941). Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o país. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro.

Do Prado, V. M., Altmann, H., & Ribeiro, A. I. M. (2016). Condutas Naturalizadas na Educação Física: uma questão de gênero?. Currículo Sem Fronteiras. 16(1), 59-77.

Dos Santos, J. B., Serra, H., & de Souza Pereira, A. (2019). Compreensão de estudantes do ensino médio sobre sedentarismo, nível de atividade física e exposição a comportamentos sedentários. Revista Thema, 16(4), 818-831.

Felipe, J. (2000). Infância, gênero e sexualidade. Educação & Realidade, 25(1).

Fernandes, V., Mourão, L., Goellner, S. V., & Grespan, C. L. (2015). Mulheres em combate: representações de feminilidades em lutadoras de Boxe e MMA. Revista da Educação Física/UEM, 26(3), 367-376.

Ferreira, T. J. (2016). A capoeira sob a ótica de gênero: o espaço de luta das mulheres nos grupos de capoeira. [Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Goiás].

Firmino, C. B. (2014). 'Sou atleta, sou mulher': a representação feminina sob análise das modalidades mais noticiadas nas olimpíadas de Londres 2012. [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista de Bauru].

Firmino, C. B., & de Souza Ventura, M. (2017). A evolução histórica da participação feminina nos Jogos Olímpicos da Era Moderna e a inclusão das mulheres no esporte de competição. Tríade: Revista de Comunicação, Cultura e Mídia, 5(10).

Furlan, C. C., & dos Santos, P. L. (2008). Futebol feminino e as barreiras do sexismo nas escolas: reflexões acerca da invisibilidade. Motrivivência, (30), 28-43.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a. ed.), Atlas.

Jardim, J. G. (2018). "It´s time"! MMA feminino, mercado da beleza e cis-heteronormatividade: uma etnografia multissituada com lutadoras brasileiras. [Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista de Marilia].

Ledur, J. A., Assmann, A. B., & Mazo, J. Z. (2018). Sumô: esporte de japonês em Ivoti/RS. Motrivivência, 30(56), 120-139.

Leite, D., Souza, S., & Pereira, B. (2017). Ser professor de educação física! Mais pedagogia ou empatia? In J. A. F. P. Junior (Org.), Conhecimentos do professor de educação física escolar (pp. 243-271). EdUECE.

Lima, D. R. (2017). A participação feminina no futebol nas aulas de Educação Física Escolar: Por quê não? [Trabalho de conclusão de curso, Universidade de Brasília].

Lima, K. E. S., de Medeiros Lima, L. C., & de Almeida, M. T. P. (2017) As lutas, artes marciais e esportes de combate, como conteúdo curricular e educativo nas aulas de educação física. In J. A. F. P. Junior (Org.), Conhecimentos do professor de educação física escolar (pp. 422-442). EdUECE.

Lins, B. A., Machado, B. F., & Escoural, M. (2016). Diferentes, não desiguais. Revista Volta, 20(2), 305-309.

Louro, G. L. (2018). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria quer. Autêntica.

Marivoet, S. (1997). Dinâmicas sociais nos envolvimentos desportivos. Sociologia – Problemas e Práticas (23), 101-113.

Marivoet, S. (2010). Sociological Approach on Sports Ethics in a Context of Social Change. Physical Culture and Sport. Studies and Research, XLIX, 39-52.

Marivoet, S. (2014). Inclusão Social no Desporto. Contributos para uma nova área de investigação. In: VIII Congresso Português de Sociologia, 40 anos de democracia(s): progressos, contradições e prospetivas. Évora; UE.

Ministério da Educação. (2015). Base Nacional Comum Curricular. Brasília, http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/conhecaDisciplina?disciplina

Miragaya, A. (2007). As mulheres nos Jogos Olímpicos: participação e inclusão social.

Rubio, K. (2018). O legado heroico do papel social do atleta. In: Da Costa, L. P., Corrêa, D., Villano, E. R. B., & Miragaya, A. (Orgs.) Legados e Mega eventos esportivos. Ministério do Esporte, Brasília. 217-226.

Miranda, A. L. F., & dos Reis, L. M. C. (2020). O conteúdo lutas nas aulas de Educação Física nas escolas de ensino fundamental do município de São Miguel do Guamá–PA: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação, 22(1), 120-136.

Mourão L., & Sebastião, V. (2005) Esporte e inclusão social – mulheres. In: Da Costa, L. P. (Org.) Atlas do esporte no Brasil. Atlas do esporte, educação física e atividades físicas e saúde e lazer no Brasil. 613-614.

Oliveira, F. P. (2011). Inserção da mulher no ambiente desportivo. Arquivos em Movimento, 2(1), 114-122.

Oliveira, J. P. D., & Leal, L. A. P. (2009). Capoeira, identidade e gênero: ensaios sobre a história social da capoeira no Brasil. Editora Da Universidade Federal Da Bahia.

Pereira, F. C. D. R., & Carneiro, F. F. B. (2016). Análise bibliográfica sobre a luta esportiva: gênero e motivação no taekwondo feminino. Revista Mineira de Educação Física, 24(2), 103-114.

Reis, T., & Eggert, E. (2017). Ideologia de gênero: uma falácia construída sobre os planos de educação brasileiros. Educação & Sociedade, 38(138), 9-26.

Rizzo, D. (2017). Esporte para todos ou quase todos? considerações sobre a prática esportiva educacional (1nd ed.). Editora das Faculdades Magsul – EdFAMAG.

Rodrigues, A. I. C., Baião Junior, A. A., Antunes, M. M., & Almeida, J. J. G. D. (2017). The perception of school directors in the city of Jaguariúna about combat sports. Journal of Physical Education, 28.

Rosa, M. V., de Oliveira Souza, M., & Borges, A. M. (2020). Preconceito contra a mulher na educação física escolar no nono ano. Revista Prâksis, 1, 102-117.

Rubio, K., & Simões, A. C. (1999). De espectadoras a protagonistas-A conquista do espaço esportivo pelas mulheres. Movimento (ESEFID/UFRGS), 5(11), 50-56.

Sacristán, J. G. (1998). O currículo: os conteúdos do ensino ou uma análise prática. Compreender e transformar o ensino, 4, 119-148.

Santana da Silva, G. O. (2019). As mulheres atletas de Mixed Martial Arts: Uma perspectiva de gênero. [Tese de Doutorado, Universidade do Porto].

Santos, F. M. B., Cardoso, G. E., & Sousa, F.E.V.S. (2019). Questões de gênero nas aulas de educação física: um bate-papo sobre o assunto com discentes do ensino médio de uma escola pública do município de Pedreiras-MA. In F. E. V. de. Souza (Org.), Reflexões sobre as questões de gênero nas aulas de Educação Física. 25-62. Pimenta Cultural.

Santos, S. L. C. D. (2012). Jogos de Oposição: ensino de Lutas na escola: Phorte Editora SA.

Silva, F. E. L., Mariano, E. R., Souza, S., Filho, S. O., & Rizzo, D. T. de S. (2020). Ressignificação das lutas na concepção de estudantes do ensino médio. 19(01), 101-109.

Silva, H. V. A. D., Nascimento, T. A. D., Lima, T. M. D., & Costa, A. D. S. (2019). The effect of an initiation to struggles structured program on the physical capacities, visual attention and school performance in elementary school children. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 41(2), 176-182.

Silva, J. D. (2017). Futebol de mulheres em Erechim: um estudo sobre (in) visibilidade e os limites da profissionalização. [Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade federal da Fronteira do Sul].

Silveira, V. T., & Vaz, A. F. (2016). Corpo feminino no esporte: entre heterossexualidade compulsória e lesbofobia. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36(2), 212-222.

So, M. R., Martins, M. Z., & Betti, M. (2018). As relações das meninas com os saberes das lutas nas aulas de Educação Física. Motrivivência, 30(56), 29-48.

Souza Júnior, O. M., & Darido, S. C. (2002). A prática do Futebol feminino no ensino fundamental. Motriz, 8(1), 1-9.

Terret, T. (2006). Le genre dans l’histoire du sport. Clio. Femmes, Genre, Histoire, 23, 1-21.

Uchoga, L. A. R., & Altmann, H. (2016). Educação física escolar e relações de gênero: diferentes modos de participar e arriscar-se nos conteúdos de aula. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 38(2), 163-170.

Published

04/03/2021

How to Cite

MARIANO, E. R. .; SILVA, F. E. L. da .; SOUZA, S. .; RIZZO, D. T. de S.; ROSA, V. A. V. .; MONTEIRO, L. F. . They can get hurted: Struggles to combat gender prejudice in School Physical Education . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e4410312946, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.12946. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12946. Acesso em: 12 apr. 2021.

Issue

Section

Education Sciences