Communication of nurses in childbirth care: the view of deaf women

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13575

Keywords:

Communication; Deafness; Parturition; Nursing; Nursing care.

Abstract

This study aims to understand the perception of deaf women about communication with nurses in childbirth care. This is an descriptive, exploratory study with a qualitative approach, carried out with nine deaf women. Data collection was carried out in the period from September to October 2019, through semi-structured interviews in Brazilian Sign Language, with the participation of an interpreter. For data analysis, the thematic content analysis was used. Two categories emerged from the interviews: barriers to healthcare for deaf women and communication strategies for nurses during the delivery of deaf women. The perception of deaf women evidenced the existence of obstacles in the nurses' communication process during childbirth, caused by the lack of knowledge on the Brazilian Sign Language, the absence of an interpreter in the hospital environment, the companion as interlocutor in communication and the use of masks. In turn, in an attempt to communicate with the deaf user, the nurses used gestures, orofacial reading and writing in Portuguese; however, these strategies were quite limited and have not been effective in providing quality communication. There is an urgent need to value, use and disseminate Brazilian Sign Language in the training and professional qualification of nurses, in order to make the possibility of dialogue happen, without interference from third parties as interlocutors in communication, contributing to the development of an ethical and humanized care.

References

Associação Brasileira de Normas e Técnicas (2008). NBR 15599: acessibilidade - comunicação na prestação de serviços. Rio de Janeiro: ABNT. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/sismob2/pdf/field_generico_imagens-filefield-description_21.pdf

Bardin L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Brasil. (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm Brasil. (2005). Presidência da República. Casa Civil. Decreto n°5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n°10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm

Brasil. (2015). Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Estatuto da Pessoa com Deficiência. Brasília: Diário Oficial da União. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Costa, A. A., Vogt, S. E., Ruas, E. D. F. G., Holzmann, A. P. F. & Silva, P. L. N. D. (2018). Acolher e escutar o silêncio: o cuidado de enfermagem sob a ótica da mulher surda durante a gestação, parto e puerpério. Rev. Pesqui (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 10(1), 123-129. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v10.5997

Gesser A. (2009). LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2015). Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE. https://www.ibge.gov.br/

Machado, W. C. A., Machado, D. A., Figueiredo, N. M. A., Tonini, T., Miranda, R. S. & Oliveira G. M. B. (2013). Língua de sinais: como a equipe de enfermagem interage para cuidar de clientes surdos?. Rev. Pesqui (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 5(3), 283-292. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-683564

Magrini, A. M. & Santos, T. M. M. (2014). Comunicação entre funcionários de uma unidade de saúde e pacientes surdos: um problema?. Distúrbios de comunicação, 26(3), 550-8.

Mazzarotto, I. H. E. K., Gonçalves, C. G .D .O., Bellia, C. G. D. L., Moretti, C. A. M. & Iantas, M. R. (2019). Integralidade do cuidado na atenção à saúde auditiva do adulto no SUS: acesso à reabilitação. Audiology-Communication Research, 24. https://doi.org/10.1590/2317-6431-2018-2009

Ministério da Saúde, Brasil. (2012). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde.

Oliveira, Y. C. A. D., Celino, S. D. D. M. & Costa, G. M. C. (2015). Comunicação como ferramenta essencial para assistência à saúde dos surdos. Physis: revista de saúde coletiva, 25(1), 307-320. https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000100017

Oyama, S. M. R., Terceiro, F. A. B. M. & Parazzi, L.C. (2017). Comunicação do enfermeiro docente na assistência a pessoas cegas e surdas. CuidArte, Enferm, 11(1), 78-85. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-31628

Pereira A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1

Peres, D., Boléo-Tomé, J. P. & Santos, G. (2020). Proteção Facial e Respiratória: Perspetivas Atuais no Contexto da Pandemia por COVID-19. Acta Médica Portuguesa, 33(13), 583-92. https://doi.org/10.20344/amp.14108

Pott, F. S., Stahlhoefer, T., Felix, J. V. C. & Meier, M. J. (2013). Medidas de conforto e comunicação nas ações de cuidado de enfermagem ao paciente crítico. Rev. bras. enferm, 66(2), 174-179. https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000200004

Quadros, R. M. & Karnopp, L. B. (2004). Língua Brasileira de Sinais: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed.

Quadros, R. M. & Schmiedt, M. L. P. (2006). Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP.

Rezende, R. D. C. D., Oliveira, R. M. P. D., Araújo, S. T. C. D., Guimarães, T. C. F., Santo, F. H. D. E., & Porto, I. S. (2015). Expressões corporais no cuidado: uma contribuição à Comunicação da Enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(3), 490-496. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2015680316i

Rodrigues, G. R. I., Loiola-Barreiro, C. M., Pereira, T., & Pomilio, M. C. A. (2015). A triagem auditiva neonatal antecipa o diagnóstico e a intervenção em crianças com perda auditiva?. Audiology-Communication Research, 20(3), 246-254. https://doi.org/10.1590/S2317-64312015000200001453

Silva, L. S. G. D., Gonçalves, C. G. D. O., & Soares, V. M. N. (2014). Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva: um estudo avaliativo a partir da cobertura de serviços e procedimentos diagnósticos. CoDAS, 26(3), 241-7. https://doi.org/10.1590/2317-1782/201420140440

Silva, M. de L., Silva , M. P. B., Leite , A. C., Melo, B. C., Santos , A. B. A. de S. ., Moura, L. C. de, Sobrinho, W. D., Santos, A. G. dos ., Moraes, R. dos S., Araujo, G. B., Amorim, A. P. ., Apolinário , J. M. dos S. da S., & Fagundes, G. R. S. (2021). As dificuldades encontradas na assistência à saúde às pessoas com surdez. Research, Society and Development, 10(2), e38910212372. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i2.12372

Silva, Ú., Fernandes, B. M., Paes, M. S. L., Souza, M. D. D., & Duque, D. A. A. (2016). O cuidado de enfermagem vivenciado por mulheres durante o parto na perspectiva da humanização. Rev. enferm. UFPE on line, 10(4), 1273-1279. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v10i4a11113p1273-1279-2016

Soares, I. P., de Lima, E. M. M., dos Santos, A. C. M., & Ferreira, C. B. (2018). Como eu falo com você? a comunicação do enfermeiro com o usuário surdo. Revista Baiana de Enfermagem, ‏32.

Strobel, K. (2009). História da educação de surdos. Florianópolis: UFSC. https://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/historiaDaEducacaoDeSurdos/assets/258/TextoBase_HistoriaEducacaoSurdos.pdf

Published

21/03/2021

How to Cite

REIS, D. E. C.; OLIVEIRA, Émile A. M.; SANTOS, F. P. dos A. Communication of nurses in childbirth care: the view of deaf women . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e41710313575, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13575. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13575. Acesso em: 12 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences