Perception of Medical students regarding the teaching of terminality

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13679

Keywords:

Medical education; Medical students; Terminal ill patients; Terminal care; Teaching; End of life.

Abstract

Care at the end of life brings out the need to know how terminality is seen in medical training, with special attention to students' behavoir. This gives us a better understanding of the factors associated with caring in the context of terminality. This cross-sectional study evaluated the assessment of the teaching of terminality of 347 students from the medical universities in Curitiba-PR, being composed by 72.8% of women and 43.8% of academics from the clinical period. Linear regression showed that female gender (β:-0.290; p<0.0001) and student satisfaction with their curriculum (β:-0.111; p=0.03) are the main predictors of positive attitudes towards terminality. Therefore, the role of universities in developing well-planned curricula focused on quality teaching is essential. Finally, the association with gender indicates the possibility of different models of care being present and some of them more aligned with terminality. 

Author Biographies

Micaella Wermelinger Telles de Menezes , Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Graduando em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Raisa Annibal Agostinho , Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Graduando em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Elis Cristine Bevian Graf , Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Graduando em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Camila Ament Giuliani Franco , Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutorado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (2019) na área de Educação Médica e Comunicação Clínica. Professora da Escola de Medicina na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Renato Soleiman Franco , Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutorado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (2018). Professor na Escola de Medicina e na Pós-Graduação em Bioética na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

References

Barzansky, B., Veloski, J. J., Miller, R., & Jonas, H. S. (1997). Education in end-of-life care during medical school and residency training. Academic Medicine, 74(10), 102–104.

Campos, F. E. de, Ferreira, J. R., Feuerwerker, L., Sena, R. R. de, Campos, J. J. B., Cordeiro, H., & Jr., L. C. (2001). Caminhos para Aproximar a Formação de Profissionais de Saúde das Necessidades da Atenção Básica. Revista Brasileira de Educação Médica, 25(2), 53–59.

Chaves, J. H. B., Mendonça, V. L. G. de, Pessini, L., Rego, G., & Nunes, R. (2011). Cuidados paliativos na prática médica: contexto bioético. Revista Dor, 12(3), 250–255.

Collet, N., & Rozendo, C. A. (2003). Humanização e trabalho na enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 56(2), 189–192.

Conselho Nacional de Educação - Câmara de Educação Superior. (2001). Resolução CNE/CES n° 4, de 7 de novembro de 2001 - Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial Da União, 4, 1–6. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004

Erdmann, A. L. (1993). Tendências dos sistemas organizacionais de enfermagem hospitalar: algumas contribuições. UFSC.

Fonseca, A., & Geovanini, F. (2013). Cuidados paliativos na formação do profissional da área de saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, 37(1), 120–125. https://doi.org/10.1590/s0100-55022013000100017

Gutierrez, P. L. (2001). O que é o paciente terminal. Revista Da Associação Médica Brasileira, 47(2), 85–109.

Kuhnen, T. A. (2014). A ética do cuidado como teoria feminista (pp. 1–9). Universidade Estadual de Londrina.

Lampert, J. B. (2009). Tendências de mudanças na formação médica no Brasil: tipologia das escolas (Hucitec (ed.); 2th ed.).

Marengo, M. O., Flávio, D. A., & Silva, R. H. A. da. (2009). Terminalidade de vida: bioética e humanização em saúde. Medicina (Riberão Preto), 42(3), 350–357.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Núcleo de Tecnologia Educacional da Universidade Federal de Santa Maria para os cursos da UAB (1st ed.). https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1

Pessini, L., & Hossne, W. S. (2010). Terminalidade da vida e o novo Código de Ética Médica. Revista Bioethikos, 4(2), 127–129.

Reich, W. T. (1995). History of the notion of care. Bioethics encyclopedia (2nd ed.). Macmillan Library.

Rosenthal, M. S., & Clay, M. (2017). Initiatives for responding to medical trainees’ moral distress about end-of-life cases. AMA Journal of Ethics, 19(6), 585–594. https://doi.org/10.1001/journalofethics.2017.19.6.stas1-1706

Souza, O. A. B., & Tavares, C. M. M. (2020). Humanização do processo de cuidar em enfermagem à pacientes em terminalidade da vida: não temos tempo a perder. Research, Society and Development, 9(8), http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i8.5572

Toledo, A P, Martinello, L. Z., & Priolli, D. G. (2010). Disciplina com foco primário em terminalidade da vida: sua obrigatoriedade é válida? (p. 131). Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês São Paulo.

Toledo, Andréia Padilha de, & Priolli, D. G. (2012). Cuidados no fim da vida: o ensino médico no Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, 36(1), 109–117. https://doi.org/10.1590/s0100-55022012000100015

Published

29/03/2021

How to Cite

MENEZES , M. . W. T. de; HILDEBRAND, S. S. .; AGOSTINHO , R. A. .; GRAF , E. C. B. .; FRANCO , C. A. G. .; FRANCO , R. S. . Perception of Medical students regarding the teaching of terminality. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e2510413679, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13679. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13679. Acesso em: 20 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences