Cocoa production as a means of income generation and environmental recovery of the atlantic forest

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13820

Keywords:

Cabruca system; Agroforestry system; Economic viability; MAPES.

Abstract

The south of Bahia has important remnants of the Atlantic Forest biome. There are two ways to preserve such remnants through conservation units and also through the cocoa production system (Theobroma cacao). The latter works under the native trees of the biome and faced a serious crisis, which began in the mid-1980s due to the negative trend of bulk cocoa prices in the international market and aggravated by the witches' broom pest (Moniliophtora perniciosa), of considerable negative impacts either on the productivity of the cocoa crop and / or by the use of natural resources. Research was carried out in order to identify solutions in case of the introduction of cocoa clones more tolerant to the harmful Moniliophtora. However, the introduction of the AgroFlorestal System (SAF) in MAPES presented the potential to encourage cocoa production in farmers, because according to the economic modeling proposed by this article, it demonstrated an economic viability in the twenty-year time projection. In addition to the financial returns, which exceeded the cost rates of the Agroforestry System composed of cocoa (exotic species) and 52 other individuals of native species, there is the possibility of increasing the native vegetation of the Atlantic Forest biome.

References

Andrade, D. C. & Fasiaben, M. C. R. (2009). A utilização dos instrumentos de política ambiental para a preservação do meio ambiente: o caso dos Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos (PSE). Revista REE [Uberlândia, MG], 24, (1).

Andrade, J. C. P. et al. (2015). A economia do cacau no Sul da Bahia. In: Gomes, A. S., & Pires, M. M. (Org.). Cacauicultura: estrutura produtiva, mercados e perspectivas. Ilhéus: Editus, 272 p.

Andrade, J. C. P. (Coord.) et al. (2020). Análise econômica da cadeia produtiva da recuperação da vegetação nativa na região do Mosaico de Áreas Protegidas do Extremo Sul da Bahia (MAPES). Brasília: Ministério do Meio Ambiente. http://cooperacaobrasil-alemanha.com/Mata_Atlantica/Analise-Cadeia-Economica_MAPES.pdf

Barbosa, F.A. et al. (2010). Produtividade e eficiência econômica de sistemas de produção de cria, recria e engorda de bovinos de corte na região sul do estado da Bahia. Arquivo Brasileiro Medicina de Veterinária e Zootecnia, 62, 677-685.

Bahia. (2014). Casa Civil. Decreto Nº 15.180 DE 02/06/2014 - Regulamenta a gestão das florestas e das demais formas de vegetação do Estado da Bahia, a conservação da vegetação nativa, o Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais - CEFIR, e dispõe acerca do Programa de Regularização Ambiental dos Imóveis Rurais do Estado da Bahia e dá outras providências. Diário Oficial do Estado da Bahia, 3 jun 2014.

Bahia. (2019). Sistema de Informações Municipais. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia. Salvador, 2019. http://sim.sei.ba.gov.br/sim/index.wsp

Brasil. (2013). Sistema Nacional de Cadastro Rural. INCRA. Brasília, DF, 2013. http://www.incra.gov.br/sites/default/files/uploads/estrutura-fundiaria/regularizacao-fundiaria/indices-cadastrais/indices_basicos_2013_por_municipio.pdf

Brasil. (2010). Ministério do Meio Ambiente. Portaria Nº 492, de 17 de dezembro de 2010. Brasília, DF, 2010. http://www.mma.gov.br/legislacao/areas-protegidas.html?download=825:portaria-n-492-de-17-de-dezembro-de-2010

Brasil. (2000). Presidência da República. Lei 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF, Diário Oficial da União, p. 1, 18/07/2000.

Brasil. (2012). Presidência da República. Lei 12.651 de 25/3/2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, DF, Diário Oficial da União, p. 1, 28/5/2012.

Brasil. (2019). Serviço Florestal Brasileiro. SICAR. Brasília, DF. http://www.car.gov.br/publico/imoveis/index.

Brito, D. M. C. et al. (2011). Conflitos socioambientais no século XXI. PRACS: Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, 4, 51-58.

Carvalho Júnior, J. N. (2011). Diagnóstico da pecuária leiteira na microrregião de Itapetinga-Bahia. Itapetinga-BA: UESB, 119 fl.

Castro, A. M. G., Lima, S.M. V. & Cristo, C. M. P. N. (2002). Cadeia produtiva: marco conceitual para apoiar a prospecção tecnológica. In: XXII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. http://fcf.unse.edu.ar/archivos/posgrado/2002.cadeiaprodutiva.marcoconceitual.prospeccaotecnologica.pdf.

Cerqueira Neto, S. P. G. (2012). Três décadas de eucalipto no Extremo Sul da Bahia. GEOUSP - Espaço e Tempo, 31, 55 - 68.

Constanza, R. et al. (1998) The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Ecological Economics, Solomons, 25(1):3-15.

Dortzbach, D. et al. (2021). Impacto do código florestal e da lei da Mata Atlântica em áreas de mata ciliar de propriedades rurais do Estado de Santa Catarina. Research, Society and Development, 10(2), 1-14.

Ferreira, C. L. R., Pereira, K. A. & Logarezzi, A. J. M. (2019). Territorialização no Extremo Sul na Bahia e Conflitos Socioambientais: disputando modelos de educação e desenvolvimento. Geosul, 34(71), 739-764.

Lima, R. M. & Shiraishi Neto, J. (2015). Conflitos socioambientais: o direito ambiental como legitimador da atuação do estado no Jardim Icaraí, Curitiba. Ambiente & Sociedade, 18(2), 133-148.

Little, P. E. (2006). Ecologia política como etnografia: um guia teórico e metodológico. Horizontes Antropológicos, 12(25), 85-103.

Lobão, D. E. & Valeri, S. V. (2009). Sistema cacau-cabruca: conservação de espécies arbóreas da floresta atlântica. Agrotrópica, 21(1), 43-54.

Mandarino, E. P. & Gomes, A. R. S. (2009). Produtividade do cacaueiro (Theobroma cacau L.) cultivados em blocos monoclonais, no sul da Bahia, Brasil. Ilhéus, CEPLAC/CEPEC. Boletim Técnico. 197, 32p.

MAPBIOMAS. Estatísticas. MapBiomas, 2019. https://mapbiomas.org/estatisticas.

Muñoz-Sáez, A, Perez-Quezada J. F. & Estades, C. F. (2017). Agricultural landscapes as habitat for birds in central Chile 2017. Rev Chil Hist Nat, 90:3.

Pardini, R. (2004). Effects of forest fragmentation on small mammals in an Atlantic Forest landscape. Biodiversity and Conservation, 13: 2567-2586.

Rocha, L. B. (2008). A região cacaueira da Bahia – dos coronéis à vassoura de bruxa: saga, percepção, representação. Ilhéus: Editus.

Rolim, S. G. & Piotto, D. (Editores). (2018). Silvicultura e tecnologia de espécies da Mata Atlântica. Belo Horizonte, Editora Rona, 160 p.

Schroth, G., Bede, L.C. & Paiva, A. O. et al (2015). Contribution of agroforests to landscape carbon storage. Mitig Adapt Strateg Glob Change, 20, 1175–1190.

Shackelford G. E. et al. (2015). Conservation planning in agricultural landscapes: Hotspots of conflict between agriculture and nature. Diversity and Distributions, 21, 357–367.

Siqueira, R. P. et al. (2021). Viabilidade econômica da produção da tilápia do Nilo como atividade secundária em propriedades rurais no Estado do Rio de Janeiro. Research, Society and Development, 10(2), 1-17.

Virgens Filho, A. C. (2017). Sistemas Agroflorestais (SAFs) com a Seringueira. V Encontro Técnico Nacional de Heveicultura Barretos, São Paulo, 24 de novembro.https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/www/gdsv/conteudoPalestras/V-Encontro-2017/09-sistemasagroflorestaiscomaseringueira-AdoniasdeCastroVirgensFilho.pdf .

Published

10/04/2021

How to Cite

ANDRADE, J. C. de P.; SOUZA, P. S. V. N.; ESTIVAL, K. G. S. .; MARQUES, A. C.; SCHIAVETTI, A.; BENAVIDES, Z. A. C.; VOGEL, J. M. . Cocoa production as a means of income generation and environmental recovery of the atlantic forest. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e25110413820, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13820. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13820. Acesso em: 15 may. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences