Experimental investigative activities and the ability to propose hypotheses in initial teachers training

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14285

Keywords:

Teaching; Investigative activities; Scientific abilities; Teacher training.

Abstract

In this work, we seek to identify the contributions of experimental investigative activities to the development of the scientific ability to propose hypotheses in undergraduate Physics and Chemistry students. We conducted a qualitative research with 20 participants of the courses of an Federal University in the North of Brazil. By a workshop with investigative experimentation in the laboratory, the students elaborated their hypotheses and carried out the experiments. Data were collected through written activities of each activity performed and interviews that were analyzed, respectively, by rubrics and Textual Discursive Analysis. We found that experimental investigative activities are a promising alternative to develop the ability to elaborate hypotheses, however the research shows that this skill needs to be worked on by activities with a longer duration.

Author Biographies

Lucenir da Silva Frazão, Universidade Federal do Amazonas

Licenciado em Química - UEA (2010), Professor da Rede Estadual de Educação do Amazonas (2011), Mestre em Ensino de Ciências e matemática - UFAM (2020), Supervisor do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência- PIBID (2020) na Escola Estadual Professor  Sebastião Augusto Loureiro Filho em Manaus/AM.

Marta Silva dos Santos Gusmão, Universidade Federal do Amazonas

Possui graduação em Licenciatura em Física pela Universidade Federal do Amazonas (1984), graduação em Tecnologia em Eletrônica pelo Instituto de Tecnologia do Amazonas (UTAM-1984), mestrado em Física Básica pelo Instituto de Física de São Carlos - USP (1989) e doutorado em Física pela University of Tennessee (1996, USA), Pós-Doutorado em 2016, em Denton, TX, USA. Atualmente, é professora Titular da Universidade Federal do Amazonas. Foi coordenadora dos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Física, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Física da UFAM e do Programa de Pós-Graduação em Ensino Ciências e Matemática. Tem experiência na área de Física da Matéria Condensada com ênfase em Propriedades Semicondutores utilizando DFA, e atualmente, estuda argilas minerais com substituição química de seus constituintes para aplicações tecnológicas. Membro permanente do mestrado em Ensino de Ciências e Matemática e do Programa de pós-graduação de Física da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). foi Avaliadora no PNDL de Física em 2012 e 2015. Atua na área de Formação de Professores e na Novas Tecnologias para o Ensino de Ciências. Foi coordenadora de Física do Programa de Iniciação à Docência (PIBID/UFAM), de 2007 a 2014, coordenou mais 60 bolsistas em 4 Escolas Estaduais do Estado do Amazonas.

Ettore Paredes Antunes, Universidade Federal do Amazonas

Químico, mestre em Química (Físico-Química) e Doutor em Química na área de Ensino de Química. Atualmente docente na Universidade Federal do Amazonas - UFAM, Manaus. Têm interesse em pesquisas na intersecção entre as áreas da História, Filosofia, Psicologia e Sociologia da Ciência e o Ensino de Química e também em Metodologias Ativas para o Ensino de Química, como a Metodologia Investigativa. Atualmente é colaborador no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM) da UFAM.

References

Bachelard, G. (1996). A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Contraponto.

Becker, F. (2010). Ensino e Pesquisa: qual a relação? In: Becker, F., & Marques, T. B. I. (Orgs). Ser professor é ser pesquisador. (p.11-20) Porto Alegre: Mediação.

Borges, A. T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de Ciências. Caderno Brasileiro De Ensino De Física, 19 (3), 291-313. https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6607

Brasil, (1997). Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Fundamental, Brasília.

Brasil, (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Secretaria de Educação Básica, Brasília.

Brasil, (2019). Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial de professores: Base Nacional Comum para a Formação. Secretaria de Educação Básica, Brasília.

Carvalho, A. M. P., & Gil-pérez, D. (2011). Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. Coleção Questões da nossa época. (10a ed.), Cortez.

Carvalho, A. M. P. (2013). O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: Carvalho, A. M. P . (Org). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. (p.1-20).São Paulo: Cengage Learning.

Chassot, A. (2018). Para que(m) é útil o ensino? (4a ed.), Unijuí.

Creswell, L. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Magda Lopes (3a ed.), Artmed.

Demo, P. (2014). Educação científica. Revista Brasileira de Iniciação Científica, 1 (1), 2-22. https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/IC/article/view/10/421

Etkina, E. et al (2006). Scientific abilities and their assessment. Physical Review Special Topics – Physics Education Research, 2 (2), 1-15. http://dx.doi.org/10.1103/PhysRevSTPER.2.020103

Etkina, E., Karelina, A., & Ruibal-Villasenor, M. (2008). How long does it take? A study of student acquisition of scientific abilities. Physical Review Special Topics – Physics Education Research, 4(2), 1-15.

http://dx.doi.org/10.1103/PhysRevSTPER.4.020108

Hodson, D. Experiment in Science and Science teaching (1988). Educational Philosophy and Theory, 20 (2), 53-66. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-5812.1988.tb00144.x

Kasseboehmer, A. C., Hartwing, D. R., & Ferreira, L. H. (2015). Contém Química 2: Pensar, fazer e aprender pelo método investigativo. Pedro e João.

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2016). Análise textual discursiva. (3a ed.), Unijuí

Munford, D., & Lima, M. E. C. C. (2007). Ensinar ciências por investigação em quê estamos de acordo. Ensaio Pesquisa em Ensino de Ciências, 9 (1), 89-111. https://doi.org/10.1590/1983-21172007090107

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar.Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Artes Médicas Sul.

Pérez, D. G. et al (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação. Bauru. 7 (2), 125-153. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000200001

Praia, J., Cachapuz, A., & Gil-Pérez, D. (2002). A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação. Bauru. 8(2), 253-262. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132002000200009

Silva, R. R., Machado, P. F. L., & Tunes, E. (2010). Experimentar sem medo de errar. In: Santos, W. L. P. dos & Maldaner O. A.(Orgs). Ensino de Química em Foco. (p.213-261). Ijuí: Unijuí.

Suart, R. de C., & Marcondes, M. E. R. (2008). As habilidades cognitivas manifestadas por alunos do ensino médio de química em uma atividade experimental investigativa. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências. 8(2), 1-22. https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4022

Suart, R. de C., & Marcondes, M. E. R. (2009). A manifestação de habilidades cognitivas em atividades experimentais investigativas no ensino médio de química. Ciências & Cognição, 14 (1), 50-74. http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/38

Published

22/04/2021

How to Cite

FRAZÃO, L. da S.; GUSMÃO, M. S. dos S.; ANTUNES, E. P. Experimental investigative activities and the ability to propose hypotheses in initial teachers training . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e54210414285, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14285. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14285. Acesso em: 7 may. 2021.

Issue

Section

Education Sciences