The care of Children and Adolescents victims of sexual abuse: An analysis in the Júlio De Castilhos/RS region

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15161

Keywords:

Attendance; Child’s-Juveniles; Normalization; Protocol; Sexual violence.

Abstract

Children and adolescents are the main victims of violence, because they are in a special condition of development and in most episodes they are victims of violence practiced by relatives or people who should protect them. The nature of the consequences are variable because it will depend very much on the type of care that this victim received and continues to receive throughout life, given that there may be consequences in the short, medium and long term. Thus, this scientific article deals with a verification regarding the application of the protocol provided for in Law 13.431/2017, the Protected Listening Law, in the care of children and adolescents victims of sexual abuse, in the Municipality of Júlio de Castilhos/RS. Regarding the methodology used in the present study, this is a qualitative bibliographical research, since it used doctrines, articles and articles published in newspapers, legal and scientific journals and in virtual environment (internet), as well as field research was carried out, which sought to analyze whether the implementation of a protocol of care for children and adolescents victims of sexual abuse was carried out at the Municipal Office. Thus, the results demonstrate, from the collected data, that there is no legal prediction about this standardization in the Municipality of Júlio de Castilhos, nor does there exist a protocol of attendance with the flows of these services, which means that the attendances are not performed in accordance with the provisions of Law 13.431/2017.

References

Amim, A. R., Santos, A. M. S., Moraes. B. M., & Maciel. K. R. F. L. A. (2017). Curso de direito da criança e do adolescente: aspectos teóricos e práticos. 1(10). Saraiva.

Antoni, C. (2011). Abuso sexual extra familiar: percepções das mães de vítimas. Estud. psicol. Campinas. 28(1), 97-106. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103166X2011000100010&lng=en&nrm=iso.

Assis, S. G., & Constantino, P. (2001). A vitimização sexual. In: Filhas do mundo: infração juvenil feminina no Rio de Janeiro [online]. (pp. 123-133). FIOCRUZ. https://static.scielo.org/scielobooks/vjcdj/pdf/assis-9788575413234.pdf.

Brasil. Conselho Nacional de Justiça. (2017). CNJ Serviço: mitos e verdades do depoimento especial de crianças. http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/85491-cnjservico-mito-e-verdade-do-depoimento-especial-de-criancas.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

Brasil. (1927). Decreto nº 17.943. Consolida as leis de assistência e proteção a menores. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/19101929/D17943A.htm.

Brasil. (1979). Lei nº 6.697. Institui o Código de Menores. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13431.htm.

Brasil. (1990). Lei nº 8.069. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm.

Brasil. (2017). Lei nº 13.431. Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13431.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. (2018). Organização Mundial da Saúde – OMS. OMS aborda consequências da violência sexual para saúde das mulheres. https://nacoesunidas.org/oms-aborda-consequencias-da-violencia-sexual-para-saude-dasmulheres/.

Brasil. Ministério da Justiça. (2014). Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA. Resolução N.º 169. http://www.direitosdacrianca.gov.br/conanda/resolucoes/169-resolucao-169-de-13-denovembro-de-2014/view.

Childhood Brasil. (2013). Entenda a diferença entre abuso e exploração sexual. https://www.childhood.org.br/entenda-a-diferenca-entre-abuso-e-exploracao-sexual.

Cunha, R. S. (2019). Leis penais especiais: comentadas artigo por artigo. 1(2). JusPODIVM.

Cunha, R. S. (2019). Manual de direito penal: parte especial (arts. 121 ao 361). 1(11). JusPODIVM.

Digiácomo, M. J., & Digiácomo, E. (2018). Comentários à Lei nº 13.431/2017. Ministério Público do Paraná. http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/caopca/lei_13431_comentada_jun2018. Pdf.

Facuri, C. O. (2013). Violência sexual: estudo descritivo sobre as vítimas e o atendimento em um serviço universitário de referência no Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 29(5), 889-98. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000500008&lng=en&nrm=iso.

Faleiros, V. P. (2003). Abuso sexual de crianças e adolescentes: trama, drama e trauma. Campinas. Serv. Soc. & Saúde. 2(1), 65-82.

Ferreira, L. A. M., & Doi, C. T. (2018). A proteção integral das crianças e dos adolescentes vítimas. http://www.crianca.mppr.mp.br/pagina1222.html.

Florentino, B. R. B. (2015). As possíveis consequências do abuso sexual praticado contra crianças e adolescentes. Fractal, Rev. Psicol. 27(2), 139-144. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198402922015000200139&lng=pt&nrm=iso.

Fundo das Nações Unidas para a Infância – Unicef. (2018). A cada 7 minutos, uma criança ou um adolescente morre vítima da violência. https://www.unicef.org/brazil/pt/media_37371.html.

Gonçalves, C. (2012). Direito Civil Brasileiro: Parte Geral. 1(10). Saraiva.

Habigzang, L. F., & Caminha, R. M. (2004). Abuso sexual contra crianças e adolescentes: conceituação e intervenção clínica. 1. Casa do Psicólogo. https://www.passeidireto.com/arquivo/39436762/habigzang-caminha-2004-abuso-sexual-contra-criancas-e-adolescentes-conceituacao.

Ishida, V. K. (2019). Estatuto da Criança e do Adolescente: Doutrina e Jurisprudência. 1(20). JusPODIVM.

Maia, C. C. M. (2018). No limite do progresso. Proteção e Direitos da criança e do adolescente. http://www.conjur.com.br/2010-abr-08/doutrina-protecaointegral-direitos-crianca-adolescente.

Minayo, M. C. S. (1983). Quantitativo-Qualitativo: oposição ou complementaridade. Cadernos de Saúde Pública. 9(3), 239-62.

Moraes, G. M. (2015). Abuso Sexual Infantil E Pedofilia: Perspectivas Psicológicas, Aspectos Penais E Sanções Controversas. Monografia final de curso de Bacharel em Direito - Universidade Federal de Santa Maria, 1-61.

Neri, C., & Oliveira, L. C. (2010). A doutrina da situação irregular e a doutrina da proteção integral: infância e adolescência sob controle e proteção do estado. http://cacphp.unioeste.br/eventos/iisimposioeducacao/anais/trabalhos/221.pdf.

Perez, J. R. R., & Passone, E. F. (2010). Políticas sociais de atendimento às crianças e adolescentes no Brasil. Cad. Pesqui. 40(140), 649-673. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010015742010000200017&lng=en&nrm=iso.

Popper, K. S. (1975). A lógica da pesquisa científica. 1(2). Cultrix.

Ramborger, L. R. (2015). As consequências do descumprimento das obrigações inerentes ao poder familiar e a intervenção do Estado. Trabalho de Conclusão de Curso de Bacharel em Direito - Universidade de Cruz Alta, 1-33.

Rossato, L. A., Lépore, P. E., & Cunha, R. S. (2014). Estatuto da criança e do adolescente comentado artigo por artigo. 1(6). Revista dos Tribunais.

Santos, A. R., & Coimbra, J. C. (2017). O Depoimento Judicial de Crianças e Adolescentes entre Apoio e Inquirição. Psicol. cienc. prof., Brasília. 37(3), 595-607. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141498932017000300595&lng=pt&nrm=iso.

Vargas, R. (2015). Princípio do melhor interesse da criança e do adolescente nos processos de família. Monografia final de curso de Bacharel em Direito - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande Do Sul, 1-70.

Published

29/05/2021

How to Cite

SANTOS, N. da R.; KEITEL, A. S. P. .; NEUBAUER, V. S.; VEIGA, D. J. S. da .; GOMES, A. A. .; LINCK, I. M. D. . The care of Children and Adolescents victims of sexual abuse: An analysis in the Júlio De Castilhos/RS region. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e24210615161, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15161. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15161. Acesso em: 23 jun. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences