Use of anabolic steroids by gymgoers: Reasons and perspectives

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15735

Keywords:

Academia; Aging; Anabolic steroids.

Abstract

Introduction: The media, the gym and the practice of bodybuilding are contributing factors to the influence of the search for a perfect body in the young population. With the popularization of social networks, fitness muses, bloggers and models are great incentives for the consumption and sale of supplements, vitamins and anabolics, without any scientific evidence or recommendation from a health professional. Objective: in this research, carried out with gym goers, we sought to analyze the relationship between motivation and expectation of the use of anabolic steroids and aging. Methods: Research of an applied and exploratory nature, with a qualitative approach, using a semi-structured interview as a procedure for data collection. Individuals using male anabolic steroids were evaluated. The data were extracted through content analysis. Results: 18 male individuals participated in the research, with an average age of 28 years; 72% are single; the majority with graduation and family income varying from 4 to 10 thousand reais. As for the use of steroids, the data showed that their use goes, initially, from aesthetics to a use of a psychological nature, as it helps them to overcome past traumas. We consider this to be the reason why individuals did not relate the use to future consequences (aging) but as partly personal satisfaction. Conclusion: Individuals seek the gym due to the fact of problems with acceptance of the body in childhood or adolescence, seeking quick results to be better seen in society.

Author Biographies

Claudiana Marcela Siste Charal, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Promoção da Saúde, na Instituição de Ensino Unicesumar (2017), graduada Licenciatura Plena em Educação Física no Centro de Ensino Superior de Maringá (2005). Experiências na área da Educação Física Bacharel em academias, idosos, gestão, ginástica coletiva e personal trainer. Atualmente atua na área da Licenciatura da Educação Física, no Ensino Superior como Tutora/Mediador Pedagógica e participa como integrante do grupo de pesquisa do Núcleo de Estudos Multiprofissional da Obesidade (NEMO), na Universidade Estadual de Maringá (UEM), Professora orientadora de trabalho de conclusão de curso da Pós-Graduação (UniFCV).

Fernando Carlos Messias Freire, Universidade Estadual de Maringá

Possui Graduação em Física (2001), Mestrado em Física (2004) e Doutorado (2008) em Física pela Universidade Estadual de Maringá, na qual desenvolveu um ano de estágio de doutoramento na Italia (Politecnico di Torino). Em (2009) finalizou o estagio de Pos-Doutorado no Departamento de Física do Politecnico di Torino (Italia). Atualmente trabalha como Professor Associado na Universidade Estadual de Maringá e atualmente Coordenador do Curso Graduação em Física. Já foi membro do corpo docente da Pós-Graduação mas permanece na orientação de alunos de Mestrado e Doutorado. Tem experiência na área de Física, com ênfase Flúidos Complexos, atuando principalmente nos seguintes temas: Cristais líquidos (teoria elástica-contínua), dinâmica de íons em células eletrolíticas, fluido corporal simulado (SBF), adsorção iônica, impedância elétrica (teórica e experimental) e cálculo com simulações numéricas.

Eduardo Gauze Alexandrino, Unicesumar

Mestre em Promoção da Saúde Unicesumar 

Danilo Francisco da Silva Marçal, Centro Universitário de Maringá

Mestre em Promoção da Saúde (Unicesumar 2017)

Greice Westphal, Universidade Estadual de Maringá

Aluna regular de Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física UEM/UEL - Orientador: Prof. Dr. Nelson Nardo Junior. Foi bolsista ATP-A/CNPQ Projeto: 443353/2016-6 Ensaio de Eficácia de um Programa de Orientação para Mudança de Hábitos alimentares e de Atividade Física em Adultos com Sobrepeso e Obesidade Abdominal de Três Países da América do Sul: Estudo BRAASUL, vinculado a Universidade Estadual de Maringá, pelo Núcleo de Estudos Multiprofissional da Obesidade-NEMO/HUM/UEM. Mestre pelo Curso de Ciências do Movimento Humano da Faculdade de Ciências de Saúde, pela Universidade Metodista de Piracicaba (2017) - Linha de pesquisa Avaliação e Reabilitação Funcional - Foi bolsista da(o): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Especialista em Educação Física Escolar, Recreação, Fisiologia do Exercício e Saúde pela Associação Catarinense de Ensino Faculdade Guilherme Guimbala (2011). Graduada em Educação Física pela Universidade do Vale do Itajaí (2010). Atualmente participa do Núcleo de Estudos Multiprofissional da Obesidade (NEMO) na Universidade Estadual de Maringá (UEM) como membro do grupo de pesquisa. É integrante da Canadian Obesity Network (CON). É Coordenadora de Engajamento no programa Otimizando o Tratamento e Gerenciamento da Obesidade (OPTiMO) em parceria com o MDBriefCase, em Toronto - Canadá. Bolsista técnica do laboratório NEMO pelo projeto: Ensaio de eficácia de um programa de orientação para a mudança de hábitos alimentares e de atividade física em adultos com sobrepeso e obesidade abdominal de três países da América do Sul: Estudo BRAASUL (Colômbia, Brasil e Chile). Atua principalmente nos seguintes temas: Obesidade, Fisiologia do Exercício, Avaliação e Reabilitação Funcional e Atividade Física.

Maria Luiza Costa Borim, Universidade Estadual de Maringá

Graduada em Educação Física Licenciatura pela Universidade Estadual de Maringá (2020), Graduanda em Educação Física Bacharelado pelo Centro universitário Leonardo da Vinci (2020). Vinculado a Universidade Estadual de Maringá, pelo Núcleo de Estudos Multiprofissional da Obesidade-NEMO/HUM/UEM. Aluna Não-Regular do Mestrado em Educação Física UEM, Na Disciplina de Metodologia do Ensino Superior (2020). Atualmente participa do Núcleo de Estudos Multiprofissional da Obesidade (NEMO) na Universidade Estadual de Maringá (UEM) como membro do grupo de pesquisa. Vinculo empregatício com o Studio One More- acessória em musculação, como estagiaria, com carga horaria diária de 6 horas, 5 vezes na semana, desde 2019. Atua principalmente nos seguintes temas: Obesidade, Exercício Físico e Atividade Física

Cesar Faundez Casanova, Universidad Católica del Maule

Possui graduação em Pedagógia en Educación Física, com especialidade em Fisiología do esportista - Universidad Católica del Maule (2007) e mestrado em Ciencias da Atividade Física - Universidad Católica del Maule (2012). Atualmente é academico da Faculdade de Ciencias da Educação - Universidad Católica del Maule. Tem experiência na área de Educação Física, treinamento esportivo, didática do atletismo, necessidades educativas especiais e formação inicial de professores. 

Mario Moreira Castilho, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá- PR - (1992), Mestrado em Promoção da Saúde - Envelhecimento Ativo com o tema: Influência do Envelhecimento Sobre o Condicionamento Físico de Bombeiros Militares de Maringá - PR.- (2013). Orientador Professor Dr. Joaquim Martins Júnior. Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Física da UEM com o tema: Efeitos de um Programa Multiprofissional de Tratamento da Obesidade Sobre Parâmetros Bioquímicos e de Aptidão Física em Adultos com Obesidade Severa (2021). Orientador Professor Dr. Nelson Nardo Júnior. Participante do NEMO (Núcleo de Estudos Multiprofissional da Obesidade). Atualmente é Sargento - Polícia Militar do Estado do Paraná. Tem experiência na área de Educação Física, atuando principalmente nos projetos de: Obesidade, Maratona de Revezamento, Bombeiros por 24 horas, Prova Rústica Tiradentes, Dia Desafio e DUATLHON.

Ricardo Souza de Carvalho, Universidad Católica del Maule

Possui doutorado em Doctorado en Educación pela Universidad Academia de Humanismo Cristiana(2018). Atualmente é Professor da Universidad Catolica del Malue. Tem experiência na área de Educação Física

Nelson Nardo Junior, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - FCT - Pres. Prudente-SP (1994), mestrado em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - IB - Rio Claro-SP (1998) e doutorado em Nutrição Humana Aplicada pela Universidade de São Paulo (2005). Realizou, no período de 2011-2012, estágio de pós-doutorado na University of Ottawa-Canada na Behavioral and Metabolic Research Unit e no ano de 2015 no Research Institute do Children's Hospital of Eastern Ontario. Professor associado da Universidade Estadual de Maringá, Coordenador do Programa Associado de Pós-Graduação em Educação Física UEM/UEL no período 2012-2014, Coordenador do Núcleo de Estudos Multiprofissional da Obesidade (NEMO) e integrante da Canadian Obesity Network (CON). Foi diretor adjunto do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Maringá (2016-2020). Atualmente é Chefe do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual de Maringá (2020-2022). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase na área da Atividade Física relacionada à Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Promoção da Saúde, prevenção e tratamento de doenças crônicas não transmissíveis, tratamento multiprofissional da obesidade e doenças associadas, atividade física, aptidão física, composição corporal e controle metabólico. 

Sônia Cristina Dias Soares Vermelho, Universidade Federal do Rio de Janeiro

ORIENTADORA DE MESTRADO/DOUTORADO. Possui graduação em Processamento de Dados pela Universidade Positivo (1993), mestrado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998) e doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). Fez Pós-Doutorado no INESC/Universidade do Porto, Portugal no Laboratório de Sistemas de Informação e Computação Gráfica (2014). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde vinculado ao Núcleo de Tecnologia Educacional para Saúde - NUTES, no Laboratório de Linguagens e Mediações. Tem experiência na área de Educação superior e pós-graduação. As áreas de interesse de pesquisa: Mídia-Educação, Educação em Ciências e Saúde na formação para emancipação e autonomia, juventude e cidadania cultural, produção cultural e a formação do sujeito na contemporaneidade, pesquisa-formação, pesquisa participante, Teoria crítica.

Flávio Bortolozzi, Centro Universitário de Maringá

Graduado em Matemática pela PUCPR (1976) e Engenharia Civil (1981) e Doutor em Engenharia de Sistemas Informática - Universitè de Technologie de Compiègne ? França (1991). É consultor do CNPq, da CAPES e de Fundações de Amparo a Pesquisa. Colaborador do Institute of Electrical and Electronics Engineers ? IEEE e da Association for Computing Machinery - ACM, professor titular do da Universidade UniCesumar. Avaliador de diversas revistas cientificas. Professor aposentado da Universidade Federal Tecnológica do Paraná (UTFPR) atuando na área de informática. Foi professor titular na PUCPR atuando no Programa de Mestrado e Doutorado em Informática ? PPGIA. Foi Pró-reitor pesquisa, pós-graduação e extensão da PUCPR e da UniCesumar. É professor do Mestrado / Doutorado em Promoção da Saúde ? Tecnologias em Saúde e do Mestrado em Gestão do Conhecimento nas Organizações (ambos na UniCesumar). Foi bolsista de Produtividade 1 e 2 do CNPq por mais de 20. É pesquisador do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação. Com experiência acadêmica e científica na área de Ciência da Computação, com ênfase em Processamento, Análise e Reconhecimento de Imagens. Desenvolve pesquisas em reconstrução de imagens 3D na área médica e atua nos temas relacionados a classificadores e aprendizagem de máquina. Na UniCesumar atua em pesquisas nas áreas de Gestão e Engenharia do Conhecimento e Tecnologias em saúde. Aposentado da Universidade Tecnologia Federal do Paraná e da PUCPR. Desenvolveu por mais de 20 anos projetos de pesquisa e bi titulação no nível de Mestrado e Doutorado com as Universidade de Tecnologia de Compiègne - França e a com Escola de Tecnologia do Quebec/Universidade de Quebec ? Montreal ? Canada, além de diversos projetos no Brasil.

References

Abrahin, O. S. C., Souza, N. S. F., Sousa, E. C. de, Moreira, J. K. R., & Nascimento, V. C. do. (2013). Prevalência do uso e conhecimento de esteroides anabolizantes androgênicos por estudantes e professores de educação física que atuam em academias de ginástica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 19(1), 27–30. https://doi.org/10.1590/s1517-86922013000100005

Araújo, J. (2003). O Uso De Esteroides Androgênicos Anabolizantes Entre Estudantes Do Ensino Médio No Distrito Federal. 1–90.

Balbino, G. (2015). Insatisfação corporal e o uso de esteróides anabólicos em homens praticantes de musculação. Aleph.

Basaria. (2010). Androgen abuse in athletes: Detection and consequences. Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, 95(4),1533–1543. http://www.embase.com/search/results?subaction=viewrecord&from=export&id=L359230762%5Cnhttp://jcem.endojournals.org/cgi/reprint/95/4/1533%5Cnhttp://dx.doi.org/10.1210/jc.2009-1579%5Cnhttp://sfx.library.uu.nl/utrecht?sid=EMBASE&issn=0021972X&id=doi:10.1210%2Fjc.200

Boff, S. R. (2010). Esteróides Anabólicos e Exercício: Ação e Efeitos Colaterais. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 18(1), 81–88. https://doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v18n1p81-88

Cabral, P. R. F., Nascimento, J. G. N. Do, Nunes, J. R. D. S., & Pereira Júnior, J. C. (2020). O uso de anabolizantes e suplementos alimentares por frequentadores de uma academia no município de Cuiabá – MT sob o olhar da biomedicina. Research, Society and Development, 9(11), e1159119531. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9531

Cardoso, D. S., & Cardozo, M. A. V. (2014). Corpo, contemporaneidade e representações: academia porque? Omnia Saúde, 11(1), 58–80. www.fai.com.br

Castilho, M. M., Westphal, G., Thon, R. A., Pereira, I. A. S., Martins, F. M., Amaral, M. F. do, Okawa, R. T. P., & Nardo Junior, N. (2021). Efeitos de um programa multiprofissional de tratamento da obesidade no ambiente aquático em adultos com obesidade severa. Research, Society and Development, 10(1), e12910111636. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11636

Cecchetto, F., de Moraes, D. R., & de Farias, P. S. (2012). Distintos enfoques sobre esteroides anabolizantes: Riscos à saúde e hipermasculinidade. Interface: Communication, Health, Education, 16(41), 369–382. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000008

Cordeiro, J., Del Castillo, B. L., Freitas, C. S. de, & Gonçalves, M. P. (2014). Efeitos da atividade física na memória declarativa, capacidade funcional e qualidade de vida em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17(3), 541–552. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.13006

de Liz, C. M., & Andrade, A. (2016). Análise qualitativa dos motivos de adesão e desistência da musculação em academias. Revista Brasileira de Ciencias do Esporte, 38(3), 267–274. https://doi.org/10.1016/j.rbce.2015.11.005

De Quadros, T. M. B., Gordia, A. P., Martins, C. R., Silva, D. A. S., Ferrari, E. P., & Petroski, É. L. (2010). Imagem corporal em universitários: Associação com estado nutricional e sexo. Motriz. Revista de Educacao Fisica, 16(1), 78–85. https://doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n1p78

Dutra, B. S. C., Pagani, M. M., & Ragnini, M. P. (2012). Esteróides Anabolizantes: Uma Abordagem Teórica. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, 3(2), 21–39.

Faria, J. G. De, Cabral, S. A., Silva, T. V. da, & Miyamoto, C. A. (2015). Esteroides anabolizantes : Culto ao corpo e seus principais efeitos sobre o organismo . Revista Conexão Eletrônica, 12(1), 1–8.

Gomes, C. A. C., Fecury, A. A., Dendasck, C. V., Dias, C. A. G. de M., Moraes, J. S., Moreira, E. C. de M., Cruz Neto, M. S. da, Santos, D. L., Souza, K. O. da, Silva, I. R. da, Araújo, M. H. M. de, Pinheiro, M. da C. N., & Oliveira, E. de. (2020). Suplementação nutricional e sua associação com a saúde e a composição corporal de praticantes de musculação. Research, Society and Development, 9(9), e877997962. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7962

Goodman, & Gilman. (2012). As Bases Farmacológicas da Terapeutica de Goodman e Gilman.

Iriart, J. A. B., Chaves, J. C., & Orleans, R. G. de. (2009). Culto ao corpo e uso de anabolizantes entre praticantes de musculação. Cadernos de Saúde Pública, 25(4), 773–782. https://doi.org/10.1590/s0102-311x2009000400008

Maio, P. (2012). Manifestações cutâneas do uso de esteroides anabolizantes em atletas de alta competição. 3(4), 13–14.

Mateus, H. C. (2015). Fatores motivacionais e o uso de esteroides anabolizantes por homens praticantes de musculação em academias da região do grande pinheirinho no município de Criciúma , SC. 16p.

Rodrigues, A. L. de P., & Chaves, R. de F. (2016). Consumo de suplementos alimentares por praticantes de musculação em uma academia de Fortaleza-CE. RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 10(60), 597–602.

Sanchez, M. A., Brasil, J. M. M., & Ferreira, I. A. M. (2014). Benefícios de um programa de atividade física para a melhoria da qualidade de vida de idosos no estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 11(3). https://doi.org/10.5335/rbceh.2014.4528

Santos, N. D. O., Marques, V. G., Maihara, A., Rosana, G., Benute, G., Cristina, M., & Lucia, S. De. (2012). Vigorexia , Uso De Anabolizantes E a (Não) Procura Por Tratamento Psicológico: Relato De Experiência. Psicologia Hospitalar, 10(1), 2–15.

Santos, S. C., & Knijnik, J. D. (2009). Motivos de adesão à prática de atividade física na vida adulta intermediária. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, 5(1).

Silva, D., & Nunes, H. (2014). Imagem corporal e estágios de mudança de comportamento para atividade física em universitários. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 19(5). https://doi.org/10.12820/rbafs.v.19n5p597

Silva, R. S., & Ferreira, V. L. (2013). Avaliação Da Auto-Imagem Em Frequentadores De Academia No Interior Do Rio Grande Do Sul Resumo. Revista de Psicologia, 16(24), 23–30. https://revista.pgsskroton.com/index.php/renc/article/view/2452

Sobrinho, C. A., Rossi Junior, W. C., Corsini, W., Soares, E. A., & Esteves, A. (2020). Doses suprafisiológicas de esteroides anabolizantes e os efeitos no coração de ratos jovens sedentários: estudo morfométrico. Research, Society and Development, 9(11), e72091110079. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10079

Steffens, R. de A. K., Liz, C. M. de, Viana, M. da S., Brandt, R., Oliveira, L. G. A. de, & Andrade, A. (2011). Praticar caminhada melhora a qualidade do sono e os estados de humor em mulheres com síndrome da fibromialgia. Revista Dor, 12(4), 327–331. https://doi.org/10.1590/s1806-00132011000400008

Tavares Junior, A. C., & Planche, T. C. (2017). Motivos de Adesão de Mulheres a Prática de Exercícios Físicos em Academias. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, 8(1), 28. https://doi.org/10.17921/2176-9524.2016v8n1p28-32

Venâncio, D. P., Nóbrega, A. C. L. da, Tufik, S., & Mello, M. T. de. (2010). Avaliação descritiva sobre o uso de esteroides anabolizantes e seu efeito sobre as variáveis bioquímicas e neuroendócrinas em indivíduos que praticam exercício resistido. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 16(3), 191–195. https://doi.org/10.1590/s1517-86922010000300007

Westphal, G., Baruki, S. B. S., Mori, T. A. de, Montebello, M. I. de L., & Pazzianotto-Forti, E. M. (2020). Effects of Individualized Functional Training on the Physical Fitness of Women with Obesity. Lecturas: Educación Física y Deportes, 25(268), 61–75. https://doi.org/10.46642/efd.v25i268.2084

Zamai, C. A., Filocomo, M., & Rodrigues, A. A. (2015). Qualidade de Vida, Diversidade, Sustentabilidade (P. Editorial (org.)).

Published

28/05/2021

How to Cite

CHARAL, C. M. S. .; FREIRE, F. C. M. .; ALEXANDRINO, E. G. .; MARÇAL, D. F. da S. .; WESTPHAL, G.; BORIM, M. L. C. .; FAUNDEZ CASANOVA, C. .; CASTILHO, M. M. .; CARVALHO, R. S. de .; NARDO JUNIOR, N. .; VERMELHO, S. C. D. S. .; BORTOLOZZI, F. Use of anabolic steroids by gymgoers: Reasons and perspectives. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e22010615735, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15735. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15735. Acesso em: 14 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences