Development of deaf students addressing difficulties in the teaching process learning chemistry: The challenges of inclusion

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15796

Keywords:

Inclusive education; Challenge; Teaching; Chemistry teaching.

Abstract

Inclusive education has advanced in the Brazilian educational scenario and several measures have been taken, such as officializing LIBRAS as the second language of Brazil and the mother tongue of deaf people and opening enrollments of deaf students in regular schools, and these measures were crucial for the advancement of the intellectual and cognitive development of these individuals, however, over time some challenges have also arisen to be faced during the teaching - learning process, especially by teachers. With regard to teaching chemistry to deaf students, this challenge is greater due to the complexity of the theme. This work analyzes the advances that have occurred in Brazil, promoting inclusive education and the main challenges faced by chemistry teachers during the inclusion process. Thus, a theoretical approach was made, in which a search was carried out, in general, without any time limit, in order to obtain the largest number of published works on the topic discussed.

References

Bezerra, G. F. (2012) Enquanto não brotam as flores vivas: crítica à pedagogia da inclusão. 270f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Paranaíba.

Brasil. (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm.

Brasil. (2005). Decreto 5626, de 22 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a Lingua Brasileira de Sinais – Libras. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm

Brasil. (2008). Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

Brasil. (2006) Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Programa Educação Inclusiva: Programa Educação Inclusiva direito à diversidade. Brasília. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/orientador1.pdf.

Cidade, R. E., & Freitas, P. S. (1997). Noções sobre Educação Física e Esporte para Pessoas Portadoras de deficiência.

Charallo, T. G. C., Freitas, K. R., & Zara, R. A. (2018) Análise dos sinais de química existentes em Libras segundo a gestualidade. Experiências em Ensino de Ciências (EENCI). 13, 32-41.

Chassot, A. (2003). Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. (3a ed.), Unijuí.

Dainez, D. & Smolka, A. L. B. (2014). O conceito de compensação no diálogo de Vigotski com Adler:desenvolvimento humano, educação e deficiência. Educ. Pesqui, 40(4), 1093-1108. https://doi.org/10.1590/S1517-97022014071545.

Dizeu, L. C. T. B., & Caporali, S. A. (2005). A Língua de Sinais constituindo o surdo como sujeito. Educação & Sociedade, INEP. Censo escolar 2019. Notas estatisticas. 26 (91), 583-597.

Lacerda, C. B. F. (2006). A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cad. CEDES, 26 (69), 163-184. https://doi.org/10.1590/S0101-32622006000200004.

Mantoan, M. T. E. (2003). Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? Editora Moderna – Coleção Cotidiano Escolar.

Marilene, D., & Meyer, V. A. (2016) Os desafios da Escola Pública Paranaense na Perspectiva do Professor. Artigos. Vol. 1.

Michels, M. H. (2006) Gestão, formação docente e inclusão: eixos da reforma educacional brasileira que atribuem contornos à organização escolar. Revista Brasileira de Educação, 11 (33), 406- 426.

Monteiro, J. H. S. (2011). O ensino de biologia e química para alunos surdos no ensino médio da rede pública estadual de Fortaleza. 180 f. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências, Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática, Fortaleza.

Mori, N. N. R., & Sander, R. E. (2015). História da educação de surdos no Brasil. In: XIII Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Educação, 8. 2015, Maringá. Anais... Maringá: UEM, 1-16.

Muttão, M. D. R., & Lodi, A. C. B. (2018). Formação de professores e educação de surdos: revisão sistemática de teses e dissertações. Psicologia Escolar e Educacional, SP. Número Especial, 49-56.

Papa, F. V., Silvia A.G., & Zamor, A. V. (2015). CAPE: Núcleo de apoio pedagógico especializado. Boas Práticas na perspectiva da Educação Especial Inclusiva. Inclusão: uma mudança no olhar da comunidade escolar para a construção de uma escola melhor inclusiva, V. 1.

Paulon, S. M. (2005). Documento subsidiário da política de inclusão Simone Mainieri Paulon Lia Beatriz de Lucca. Freitas, Gerson Smiech Pinho – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 48p.

Piaget, J. (1998). A Psicologia da Criança. Bertrand Brasil.

Quadros, R. M., & Schmiedt, M. L. P. (2006). Ideias para ensinar português para alunos surdos. MEC, SEESP.

Quadros, R. M. (2012). Desafios na formação de profissionais na área da surdez - v 11 - D24 - Unesp/UNIVESP.

Sassaki, R. K. (1999). Inclusão: Construindo uma Sociedade para Todos. WVA.

Sacks, O. (2015). Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Companhia das Letras.

Santos, L. F., & Lacerda, C. B. F. (2015). Atuação do intérprete educacional: parceria com professores e autoria. Cadernos de Tradução, 35 (2), 505-533.

Schelles, S. (2008). A importância da linguagem não-verbal nas relações de liderança nas organizações. Revista Esfera, 1, 1-8.

Silva, C. M., & Silva, D. N. H. (2016). Libras na educação de surdos: o que dizem os profissionais da escola? Revista Psicologia Escolar e Educacional. 20 (1), 33 – 43.

Sousa, S. F., & Silveira, H. E. (2011). Terminologias Químicas em Libras: A Utilização de Sinais na Aprendizagem de Alunos Surdos. Química Nova na Escola, 33(1), 37-46.

Tedesco, J. R., & Junges, J. R. (2013). Desafios da prática do acolhimento de surdos na atenção primária. Cadernos de Saúde Pública, 29(8), 1685-1689.

Vigotski, L. S. (2000). A construção do pensamento e da linguagem. Martins Fontes.

Vigotski, L. S. (1997). Fundamentos de defectologia. In: Obras completas. Tomo V. Trad. de Maria del Carmen Ponce Fernandez. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 74 – 87.

Vigotski, L. S. (1993). Pensamento y Lenguage: las raices genéticas del pensamiento y el lenguage. Obras escogidas II. Centro de Publicações del MEC y Visor Distribuiciones, 91-118.

Published

04/06/2021

How to Cite

CAVALCANTE, V. G. .; SAMPAIO, C. de G. .; VASCONCELOS, A. K. P. .; BARROSO, M. C. da S. .; NASCIMENTO FILHO, V. T. do . Development of deaf students addressing difficulties in the teaching process learning chemistry: The challenges of inclusion. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e40310615796, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15796. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15796. Acesso em: 14 jun. 2021.

Issue

Section

Education Sciences