Policies for distance teacher education in Brazil: The structuring factors of Distance Education and the Open University of Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15870

Keywords:

Teaching; Teacher training; Distance education; UAB; Structuring factors.

Abstract

This paper discusses teacher training in Brazil through distance education, with the Open University of Brazil Program as its object of analysis. This is an excerpt from the 2019 doctoral thesis entitled: “the initial training of distance teachers in Brazil: the contours and trajectories of the Open University of Brazil System in the region of Triângulo Mineiro and Alto Paranaíba in the period from 2013 to 2018” . The research was supported by the dialectical historical materialism method, having as main sources the bibliographic research and the documentary analysis of documents from Capes, Ministry of Education, about the UAB Program. It was found that teacher training policies in Brazil were influenced by four central factors: international organizations, the neoliberal agenda, changes in the capitalist accumulation system and the advent of digital communication and information technologies, especially from the years 1990. In this scenario, legislation favorable to the introduction of distance education in the country and, subsequently, of the UAB, was created. Then there was a movement towards the privatist-mercantile training model with the participation of the private sector and the adoption by the State of the UAB Program as an important locus of teacher training in the country. It was noted that the State attributed to the UAB the need to adopt mechanisms to reduce costs and make work precarious, with the consequent massification of teacher training.

References

Antunes, R. 2002. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6.ed. São Paulo: Boitempo.

Batista. W. B. 2002. Educação a Distância: ampliar ou superar distâncias? (Tese Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Bauman, Z. 1990. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Brasil. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. 2017. Portaria nº 15, de 23 de janeiro de 2017. Altera a Portaria nº 183, de 21 de outubro de 2016, que regulamenta as diretrizes para concessão e pagamento de bolsas aos participantes da preparação e execução dos cursos e programas de formação superior, inicial e continuada no âmbito do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB). Brasília, DF: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. https://sead.ufba.br/portaria-no-15-da-capes.

Brasil. 1993. Lei 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Brasília, DF: Câmara dos Deputados.

Brasil. 2006. Lei nº 11.273, de 06 de fevereiro de 2006. Autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. Brasília, DF: Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11273.htm.

Brasil. 1964. Lei nº 4.320 de 17 de março de 1964. Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Câmara dos Deputados, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4320.htm.

Brasil. 1996. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996a. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

Carvalho, C. H. A.2013. A mercantilização da educação superior brasileira e as estratégias de mercado das instituições lucrativas. In: Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, 18 (54). http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v18n54/13.pdf. https://doi.org/10.1590/S1413-24782013000300013.

Castells, M.2003. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Comparato, F. K. 2013. O capitalismo pós-industrial. Revista Estudos do século XX, 1 (13). https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/36797/1/O%20Capitalismo%20Pos-Industrial.pdf.

Dalberio, M. C. B.2009. Neoliberalismo, políticas educacionais e a gestão democrática na escola pública de qualidade. São Paulo: Paulus.

Dourado, L. F.. Reforma do estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Revista Educação e Sociedade. Campinas, 23 ( 80) 234-252. http://www.scielo.br/pdf/es/v23n80/12931. https://doi.org/10.1590/S0101-73302002008000012.

Enguita, M. F.2008. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

Fidalgo, F. S. R. & Fidalgo, N. L. R. 2008. Trabalho docente, tecnologias e Educação a Distância: novos desafios. Revista extra-classe, Belo Horizonte, 1(1).

Freitas, H. C. L. 2007. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade, Campinas, 28 (100, Especial) 1203-1230. http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2628100. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300026.

Frigotto, G. 2010. A produtividade da escola improdutiva. 9a ed. São Paulo: Cortez.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Brasil). 2006. Resolução FNDE/CD nº 44, de 29 de dezembro de 2006. Estabelece orientações e diretrizes para a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes dos cursos e programas de formação superior, no âmbito do Sistema Universidade Aberta do Brasil. Brasília: Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. https://www.fnde.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/3119-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-44-de-29-de-dezembro-de-2006.

Gatti, B. A. 2004. Estudos quantitativos em educação. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, 30 (1) 11-30. https://doi.org/10.1590/S1517-97022004000100002.

Gatti, B. A.; Barreto, E. S. S. André. M. E. D. A. 2011. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: Unesco.

Gil, A. C. 2008. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6a ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, F. G. 2006. Conflito social e welfare state: estado e desenvolvimento social no Brasil. Revista de administração pública, Rio de Janeiro, 40 ( 2 ) 201-234. https://www.researchgate.net/publication/237745623_Conflito_social_e_welfare_state_Estado_e_desenvolvimento_social_no_Brasil. https://doi.org/10.1590/S0034-76122006000200003.

Gomide, D. C.2014. O materialismo histórico dialético como enfoque metodológico para pesquisas sobre políticas educacionais. In: Jornada do Histedbr 12 ; Seminário, 10. Caxias, Ma. Anais [...]. Caxias: CESC.

Harvey, David. 2008. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 17a ed. São Paulo: Edições Loyola.

Lacé, A. M. 2014. A Universidade Aberta do Brasil (UAB): das origens na ditadura militar ao século XXI. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília. Brasília - DF.

Levy, Pierre. 1999. Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Martins, T. B. 2014. As metamorfoses do trabalho docente na Universidade Aberta do Brasil. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.

Marx, K. & Engels, F. 1998. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fones.

Masson, G. 2009. Políticas de formação de professores: as influências do neopragmatismo da agenda pós-moderna. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis -SC.

Medeiros, S. 2010. Políticas de Educação a Distância na formação de professores da educação básica no Governo Lula da Silva (2003-2010): embates teóricos e políticos de um campo em disputa. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás. Goiânia.

Mészárros, I. 2008. A educação para além do capital. 2a ed. São Paulo: Boitempo.

Mill, D. R. S.; Oliveira, M. R. G.; Ribeiro, L. R. C.2010. Múltiplos enfoques sobre a polidocência na educação a distância. In: MILL, Daniel. Polidocência na educação a distância: múltiplos enfoques. São Carlos: Edufscar. https://doi.org/10.7476/9788576003632

Montaño, C. & Duriguetto, M. L. 2011..Estado, Classe e movimento social. São Paulo: Editora Cortez.

Nascimento, A. F. 2011. Educação a distância e fetichismo tecnológico: Estado e capital no projeto de ensino superior no Brasil. 2011. Tese de Doutorado – Centro de Ciências Sociais, Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Nogueira, E. S. 2003. Políticas de formação de professores: a formação cindida. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

Santos Neto, V. B. (2019). A formação inicial de professores a distância no Brasil: os contornos e trajetórias do Sistema Universidade Aberta do Brasil na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba no período de 2013 a 2018. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Educação, Uberlândia.

Santos Neto, V. B.; Mill, D. R. S. 2018. Intensificação do trabalho docente e tecnologias digitais em pesquisas sobre educação no Brasil. Revista Emrede. Rio Grande, 5 ( 1) 123 – 136. https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/289.

Santos Neto, V. B.; Silva, T. S.; Borges, M. C. 2019. Educação a distância e agenda neoliberal: a privatização da formação de professores no estado de Minas Gerais. In: MIRANDA, Pedro Fauth Manhães. Análise e Financiamentos das Políticas Públicas. Ponta Grossa: Atena editora (recurso eletrônico). https://doi.org/10.22533/at.ed.5971905

Santos, C. A. 2008. A expansão da educação superior rumo à expansão do capital: interfaces com a Educação a Distância. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Santos, Milton. 2000. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Editora Record.

Sguissardi, V. 2015. Educação superior no Brasil: democratização ou massificação mercantil? Educação e Sociedade, Campinas, 36 (133) 867 – 889. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015155688.

Sguissardi, V. 2008. Modelo de expansão da educação superior no Brasil: predomínio privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Educação e Sociedade, Campinas, 29 (105) 991-1022. http://www.cedes.unicamp.br. https://doi.org/10.1590/S0101-73302008000400004.

Silva, S. A. 2011. Educação à Distância e Universidade Aberta do Brasil: quando a mercantilização do ensino e a precarização da docência alcançam um novo ápice? (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Solio, M. B.2011. Colaborador: conceito e preconceito. Abracorp – redes sociais comunicação, organização. São Paulo.

Triviños, A. N. S. 1987. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vaz, B. R. G. 2016. A Educação a distância no Brasil e a reconfiguração da identidade do professorado. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas. Pelotas.

Vesce, G. E. P. 2012. Políticas de educação superior a distância e os pressupostos para formação de professores. 2012. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Vieira, F. M. S. 2009. A formação inicial de professores on-line: possibilidades, contradições e desafios - 2000-2005. (Tese de Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Wellen, H. A. R. 2011. Neoliberalismo, reforma do estado e o público-não-estatal: novos contornos entre o público e o privado. Revista Século XXI, Santa Maria, 1(2) 95-114.

Published

04/06/2021

How to Cite

SANTOS NETO, V. B. dos. Policies for distance teacher education in Brazil: The structuring factors of Distance Education and the Open University of Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e43010615870, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15870. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15870. Acesso em: 20 jun. 2021.

Issue

Section

Education Sciences