The training of Nursing academics in the Amazon context: the black and quilombola populations

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18505

Keywords:

Black Population and Quilombola; Nursing; College Education; Teaching.

Abstract

In this article, the objective is to reflect on the training of nursing students from Higher Education Institutions (HEIs) in the western region of Pará with regard to comprehensive health care for black/quilombola populations. It is a descriptive research with a qualitative approach. The study participants were nursing professors and academics from two HEIs in Santarém-PA. Individual interviews were conducted and the IRAMUTEQ software was used to assess the speeches, through the Descending Hierarchical Classification tool, for qualitative and quantitative assessment. It was found that both professors and academics have basic knowledge about the National Policy for Comprehensive Health of the Black Population (PNSIPN) and about the peculiarities of this population's way of life. It was also found that HEIs still have difficulty in putting into practice the proposal of the Pedagogical Course Project (PPC), which is a pedagogical planning and evaluation tool that guides the curricular guidelines of nursing courses.

Author Biographies

Alda Lima Lemos, Universidade do Estado do Pará

Mestre em Ensino em Saúde na Amazônia e docente do Curso de Enfermagem da Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Ana Caroline Guedes Souza Martins, Universidade do Estado do Pará

Mestre em Ensino em Saúde na Amazônia e docente do Curso de Enfermagem da Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Mary Glaucy Brito Chianca Neves, Universidade Federal do Oeste do Pará

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA, graduada em Terapia Ocupacional pela UEPA.

Rebeka Santos da Fonseca, Universidade do Estado do Pará

Enfermeira graduada pela Universidade do Estado do Pará, atuante no município de Rurópolis, Pará, Brasil.

Aldine Cecília Lima Coelho, Universidade Federal do Oeste do Pará

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Natureza e Desenvolvimento (PPGSND/UFOPA), Pará, Brasil.

Edna Ferreira Coelho Galvão, Universidade do Estado do Pará

Docente do Programa de Pós-Graduação Ensino em Saúde na Amazônia, Universidade do Estado do Pará, Belém, Pará, Brasil. (Orientadora).

References

Bagata, L. C. B. (2018). Cuidado em Saúde de mulheres ribeirinhas: relação de saber e de poder no interior da Amazônia. Santarém, PA. Orientador: Edna Ferreira Coelho Galvão. 112f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Sociedade) - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Sociedade, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém.

Brito, L. F. et al. (2020). O nome da cor: a percepção do preconceito racial verbal pela pessoa negra e não negra. Amazônia: Science & Health, 5(2), 15-24.

Batista, L. E., Werneck, J. & Lopes, F. (2012). Saúde da população. 2. ed. - Brasília, DF: ABPN – Associação Brasileira de Pesquisadores Negros.

Boccolini, C. S. et al. (2016). Fatores associados à discriminação percebida nos serviços de saúde do Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, 21, 371-8.

Brasil. (2001). Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES Nº 5, de 7 de novembro de 2001.

Brasil. (2009). Portaria Nº 992, de 13 de maio de 2009. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Brasília, DF, maio.

Brasil. (2017). Resolução Nº 16, de 30 de março de 2017. III Plano Operativo (2017- 2019) da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN) no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, DF, mar.

Chehuen Neto, J. A. et al. (2015). Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: implementação, conhecimento e aspectos socioeconômicos sob a perspectiva desse segmento populacional. Ciencia & saude coletiva, 20, 1909-1916.

De Faria, M. A. & Da Silva, A. J. (2016). A educação das relações étnico-raciais na formação em gestão de serviços de saúde. Revista Brasileira de Ensino Superior, 2(1), 34-40.

Ganassin, F. M. H. Avaliação do processo de implementação de mudança curricular de cursos de enfermagem: um estudo em duas universidades públicas do estado de Mato Grosso do Sul. 2015. 254 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP.

Magalhães, S. M. F. et al. (2017). Educação em Enfermagem: conceituando projeto pedagógico na visão de professores. Acta Paulista de Enfermagem, 30(3), 247-253.

Matos, C. C. & Tourinho F. S. (2018). Saúde da População Negra: percepção de residentes e preceptores de Saúde da Família e Medicina de Família e Comunidade. Revista Brasileira de Medicina Família e Comunidade. 13 (40), 1-12.

Mendes, V. S., Costa, C. S.& Ribeiro, R. L. R. (2017). Racismo Biológico e suas implicações no ensinar-cuidar a saúde da população negra. Revista da ABPN, 7 (16), coed, 190-213.

Minayo, M. C. de S. & Deslandes, S. F. (2008). Caminhos do pensamento: epistemologia e método. SciELO-Editora FIOCRUZ.

Moraes, B. A. & Costa, N. M. S. C. (2016). Compreendendo os currículos à luz dos norteadores da formação em saúde no Brasil. Rev. Enferm. USP, v. 50, n. esp., 9-16.

Keller-Franco, E., Kuntze, T. D. D. & Costa, L. S. (2012). Inovação curricular na formação dos profissionais da saúde. Revista e-Curriculum, 9 (2).

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [free e-book]. Santa Maria/RS. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Peres, C. R. F. B. et al. (2018). Um olhar dialético para as mudanças curriculares na formação do enfermeiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 52, e03397e03397.2018l.

Pinheiro, C. W. et al. (2015). O cuidado das amas-de-leite e o protagonismo do negro na história da enfermagem: uma luta por equidade. Hist. Enferm. Rev. eletrônica, 6 (1), 124-34.

Reinert, M. (1990). Alceste une méthodologie d'analyse des données textuelles et une application: Aurelia De Gerard De Nerval. Bulletin of Sociological Methodology/ Bulletin de Méthodologie Sociologique, 26 (1), 24-54.

Santana, R. A. R. et al. (2019). A equidade racial e a educação das relações étnico-raciais nos cursos de Saúde. Interface (Botucatu). 23, e170039.

Santos, R.G.; Tocantins, F.R. (2015). Equidade na assistência primária a saúde da população negra: revisão integrativa. Rev. Enferm. UFPE on line., Recife, 9, supl. 3, 7695-701.

Silva, V. O. & Santana, P. M. M. A. (2015). Conteúdos curriculares e o Sistema Único de Saúde (SUS): categorias analíticas, lacunas e desafios; Interface (Botucatu), 19 (52), 121-132. DOI: 10.1590/1807-57622014.0017.

Soares, L. F. et al. (2020). Aspectos socioeconômicos e de condições de saúde em populações quilombolas no estado do Piauí, Brasil. Research, Society and Development, 9 (2), e73922091-e73922091.

Souza, M. A. R. et al. (2018). O uso do software IRAMUTEQ na análise de dados em pesquisas qualitativas. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, 52, e03353.

Spessoto, L. R. M. M., Real, M. C. G. & Bagnato, S. H. M. (2012). A percepção de egressos sobre as transformações curriculares ocorridas no curso de graduação em enfermagem. ETD – Educ. temat. digit. Campinas, SP 14 (2), 275-289 jul./dez. ISSN 1676-2592.

Published

07/08/2021

How to Cite

LEMOS, A. L.; MARTINS, A. C. G. S.; NEVES, M. G. B. C.; FONSECA, R. S. da; COELHO, A. C. L.; GALVÃO, E. F. C. The training of Nursing academics in the Amazon context: the black and quilombola populations. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e150101018505, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18505. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18505. Acesso em: 20 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences