Food as a human right: ethical and bioethical perspectives

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18677

Keywords:

Food security; Human dignity; Ethics; Bioethics.

Abstract

The search for development goes through human dignity, in what is essential to man, food, being necessary to think of new forms and productive processes that consider nature as an essential good. Thinking about sustainability is thinking about a more equitable and egalitarian society, ensuring healthier and more dignified ways of life. Thus, the research aimed to understand the dimensions involved in what is essential to human beings, the act of eating, reflecting on the means of production and consumption considering the capitalist-based economy. The work was developed through bibliographic methodology, using scientific articles, data from research institutes and social organizations, as well as laws and guidelines on the theme, food security. As a result, the research confirmed that, despite the current legislation, treaties, and national and international agreements, the problem of hunger remains a very present reality, and effective actions are needed from society and the state to make food an inalienable human right.

Author Biographies

Elaine de Oliveira Zanini, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

PhD candidate in Sustainable Rural Development at UNIOESTE - PR (2020). Master in Regional Development and Agribusiness at UNIOESTE - PR (2016), Postgraduate in Software Engineering with emphasis on Software Testing at UNIVEL (2012). Postgraduate in Information Technology Management at UTFPR (2009). Graduated in Computer Science by UNIPAN (2007). Currently she teaches in the courses of Information Systems, Software Engineering and Accounting, EAD tutor and coordinator of the
EAD tutor and coordinator of the end of course works of Software Engineering, Information Systems, Accounting Sciences of Tech Magazine at Assis Gurgacz University Center (FAG).
Gurgacz University Center (FAG).

Simone Cesario Soares, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Master's student in the Stricto-Senso Graduate Program in Sustainable Rural Development at UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Graduated in Philosophy (bachelor and licentiate) at UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Degree in Art from Claretiano University Center. Pedagogue from FACVEST University Center. Specialist in Spanish Language, by the Cascavel Applied Sciences College, UNIPAN. Specialist in School Management, by the University of the City of São Paulo. Specialist in Art Education, by UNIVALE - Integrated Colleges of Vale do Ívai. Specialization in Modern Education: Methodologies, Trends, and Focus on the Student, PUC/RS. Effective teacher in the State Education Network of Paraná State - SEED in the disciplines of Philosophy and Art in Elementary and Secondary Education in the State Education Network of Paraná.

Alvori Ahlert, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Post-Doctorate in Education, Doctor in Theology (Area: Religion and Education), Master in Science Education (Philosophy Area). Associate Professor at the Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, in the Postgraduate Program in Sustainable Rural Development - PPG-DRS. Researcher in the Research Line Teacher Formation, of the Extension and Research Group in School Physical Education - GEPEFE; of the Interdisciplinary and Interinstitutional Group of Research and Extension in Sustainable Development - GIIPEDES (Unioeste); and of the Research Group of Economy of Religion, of the Socioeconomic Studies Center (UEM).

References

Ahlert, A. (2007). Ética y Derechos Humanos: principios educacionales para una sociedad democrática. Polis [En línea], 16.

Almeida, L.M. M. C. (2007). Public policies and food security and family farming networks: contributions to the construction of effectiveness indicators.

Altieri, M. (2004). Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. (2. ed.). Editora da UFRGS.

Belik, W. (2003). Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003; 12(1):12-20.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. (2019). Lei nº 13.844, de 18 de junho de 2019. Brasília, DF: Presidência da República, 2020a.

Brasil. (2019). Agroecológico. Em 7 anos, triplica o número de produtores orgânicos caastrados no Ministério da Agricultura.

Carneiro, F. F. & Augusto, L. G. S. & Rigotto, R. M. & Friedrich, K. & Búrgo, A.C. (2015). Dossiê ABRASO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Vol. 1. São Paulo: Expressão Popular.

Cassal, V. B.; Azevedo, L. F. de; Ferreira, R. P.; Silva, D. G. & Simão, R. S. (2014). Agrotóxicos: uma revisão de suas consequências para a saúde pública. http://dx.doi.org/10.5902/2236117012498 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental - REGET e-ISSN 2236 1170 - V. 18 n. 1 Abr 2014, p.437-445

CEPAL (2020). Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. América Latina y el Caribe ante la pandemia del COVID-19: efectos económicos y sociales.

CONAB (2020). Companhia Nacional de Abastecimento. Safra 2019/2020. Brasília.

CONSEA (2017). Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Segurança Alimentar e Nutricional e Soberania Alimentar.

Chomsky, N. (2017). Quem manda no mundo? Tradução de Renato Marques. Planeta, 400 p.

DIEESE (2020). Departamento Intersindical de Estatística e Estudos socioeconômicos. Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos Tomada especial de preços de agosto de 2020.

FAO (1996). Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - Declaração de Roma sobre a segurança alimentar mundial e plano de ação da cimeira mundial da alimentação - Roma.

FAO (2017). Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. América Latina E No Caribe. Panorama Da Segurança Alimentar E Nutricional: Sistemas alimentares sustentáveis para acabar com a fome e a e a má nutrição.

FAO (2017). Organization des Nations Unies puor I’alimentation et I’ agriculture. L'état de la sécurité alimentaire et de la nutrition dans le monde.

FAO (2018). Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Panorama de la Seguridad Alimentaria y Nutricional: En América Latina Y El Caribe. Desigualdad Y Sistemas.

FAO (2020). Sistemas Alimentarios y COVID-19 en América Latina y el Caribe. N° 3: riesgos que amenazan el comercio internacional.

Garcia, M. (2004). Limites da ciência: dignidade da pessoa humana, ética da responsabilidade. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. (5. ed.). Atlas.

Hoffmann, R. (1994). A insegurança alimentar no Brasil. Revista Cadernos de Debate - UNICAMP, v. 2, p. 1-11.

IBGE (2020). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. PNAD Contínua 2019: rendimento do 1% que ganha mais equivale a 33,7 vezes o da metade da população que ganha menos.

IBGE (2020). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Desemprego chega a 13,8% no trimestre encerrado em julho, maior taxa desde 2012.

Kant, E. (2007). Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução: Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70.

Lemos, P. F. I. (2014). Resíduos sólidos e responsabilidade civil pós-consumo. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Machado, P. P & Oliveira, N. R & Mendes, Á. N. (2016). O indigesto sistema do alimento mercadoria. Saúde Soc. São Paulo, 25(2), p.505-515, 2016 505. DOI 10.1590/S0104-12902016151741

MAPA (2019). Ministério da Agricultura, Planejamento e Abastecimento. Alimentos orgânicos renderam R$ 4 bilhões a produtores brasileiros em 2018.

Martinelli, S. S. & Cavalli, S. B. (2019). Alimentação saudável e sustentável: uma revisão narrativa sobre desafios e perspectivas. Ciênc. Saúde Coletiva. 24(11). Rio de Janeiro.

MERCOSUL (2020). Mercado Comum do Sul. Comunicado conjunto de los presidentes de los Estados Partes del MERCOSUR y Estados Asociados.

MERCOSUL (2020). Mercado Comum do Sul. Comunicado conjunto de los Presidentes de los Estados Partes del MERCOSUR. 2020a.

Pansieri, F. (2016). Crítica de Amartya Sen à Concepção Rawlsiana de Justiça. Sequência (Florianópolis) [online]. 2016, n.74, pp.181-206. ISSN 2177-7055. https://doi.org/10.5007/2177-7055.2016v37n74p181.

Pereira, M. P. & Oliveira, N. R. & Mendes, A. N. (2016). O indigesto sistema do alimento mercadoria. Saúde soc. [online]. 2016, 25(2), 505-515. ISSN 1984-0470. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902016151741.

Peres, F. M. (2003). Agrotóxicos, saúde e ambiente: uma introdução ao tema, pp. 21 - 41. In F Peres & JC Moreira (orgs.). É veneno ou é remédio? Agrotóxicos, saúde e ambiente. Fiocruz, Rio de Janeiro.

Pessini, L. (2013). As origens da bioética: do credo bioético de Potter ao imperativo bioético de Fritz Jahr. Rev bioét (Impr.) 2013; 21 (1): 9-19.

PLANSAN (2011). Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional 2012 -2015. Brasília.

PLANSAN (2017). Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: PLANSAN 2016 - 2019. Brasília.

PLANSAN (2018). II Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: PLANSAN 2016 – 2019. Revisado, Brasília.

Poulain, J. P. (2004). Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Florianópolis: UFSC.

Rosendo, D. & Kuhnen, T. A. (2019). Direito à Alimentação: direito, consumo, política e ética no Brasil. Novos Estudos Jurídicos. UNIVALI. Doi: 10.14210/nej.v24n2.p562-588

Ribeiro, C. S. G & Pilla, M. C. B. A. (2014). Segurança alimentar e nutricional: interfaces e diminuição de desigualdades sociais. Demetra: alimentação, nutrição & saúde. Demetra; 2014; 9(1); 41-52DOI: 10.12957/demetra.2014.664

Sá, M. A. & Gonçalves, E. B. & Souza, V. A. B. & Lapolli, É. M. (2014). Produtores orgânicos e a sustentabilidade. Revista Brasileira de Agroecologia Rev. Bras. de Agroecologia. 9(2): 84-97 (2014) ISSN: 1980-9735

Sarlet, I. W. (2007). Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição de 1988. Livraria do Advogado.

Sen, A. (2011). A Ideia de Justiça. São Paulo: Companhia das Letras.

Sloan, D. (2005). Gastronomia, restaurantes e comportamento do consumidor. Barueri: Manole.

Silvério, F. O. ; Silva, J. G. S.; Aguiar, M. C. S.; Cacique, A. P. & Pinho, G. P. (2012) Análise de agrotóxicos em água usando extração líquido-líquido com partição em baixa temperatura por cromatografia líquida de alta eficiência. Química Nova, 35(10), 2052-2056.

Soares, C. S.; Roesler, R. v. B. & Signor, A. (2020). Políticas Públicas: juventude brasileira e o direito a sustentabilidade Ambiental. Environmental Scientiae, 2(2), 25-38, 2020. DOI: http://doi.org/10.6008/CBPC2674-6492.2020.002.0003

SOFI (2020). Relatório State of Food Security and Nutrition in the World 2020.

Stopelli, I. M. S. & Magalhães, C. P. (2005). Saúde e segurança alimentar: a questão dos agrotóxicos. Ciência e Saúde Coletiva, 10(sup): 91-100.

Westphal, E. R. (2006). Bioética. São Leopoldo. Sinodal.

Published

06/08/2021

How to Cite

ZANINI, E. de O. .; SOARES, S. C. .; AHLERT, A. Food as a human right: ethical and bioethical perspectives. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e100101018677, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18677. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18677. Acesso em: 3 dec. 2021.

Issue

Section

Review Article