The Brazilian Sign Language: overview, limits and perspectives about its insertion as a communication mechanism for the deaf in school and society

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18884

Keywords:

LIBRAS; Inclusion; School; Society.

Abstract

This present work presents a general view on the inclusion of the Brazilian Sign Language in public schools and society as an instrument of communication of the deaf, whether among the deaf community itself or between deaf and hearing people. The Brazilian Sign Language, without a doubt, is a great achievement by the deaf with regard to their emancipation as a subject of rights situated in a historical and social context. The school is legitimizing both inclusion and the opposite process, and society walks together in this itinerary as a space for struggles and also for great achievements. In this sense, it is point out some legal aspects about sign language, its role as a public policy for the deaf and its situational framework in the Brazilian context as a sign of progress, but also of large gaps that still need to be filled in order for the it reaches its effectiveness in educational and training spaces. Thus, progress could be verified in relation to entering the deaf in school and improvements such as the training of professionals, presence of interpreters and affirmation of existing legislation regarding this cause, however, there is still much to be done, and for this, it is necessary the due attention of public policies to consolidate the Brazilian sign language as a communication and interaction mechanism for the deaf with the school and society.

Author Biographies

Gerson Avelino Fernandes Pereira, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Pedagogo no IFNMG - Campus Araçuaí

Ana Maria Soek, Universidade Federal do Paraná; Faculdade Educacional da Lapa

Professora do Mestrado Profissional na UFPR e Professora Coordenadora e Orientadora na pós-graduação na FAEL

References

Aguiar, E. P., & Campos, W. de S. S. Educação Inclusiva: Dissonâncias entre teoria e prática. Website do SILO. TIPS. https://silo.tips/download/educaao-inclusiva-dissonancias-entre-teoria-e-pratica-inclusive-education-disson

Camargo, E. P. de. (2017). Inclusão social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. Ciênc. Educ., 23 (1), 1-6. https://www.scielo.br/j/ciedu/a/HN3hD6w466F9LdcZqHhMmVq/?format=pdf&lang=pt

Carvalho, C. D., & Rafaeli, Y. M. (2003). A língua de sinais e a escrita – possibilidades de se dizer, para o surdo. Estilos da Clínica, 8 (14), 60-67. http://www.revistas.usp.br/estic/article/download/61169/64145

Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de outubro de 1988. (1988). Brasília.

Declaração de Salamanca. (1994). Sobre os princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

Decreto n. 5626, de 22 de dezembro de 2005. (2005). Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais –

LIBRAS, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF.

Freire, P. (2003). Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a. ed.). São Paulo: Atlas.

Lei n. 10436, de 24 de abril de 2002. (2002). Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e dá outras providências. Brasília, DF.

Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF.

Libâneo, J. C. (2013). Didática. (2a ed.). São Paulo: Cortez.

Luckesi, C.C. (2011). Filosofia da educação. (3a ed). São Paulo: Cortez.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Mantoan, M. T. E. (2003). Inclusão escolar: o que é? por quê? Como fazer?. São Paulo: Moderna.

Marx, K. (2011). O 18 Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo.

Melo, B. R. de., Rabelo, D. B., & Lírio, L. M. (2011). O curso de LIBRAS na atualidade: a importância do “CAS” nesse movimento.

http://inseer.ibict.br/betrl/index.php/betrl/article/view/76/92

Morin, E. (2015). Introdução ao pensamento complexo. (5a ed.). Porto Alegre: Sulina.

Peixoto, R. C. (2006). Algumas considerações sobre a interface entre a língua brasileira de sinais (libras) e a língua portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda. Cadernos Cedes, 26 (69), 205-229. https://www.scielo.br/j/ccedes/a/XRLzhSvHfY6zB6JrL4DWJsF/?format=pdf&lang=pt

Perlin, G., & Strobel, K. (2008). Fundamentos da educação de surdos. Portal LIBRAS UFSC. http://www.LIBRAS.ufsc.br/colecaoLetrasLIBRAS/eixoFormacaoEspecifica/fundamentosDaEducacaoDeSurdos/assets/279/TEXTO_BASE-Fundamentos_Educ_Surdos.pdf

Quadros. R. M. de. (2003). Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão. Ponto de vista, (50), 81-111. https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/download/1246/3850/14460

Rijo, M. G. de Q. (2009). A inclusão de alunos surdos nas escolas públicas de Passo Fundo. Trabalho de Conclusão de Curso. IFMT. Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Saviani, D. (1983). Educação: do senso comum à consciência filosófica. (3a ed.). São Paulo: Cortez.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. (23a ed.). São Paulo: Cortez.

Silva, C. M. da. (2009). Políticas públicas para educação de surdos no estado do Pernambuco. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade Santa Helena. Recife, Pernambuco, Brasil.

Uzan, A. J. S., Oliveira, M. do R. T., & Leon, Í. O. R. (2008). Importância da Língua Brasileira de Sinais – (LIBRAS) como língua materna no contexto da escola do ensino fundamental. Website do XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VIII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba. http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2008/anais/arquivosINIC/INIC1396_01_A.pdf

Published

12/08/2021

How to Cite

PEREIRA, G. A. F.; SOEK, A. M. . The Brazilian Sign Language: overview, limits and perspectives about its insertion as a communication mechanism for the deaf in school and society . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e337101018884, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18884. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18884. Acesso em: 18 oct. 2021.

Issue

Section

Education Sciences