Occupational performance of diagnosed teens with conduct disorder of the psychosocial care center for children and adolescents

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20430

Keywords:

Conduct disorder; Mental Health; Occupational performance.

Abstract

Social participation is a complex phenomenon that needs further studies and critical discussions within the scientific scenario of Mental Health Care for children and adolescents, thus, it is understood that this study contributes to the advancement of knowledge in relation to adolescents with conduct disorder in relation to their social participation. The study aims to verify the main changes in occupational performance with regard to the social participation of adolescents with conduct disorder at a Psychosocial Care Center for Children and Youth in Northeastern Brazil. This is a cross-sectional qualitative study. For its development, a semi-structured questionnaire was used, which is concerned with investigating three major poles of social participation of these adolescents, which would be: the family group, the community and the school. The questionnaire was applied to parents or guardians of adolescents with conduct disorder. The results showed that there was a significant change in occupational performance with regard to the social participation of the participants in this study, demonstrating that health professionals need to understand the importance of social participation in CAPSis with these young people, their families and the community to minimize the suffering of this clientele and their families, favoring social inclusion and reducing society's prejudice towards these children and adolescents.

Author Biographies

Lucas Lima de Medeiros, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira

Terapeuta Ocupacional, Residente de Saúde Mental - IMIP

Maria Luiza Morais Regis Bezerra Ary, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Terapeuta Ocupacional, Docente da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL 

Adriana Reis de Barros , Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Terapeuta Ocupacional, Docente da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL 

References

Agostini, V., & Santos, W. (2017) Transtorno desafiador de oposição e suas comorbidades: um desafio da infância à adolescência. Psicologia.pt (online). https://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?transtorno-desafiador-de-oposicao-e-suas-comorbidades-um-desafio-da-infancia-aadolescenc ia&codig o=A1 17 5&area=d5

Almeida, L. (2013). Análise funcional em um estudo de caso de transtorno desafiador de oposição e transtorno de conduta. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, 5(2), 15-35.

Alves, Z. & Silva, M. (1992). Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia, (2).

American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and Statistical Manual: Conduct Disorder.

AOTA. (2015). Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo (3a ed.), Rev Ter Ocup Univ São Paulo, 26 (edição especial), 1-49.

Aranha, M (2000). Inclusão Social. In: E. J. Manzini (Org.) Educação Especial: Temas Atuais. Unesp. Marília-Publicações.

Araújo, F. et al. (2017). A afetividade na relação familia e escola: reflexões sobre o processo de ensino e aprendizagem. In Anais Eletrônicos do IV Congresso Nacional da Educação, João Pessoa – PB. 2017. https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV07 3_MD1_SA18_ID770_19092017003741.pdf.

Barletta, J. (2011). Avaliação e intervenção psicoterapêutica nos transtornos disruptivos: algumas reflexões. Rev. bras. ter. cogn., 7 (2), 25-31.

Bordin, I. & Offord, D. (2000). Transtorno da conduta e comportamento anti-social. Revista Brasileira de Psiquiatria. 22(2), 12-5.

Chapparo, C. & Ranka, J. (1997). The Occupational Performance Model (Australia): A description of constructs and structure. Sidney, Australia: The University of Sidney, 1-22.

Codea, J. & Beresford, H. (2004). O adolescente com transtorno de conduta: um estudo filosófico no âmbito da psicologia educacional e esportiva. Psicologia Escolar e Educacional, 8(1), 67-74.

Dias, L. Considerações acerca do transtorno de conduta. (2012). Monografia (Especialização em psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Diehl, A.A. & Tatim, D.C. (2004). Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. Pearson Prentice Hall.

Fehr, B. (1996). Friendship processes. Sage.

Fernandes, K. & Zanelli, J. (2006). O processo de construção e reconstrução das identidades dos indivíduos nas organizações. Rev. adm. contemp., 10(1), 55-72.

Fernandes, M. E. (1991). Memória Camponesa. Anais da 21ª Reunião Anual de Psicologia, SPRP.

Ferriolli, S., Marturano, E. & Puntel, L. (2007). Contexto familiar e problemas de saúde mental infantil no Programa Saúde da Família. Rev Saúde Pública, 41(2) 251-259.

Leitão, S., Fortunato, G. & Freitas, A. (2006). Relacionamentos interpessoais e emoções nas organizações: uma visão biológica. RAP, 40(5), 883-907.

Machado, J., Caye, A., Frick, P. & Rohde, L. (2015). Principais mudanças nos transtornos de crianças e adolescentes. In: Silva, F. Tratado de Saúde Mental da Infância e Adolescência da IACAPAP(p. 1-23).

Maluf, A. (2010). Novas modalidades de família na pós-modernidade. São Paulo: Atlas.

Melo, D. et al (2016). Transtorno de conduta: influência de fatores psicofisiológicos e socioambientais na personalidade de menores no envolvimento de atos infracionais. Psicologia.pt (online). https://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0394.pdf.

Mello, E. & Teixeira, A. (2012). A interação social descrita por Vigotski e a sua possível ligação com a aprendizagem colaborativa através das tecnologias de rede. In Anais Eletrônicos do IX Seminário de pesquisa em Educação da Região Sul, UFRGS. http://www.ucs.br/etc/com ferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/6/871

Oliveira, S. et al. (2013). Discussões sobre o conceito de comunidade relacionado à atuação do enfermeiro: relato de experiência. av.enferm, 31(1), 133-140.

Papalia, D., Olds, S. & Fedman, R. D. (2006). Desenvolvimento Físico e Cognitvo na Terceira Infância. (8a ed.), Artmed.

Pinheiro, M., et al. (2004). Transtorno Desafiador de Oposição: uma revisão de correlatos neurobiológicos e ambientais, comorbidades, tratamento e prognóstico. Rev. Bras. Psiquiatr. 26((4), 273-6.

Santos, T. C. V., Ary, M. L. & Calheiros, D. S. (2021). Vínculos familiares dos idosos institucionalizados. Research, Society and Development 10(12), e194101220246.

Silva, A. (2008). Mentes Perigosas: o psicopata mora ao lado. Fontanar.

Souza, M. A., Lins, A. E., Acácio, M., Costa, L. F., & Ary, M.L. (2021). Fatores associados ao comportamento autolesivo em adolescentes atendidos em um Centro de Atenção Psicossocial do Nordeste do Brasil. Research, Society and Development, 10 (11), e518101119744. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19744

Squillaci, M. & Benoit, V. (2021). Papel de Traços Calosos e Não Emocionais (CU) no Desenvolvimento de Jovens com Transtornos Comportamentais: Uma Revisão Sistemática. Int. J. Environ. Res. Public Health, 18, 4712. https://doi.org/10.3390/ijerph18094712

Wieczorkievick, A. & Baade, J. (2020). Família e escola como instituições sociais fundamentais no processo de socialização e preparação para a vivência em sociedade. Revista Educação Pública, 20(20). https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/20/19/familia-e-escola-como-instituicoes-sociais-fundamentais-no-processo-de-socializacao-e-preparacao-para-a-vivencia-em-sociedade

Published

22/09/2021

How to Cite

MEDEIROS, L. L. de .; ARY, M. L. M. R. B. .; BARROS , A. R. de. Occupational performance of diagnosed teens with conduct disorder of the psychosocial care center for children and adolescents. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e301101220430, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20430. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20430. Acesso em: 29 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences